Carregando...
JusBrasil
01 de julho de 2015

Página 1 de 2.516.689 20.953 2.067 1.171.674 1.309.747 14.013 86 resultados para "ATIVIDADES FINS DA EMPRESA" em Notícias em Artigos em Jurisprudência em Diários em Legislação em Modelos e peças

TST - RECURSO DE REVISTA RR 7761006920095090872 776100-69.2009.5.09.0872 (TST)

Data de publicação: 04/05/2012

Ementa: RECURSO DE REVISTA DA BRASIL TELECOM. LICITUDE DA TERCEIRIZAÇÃO. ART. 94 DA LEI N.º 9.472 /97. ATUAÇÃO EM ATIVIDADES-FINS DA EMPRESA. A interpretação sistemática dos arts. 25 da Lei n.º 8.987 /95 e 94 , II , da Lei n.º 9.472 /97 com os princípios constitucionais que norteiam o Direito do Trabalho não autoriza concluir que o legislador ordinário conferiu às empresas de telecomunicações a possibilidade de terceirização ampla e irrestrita, inclusive quanto às suas atividades-fim. Dessarte, as referidas empresas encontram-se igualmente sujeitas às diretrizes insertas na Súmula n.º 331, I e III, deste Tribunal Superior, que somente considera lícita a terceirização no caso de trabalho temporário, serviços de vigilância, conservação e limpeza e outros especializados, ligados à atividade-meio do tomador, desde que inexistentes a pessoalidade e a subordinação direta. Tal entendimento permanece firme, mesmo após as discussões encetadas por ocasião da audiência pública sobre o assunto. Tendo o Regional verificado a existência de terceirização de atividade-fim da Reclamada, nos termos do disposto no item I da Súmula n.º 331 desta Corte, não se conhece do Recurso de Revista, pela aplicação do art. 896 , § 4.º , da CLT . HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS. REQUISITOS. PREENCHIMENTO. SÚMULA N.º 219 DO TST. PROVIMENTO. Na Justiça do Trabalho, os honorários advocatícios são disciplinados por legislação própria, ficando a sua percepção condicionada ao preenchimento das exigências contidas no art. 14 da Lei n.º 5.584 /70. Estando o Reclamante assistido por advogado particular, não se verifica o correto preenchimento dos requisitos em questão, sendo indevida a verba honorária, nos termos do disposto na Súmula n.º 219 do TST. Recurso de Revista parcialmente conhecido e provido. RECURSO DE REVISTA DE ALCATEL - LUCENT BRASIL S.A. HORAS EXTRAORDINÁRIAS. CRITÉRIO DE ABATIMENTO. Cinge-se a controvérsia em saber a possibilidade de as horas extras serem abatidas mês a mês ou sobre o valor total a ser apurado na liquidação da sentença, levando em consideração as parcelas já quitadas pelo Empregador quando da efetiva realização do trabalho em sobrejornada. Não existindo no ordenamento jurídico pátrio nenhuma norma que vede a dedução do pagamento de horas extras efetuado no mês trabalhado com aquelas prestadas no mês subsequente em que não houve quitação, ou de virtual diferença advinda pela não quitação dessas no próprio mês em que realizadas, há de se admitir a dedução ampla com os valores pagos a título de horas extras no curso da contratualidade, sob pena de enriquecimento sem causa do Obreiro. Decisão em sentido contrário merece ser modificada. DESCONTOS FISCAIS. CRITÉRIO DE APURAÇÃO. NÃO CONHECIMENTO . Em face da edição da Medida Provisória n.º 497 /2010, convertida na Lei n.º 12.350 /2010, e da Instrução Normativa n.º 1.127 /2010 da Receita Federal, o imposto de renda será calculado utilizando-se o critério do mês da competência, ou seja, aquele em que o crédito deveria ter sido pago. Precedentes desta Corte no mesmo sentido....

TRT-1 - Recurso Ordinário RO 00015319820125010018 RJ (TRT-1)

Data de publicação: 11/06/2014

Ementa: FRAUDE. VÍNCULO DE EMPREGO. IMPOSIÇÃO AO TRABALHADOR PARA CONSTITUIR PESSOA JURÍDICA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS AO EMPREGADOR - Destaque-se que é lícita a contratação de pessoas jurídicas para a prestação de serviços não habituais, não subordinados, entretanto, se tal sistema for utilizado às avessas, de modo a fraudar direitos trabalhistas seculares, mascarando a relação empregatícia, deverá ser coibido por todos os meios legais - tudo nos termos do artigo 9º da Consolidação das Leis Trabalhista. Em tal seara, as pessoas jurídicas envolvidas serão analisadas pelo Direito do Trabalho, com a ótica do princípio da primazia da realidade - prevalência da realidade dos fatos sobre o contrato formal entabulado entre as partes. Assim, se for comprovado que o trabalhador foi contratado para desenvolver atividades fins da empresa, diariamente, sob o controle e fiscalização da empresa, a conclusão é que o obreiro é um genuíno empregado, e não autônomo, mesmo que se verifique algumas transferências de responsabilidades, como, por exemplo, o fornecimento de nota fiscal. Aliás, esse foi o norte adotado pela sentença ao valorar a prova dos autos. Vínculo de emprego caracterizado. HORAS EXTRAS - A não apresentação injustificada de alguns cartões de ponto, aos quais era obrigado por lei, artigo 74 , parágrafo 2º , da CLT , inverte o ônus da prova, gerando presunção de veracidade da jornada indicada na inicial - entendimento consubstanciado na Súmula 338 do Colendo TST. BENEFÍCIOS CONTIDOS EM NORMAS COLETIVAS - Uma vez reconhecido o liame empregatício entre o obreiro e a reclamada, torna-se imperiosa a condenação da ré ao pagamento dos direitos assegurados pelos pactos coletivos firmados pelos sindicatos das partes, os quais, ao contrário do entendimento do juízo de origem, encontram-se nos autos. PLR - É direito constitucional assegurado ao trabalhador e, na forma, da lei se encontra disciplinado na Lei nº 10.101 /2000, a qual dispõe no § 2º do art. 3º que -É vedado o pagamento de qualquer antecipação ou distribuição de valores a título de participação nos lucros ou resultados da empresa em mais de 2 (duas) vezes no mesmo ano civil e em periodicidade inferior a 1 (um) trimestre civil.- A norma legal, pressupõe que a vantagem deferidas aos trabalhadores de determinada empresa, a título de participação nos lucros ou resultados, deva ser paga em até duas parcelas no mesmo ano civil, sendo, assim, exorbitante e de feição abusiva, a estipulação da quitação na participação nos lucros ou resultados, ainda que parcial, três anos depois do pagamento da primeira parcela, excluindo os empregados que venham a se desligar antes desse prazo, esvaziando a finalidade social do instituto. DIFERENÇAS SALARIAIS - Restou incontroverso nos autos que o autor percebia uma paga, que variava conforme a produção de serviços prestados, nos moldes de cada contratos firmado. Inexistência de afronta ao artigo 468 da CLT . MULTAS DOS ARTIGOS 467 E 477 DA CLT - O Texto Legal faz duas exigências: a falta de pagamento a incontrovérsia quanto aos títulos rescisórios. O fato de ter havido controvérsia acerca da relação jurídica pactuada entre as partes, nos presentes autos, inibe a condenação do reclamado ao pagamento da multa do artigo 467, por haver uma incompatibilidade lógica. Contudo a controvérsia, acerca da existência ou não do vinculo empregatício entre as partes, não afasta a incidência da multa, pois se reconhecido o vínculo em juízo, é devida a multa do art. 477 da CLT , consoante entendimento jurisprudencial consolidado pela Súmula nº 30 do Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região. I- RELATÓRIO...

TST - RECURSO DE REVISTA RR 1660005420095030005 166000-54.2009.5.03.0005 (TST)

Data de publicação: 19/12/2011

Ementa: RECURSOS DE REVISTA DAS RECLAMADAS. TERCEIRIZAÇÃO. ATIVIDADES DE -CALL CENTER- EMPRESA DE TELECOMUNICAÇÃO. ATIVIDADE-FIM. VÍNCULO EMPREGATÍCIO. CARACTERIZAÇÃO. RECURSOS DE REVISTA DAS RECLAMADAS. TERCEIRIZAÇÃO. ATIVIDADES DE -CALL CENTER-. EMPRESA DE TELECOMUNICAÇÃO. ATIVIDADE-FIM. VÍNCULO EMPREGATÍCIO. CARACTERIZAÇÃO. Cinge-se a controvérsia em se estabelecer a possibilidade ou não de terceirização, por parte das empresas de telecomunicações, de serviços que sejam considerados atividades-fins da empresa, ante os termos dos arts. 25 da Lei n.º 8.987 /95 e 94 , II , da Lei n.º 9.472 /97. Ao contrário da interpretação conferida pelas empresas aos indigitados dispositivos legais, inexiste autorização legislativa para a terceirização ampla e irrestrita. Desse modo, a terceirização levada a efeito pelas empresas de telecomunicações deve, necessariamente, atender às disposições insertas na Súmula n .º 331, I e III, deste Tribunal Superior, que somente considera lícita a terceirização no caso de trabalho temporário, serviços de vigilância, conservação e limpeza e outros especializados, ligados à atividade-meio do tomador, desde que inexistentes a pessoalidade e a subordinação direta. Este entendimento permanece firme, mesmo após os amplos debates encetados quando da audiência pública sobre o assunto. Nesse contexto, não podendo haver a terceirização de atividade-fim pelas empresas de telecomunicações, não assiste razão à Reclamada na sua pretensão de afastar o vínculo empregatício reconhecido diretamente com a tomadora dos serviços. Revistas não conhecidas.

TRT-1 - Recurso Ordinário RO 00021214120125010482 RJ (TRT-1)

Data de publicação: 14/03/2014

Ementa: Se a Lei 8.987/97 ostenta natureza administrativa e como tal ao tratar da contratação de terceiros, no seu art. 25, arrola as atividades inerentes, não significa que tenha autorizado a possibilidade de terceirização ampla e irrestrita, inclusive das atividades fins das empresas contratantes.

TRT-5 - Recurso Ordinário RecOrd 00005790420135050009 BA 0000579-04.2013.5.05.0009 (TRT-5)

Data de publicação: 26/08/2014

Ementa: vínculo de emprego. intermediação de mão-de-obra POR MEIO COOPERATIVA. FRAUDE. Diante da não observância dos fins do cooperativismo, na medida em que as cooperativas foram meras intermediadoras de mão-de-obra de atividades fins da empresa reclamada, e comprovada a existência dos elementos caracterizadores do contrato de emprego, impõe-se reconhecer o vínculo direto com o tomador de serviços.

TRT-5 - Recurso Ordinário RecOrd 00010690320125050028 BA 0001069-03.2012.5.05.0028 (TRT-5)

Data de publicação: 28/10/2014

Ementa: VÍNCULO DE EMPREGO DIRETO RECONHECIDO. INTERMEDIAÇÃO DE MÃO DE OBRA FRAUDULENTA. COOPERATIVA. Diante da inobservância dos fins do cooperativismo, na medida em que a cooperativa atuou apenas como mera intermediadora de mão de obra para a consecução de atividades fins da empresa reclamada, além de comprovada a existência dos elementos caracterizadores do contrato de emprego, reconhece-se o vínculo direto com a empresa contratante e beneficiária do trabalho direto da ex-empregada.

TRT-4 - Recurso Ordinário RO 00017936720125040405 RS 0001793-67.2012.5.04.0405 (TRT-4)

Data de publicação: 13/02/2014

Ementa: SERVIÇOS DE TELEFONIA. TERCEIRIZAÇÃO DA ATIVIDADE FIM. ILICITUDE. VÍNCULO DE EMPREGO COM A TOMADORA. Nos termos do disposto nos artigos 60 e 94 da Lei nº 9.472/97 e do entendimento firmado na Súmula nº 331, item I, do TST, a terceirização de atividades fins pelas empresas que exploram os serviços de telefonia é ilícita, impondo-se o reconhecimento da relação de emprego diretamente com a reclamada que é concessionária do ramo das telecomunicações. 

TRT-5 - Recurso Ordinário RecOrd 00013377320115050034 BA 0001337-73.2011.5.05.0034 (TRT-5)

Data de publicação: 02/09/2013

Ementa: vínculo de emprego. intermediação de mão-de-obra POR MEIO COOPERATIVA. FRAUDE. Diante da não observância dos fins do cooperativismo, na medida em que as cooperativas foram meras intermediadoras de mão-de-obra de atividades fins da empresa reclamada, e comprovada a existência dos elementos caracterizadores do contrato de emprego, impõe-se reconhecer o vínculo direto com o tomador de serviços.

Encontrado em: Integrada de Atividades Múltiplas Recurso Ordinário RecOrd 00013377320115050034 BA 0001337-73.2011.5.05.0034 (TRT-5) LOURDES LINHARES

TRT-5 - Recurso Ordinário RecOrd 00002411420115050037 BA 0000241-14.2011.5.05.0037 (TRT-5)

Data de publicação: 21/08/2012

Ementa: Vínculo de emprego. intermediação de mão-de-obra POR MEIO COOPERATIVA. FRAUDE. Diante da não observância dos fins do cooperativismo, na medida em que a cooperativa foi mera intermediadora de mão-de-obra de atividades fins da empresa reclamada, e comprovada a existência dos elementos caracterizadores do contrato de emprego, reconhece-se o vínculo direto com o tomador de serviços.

TST - AGRAVO DE INSTRUMENTO EM RECURSO DE REVISTA Ag-AIRR 1447406120085240007 144740-61.2008.5.24.0007 (TST)

Data de publicação: 10/12/2010

Ementa: AGRAVO. AGRAVO DE INSTRUMENTO. RECURSO DE REVISTA. RESPONSABILIDADE SUBSIDIÁRIA. Inadmissível recurso de revista em hipótese na qual a Corte Regional, valorando fatos e provas, manteve a condenação da tomadora dos serviços, na qualidade de devedor subsidiário, reconhecendo que a agravante contratou pessoal para execução de atividades fins da empresa. A incidência da Súmula nº 126 do TST constitui óbice à revisão pretendida. Decisão agravada que se mantém. Agravo a que se nega provimento.

1 2 3 4 5 999 1000 Próxima

ou

×

Fale agora com um Advogado

Oi, está procurando um advogado ou correspondente jurídico? Podemos te conectar com Advogados em qualquer cidade do Brasil.

Escolha uma cidade da lista
Disponível em: http://www.jusbrasil.com.br/busca