Carregando...
JusBrasil
01 de outubro de 2014

Página 1 de 1.482 8 9 888 578 resultados para "Exercício arbitrário das próprias razões (art. 345 , CP )" em Notícias em Artigos em Jurisprudência em Diários

TJ-RS - Apelação Crime ACR 70056651417 RS (TJ-RS)

Data de publicação: 10/04/2014

Ementa: APELAÇÃO CRIME. FURTO QUALIFICADO TENTADO - ART. 155 , § 4º , IV , C/C O ART. 14 , II , AMBOS DO CP - CONDUTA QUE SE AMOLDA AO DELITO PREVISTO NO ART. 345 DO CP - EXERCÍCIO ARBITRÁRIO DAS PRÓPRIAS RAZÕES. Réu que retira canos de concreto que estão na via pública, carrega-os em um caminhão para levá-los e colocá-los na valeta que corre em frente a sua casa. Não logra concretizar o intento em face da chegada de policiais militares ao local. A prova coletada demonstrou conduta que se amolda ao tipo penal de exercício arbitrário das próprias razões - art. 345 do Código Penal . Em não tendo agido com violência, e havendo dúvidas se a res seria da municipalidade ou de particular, a ação penal se procederia mediante queixa. Além disso, há inviabilidade, em segundo grau, de dar nova definição jurídica ao fato delituoso. Súmula 453 do STF. Absolvição que se impõe, com base no art. 386 , III , do Código de Processo Penal . APELO PROVIDO (Apelação Crime Nº 70056651417, Sexta Câmara Criminal, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Vanderlei Teresinha Tremeia Kubiak, Julgado em 27/03/2014)

TJ-RS - Recurso Crime RC 71004843389 RS (TJ-RS)

Data de publicação: 02/07/2014

Ementa: QUEIXA-CRIME. EXERCÍCIO ARBITRÁRIO DAS PRÓPRIAS RAZÕES. ART. 345 DO CP . AUSÊNCIA DE CONDIÇÃO EXIGIDA POR LEI PARA O EXERCÍCIO DA AÇÃO PENAL PRIVADA. REQUISITOS DA PROCURAÇÃO NÃO OBSERVADOS. DECADÊNCIA. CORRETAMENTE RECONHECIDA. DECISÃO MANTIDA. 1- Para o exercício da ação penal privada é necessária a procuração com os poderes especiais, ali devendo ainda constar a menção ao fato criminoso, uma vez que a finalidade do art. 44 do CPP é a fixação da responsabilidade penal por denunciação caluniosa no exercício do direito personalíssimo de queixa. Precedentes do STF. 2- A deficiência do instrumento de mandato somente pode ser sanada no transcurso do prazo decadencial, não observado na espécie, pelo que correta a decisão que reconheceu a decadência e determinou o arquivamento do feito. RECURSO IMPROVIDO. (Recurso Crime Nº 71004843389, Turma Recursal Criminal, Turmas Recursais, Relator: Cristina Pereira Gonzales, Julgado em 26/06/2014)

TRF-1 - APELAÇÃO CRIMINAL ACR 2229 MT 0002229-08.2009.4.01.3603 (TRF-1)

Data de publicação: 19/04/2013

Ementa: PENAL E PROCESSUAL PENAL. EXERCÍCIO ARBITRÁRIO DAS PRÓPRIAS RAZÕES. ART. 345 , PARÁGRAFO ÚNICO DO CP . DECADÊNCIA. EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE. I - Revelando-se insuficientes e precárias as provas no que tange à autoria do crime, não há como se responsabilizar o réu por sua prática. II - Apelação desprovida.

TJ-RS - Recurso Crime RC 71004503231 RS (TJ-RS)

Data de publicação: 15/10/2013

Ementa: APELAÇÃO CRIME. EXERCÍCIO ARBITRÁRIO DAS PRÓPRIAS RAZÕES. ART. 345 DO CP . SENTENÇA CONDENATÓRIA MANTIDA. FIXAÇÃO DE INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS À VÍTIMA - ART 387 , IV , DO CPP - IMPOSSIBILIDADE. 1- Preliminares de extinção da punibilidade afastadas porque ausente qualquer irregularidade na queixa-crime ou na procuração, de molde a autorizar o reconhecimento da decadência, tampouco caracterizada a prescrição, na espécie. 2- Querelado que, após realizar frete em favor do querelante, irresigna-se com a forma de pagamento oferecida, acelerando, inopinadamente seu caminhão, conduzindo o querelante e parte da carga por vários quilômetros, comete o crime de exercício arbitrário das próprias razões, merecendo a reprimenda penal. 3- Inviável a imposição de indenização a título de danos morais em favor do querelante, nos termos do art. 387 , IV , do CPP , haja vista que tal reparação somente compreende o dano patrimonial. Ademais, não houve pedido expresso do querelante na inicial ou contraditório do querelado ou ainda instrução específica para apurar o valor mínimo do dano, implicando o referido arbitramento de indenização em ofensa aos princípios da ampla defesa e do contraditório. RECURSO PARCIALMENTE PROVIDO. (Recurso Crime Nº 71004503231, Turma Recursal Criminal, Turmas Recursais, Relator: Cristina Pereira Gonzales, Julgado em 07/10/2013)

TJ-RS - Recurso Crime RC 71004284162 RS (TJ-RS)

Data de publicação: 16/04/2013

Ementa: APELAÇÃO CRIME. EXERCÍCIO ARBITRÁRIO DAS PRÓPRIAS RAZÕES. ART. 345 DO CP . SENTENÇA CONDENATÓRIA. PENA CONCRETIZADA NA SENTENÇA. PRESCRIÇÃO RETROATIVA. 1- Considerada a pena aplicada ao recorrente, de quinze dias de detenção, a prescrição opera-se em dois anos, período de tempo já transcorrido entre o recebimento da denúncia e a publicação da sentença condenatória. 2- Declarada extinta a punibilidade do réu pela prescrição, com fundamento nos artigos 107 , inciso IV , 109 , inciso VI , e 110 , § 1º , todos do CP . Aplicação da redação original dos últimos dispositivos legais em atenção à regra da irretroatividade da lei penal mais gravosa. DECLARADA EXTINTA A PUNIBILIDADE DO RÉU PELA PRESCRIÇÃO DA PRETENSÃO PUNITIVA DO ESTADO. MÉRITO PREJUDICADO. (Recurso Crime Nº 71004284162, Turma Recursal Criminal, Turmas Recursais, Relator: Cristina Pereira Gonzales, Julgado em 15/04/2013)

TJ-PR - 8644668 PR 864466-8 (Acórdão) (TJ-PR)

Data de publicação: 31/05/2012

Ementa: APELAÇÃO CRIME ­ DELITO DE ESTELIONATO (ART. 171 , `CAPUT' CP ) DESCLASSIFICADO PARA EXERCÍCIO ARBITRÁRIO DAS PRÓPRIAS RAZÕES (ART. 345 , CP ) NA R. SENTENÇA CONDENATÓRIA ­ INCONFORMISMO DA DEFESA MANIFESTADO PELA ALEGAÇÃO DE ILEGITIMIDADE DO MINISTÉRIO PÚBLICO PARA PROPOSITURA DA AÇÃO PENAL E DECADÊNCIA DA QUEIXA ­ PRETENSÃO ACOLHIDA ­ DELITO DE EXERCÍCIO ARBITRÁRIO DAS PRÓPRIAS RAZÕES QUE SE PROCEDE SOMENTE MEDIANTE QUEIXA (ART. 345 , PARÁGRAFO ÚNICO , CP )­ ILEGITIMIDADE DO MINISTÉRIO PÚBLICO ­ NULIDADE ABSOLUTA `AB INITIO' (ART. 564 , II , CPP )­ DIREITO DE QUEIXA EXTINTO PELA DECADÊNCIA (ART. 103 , CPP )­ EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE DO AGENTE (ART. 107 , INCISO IV , DO CP )­ RECURSO PROVIDO. 1. O Ministério Público não possui legitimidade para promover a queixa, a qual é ato formal de acusação em crimes de ação penal de iniciativa privada, cuja promoção pertence ao ofendido ou representante legal (art. 100 , § 2º , CP ), nos casos expressamente previstos em lei (art. 100 , segunda parte, CP ). 2. O não-exercício do direito de queixa no prazo de seis meses, a contar do conhecimento da autoria pelo ofendido, configura decadência, ensejando a extinção da punibilidade do agente (Art. 107 , IV , CP ).

TJ-DF - APR APR 954992720098070001 DF 0095499-27.2009.807.0001 (TJ-DF)

Data de publicação: 05/06/2012

Ementa: APELAÇÃO CRIMINAL - ROUBO CIRCUNSTANCIADO -VIOLÊNCIA OU AMEAÇA - EMPREGO DE ARMA DE FOGO - DESCLASSIFICAÇÃO - EXERCÍCIO ARBITRÁRIO DAS PRÓPRIAS RAZÕES (ART. 345 DO CP )- IMPOSSIBILIDADE - CAUSA DE AUMENTO - DEPOIMENTO DA VÍTIMA - INSUFICIÊNCIA DE PROVAS - EXCLUSÃO - SENTENÇA PARCIALMENTE REFORMADA. 1. RESTANDO COMPROVADAS A AUTORIA E A MATERIALIDADE DELITIVA PELO CONJUNTO PROBATÓRIO DOS AUTOS, IMPOSSÍVEL A DESCLASSIFICAÇÃO DO ROUBO PARA O CRIME DE EXERCÍCIO ARBITRÁRIO DAS PRÓPRIAS RAZÕES, PRINCIPALMENTE SE AUSENTE QUALQUER COMPROVAÇÃO QUANTO À DÍVIDA DECORRENTE DA VENDA DE ANABOLIZANTES FALSIFICADOS ATRIBUÍDA À VÍTIMA. 2. PACÍFICA A JURISPRUDÊNCIA NO SENTIDO DE QUE, NOS CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO, O DEPOIMENTO DA VÍTIMA POSSUI RELEVÂNCIA ESPECIAL, AINDA MAIS QUANDO O RECONHECIMENTO PESSOAL DO ACUSADO PELA VÍTIMA ESTÁ CORROBORADO PELAS DEMAIS PROVAS COLACIONADAS AOS AUTOS. 3. NO CASO, NÃO HAVENDO CONSONÂNCIA DOS DEPOIMENTOS DA VÍTIMA QUE RATIFIQUEM A TESE DO USO DE ARMA DE FOGO, E NÃO EXISTINDO PROVAS QUE CORROBOREM A MAJORANTE, DEVE ESTA SER EXCLUÍDA EM OBSERVÂNCIA AO PRINCÍPIO IN DUBIO PRO REO. 4. NOS TERMOS DO ART. 33 , § 1º , C, DO CÓDIGO PENAL , O CONDENADO NÃO REINCIDENTE, CUJA PENA SEJA IGUAL OU INFERIOR A 4 (QUATRO) ANOS, PODERÁ, DESDE O INÍCIO, CUMPRI-LA EM REGIME ABERTO. 5. RECURSO CONHECIDO E PARCIALMENTE PROVIDO PARA IMPUTAR AO RÉU A PRÁTICA DO DELITO PREVISTO NO ART. 157 , CAPUT, DO CÓDIGO PENAL , IMPONDO-SE A REDUÇÃO DA PENA EM DEFINITIVO, EM RAZÃO DA EXCLUSÃO DA CAUSA DE AUMENTO PREVISTA NO § 2º, INC. I, DO REFERIDO ARTIGO E FIXAR O REGIME ABERTO PARA CUMPRIMENTO DA PENA.

TJ-SC - Apelação Criminal ACR 180952 SC 2010.018095-2 (TJ-SC)

Data de publicação: 16/06/2011

Ementa: PENAL. APELAÇÃO CRIMINAL. CRIME DE FURTO ( CP , ART. 155 , CAPUT). MATERIALIDADE E AUTORIA COMPROVADAS. DESCLASSIFICAÇÃO PARA CRIME DE EXERCÍCIO ARBITRÁRIO DAS PRÓPRIAS RAZÕES ( CP , ART. 345 ). TESE RECHAÇADA. AUSÊNCIA DOS REQUISITOS LEGAIS. DEFESA NÃO DEMONSTROU A EXISTÊNCIA DE PRETENSÃO QUE JUSTIFICASSE A CONDUTA. ANÁLISE DA DECADÊNCIA PREJUDICADA. - Comete o crime de furto simples o agente que subtrai a frente destacável de aparelho de som do interior de veículo automotor. - Impossibilidade de desclassificar a conduta para o crime de exercício arbitrário das próprias razões, pois não houve comprovação da elr "pretensão legítima" apta a justificar a conduta do agente. - Fica prejudicada a análise da pretensão de ver reconhecida a decadência ante a impossibilidade de desclassificação da conduta. - Parecer da PGJ pelo conhecimento e desprovimento do recurso. - Recurso conhecido e improvido.

TJ-DF - APR APR 845472320088070001 DF 0084547-23.2008.807.0001 (TJ-DF)

Data de publicação: 13/02/2012

Ementa: APELAÇÃO CRIMINAL. EXTORSÃO MEDIANTE SEQUESTRO (ART. 159 , CP ). DESCLASSIFICAÇÃO PARA DELITO DE EXERCÍCIO ARBITRÁRIO DAS PRÓPRIAS RAZÕES (ART. 345 , CP ). CABIMENTO. COMPROVADO O DOLO ESPECÍFICO DE FAZER JUSTIÇA COM AS PRÓPRIAS MÃOS. DOSIMETRIA. READEQUAÇÃO SEM INCORRER EM REFORMATIO IN PEJUS. POSSIBILIDADE. REGIME SEMIABERTO. SUBSTITUIÇÃO VEDADA. RECURSO PARCIALMENTE PROVIDO. 1. COMPROVADO O DOLO ESPECÍFICO DE FAZER JUSTIÇA COM AS PRÓPRIAS MÃOS BUSCANDO PRETENSÃO LEGÍTIMA, O EMPREGO DO SEQÜESTRO COMO CRIME-MEIO CONFIGURA DELITO ÚNICO DE EXERCÍCIO ARBITRÁRIO DAS PRÓPRIAS RAZÕES (CRIME-FIM). DESCLASSIFICAÇÃO DEFERIDA. PRECEDENTES DO TJMG E TJSP. 2. NO CRIME DE EXERCÍCIO ARBITRÁRIO DAS PRÓPRIAS RAZÕES HOUVE EMPREGO DE VIOLÊNCIA, CARACTERIZANDO-O COMO DELITO DE AÇÃO PENAL PÚBLICA INCONDICIONADA, RAZÃO PELA QUAL PERMANECE RESGUARDADA A LEGITIMIDADE DO MINISTÉRIO PÚBLICO PARA OFERECER DENÚNCIA. 3. DIANTE DAS TRÊS CONDENAÇÕES PENAIS ANTERIORES, TODAS TRANSITADAS EM JULGADO, É CORRETA A UTILIZAÇÃO DA PRIMEIRA DELAS NA ANÁLISE NEGATIVA DOS MAUS ANTECEDENTES, E A SEGUNDA PARA CONCLUIR QUE O RÉU OSTENTA PERSONALIDADE VOLTADA PARA O CRIME, RESERVANDO A TERCEIRA PARA ANÁLISE DA REINCIDÊNCIA. 4. A ANÁLISE NEGATIVA DA PERSONALIDADE PODE SER FUNDAMENTADA NA EXISTÊNCIA DE CONDENAÇÃO COM TRÂNSITO EM JULGADO POR FATO ANTERIOR AO QUE SE EXAMINA, NO ENTANTO, NÃO PODERÁ SER USADA A MESMA CONDENAÇÃO PARA FINS DE REINCIDÊNCIA OU MAUS ANTECEDENTES. PRECEDENTES DO STJ. 5. CABÍVEL A READEQUAÇÃO DAS CIRCUNSTÂNCIAS JUDICIAIS SEM IMPLICAR EM REFORMATIO IN PEJUS, PARA VALORAR COMO PERSONALIDADE UMA (DAS TRÊS) CONDENAÇÕES PENAIS, QUANDO O MAGISTRADO UTILIZOU TODAS ELAS PARA AFERIÇÃO DOS MAUS ANTECEDENTES E REINCIDÊNCIA. PRECEDENTE: AGRG NO RESP 1133954/PR , STJ. 6. APLICADA PENA DEFINITIVA INFERIOR A 4 (QUATRO) ANOS, MAS CONSTATADA A REINCIDÊNCIA, E SENDO AS CIRCUNSTÂNCIAS JUDICIAIS MAJORITARIAMENTE FAVORÁVEIS AO RÉU, IMPÕE-SE A FIXAÇÃO DE REGIME SEMIABERTO, COM FULCRO NO ARTIGO 33 , § 2º , ALÍNEA C, C/C O § 3º, DO CÓDIGO PENAL . 7. INCABÍVEL A SUBSTITUIÇÃO DA PENA PRIVATIVA DE LIBERDADE POR PENA RESTRITIVA DE DIREITOS, POIS NÃO SE ENCONTRAM PRESENTES OS REQUISITOS DO ART. 44 , INCISOS I , II E III DO CÓDIGO PENAL , POR SE TRATAR DE CRIME COMETIDO MEDIANTE VIOLÊNCIA E GRAVE AMEAÇA, ALÉM DE SER O RÉU REINCIDENTE E OSTENTAR MAUS ANTECEDENTES. 8. RECURSO PARCIALMENTE PROCEDENTE PARA DESCLASSIFICAR A CONDUTA DO RÉU EM CRIME DE EXERCÍCIO ARBITRÁRIO DAS PRÓPRIAS RAZÕES, CAPITULADO NO ART. 345 DO CÓDIGO PENAL , MANTER SUA CUMULAÇÃO EM CONCURSO MATERIAL COM O DELITO DE LESÃO CORPORAL DO ART. 129 DO MESMO DIPLOMA; E REDUZIR A PENA DEFINITIVA APLICADA AO RÉU PARA 05 (CINCO) MESES E 18 (DEZOITO) DIAS DE DETENÇÃO....

TJ-SC - Apelação Criminal ACR 289944 SC 2010.028994-4 (TJ-SC)

Data de publicação: 22/06/2011

Ementa: PENAL. APELAÇÃO CRIMINAL. CRIME DE FURTO QUALIFICADO ( CP , art. 155 , § 4º , IV ). AGENTE QUE RETIRA BEM MÓVEL DA CASA DA SUA IRMÃ, A QUAL SUPOSTAMENTE LHE DEVIA QUANTIA EM DINHEIRO. AUSÊNCIA DE DOLO. DESCLASSIFICAÇÃO PARA O CRIME DE EXERCÍCIO ARBITRÁRIO DAS PRÓPRIAS RAZÕES ( CP , art. 345 ). ELR NÃO CONTIDA NA DENÚNCIA. MUTATIO LIBELLI. INAPLICABILIDADE EM SEGUNDA INSTÂNCIA. ABSOLVIÇÃO QUE SE IMPÕE. - O agente que subtrai bem móvel da residência de terceiro para saldar dívida existente entre as partes não comete o crime de furto. - Não se aplica a mutatio libelli no Juízo ad quem, conforme verbete 453 da súmula de jurisprudência dominante do Supremo Tribunal Federal. - Quando o agente pratica crime diverso daquele narrado na exordial acusatória, e não sendo possível a aplicação do disposto no art. 384 do Código de Processo Penal , a absolvição é a medida certa. - Parecer da PGJ pelo conhecimento do recurso e desclassificação do delito. - Recurso conhecido e provido.

1 2 3 4 5 148 149 Próxima

ou

×
Disponível em: http://www.jusbrasil.com.br/busca