Carregando...
JusBrasil
27 de abril de 2015

Página 1 de 54.646 985 99 18.037 33.581 1.981 resultados para "FUNÇÃO DE AGENTE COMUNITÁRIO DA SAÚDE" em Notícias em Artigos em Jurisprudência em Diários em Legislação

TJ-RJ - APELAÇÃO APL 00003509020138190013 RJ 0000350-90.2013.8.19.0013 (TJ-RJ)

Data de publicação: 02/03/2015

Ementa: APELAÇÃO CÍVEL. DIREITO ADMINISTRATIVO. PRETENSÃO DE REINTEGRAÇÃO NA FUNÇÃO DE AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE CAMBUCI. SENTENÇA DE IMPROCEDÊNCIA DO PEDIDO. Contratação temporária da autora, que, apesar de sucessivas prorrogações, não implica a sua definitividade no serviço público, sob pena de violar o princípio constitucional da obrigatoriedade do concurso público. Inteligência do inciso II, do art. 37, da Constituição Federal. Discricionariedade de a Administração Pública exonerar os agentes comunitários que ingressaram na atividade sem a realização do processo seletivo, vez que o art. 17, da Lei nº 11.350, de 2006 não confere o direito a estabilidade na função. Sentença de improcedência, que não merece reforma. Precedentes desta col. Corte Estadual. Recurso a que se nega seguimento, com base no caput do art. 557, do CPC.

TJ-MG - Apelação Cível AC 10084110019514001 MG (TJ-MG)

Data de publicação: 05/04/2013

Ementa: APELAÇÃO CÍVEL. MANDADO DE SEGURANÇA. DIREITO ADMINISTRATIVO. MUNICIÍPIO DE BOTELHOS. SERVIDORES DESIGNADOS PARA O EXERCÍCIO TEMPORÁRIO DE FUNÇÕES PÚBLICAS. AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE. TÉRMINO DO PRAZO DE VIGÊNCIA DO CONTRATO. NÃO RENOVAÇÃO. LEGALIDADE. AUSÊNCIA DE PROVA DO DIREITO LÍQUIDO E CERTO. DENEGAÇÃO DA SEGURANÇA. PERDA SUPERVENIENTE DO INTERESSE PROCESSUAL EM RELAÇÃO A DUAS IMPETRANTES. EXTINÇÃO DO FEITO SEM RESOLUÇÃO DO MÉRITO. - O direito líquido e certo para ser tutelado na via do mandado de segurança deve estar amparado por norma legal e trazer em si todas as condições de sua aplicação ao impetrante. Caso dependa de comprovação posterior, não será direito líquido e certo. - Considerando-se que o vínculo entre os apelantes e a Administração decorria de contratação temporária e em caráter precário, o fim do contrato justifica-se com o término de sua vigência, não sendo o Município obrigado a renovar sucessivamente contratos desta natureza. - Embora a Emenda Constitucional nº 51 /2006 tenha estabelecido forma excepcional de contratação de agentes comunitários de saúde ou no combate a endemias, findo o prazo de vigência estabelecido no contrato não há obrigação do Município de renová-lo sucessivamente. - O feito deve ser extinto sem julgamento do mérito em relação às impetrantes que requereram a rescisão de seus contratos de trabalho e já não mais fazem parte do quadro de servidores do Município de Botelhos.

TJ-MG - Apelação Cível AC 10223110137930001 MG (TJ-MG)

Data de publicação: 01/07/2013

Ementa: Ação de cobrança - reexame necessário - contrato administrativo temporário - direitos sociais - art. 37 , inciso IX , e art. 39 , § 3º , da Constituição da República - função de agente comunitário de saúde - não aplicação de regime celetista - décimo terceiro salário e um terço de férias - extensão - confirmar sentença. 1 - O contrato temporário de trabalho por excepcional necessidade de interesse público tem natureza de direito administrativo, com regime estatutário, consoante art. 37 , inciso IX , da Constituição da República. 2 - A renovação de contrato temporário não tem o condão de modificar a natureza jurídica do regime de direito administrativo para o regime celetista, para fins de recebimento de encargos, sob pena de violação ao princípio da legalidade. 3 - Os direitos sociais estabelecidos no art. 7º , da Constituição da República são estendidos à função pública de caráter temporário, por manifesta ordem do art. 39 , § 3º , dentre os quais o décimo terceiro salário e um terço de férias.

TCE-MS - ADMISSÃO 92452010 MS 1004340 (TCE-MS)

Data de publicação: 06/09/2013

Ementa: CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA. PREVISÃO NA LEI AUTORIZATIVA – LEI Nº 404/2005. REQUISITOS LEGAIS ATENDIDOS. REGISTRO. Os autos do processo eletrônico em epígrafe dizem respeito à contratação temporária, pela Prefeitura Municipal de Sonora/MS, de MARIA JOSE GOMES DA SILVA, para a função de agente comunitário de saúde, sob o fundamento legal contido na Lei Municipal nº 404/2005, conforme consta no contrato de trabalho (peça virtual 07). Por meio da Análise nº ANC - ICAP - 05130/2011, a Inspetoria de Controle Externo de Atos de Pessoal concluiu: 1- a intempestividade da remessa de documentos que compõem os autos; 2- a regularidade da documentação apresentada (Ficha de Admissão; Contrato de Trabalho; Lei Autorizativa; Justificativa da Contratação; Declaração da inexistência de candidato habilitado em Concurso Público para o cargo); 3-a observância às exigências legais e regimentais, conforme definido no inciso V do art. 2º da OTJ nº 02, de 17 de março de 2010; 4- a legalidade da contratação, amparada pela CF/88 (art. 37, IX) c/c a Lei 404/2005, certificando, ao final, o registro da contratação, com ressalva quanto à intempestividade. O Ministério Público de Contas, por sua vez, emitiu seu parecer (peça 11) em que opina favoravelmente ao registro da contratação. É o relatório. Das razões da decisão: Registre-se que a contratação direta é praticada por exceção onde a regra é o concurso público, como preconiza a Constituição Federal /88. Além do que, ao término do contrato, outra contratação terá que ser realizada para substituí-la e, para que isso não ocorra, é recomendada a realização de concurso público. No entanto, conforme exposto nos autos, a contratação para função de agente comunitário de saúde por tempo determinado, pelo período acordado em contrato, justifica-se pela falta de profissional habilitado em concurso público municipal, em atenção à atividade de essencial interesse público. Diante desse quadro fático, a contratação temporária realizada com fundamento na Lei nº 404/2005, por atender ao disposto neste ato normativo, pode ser acatada. Nesses termos, com fundamento no art. 120 , I e art. 122 do RI/TC/MS nº 057/2006, acolhendo o parecer do Ministério Público de Contas, decido pelo REGISTRO da contratação por tempo determinado de MARIA JOSE GOMES DA SILVA, nos termos do art. 37 , inciso IX da CF/88 c/c o art. 2º, inciso IV da Lei Municipal nº 404/2005. É a decisão. Publique-se. Campo Grande, 10 de dezembro de 2012. Cons. Ronaldo Chadid Relator...

DOM-MANAUS 04/03/2011 - Pág. 37 - Caderno 2 - Diário Oficial do Município de Manaus

- 4 14 1º FUNÇÃO: 047 – AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE – IGARAPÉ DO TROVÃO NÃO HOUVE CANDIDATOS... CLASSIFICADOS FUNÇÃO: 048 – AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE – COSTA DO UBIM (PARANÁ DO ACARIQUARA) NOME... ...

Diário • Diário Oficial do Município de Manaus

TRT-10 - Recurso Ordinário RO 746201082110005 DF 00746-2010-821-10-00-5 RO (TRT-10)

Data de publicação: 15/06/2012

Ementa: CONTRATO POR PRAZO DETERMINADO, SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL. REGIME JURÍDICO ESTATUTÁRIO. EXERCÍCIO DAS FUNÇÕES DE AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE E DE MAGISTÉRIO. JUSTIÇA DO TRABALHO. INCOMPETÊNCIA. Hipótese em que os sucessivos contratos temporários de prestação de serviços firmados pelos litigantes, entre os anos de 2002 e 2006, indicam a submissão do prestador ao Estatuto dos Servidores do Município contratante. Alegação operária de regência da CLT , no período posterior ao advento da EC 51 /2006, com base na previsão inscrita no art. 8º da Lei Federal nº 11.350 /2006. Embora não anexado aos autos o estatuto municipal referido -- cuja exibição, de resto, não fora ordenada pelo juiz da causa ( CPC , art. 337 )--, não questionou o obreiro o regime jurídico aplicável, limitando-se apenas a sustentar a existência do direito a férias e ao FGTS, sem, porém, enfrentar, com a necessária cautela e diligência, o debate acerca da definição das normas jurídicas aplicáveis. Nesse cenário, havendo previsão contratual de regência estatutária e decidindo a Suprema Corte que a Justiça do Trabalho não possui competência para o exame de pretensões originárias dessa espécie de vínculo jurídico, segue-se impositivo o provimento do recurso, afirmando-se a incompetência material e determinando-se a remessa dos autos ao d. Juízo Cível competente. Recurso conhecido e provido. I -

DOM-MANAUS 14/03/2011 - Pág. 19 - Caderno 1 - Diário Oficial do Município de Manaus

FUNÇÃO: 069 – AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE – TUPÉ NOME IDENTIDADE TOTAL COLOCAÇÃO CLEICIANE DE SOUZA... SANTOS 18529470 14 1º FUNÇÃO: 071 – AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE – NOSSA SENHORA AUXILIADORA ...

Diário • Diário Oficial do Município de Manaus

AMM-MT 04/02/2013 - Pág. 60 - Associação Mato-Grossense dos Municípios

OBJETO: PRESTAÇÃO DE SERVIÇO NA FUNÇÃO DE AGENTE COMUNITÁRIA DE SAÚDE VALOR MENSAL: R$ 871.../2013 CONTRATADO: ELAINE RAMOS DA CRUZ OBJETO: PRESTAÇÃO DE SERVIÇO NA FUNÇÃO DE AGENTE COMUNITÁRIA DE ...

Diário • Associação Mato-Grossense dos Municípios

TCE-MS - ADMISSÃO 591492011 MS 1103729 (TCE-MS)

Data de publicação: 22/11/2013

Ementa: Vistos, etc... Trata o presente processo do Ato de Admissão da servidora Juliana Hartenberg de Farias, CPF nº 039.508.181-54, contratada com fulcro na Lei Autorizativa nº 044 /2005, em decorrência do Contrato s/n, de 01 de julho de 2010, para provimento, em caráter temporário, de 01/07/2010 a 31/12/2010, na função de Agente Comunitário de Saúde, do Quadro Temporário da Prefeitura Municipal de Nova Alvorada do Sul, ora encaminhado para apreciação em atendimento ao disposto no artigo 21 , III c/c 34, I, da Lei complementar nº 160/2012, por motivo de interesse público, com base no permissivo contido no inciso IX, artigo 37 da Constituição Federal . A Inspetoria de Controle de Atos de Pessoal (ICAP), por meio da Análise Conclusiva “ANC-ICAP-2533/2012”, concluiu pelo Registro do presente Ato de Admissão. No mesmo sentido manifestou-se o Ministério Público de Contas, ao emitir o parecer “PAR-MPE- GAB.5 DR.TMV/SUSTITUTO-155/2013”. É o relatório. Apreciando o Ato de Pessoal em epígrafe, de pronto nota-se que a instrução dos presentes autos ocorreu em conformidade com as exigências contidas no artigo 2º, V, da OTJ/ICAP/PRES. Nº 02 de 17 de março de 2010. Por fim, observa-se que a remessa eletrônica dos documentos que compõe estes autos, ocorreu em 10/06/2011, portanto, intempestivamente, contrariando assim o prazo estabelecido no Anexo I, da OTJ/ICAP/PRES. nº 02/2010. Assim sendo, com base nas informações supracitadas e na documentação que por hora se apresenta, denota-se que os aspectos relativos ao Ato praticado aparentemente atendem às exigências legais e regimentais pertinentes. Posto isso, e, ainda, subsidiado pela Análise Técnica e acolhendo o parecer do Ministério Público de Contas, DECIDO: 1- Pelo registro do presente Ato de Admissão, da servidora Juliana Hartenberg de Farias, CPF nº 039.508.181-54, nos termos do artigo 21, III c/c 34, I da Lei Complementar nº 160/2012 e do artigo 329, I, do Regimento Interno deste Tribunal; 2- Pela recomendação ao responsável, para que atente com maior rigor o prazo de envio dos documentos a esta Corte de Contas, consoante ao Anexo I, da OTJ/ICAP/PRES nº 02, de 10 de março de 2010 sob pena de sanções futuras. É a decisão Publique-se. Registre-se. Comunique-se. Ao Cartório para as devidas providências. Campo Grande/MS, 21 de março de 2013. Waldir Neves Barbosa Conselheiro Relator...

TCE-MS - ADMISSÃO 591422011 MS 1098389 (TCE-MS)

Data de publicação: 11/09/2013

Ementa: Vistos, etc... Trata o presente processo do Ato de Admissão da servidora Irivani de Souza, CPF nº 022.740.911-61, contratada com fulcro na Lei Autorizativa nº 044 /2005, em decorrência do Contrato s/n, de 01 de julho de 2010, para provimento, em caráter temporário, de 01/07/2010 a 31/12/2010, na função de Agente Comunitário de Saúde, do Quadro Temporário da Prefeitura Municipal de Nova Alvorada do Sul, ora encaminhado para apreciação em atendimento ao disposto no artigo 21 , III c/c 34, I, da Lei complementar nº 160/2012, por motivo de interesse público, com base no permissivo contido no inciso IX, artigo 37 da Constituição Federal . A Inspetoria de Controle de Atos de Pessoal (ICAP), por meio da Análise Conclusiva “ANC-ICAP-2554/2012”, concluiu pelo Registro do presente Ato de Admissão. No mesmo sentido manifestou-se o Ministério Público de Contas, ao emitir o parecer “PAR-MPE- GAB.5 DR.TMV/SUSTITUTO-153/2013”. É o relatório. Apreciando o Ato de Pessoal em epígrafe, de pronto nota-se que a instrução dos presentes autos ocorreu em conformidade com as exigências contidas no artigo 2º, V, da OTJ/ICAP/PRES. Nº 02 de 17 de março de 2010. Por fim, observa-se que a remessa eletrônica dos documentos que compõe estes autos, ocorreu em 10/06/2011, portanto, intempestivamente, contrariando assim o prazo estabelecido no Anexo I, da OTJ/ICAP/PRES. nº 02/2010. Assim sendo, com base nas informações supracitadas e na documentação que por hora se apresenta, denota-se que os aspectos relativos ao Ato praticado aparentemente atendem às exigências legais e regimentais pertinentes. Posto isso, e, ainda, subsidiado pela Análise Técnica e acolhendo o parecer do Ministério Público de Contas, DECIDO: 1- Pelo registro do presente Ato de Admissão, da servidora Irivani de Souza, CPF nº 022.740.911-61, nos termos do artigo 21, III c/c 34, I da Lei Complementar nº 160/2012 e do artigo 329, I, do Regimento Interno deste Tribunal; 2- Pela recomendação ao responsável, para que atente com maior rigor o prazo de envio dos documentos a esta Corte de Contas, consoante ao Anexo I, da OTJ/ICAP/PRES nº 02, de 10 de março de 2010 sob pena de sanções futuras. É a decisão Publique-se. Registre-se. Comunique-se. Ao Cartório para as devidas providências. Campo Grande/MS, 21 de março de 2013. Waldir Neves Barbosa Conselheiro Relator...

1 2 3 4 5 999 1000 Próxima

ou

×

Fale agora com um Advogado

Oi, está procurando um advogado ou correspondente jurídico? Podemos te conectar com Advogados em qualquer cidade do Brasil.

Escolha uma cidade da lista
Disponível em: http://www.jusbrasil.com.br/busca