Carregando...
JusBrasil
02 de setembro de 2014

Página 1 de 9.164 76 62 6.176 2.840 7 5 resultados para "Principio da Legalidade. Inconstitucionalidade" em Notícias em Artigos em Jurisprudência em Diários em Legislação em Modelos e peças

TJ-SP - Apelação APL 9112495242006826 SP 9112495-24.2006.8.26.0000 (TJ-SP)

Data de publicação: 18/08/2011

Ementa: Mandado de Segurança - Imposto de Transmissão de Bens Imóveis - Decreto Municipal nº 46.228 /05 - Afronta ao principio da legalidade - Inconstitucionalidade declarada pelo Colendo Órgão Especial - Recursos improvidos.

TRF-1 - APELAÇÃO CIVEL AC 74326 MG 2000.01.00.074326-8 (TRF-1)

Data de publicação: 07/11/2012

Ementa: TRIBUTÁRIO - RESOLUÇÃO N. 1.154/86 - SUMULA N. 23 DO STJ - INCONSTITUCIONALIDADE - RESOLUÇÃO N. 1154/86 DO BANCO CENTRAL- APELAÇÃO NÃO PROVIDA. 1. "O Banco Central é parte legítima nas ações fundadas na Resolução 1.154/86" (Súmula 23, do STJ). 2. Tratando-se de ação que visa a repetição de indébito, relativo a empréstimo compulsório sobre passagem aérea, a legitimidade passiva é unicamente do Banco Central do Brasil. 3. "O encargo financeiro instituído pela Resolução n. 1.154, de 23.07.86, do CMN, sobre a aquisição de moeda estrangeira, destinada a atender gastos com viagens ao exterior; e sobre a emissão, no pais, de passagens internacionais, constitui imposto, e, assim, feriu a constituição federal de 1969. esse encargo, que fora criado pelo art. 29 , da lei 4.131 /62, não subsistiu com a emenda n. 18/65. A Resolução 1.154/86, na verdade, ressuscitou, sem poder, fatos geradores que estavam sepultados desde 1965, violando, deste modo, o principio de que todo tributo só pode ser decretado por lei (cf/69,art. 153, parag. 29)- principio da legalidade. Inconstitucionalidade decretada pelo extinto TFR (AIAMS 126803/BA, Sessão Plenária de 03 de novembro de 1988)." 4. Apelação do BACEN e remessa oficial não providas. 5. Retifique-se a autuação do recurso para constar a remessa oficial. 6. Peças liberadas pelo Relator, em 29/10/2012, para publicação do acórdão.

TRF-1 - APELAÇÃO CIVEL AC 74326 MG 2000.01.00.074326-8 (TRF-1)

Data de publicação: 10/01/2012

Ementa: TRIBUTÁRIO - RESOLUÇÃO N. 1.154/86 - SUMULA N. 23 DO STJ - INCONSTITUCIONALIDADE - RESOLUÇÃO N. 1154/86 DO BANCO CENTRAL- APELAÇÃO NÃO PROVIDA. 1. "O Banco Central é parte legítima nas ações fundadas na Resolução 1.154/86" (Súmula 23, do STJ). 2. Tratando-se de ação que visa a repetição de indébito, relativo a empréstimo compulsório sobre passagem aérea, a legitimidade passiva é unicamente do Banco Central do Brasil. 3. "O encargo financeiro instituído pela Resolução n. 1.154, de 23.07.86, do CMN, sobre a aquisição de moeda estrangeira, destinada a atender gastos com viagens ao exterior; e sobre a emissão, no pais, de passagens internacionais, constitui imposto, e, assim, feriu a constituição federal de 1969. esse encargo, que fora criado pelo art. 29 , da lei 4.131 /62, não subsistiu com a emenda n. 18/65. A Resolução 1.154/86, na verdade, ressuscitou, sem poder, fatos geradores que estavam sepultados desde 1965, violando, deste modo, o principio de que todo tributo só pode ser decretado por lei (cf/69,art. 153, parag. 29)- principio da legalidade. Inconstitucionalidade decretada pelo extinto TFR (AIAMS 126803/BA, Sessão Plenária de 03 de novembro de 1988)." 4. Apelação do BACEN e remessa oficial não providas. 5. Retifique-se a autuação do recurso para constar a remessa oficial. 6. Peças liberadas pelo Relator, em 29/10/2012, para publicação do acórdão.

TRF-5 - Apelação Civel AC 112034 PB 97.05.06557-8 (TRF-5)

Data de publicação: 20/08/2002

Ementa: TRIBUTÁRIO. CONSTITUCIONAL. ADICIONAL DE INDENIZAÇÃO DO TRABALHADOR PORTUÁRIO AVULSO - AITP. LEI 8.630 /93.SUJEITO PASSIVO. DECRETO 1.033 /93. VIOLAÇÃO PRINCIPIO DA LEGALIDADE. - O ADICIONAL DE INDENIZAÇÃO DO TRABALHADOR PORTUÁRIO AVULSO, INSTITUÍDO PELA LEI 8.630 /93, POSSUI NATUREZA DE CONTRIBUIÇÃO PARAFISCAL, RECOLHIDO A ENTIDADE DIFERENTE DA PESSOA JURÍDICA INSTITUIDORA SE DESTINANDO À FORMAÇÃO DO FUNDO DE INDENIZAÇÃO DO TRABALHADOR PORTUÁRIO AVULSO. - AS CONTRIBUIÇÕES PARAFISCAIS ESTÃO SUBMETIDAS AOS PRINCÍPIOS DA TRIBUTAÇÃO, NOS TERMOS DO ARTIGO 149 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988. - O SUJEITO PASSIVO DA OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA ESTÁ SUBMETIDA À RESERVA LEGAL, À LUZ DO ARTIGO 97 , III , DO CTN . - O DECRETO N. 1.035 /93 EQUIPAROU A OPERADOR PORTUÁRIO OS IMPORTADORES, EXPORTADORES E CONSIGNATÁRIOS DAS MERCADORIAS IMPORTADAS, VIOLANDO O PRINCÍPIO DA LEGALIDADE. - INCONSTITUCIONALIDADE DO ARTIGO 3º DO DECRETO N. 1.035 /93. - APELAÇAO E REMESSA OFICIAL IMPROVIDAS.

Para OAB/RJ, decreto que cria comissão de investigação é inconstitucional

, dois pontos são fundamentais para indicar a inconstitucionalidade do decreto: a questão da quebra... das falhas levantadas por Cramer, o decreto viola o princípio da legalidade , ao não estabelecer

Notícia Jurídica • OAB - Rio de Janeiro • 24/07/2013

TRF-5 - Apelação Civel AC 322021 PE 0015056-92.2001.4.05.8300 (TRF-5)

Data de publicação: 16/12/2009

Ementa: TRIBUTÁRIO. PIS E COFINS. MULTA DE 75% (ART. 44 , I DA LEI Nº 9.430 /96). NÃO VIOLAÇÃO AO PRINCIPIO DO NÃO CONFISCO. MANIFESTAÇÃO DO PLENO NA AC 303007, JULG. EM 11/04/07, DJ 11/06/07. INCIDENTE DE INCONSTITUCIONALIDADE. APLICAÇÃO DO PARÁGRAFO ÚNICO DO 481 DO CPC . TR E SELIC. LEGALIDADE. INEXISTENCIA DE ANATOCISMO. - Nada obstante a decisão do STF quando do julgamento do recurso extraordinário interposto pela Fazenda Nacional nestes autos, cabe ressaltar que já houve pronunciamento do órgão plenário deste Tribunal acerca do caráter confiscatório da multa de 75% prevista na Lei nº 9430 /96 (AC Nº 303007, JULG. 11/04/07), revelando-se desnecessária nova provocação daquele órgão, segundo o disposto no parágrafo único do art. 481 do Código de Processo Civil . Argüição de inconstitucionalidade que se rejeita. - Não há ilegalidade a ser declarada na utilização dos índices de correção monetária e dos juros de mora, considerando que o fisco é servil ao princípio da legalidade tributária, de modo que não pode, nem deve agir em desconformidade com as prescrições legais que disciplinam o recolhimento e a cobrança dos tributos. - No caso dos autos, os documentos de fls. 169/172 demonstram que sobre o débito do apelante, desde o ano de 1991, incidiu a correção monetária com base na UFIR, enquanto que a TR foi utilizada a titulo de juros moratórios, e considerando as finalidades distintas dos dois institutos, não há razão jurídica que faça presumir a ilegalidade de suas aplicações de forma simultânea. - Ante expressa disposição legal a permitir a sua incidência (art. 39 , parágrafo 4º , da Lei nº 9.250 /95 e art. 13 da MP 2.176-79), inexiste anatocismo ou qualquer ilegalidade na aplicação da SELIC no âmbito tributário. - Apelação não provida.

DJPA 17/04/2013 - Pág. 128 - Diário de Justiça do Estado do Pará

; h) aplicação do principio da legalidade, inconstitucionalidade e ilegalidade da Súmula n. 729... do STF. No mérito disserta: a) inconstitucionalidade do Abono Salarial; b) transitoriedade do Abono... Salarial; c) violação do ...

Diário • Diário de Justiça do Estado do Pará

DJPA 03/12/2013 - Pág. 51 - Diário de Justiça do Estado do Pará

concessório de benefício previdenciário; principio da legalidade. Inconstitucionalidade.... Jurisprudência desta corte; c) principio contributivo, da legalidade, da autotutela. Obediência... e ilegalidade da súmula nº ...

Diário • Diário de Justiça do Estado do Pará

DJPA 09/05/2013 - Pág. 182 - Diário de Justiça do Estado do Pará

de tutela antecipada; h) aplicação do principio da legalidade, inconstitucionalidade e ilegalidade... da Súmula n. 729 do STF. No mérito disserta: a) inconstitucionalidade do Abono Salarial; b ) transitoriedade do Abono ...

Diário • Diário de Justiça do Estado do Pará

DJPA 10/10/2012 - Pág. 88 - Diário de Justiça do Estado do Pará

: a) ausência dos requisitos para a concessão da liminar; b) principio da legalidade , inconstitucionalidade e ilegalidade da Súmula 729 do STF; c) ausência de fumus boni iuris; d) inexistência

Diário • Diário de Justiça do Estado do Pará

1 2 3 4 5 916 917 Próxima

ou

×
Disponível em: http://www.jusbrasil.com.br/busca