Carregando...
JusBrasil
31 de outubro de 2014

Página 1 de 316.380 1.773 280 199.704 113.962 772 19 resultados para "Quadro de pessoal. entendimento" em Notícias em Artigos em Jurisprudência em Diários em Legislação em Modelos e peças

TJ-MA - Não Informada 12002012 MA (TJ-MA)

Data de publicação: 02/04/2012

Ementa: APELAÇÃO CÍVEL. AÇÃO DE REINTEGRAÇÃO EM CARGO PÚBLICO DO QUADRO DE PESSOAL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO MARANHÃO. CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA. EXTINÇÃO DO VÍNCULO CONTRATUAL. PRESCRIÇÃO ADMINISTRATIVA. INOCORRÊNCIA. ENTENDIMENTO DO STF. I - Este Tribunal de Justiça consolidou entendimento segundo o qual as pessoas contratadas para o exercício de funções no seu Quadro de Pessoal, para atenderem necessidade temporária de excepcional interesse público, sem prévia aprovação em concurso público, e que não gozam da estabilidade excepcional ditada pelo art. 19, do ADCT, podem ter seus contratados rescindidos, ainda que ultrapassado o prazo de 5 (cinco) anos previsto no art. 54 , da Lei nº 9.784 /99. II - O Supremo Tribunal Federal, ao apreciar o RE 519.810/MA , no qual figuram como partes o Estado do Maranhão e a Associação dos Funcionários da Justiça do Estado do Maranhão-ASFUJEMA, firmou posicionamento no sentido de que os contratos temporários dos servidores abrangidos pelo Ofício Circular nº 1336/2006-GP/COMUNICADO, de 10 de março de 2006, da Presidência deste Tribunal de Justiça, o qual foi expedido com a mesma finalidade do Ofício Circular nº 02/2007/GP/CRH, não geraram efeitos, razão por que entendeu a Corte Suprema que se mostra legítima a extinção da relação contratual, mesmo decorridos mais de 05 (cinco) anos após o seu início.

TJ-MA - Não Informada 72822012 MA (TJ-MA)

Data de publicação: 02/05/2012

Ementa: APELAÇÃO CÍVEL. AÇÃO DE REINTEGRAÇÃO EM CARGO PÚBLICO DO QUADRO DE PESSOAL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO MARANHÃO. CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA. EXTINÇÃO DO VÍNCULO CONTRATUAL. PRESCRIÇÃO ADMINISTRATIVA. INOCORRÊNCIA. ENTENDIMENTO DO STF. I - Este Tribunal de Justiça consolidou entendimento segundo o qual os servidores contratados para o exercício de funções no seu Quadro de Pessoal, para atenderem necessidade temporária de excepcional interesse público, sem prévia aprovação em concurso público, e que não gozem da estabilidade excepcional ditada pelo art. 19 do ADCT, podem ter seus contratados rescindidos, ainda que ultrapassado o prazo de 5 (cinco) anos previsto no art. 54 da Lei nº 9.784 /99. II - O Supremo Tribunal Federal, ao apreciar o RE 519.810/MA , no qual figuram como partes o Estado do Maranhão e a Associação dos Funcionários da Justiça do Estado do Maranhão-ASFUJEMA, firmou posicionamento no sentido de que os contratos temporários dos servidores abrangidos pelo Ofício Circular nº 1336/2006-GP/COMUNICADO, de 10 de março de 2006, da Presidência deste Tribunal de Justiça, o qual foi expedido com a mesma finalidade do Ofício Circular nº 02/2007/GP/CRH, não geraram efeitos, razão por que entendeu a Corte Suprema que se mostra legítima a extinção da relação contratual, mesmo decorridos mais de 05 (cinco) anos após o seu início.

TCE-MS - CONCESSÃO 175962013 MS 1448576 (TCE-MS)

Data de publicação: 04/07/2014

Ementa: Referem-se estes autos à PENSÃO POR MORTE concedida às beneficiárias: Sra. Ana Paula Fini de Quadros e Thuanni Fini de Quadros, na qualidade de cônjuge e filha, do ex-servidor Sr. Ronaldo André de Quadros, do Quadro Permanente de Pessoal do Estado de Mato Grosso do Sul, tendo como órgão de origem a Secretaria de Justiça e Segurança Pública. O processo seguiu para exame do Corpo Técnico que emitiu a Análise Conclusiva ANA-7ICE – 4770/2014, entendendo: “Face ao exposto, certificamos a regularidade da documentação e concluímos a instrução processual pelo Registro da concessão da Pensão.”(destaque nosso) Da mesma forma é o entendimento do Ministério Público de Contas que, em Parecer PAR-MPC–GAB.4 DR.JOAOMJR/SUBSTITUTO-5080/2014, opinou: “Pelo exame do feito, denota-se que foram cumpridas as exigências preconizadas nas normas constitucionais, legais e regimentais desta Corte, razão pela qual este Ministério Público de Contas, acompanhando o entendimento técnico supra e com fulcro no inciso III, artigo 11 da Lei Complementar Estadual sob o n. 148/2010, pronuncia-se pelo registro do ato de pessoal em apreço.” (destaque nosso) Vieram os autos a esta Relatora para Decisão. É o Relatório. Ao apreciar os documentos apresentados verificou-se que a presente PENSÃO está de acordo com as normas legais e regimentais, uma vez que foram observados os elementos constitucionais. Diante da verificação de que a referida pensão foi concedida regularmente, acolho os posicionamentos exauridos pela Equipe Técnica e pelo Ministério Público de Contas, DECIDO: 1- Pelo Registro da concessão da PENSÃO POR MORTE às interessadas: Sra. Ana Paula Fini de Quadros e Thuanni Fini de Quadros, na qualidade de cônjuge e filha do ex-servidor, com base no artigo 34, inciso II da Lei complementar nº 160/2012 c/c o artigo 10, inciso I do Regimento Interno deste Tribunal; 2- Pela comunicação do resultado desta Decisão aos responsáveis, com base no artigo 50 da Lei Complementar nº 160/2012; 3- Determino a remessa dos autos ao Cartório para as providências regimentais. É a DECISÃO. Campo Grande, 18 de junho de 2014. Conselheira Marisa Serrano R E L A T O R A...

TCE-MS - CONCESSÃO 155282013 MS 1445182 (TCE-MS)

Data de publicação: 04/07/2014

Ementa: Referem-se estes autos à PENSÃO POR MORTE concedida à beneficiária Simbell Eduarda Souza de Quadros, na qualidade de filha do ex-servidor Sr. Ronaldo André de Quadros, do Quadro Permanente de Pessoal do Estado de Mato Grosso do Sul, tendo como órgão de origem a Secretaria de Justiça e Segurança Pública. O processo seguiu para exame do Corpo Técnico que emitiu a Análise Conclusiva ANA-7ICE – 4642/2014, entendendo: “Face ao exposto, certificamos a regularidade da documentação e concluímos a instrução processual pelo Registro da concessão da Pensão.”(destaque nosso) Da mesma forma é o entendimento do Ministério Público de Contas que, em Parecer PAR-MPC–GAB.4 DR.JOAOMJR/SUBSTITUTO-4987/2014, opinou: “Pelo exame do feito, denota-se que foram cumpridas as exigências preconizadas nas normas constitucionais, legais e regimentais desta Corte, razão pela qual este Ministério Público de Contas, acompanhando o entendimento técnico supra e com fulcro no inciso III, artigo 11 da Lei Complementar Estadual sob o n. 148/2010, pronuncia-se pelo registro do ato de pessoal em apreço.” (destaque nosso) Vieram os autos a esta Relatora para Decisão. É o Relatório. Ao apreciar os documentos apresentados verificou-se que a presente PENSÃO está de acordo com as normas legais e regimentais, uma vez que foram observados os elementos constitucionais. Diante da verificação de que a referida pensão foi concedida regularmente, acolho os posicionamentos exauridos pela Equipe Técnica e pelo Ministério Público de Contas, DECIDO: 1- Pelo Registro da concessão da PENSÃO POR MORTE a interessada Simbell Eduarda Souza de Quadros, na qualidade de filha do ex-servidor, com base no artigo 34, inciso II da Lei complementar nº 160/2012 c/c o artigo 10, inciso I do Regimento Interno deste Tribunal; 2- Pela comunicação do resultado desta Decisão aos responsáveis, com base no artigo 50 da Lei Complementar nº 160/2012; 3- Determino a remessa dos autos ao Cartório para as providências regimentais. É a DECISÃO. Campo Grande, 18 de junho de 2014. Conselheira Marisa Serrano R E L A T O R A...

TJ-MA - Não Informada 8572012 MA (TJ-MA)

Data de publicação: 06/03/2012

Ementa: CONSTITUCIONAL. ADMINISTRATIVO. PROCESSUAL CIVIL. APELAÇÃO. AÇÃO DE REINTEGRAÇÃO EM CARGO PÚBLICO DO QUADRO DE PESSOAL DO TJMA. CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA. EXTINÇÃO DO VÍNCULO CONTRATUAL. POSSIBILIDADE. PRESCRIÇÃO ADMINISTRATIVA. INOCORRÊNCIA. ENTENDIMENTO DO STF. RECURSO DESPROVIDO. I - Este Tribunal de Justiça consolidou entendimento segundo o qual os servidores contratados para o exercício de funções no seu Quadro de Pessoal, para atenderem necessidade temporária de excepcional interesse público, sem prévia aprovação em concurso público, e que não gozam da estabilidade excepcional ditada pelo art. 19 , do ADCT, podem ter seus contratados rescindidos, ainda que ultrapassado o prazo de 5 (cinco) anos previsto no art. 54 , da Lei nº 9.784 /99. Nesse sentido : AC nº 6.471/ 2011 - SÃO LUIS e AC nº 6.472/ 2011 - SÃO LUIS, Segunda Câmara Cível, ambas de relatoria do Desembargador MARCELO CARVALHO SILVA, julgadas em 17/5/2011; MS nº 7.309/2006 - SÃO LUÍS, Rel. Des. JORGE RACHID MUBÁRACK MALUF, Tribunal Pleno, julgado em 16/8/06; AI nº 23.015 /2009 - SÃO LUÍS, Rel.ª Des.ª NELMA SARNEY COSTA, Segunda Câmara Cível, julgado em 4/5/10, DJE nº 89 /2010, publicação em 17/5/10, p. 55; AI nº 25.114 /2009 - SÃO LUÍS, Rel. Des. LOURIVAL DE JESUS SEREJO SOUSA, Terceira Câmara Cível, julgado em 22/4/10, DJE nº 78 /2010, publicação em 30/4/10, p. 67.II - O Supremo Tribunal Federal, ao apreciar o RE nº 519.810 /MA , no qual figuram como partes o Estado do Maranhão e a Associação dos Funcionários da Justiça do Estado do Maranhão - ASFUJEMA, firmou posicionamento no sentido de que os contratos temporários dos servidores abrangidos pelo Ofício Circular nº 1336 /2006-GP/COMUNICADO, de 10 de março de 2006, da Presidência deste Tribunal de Justiça, o qual foi expedido com a mesma finalidade do Ofício Circular nº 02 /2007/GP/CRH, não geraram efeitos, razão por que entendeu a Corte Suprema que se mostra legítima a extinção da relação contratual, mesmo decorridos mais de 05 (cinco) anos após o seu início.III - Recurso desprovido....

TJ-MA - Não Informada 11462012 MA (TJ-MA)

Data de publicação: 05/03/2012

Ementa: CONSTITUCIONAL. ADMINISTRATIVO. PROCESSUAL CIVIL. APELAÇÃO. AÇÃO DE REINTEGRAÇÃO EM CARGO PÚBLICO DO QUADRO DE PESSOAL DO TJMA. CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA. EXTINÇÃO DO VÍNCULO CONTRATUAL. POSSIBILIDADE. PRESCRIÇÃO ADMINISTRATIVA. INOCORRÊNCIA. ENTENDIMENTO DO STF. RECURSO DESPROVIDO. I - Este Tribunal de Justiça consolidou entendimento segundo o qual os servidores contratados para o exercício de funções no seu Quadro de Pessoal, para atenderem necessidade temporária de excepcional interesse público, sem prévia aprovação em concurso público, e que não gozam da estabilidade excepcional ditada pelo art. 19 , do ADCT, podem ter seus contratados rescindidos, ainda que ultrapassado o prazo de 5 (cinco) anos previsto no art. 54 , da Lei nº 9.784 /99. Nesse sentido : AC nº 6.471/ 2011 - SÃO LUIS e AC nº 6.472/ 2011 - SÃO LUIS, Segunda Câmara Cível, ambas de relatoria do Desembargador MARCELO CARVALHO SILVA, julgadas em 17/5/2011; MS nº 7.309/2006 - SÃO LUÍS, Rel. Des. JORGE RACHID MUBÁRACK MALUF, Tribunal Pleno, julgado em 16/8/06; AI nº 23.015 /2009 - SÃO LUÍS, Rel.ª Des.ª NELMA SARNEY COSTA, Segunda Câmara Cível, julgado em 4/5/10, DJE nº 89 /2010, publicação em 17/5/10, p. 55; AI nº 25.114 /2009 - SÃO LUÍS, Rel. Des. LOURIVAL DE JESUS SEREJO SOUSA, Terceira Câmara Cível, julgado em 22/4/10, DJE nº 78 /2010, publicação em 30/4/10, p. 67.II - O Supremo Tribunal Federal, ao apreciar o RE nº 519.810 /MA , no qual figuram como partes o Estado do Maranhão e a Associação dos Funcionários da Justiça do Estado do Maranhão - ASFUJEMA, firmou posicionamento no sentido de que os contratos temporários dos servidores abrangidos pelo Ofício Circular nº 1336 /2006-GP/COMUNICADO, de 10 de março de 2006, da Presidência deste Tribunal de Justiça, o qual foi expedido com a mesma finalidade do Ofício Circular nº 02 /2007/GP/CRH, não geraram efeitos, razão por que entendeu a Corte Suprema que se mostra legítima a extinção da relação contratual, mesmo decorridos mais de 05 (cinco) anos após o seu início.III - Recurso desprovido....

TJ-MA - Não Informada 10892012 MA (TJ-MA)

Data de publicação: 03/04/2012

Ementa: CONSTITUCIONAL. ADMINISTRATIVO. PROCESSUAL CIVIL. APELAÇÃO. AÇÃO DE REINTEGRAÇÃO EM CARGO PÚBLICO DO QUADRO DE PESSOAL DO TJMA. CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA. EXTINÇÃO DO VÍNCULO CONTRATUAL. POSSIBILIDADE. PRESCRIÇÃO ADMINISTRATIVA. INOCORRÊNCIA. ENTENDIMENTO DO STF. RECURSO DESPROVIDO. I - Este Tribunal de Justiça consolidou entendimento, segundo o qual os servidores contratados para o exercício de funções no seu Quadro de Pessoal, para atenderem necessidade temporária de excepcional interesse público, sem prévia aprovação em concurso público, e que não gozam da estabilidade excepcional ditada pelo art. 19, do ADCT, podem ter seus contratados rescindidos, ainda que ultrapassado o prazo de 5 (cinco) anos previsto no art. 54 , da Lei nº 9.784 /99. Nesse sentido: AC nº 6.471/2011 - SÃO LUIS e AC nº 6.472/2011 - SÃO LUIS, Segunda Câmara Cível, ambas de relatoria do Desembargador MARCELO CARVALHO SILVA, julgadas em 17/5/2011; MS nº 7.309/2006 - SÃO LUÍS, Rel. Des. JORGE RACHID MUBÁRACK MALUF, Tribunal Pleno, julgado em 16/8/06; AI nº 23.015/2009 - SÃO LUÍS, Rel.ª Des.ª NELMA SARNEY COSTA, Segunda Câmara Cível, julgado em 4/5/10, DJE nº 89/2010, publicação em 17/5/10, p. 55; AI nº 25.114/2009 - SÃO LUÍS, Rel. Des. LOURIVAL DE JESUS SEREJO SOUSA, Terceira Câmara Cível, julgado em 22/4/10, DJE nº 78/2010, publicação em 30/4/10, p. 67.II - O Supremo Tribunal Federal, ao apreciar o RE nº 519.810/MA , no qual figuram como partes o Estado do Maranhão e a Associação dos Funcionários da Justiça do Estado do Maranhão - ASFUJEMA, firmou posicionamento no sentido de que os contratos temporários dos servidores abrangidos pelo Ofício Circular nº 1336/2006-GP/COMUNICADO, de 10 de março de 2006, da Presidência deste Tribunal de Justiça, o qual foi expedido com a mesma finalidade do Ofício Circular nº 02/2007/GP/CRH, não geraram efeitos, razão por que entendeu a Corte Suprema que se mostra legítima a extinção da relação contratual, mesmo decorridos mais de 05 (cinco) anos após o seu início.III - Recurso desprovido....

TCE-MS - CONCESSÃO 175442013 MS 1453437 (TCE-MS)

Data de publicação: 04/07/2014

Ementa: Referem-se estes autos à PENSÃO POR MORTE concedida aos beneficiários: Sr. Luiz Antonio Ramos Sena e Anna Nayeli Alencar Sena Quadros, na qualidade de cônjuge e filha da ex-servidora Sra. Marieide Alencar Sena, do Quadro Permanente de Pessoal do Estado de Mato Grosso do Sul, tendo como órgão de origem a Secretaria de Justiça e Segurança Pública. O processo seguiu para exame do Corpo Técnico que emitiu a Análise Conclusiva ANA-7ICE – 4775/2014, entendendo: “Face ao exposto, certificamos a regularidade da documentação e concluímos a instrução processual pelo Registro da concessão da Pensão.”(destaque nosso) Da mesma forma é o entendimento do Ministério Público de Contas que, em Parecer PAR-MPC–GAB.4 DR.JOAOMJR/SUBSTITUTO-5082/2014, opinou: “Pelo exame do feito, denota-se que foram cumpridas as exigências preconizadas nas normas constitucionais, legais e regimentais desta Corte, razão pela qual este Ministério Público de Contas, acompanhando o entendimento técnico supra e com fulcro no inciso III, artigo 11 da Lei Complementar Estadual sob o n. 148/2010, pronuncia-se pelo registro do ato de pessoal em apreço.” (destaque nosso) Vieram os autos a esta Relatora para Decisão. É o Relatório. Ao apreciar os documentos apresentados verificou-se que a presente PENSÃO está de acordo com as normas legais e regimentais, uma vez que foram observados os elementos constitucionais. Diante da verificação de que a referida pensão foi concedida regularmente, acolho os posicionamentos exauridos pela Equipe Técnica e pelo Ministério Público de Contas, DECIDO: 1- Pelo Registro da concessão da PENSÃO POR MORTE aos interessados: Sr. Luiz Antonio Ramos Sena e Anna Nayeli Alencar Sena Quadros, na qualidade de cônjuge e filha da ex-servidora, com base no artigo 34, inciso II da Lei complementar nº 160/2012 c/c o artigo 10, inciso I do Regimento Interno deste Tribunal; 2- Pela comunicação do resultado desta Decisão aos responsáveis, com base no artigo 50 da Lei Complementar nº 160/2012; 3- Determino a remessa dos autos ao Cartório para as providências regimentais. É a DECISÃO. Campo Grande, 18 de junho de 2014. Conselheira Marisa Serrano R E L A T O R A...

TCE-MS - CONCESSÃO 1179562012 MS 1390531 (TCE-MS)

Data de publicação: 11/02/2014

Ementa: APOSENTADORIA VOLUNTÁRIA – CUMPRIMENTO DAS NORMAS REGIMENTAIS E LEGAIS – REGISTRO. Trata o presente processo da concessão de APOSENTADORIA VOLUNTÁRIA da servidora Sra. Alzira Maria Rodrigues de Araújo, ocupante do cargo de Analista Judiciário, do Quadro Permanente de Pessoal do Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso do Sul, tendo como órgão de origem a Secretaria do TJ/MS. A equipe técnica da Inspetoria de Controle de Atos de Pessoal apreciou a documentação apresentada e, através da Análise Conclusiva ANC-7ICE-14648/2013, opinou: “Face ao exposto, esta Inspetoria conclui a instrução processual pelo Registro da presente Aposentadoria Voluntária.” (Destaque nosso). Da mesma forma foi o entendimento exaurido pelo Ministério Público de Contas que, emitiu o Parecer PAR-MPC – GAB. 1 DR.JAC/PROCURADOR GERAL–15988/2013 onde concluiu: “Ante o exposto e, diante da análise técnica, opinamos favoravelmente ao Registro da Aposentadoria Voluntária em apreço, nos temos do art. 31, inciso III da Constituição Estadual e art. 122 do Regimento Interno TC/MS.” É o Relatório. Observa-se com o exame dos autos que a presente APOSENTADORIA VOLUNTÁRIA encontra-se formalizada de conformidade com os ditames legais, uma vez que foram apresentados os documentos pertinentes. Diante do que se apresentou, acolho o posicionamento da Equipe Técnica e do Ministério Público de Contas e, com base no artigo 13, inciso IV do Regimento Interno deste Tribunal de Contas, DECIDO: Pelo Registro da concessão de APOSENTADORIA VOLUNTÁRIA da servidora Sra. Alzira Maria Rodrigues de Araújo, o que faço com base no artigo 34, inciso II da LC 160/2012 c/c artigo 122 e artigo 324 inciso I – ambos do Regimento Interno desta Corte de Contas; 2- Pela comunicação do resultado desta Decisão aos responsáveis, com base no artigo 50 da Lei Complementar nº 160/2012; 3- Determino a remessa dos autos ao Cartório para providências regimentais. É a DECISÃO. Campo Grande, 14 de novembro de 2013. Conselheira Marisa Serrano R E L A T O R A...

TCE-MS - CONCESSÃO 176912012 MS 1244794 (TCE-MS)

Data de publicação: 26/09/2013

Ementa: APONSENTADORIA VOLUNTÁRIA – CUMPRIMENTO DAS NORMAS REGIMENTAIS E LEGAIS – REGISTRO. Trata o presente processo da concessão de APOSENTADORIA VOLUNTÁRIA da servidora Sra. Gezeli Brandão Dourado Piazza, ocupante do cargo de Assessor Técnico Jurídico, do Quadro Permanente de Pessoal do Estado de Mato Grosso do Sul, tendo como órgão de origem o Ministério Público Estadual. A equipe técnica da Inspetoria de Controle de Atos de Pessoal apreciou a documentação apresentada e, através da Análise Conclusiva ANC-7ICE-10313/2012, opinou: “Face ao exposto, esta Inspetoria conclui a instrução processual pelo Registro da presente Aposentadoria Voluntária.” Da mesma forma foi o entendimento exaurido pelo Ministério Público de Contas que, emitiu o Parecer PAR-MPC – GAB. 1 DR.JOSÉ AEDO CAMILO–15237/2012 onde concluiu: “ Ante o exposto e, diante da análise técnica, opinamos favoravelmente ao Registro da Aposentadoria Voluntária em apreço, nos termos do art. 31, inciso III a da Constituição Estadual do Estado de Mato Grosso do Sul e art. 122 do Regimento Interno TC/MS.” É o Relatório. Observa-se com o exame dos autos que a presente APOSENTADORIA VOLUNTÁRIA encontra-se formalizada de conformidade com os ditames legais, uma vez que foram apresentados os documentos pertinentes. Diante do que se apresentou, acolho o posicionamento da Equipe Técnica e do Ministério Público de Contas e, com base no artigo 13, inciso IV do Regimento Interno deste Tribunal de Contas, DECIDO: Pelo Registro da concessão de APOSENTADORIA VOLUNTÁRIA da servidora Sra. Gezeli Brandão Dourado Piazza, o que faço com base no artigo 122 c/c o 324 inciso I – ambos do Regimento Interno desta Corte de Contas; 2- Pela comunicação do resultado desta Decisão aos responsáveis, com base no artigo 50 da Lei Complementar nº 160/2012; 3- Determino a remessa dos autos ao Cartório para providências regimentais. É a DECISÃO.

1 2 3 4 5 999 1000 Próxima

ou

×

Fale agora com um Advogado

Oi. O JusBrasil pode te conectar com Advogados em qualquer cidade caso precise de alguma orientação ou correspondência jurídica.

Disponível em: http://www.jusbrasil.com.br/busca