Carregando...
JusBrasil - Diários
25 de outubro de 2014
Pg. 6. Diário Oficial. Diário Oficial do Estado de São Paulo DOSP de 02/12/1933

Pág. 6. Diário Oficial. Diário Oficial do Estado de São Paulo (DOSP) de 02 de Dezembro de 1933

Página 6 Diário Oficial 02/12/1933DOSP

Publicado por Diário Oficial do Estado de São Paulo (extraído pelo JusBrasil) - 80 anos atrás

5I - COEFICIENTES DE DILATACAO

DOS LIQUIDOS DILATACAO IRREGULAR

DA AGNA SEU MAXIMO DE

DENSIDADE EFEITOS DO IRREGULAR DILATACAO

DA AGUA.

52 - COEFICIENTES DC DILATACAO

DOS GAZES DENSIDADE DOS GASTE

APLICACOES E EFEITOS DA DILATACAO

DOS GAZES

RA53 PROPAGACAO DO CALOR

DIAC2AO CALORIFICA• CALOR LUMINOSO

E OBSCURO LEIA DO CALOR RADIANTE

SUA VERIFICACAO ESPERIMENTADO

BELDADE DO CALOR RADAN

54REFLEXAO REGULAR DO CALOR

SUAS LEIA ESPELHOS ARDENTES OU

USTORIO REFLEXO IRREGULAR

CA]OR DIFUSO REFLEXAO APARENTE DO

FRIO EQUILIBRIO MOVEI DE

TEMPER"AT URA

PODER EMISSIVO ABSORVENTE 55

* REFLETOR DOS CORPOS PARA O CALOR

EFEITOS E APLICACOES DOS PODERES

EMISSIVO, ABSORVENTE E REFLETOR

RANULSSAO DO CLOR ROLANTE

TRAPEZ DOS CORPOS EFEITOS E

APLICACAO DOS PODERES DIATERMICO E

ATERMICO

CALORIFICA

56 CONDUTIBILIDADE

CONDUTIBILIDADE DOS SOLIDOS

CONDUTIBILIDADØ DO* LIQUIDOS

MONTO . DOS LIQUIDES CONVECAO .

POSSIBILDADE DOS GAZES . EFEI T OS E

APLICACOES DA CONDUTIBILIDADE

REIFICA DOS CORPOS

57 QUANTIDADES CE - CALOR . AOS -

CORPOS CALORIMETRIA

- FISICO

5G MUDANCAS DE E TADO

DOS CORPOS . FUSAO FUSAO AGNEA E

AQUOSA LEIS DA FUSAO IGNEA

LOR LATENTE DE FUSAO DISSOLUCAO

MISTURAS * FRIGORIFICAS . SATURACAO .

SOBRESSARA

59 SOLIDIFICACAO SUAS LEIS

HREFUSAO. VARIACAO DE VOLUME COM

A SOLIDIFICACAO CRISTALIZACAO

REGELO

50 - VAPORIZACAO GAZES E

VAPORES LIQUIDOS VOLATEIS E FIXOS

61 FORMACAO DOS VAPORES

VACUO TENSAO DO VAPOR VAPOR

SATURANTE E NAO SATURANTE TENSE

MAXIMA DO VAPOR MEDIDA

TEN/

SAO MAXIMA DO VAPOR E DIVERSAS

TEMPERATURAS

PRODUZI

62 EVAPORACAO FRIO

*DE PELA EVAPORACAO EFEITOS DO FRIO

DA EVAPORADO

63 EBULICAO LEIS DA EBULICAO

C"AUSAS QUE FAZEM VARIAR O PONTO

DE EBULICAO CALOR LATENTE DE

PELA AFINIDADE QUIMICA

INDUC'°AO PELA PRESSAO CONDENSACAO PELO

RESFRIAMENTO CALOR LIBERTADO PELA

LNCONDENSACAO. LIQUEFACAO DOS GAZES

PIST ILSAO ALAMBIQUES

TEMPERAT

65 ACAO DAS ALTAS

RAS SOBRE OS LIQUIDOS VOTASSEIS

PELOMENOS DE CALEFACAO ESTADO

FEROIDAL DOS TIQUIA

66 APLICACAO DA TENSA DO

APOR DE AGUA. MAQUINAS A VAPOR

GERADOR DO VAPOR DISTRIBUIDOR DO

MAQUIPO CORPO DE BOMBA APARELHA

ANEXOS, APARELHO TRANSMISSOR DO

MOVIMENTO .DLVL O DAS MAQUINAS

A VAPOR ,

67 FIGROMETRLA. HIGROMETRO

HIGROMETRO DE SAUSSURITA

TRO TRO DE DE DANLELL. DANLELL. ROSEAVELOSO ROSEAVELOSO

III BATEI OPTICA OPTICA

ES ES ** DEFINIEIS DEFINIEIS PRODUUCAO PRODUUCAO E E

ORIGENS GENS DA DA LUZ LUZ MOVIMENTO MOVIMENTO VIBRATORIO VIBRATORIO

LUMINOSO PRODUZINOS ANALOGIA ANALOGIA ENTRE ENTRE O O SOM, SOM,

CALOR EXCALOR E E LUZ LUZ ORIGENS ORIGENS DA DA LUZ LUZ

PESFORENCIA. FORENDIA CORPO, CORPO, LUMINOSOS LUMINOSOS A

FIUREINADOS. REINADO CORINO CORINO TRANSPARENTES, TRANSPARENTES,

TRANSLUCIDO TRANSLUCIDO E E OPACOS OPACOS

** 69 69 YOLGA YOLGA DA DA LUZ LUZ

VELO"CIDADE "CIDADE DA DA LUS LUS LEIA LEIA DA DA PROPAGACAO PROPAGACAO

DA SIMD LUZ LUZ NUM NUM MEIO MEIO HOMOGENEO HOMOGENEO

EFEITO TO* DA DA PROPAGACAO PROPAGACAO RETILINEA RETILINEA DA DA LUZ LUZ

FOR- DES-

L OMBRA L OMBRA E E PENUMBRA PENUMBRA ECLIPSE ECLIPSE

LAMACAO LAMACAO DAS DAS IMAGENS IMAGENS NA NA CAMARA CAMARA

ESCUTA CUTA

- DA DA

70 70 FOTOMETRIA FOTOMETRIA INTENSIDADE INTENSIDADE

]AX. I IS DA INTENSIDADE DA LUZ

PII¢OTOMETROS. FOTOMETRO DE

LOD

71 CATOPTRO REFLEXAO GERAL

DO

FORM,T DOS CORPOS REFRACAO

5I - COEFICIENTES DE DILATACAO

ATMOSFERICA MIRAGEM

DOS LIQUIDOS DILATACAO IRREGULAR

78 REFRACAO DA LUZ NAS LENTES

DA AGNA SEU MAXIMO DE

LENTES ELEMENTOS DAS LENTES

DENSIDADE EFEITOS DO IRREGULAR DILATACAO

*79 FORMACAO DOS FOES NAS

DA AGUA.

IENES CONVERGENTES FOCO

52 - COEFICIENTES DC DILATACAO

PRINCIPES CONJUGADOS FOCO

DOS GAZES DENSIDADE DOS GASTE

VIRTUE FORMACAO DAS LINHAGENS NAS

APLICACOES E EFEITOS DA DILATACAO

LENTES CONVERGENTES IMAGENS

DOS GAZES

REAIS IMAGENS VIRTUAIS

RA53 PROPAGACAO DO CALOR

80 FORMACAO DOS FOCOS E

DIAC2AO CALORIFICA• CALOR LUMINOSO

IMANAS LENTES DIVERGENTES

E OBSCURO LEIA DO CALOR RADIANTE

FOCOS VIRTUAIS IMAGENS VIRTUAIS

SUA VERIFICACAO ESPERIMENTADO

DECOMPOS

81 CROMATICA

BELDADE DO CALOR RADAN

CAO DA LUZ BRANCA .DISPERSED DA

54REFLEXAO REGULAR DO CALOR

LUZ ESPECTRO SOLAR CADA UMA

SUAS LEIA ESPELHOS ARDENTES OU

DAS CORES DO ESPECTRO E

USTORIO REFLEXO IRREGULAR

LNDECOMPONIVEL. DIVERTI REFRANGIBILIDADE DOS

CA]OR DIFUSO REFLEXAO APARENTE DO

RAIOS PROPRIEDADES LUMINOSAS,

FRIO EQUILIBRIO MOVEI DE

CALORIFICAS E QUIMICAS DO ESPECTRO

TEMPER"AT URA

SOLAR RISCAS DO ESPECTRO SOLAR

PODER EMISSIVO ABSORVENTE

55

C0-82 RECOMPOSIAO DA LUZ

* REFLETOR DOS CORPOS PARA O CALOR

RES COMPLEMENTARES COR DO.

EFEITOS E APLICACOES DOS PODERES

CORPOS ARCO-IRIS ABERRACAO DE

EMISSIVO, ABSORVENTE E REFLETOR

REFRANGIBILIDADE ACROMATISMO

RANULSSAO DO CLOR ROLANTE

83 APLICACOES DAS LENTES

E

TRAPEZ DOS CORPOS EFEITOS E

DOS ESPELHOS INSTRUMENTOS

APLICACAO DOS PODERES DIATERMICO E

OPTICOS . INSTRUMENTOS DE AMPLIACAO

ATERMICO

MICROSCOPIA SIMPLES OU LUPA

CALORIFICA

56 CONDUTIBILIDADE

MICROSCOPIO COMPOSTO APLICA COES DO

CONDUTIBILIDADE DOS SOLIDOS

MICROSCOPIO

CONDUTIBILIDADØ DO* LIQUIDOS

84...... RUMMENS NE

APROXIMA......... UNEDA A TRONOMLEA BRUNETA

MONTO . DOS LIQUIDES CONVECAO .

POSSIBILDADE DOS GAZES . EFEI T OS E

ERRESTO ....... TUNECA UE GALLILEU ..

APLICACOES DA CONDUTIBILIDADE

BITELCSCOPIOS.

REIFICA DOS CORPOS

85 INSTRUMENTOS DE PROJECCAO

57 QUANTIDADES CE - CALOR . AOS -

ORDINARIA. LANTERNA

CORPOS CALORIMETRIA

MA('SMA A .SC,LA COMPOSTA

- FISICO

5G MUDANCAS DE E TADO

DOS CORPOS . FUSAO FUSAO AGNEA E

86 *FOTO*RAFIA PROVA NOEIA

AQUOSA LEIS DA FUSAO IGNEA A PROVA POSITIVA

LOR LATENTE DE FUSAO DISSOLUCAO

FENOMENO PISAO

MISTURAS * FRIGORIFICAS . SATURACAO .

ESTRUTURA DO GLOBO OCULAR MECANISMO

SOBRESSARA DA VISAO DISTANCIA DA VISAO

59 SOLIDIFICACAO SUAS LEIS

DISTINTA ANOMALIAS DA VISAO

HREFUSAO. VARIACAO DE VOLUME COM

TERCEIRA PARTE

A SOLIDIFICACAO CRISTALIZACAO

I ELEETRICA

REGELO

*

88 DEFINICOES DIVISAO DA

50 - VAPORIZACAO GAZES E

ELETROLOGIA

VAPORES LIQUIDOS VOLATEIS E FIXOS

89 ELETTO-ESTATICA. PRODICAO

61 FORMACAO DOS VAPORES

MANICA DA ELETRICIDADE

VACUO TENSAO DO VAPOR VAPOR

FENOMENOS ELETRICOS CAUSA DOS

SATURANTE E NAO SATURANTE TENSE

FENOMENOS ELETRO-PNEUMATICOS VERIFICACAO

MAXIMA DO VAPOR MEDIDA

DA EXISTENCIA DA ELETRICIDADE

TEN/

SAO MAXIMA DO VAPOR E DIVERSAS

CORPOS ELETRIZADO DIFERENTEMENTE

TEMPERATURAS

90 CONDUTIBILIDADE ELETRICA

PRODUZI

62 EVAPORACAO FRIO

EQUILIBRIO ELETRICO TODOS OS

*DE PELA EVAPORACAO EFEITOS DO FRIO

CORPOS SE ELETRIZAM PELA FRICCAO LELA

DA EVAPORADO

DAS ATRACOES ELETRICAS

63 EBULICAO LEIS DA EBULICAO

91 DISTRIBUICAO

DA

C"AUSAS QUE FAZEM VARIAR O PONTO

ELETRICIDADE NOS CORPOS DENSIDADE EIRCA

DE EBULICAO CALOR LATENTE DE

E TENSAO ACUMULACAO DA

ELETRICIDADE NAS PONTAS

92 ELETRIZACAO POR INFLUENCIA

OU INDUCAO ELETRO-METALURGICA

PELA AFINIDADE QUIMICA CONDENSOU INDUCAO ELETRO-METALURGICA

INDUCAO ELETRTCA SOBRE OS CONDUTORES

INDUC'°AO PELA PRESSAO CONDENSACAO PELO CAO ELETRTCA SOBRE OS CONDUTORES

RESFRIAMENTO CALOR LIBERTADO PELA CAUSAS DA INDUCAO EFEITOS DA

LNCONDENSACAO. LIQUEFACAO DOS GAZES DUCADO ELETRICA CAUSA DAS ATRACOES

PIST ILSAO ALAMBIQUES E REPULSES ELETRICAS

ELE-93 APARELHOS DE INDUCAO

TEMPERAT

65 ACAO DAS ALTAS

TRO-ESTATJCA. AQUINAS ELETRICAS

RAS SOBRE OS LIQUIDOS VOTASSEIS

MAQUINA ELETRICA ORDINARIA.

PELOMENOS DE CALEFACAO ESTADO ELECTROFORO DE VOLTA ELETROSCOPIO

FEROIDAL DOS TIQUIA

ELETROSCOPIO DE FOLHAS DE OURO

O VAELETROMETROS. ELETROMETRO

66 APLICACAO DA TENSA DO

DE

APOR DE AGUA. MAQUINAS A VAPOR DRANGE

GERADOR DO VAPOR DISTRIBUIDOR DO 94 EXPERIENCIA

COM A

MAQUIPO CORPO DE BOMBA APARELHA ELETRIA O

FAINA ELECTROFORO

ANEXOS, APARELHO TRANSMISSOR DO ELETRICAS CARRILHAO

CAS ELETRICO

MOVIMENTO .DLVL O DAS MAQUINAS TORNIQUETE ELOTERIO EXPERIENCIAS

A VAPOR , ELECTROFORO

COM O

95 CONDENSACAO

67 FIGROMETRLA. HIGROMETRO

E ACUMULACAO

HIGROMETRO DE SAUSSURITA HIGROMA ELETRICIDADE CONDENSADORES DE

TRO TRO DE DE DANLELL. DANLELL. ROSEAVELOSO ROSEAVELOSO PRATOS GARRAFA DE LOYDE

III BATEI OPTICA OPTICA RIA ELETRICA EFEITOS DAS DESCARGAS

ES ES ** DEFINIEIS DEFINIEIS PRODUUCAO PRODUUCAO E E ORIELETRICAS.

ORIGENS GENS DA DA LUZ LUZ MOVIMENTO MOVIMENTO VIBRATORIO VIBRATORIO 96 EIETRO-DINAMJCA.

LUMINOSO PRODUZINOS ANALOGIA ANALOGIA ENTRE ENTRE O O SOM, SOM, CAO QUIMICA DA ELETRICIDADE

CALOR EXCALOR E E LUZ LUZ ORIGENS ORIGENS DA DA LUZ LUZ EXPERIENCIA DE GAIANI ORIGEM DA

PESFORENCIA. FORENDIA CORPO, CORPO, LUMINOSOS LUMINOSOS A A CUPILHA ELETRICA ELEMENTOS DA PILHA

FIUREINADOS. REINADO CORINO CORINO TRANSPARENTES, TRANSPARENTES, 97 - DIFERENTES TIPOS DE PILHAS

TRANSLUCIDO TRANSLUCIDO E E OPACOS OPACOS HIDRO-ELETROLITICOS PILHAS SIMPLES OU

** 69 69 YOLGA YOLGA DA DA LUZ LUZ VOL-TA. VELOCCE UM SO LIQUIDO PILHA DE

VELO"CIDADE "CIDADE DA DA LUS LUS LEIA LEIA DA DA PROPAGACAO PROPAGACAO POLARIZAC AO DAS PILHAS

DA SIMD LUZ LUZ NUM NUM MEIO MEIO HOMOGENEO HOMOGENEO EFEIPARTES ENFRAQUECIMENTO DAS COR

EFEITO TO* DA DA PROPAGACAO PROPAGACAO RETILINEA RETILINEA DA DA LUZ LUZ RENTES PELA POIARIAM

FOR- DES-

L OMBRA L OMBRA E E PENUMBRA PENUMBRA ECLIPSE ECLIPSE FOR98 PILHAS COMPOSTAS COM

LAMACAO LAMACAO DAS DAS IMAGENS IMAGENS NA NA CAMARA CAMARA ESPOLARIZANTE QUIMICO DESPOLARI

ESCUTA CUTA ZANTE PILHARA DE CORRENTE COAS

TANTE

- DA DA PILHA DE DANIELLLA

70 70 FOTOMETRIA FOTOMETRIA INTENSIDADE INTENSIDADE IDE PILHA

]AX. I IS DA INTENSIDADE DA LUZ BUNESE PILHA DE CREVE

PII¢OTOMETROS. FOTOMETRO DE RUMA DE GRENE PILHARA DE EDCLAN

LOD CHE. AMALGAMACAO DO ZINCO

71 CATOPTRO REFLEXAO GERAL

NA

MITTE

3 A ARTE HISTORIE

FEUDALISMO

ARTE ANTIGA

I A ARTE ANTIGO

NO

ARTE EGILDIA

ARTE CALDAICO E ASSIRIA

ARTE FENICIA, HEBRAICA

EA.

ARTE GREGA

E O

ORIENTE

ROSIE P

1 OS PRECURSORES

OS E

GIOTTO, * PISANO ORCALINA

O XIV O XV SECULO FORA DA

E

ITALIA

2 A GRANDE 6POCA€

LEONARDO - DO VINCI

E TEUS COME

TEMPORANEO

E

MIGUEL ANGELO

A ESCULTURA

ITALIANA SECULO

NO

O SECULO XVI

E

SEPTENIAL

O SECULO XVI

OCIDENTAL PRINCIPAL

E

TEMPOS

1 O SECULO

E

RAPHAEL

A ARQUITETURA

XVI

NA

EUROPA . CENTRAL

A. DURER

NA EUROPA

NA FRANSE

MODERNOS

XVII

INTENSIDADE

D* IUX. REFLEXAO REGULAR I LS DA

LAR OH DEILLE SUPERFICIES

ELETORAL ESPELHO

.

I .

ESPE-CIE

72 72 REFLEXAO REFLEXAO DE DE LUX LUX NOS NOS

LHOS LHOS PLANOS_ PLANOS_ FORMA€AN FORMA€AN DAS DAS

IMAGENS GENS NUM NUM ESPELHO ESPELHO PLANO PLANO IMAGENS IMAGENS

REALS REALS E E VIRTUAIS VIRTUAIS DORMIAO DORMIAO DAS DAS

IMAGENS IMAGENS EM EM DOTS DOTS ESPELHOS ESPELHOS

PARALELOS LOS FORMAC AO FORMAC AO DAS DAS IMAGENS IMAGENS EM EM

DOIS DOIS ESPELHOS ESPELHOS INCILNADOS. INCILNADOS.

CALEIDOSCOPIO DO ICOPLO.

** NOS NOS

73 73 REFLEXAO REFLEXAO DA DA LUZ LUZ

ESPELHOS ESPELHOS CURVOS CURVOS LHOS LHOS ESFERICOS ESFERICOS

COMPOSIO COMPOSIO DOS DOS ELHOS ELHOS ESTERCO ESTERCO

- NOS NOS ESPELHOS ESPELHOS

74 74 REFLEXIVO REFLEXIVO

ESFERICOS FERICOS CENTERO CENTERO FORMACAO FORMACAO DOS DOS

\

FOCOS FOCOS NOS NOS E LHOS E LHOS ESFERICOS ESFERICOS

CONCAVO CAVOS FORMACAO FORMACAO DAS DAS IMAGENS IMAGENS NOS NOS

ESPELHOS ESPELHOS ESFERICOS ESFERICOS CENCAVOS. CENCAVOS.

I5 I5 REFLEXO REFLEXO NOS NOS ESPELHOS ESPELHOS

ESFERICOS ESFERICOS CONVEXOS CONVEXOS FORMACAO FORMACAO DOS DOS

F0COS. FORMACAO DAS IMAGENS

APLICACOES NOS ESPELHOS CURVOS

76 76 -- DIOPTRICA DIOPTRICA REFRACAO REFRACAO GERAL GERAL

DA DA LUA• LUA• FENOMENOS FENOMENOS DA DA REFRACAO REFRACAO

CAUSAS CAUSAS DA DA REFRACCAO REFRACCAO INDICO INDICO DE DE

FRAE:AO. ANGULO LIMITE REFLEXIVO

TOTAL

*/7R REFRACAO NUM MEIO DE

FORCES PARALELAS RERLACAO ATRAVES

DAM PRISMA EFEITOS DA RETRACAO

MUDANCA APARENTE DA POSICAO E

99 DAS CORRENTES CORRENTES ELETRICAS EXPERI

CIA DO FORADA LEIS DA

RELICITA ELETRICAS ASSOCIACAO DOS

MENTOS DAS PILHAS ASSOCIAAO EM

ESPESSARIEIS ASSOCIACAO EM QUAPTLDA LE

IMANOU BATERIA ASSOCIACAO MISTA

100 EFEITOS DAS CORRENTES A

*

LETRICIA EFEITOS FISIOLOGICOS /I.

PARAEFEITOS CALORIFLS EFEITOS LUMINO

SOS EFEITOS MAGNETICOS EFEITOS

CALEIQUIMLCOS. GALVANIZACAO

101 ACOES MUTUAS ENTRE AC

CORRENTES ACOES MECANICAS ENTRE

AS CORRENTES CORRENTES IRALLA

CORRENTES ANGULARES CORRENTES

ESCORRE

SINUOSA ORIENTACAO DAS

TES PELAS CORRENTES ACAO DA TER

CONRA SOBRE AS CORRENTES NVEL

102 SOLENES ACAO DAS

RENTES SOBRE OS SOLENOIDE AC,A.*

MUTUA DOS SOIENCIDES. AQ O DAS

CORRENTES DA TERRA SOBRE AS SOLO

103 MAGNETISMO PROPRIEDADE«

DOS IMAN IMAS NATURAIS E AR

RETIFICAIS DISTRIBUI,CAO DA FORCA

MAGNETICA ACAO MUT UA DOA

IMITAS EGMEN*.A 2KO DOS IMENS

FAMAGNETIZ:T- AO POR INFLUENCIA

CA COERCIVO

104 BLASONEIS TERRESTRE

ORIENTACAO DA AGULHA

A PREPODERANCIA DA ARTE

FRANCESA NA EUROPA

*A ESCOLAA INGLESA: HARTH

JOHNS REYNOLDS

GO E

GAINSBOLGOUGH E SEUS

CONTEPORANEO

3 O SECULO XRX.

PINTODAVID E SEU TEMPO OS

RES DO LO IMPERIO

ESCOLA ALEMA, INGLESA E ITALIANA

OS AROMATICOS E OS CLASSICOS

FRANC, ES.

ARTE CONTEMPORANEA

*

1 SECULO X*.

URBANISMO

E

IMPRESSIONISMO NDO

IMPRESSIONISMO

EXPRESSIONISMO O CUBISTA

VORACISSIMO SUPRA REALISMO E

DADAISMO

GDDET;SNO CONTE.-NPORANEO.

ARTE NACIONAL

1 * EPOCA PR?HI TOTZC:T.

A ARTE NOS SILVICOLAS

BRASILEIROS

*

2 EPOCA COLONIAL

ES-CRAVOS. PRECURSORES MISSIONARIOS E

ARQUITETURA RELIGIOSA

TINTURA E ESCUI,URAA.

3 EPOCA APOS A JNDEPENCIA.

_',RQNITETURS CAVILE RCL!L ICSA.

ARTE CONTEMPORANEA

*

1 SECULO X*.

URBANISMO

E

IMPRESSIONISMO NDO

IMPRESSIONISMO

EXPRESSIONISMO O CUBISTA

VORACISSIMO SUPRA REALISMO E

DADAISMO

4 PECCA CONTEMPORANEA

O MIMETISMO ARTISTICO NSC"

NAL

E

ESQUERDISTAS REBELADOS

HORIZONTES FUTUROS DA ASTE BRA

PERSPECTIVA

CINTRE DO

PROFESSE DR. AMADOR

PRADO

PROGRAMA DE PERSPECTIVA

(1.O ANO)

DEFINICOES

1.O * PERSPECTIVA LINEAR E

BARATELA QUADRO, GEOMETRAL IANHA

TERRA PONTO DE VISTA; SUA *'*

TANCA PONTO PRINCIPAL PIANO

LINHA DO HORIZONTE; SUA POSICAO

ESPACO REAL, INTERMEDIARIO, VIRT

' LIGUEM GEOMETRAL

2.O PERSPECTIVA DUMA RETA

PONTO NO QUADRO E PONTO NO IN:

NLTON PONTO DE FUGA RETAS HORI

ZONTA PERPENDICULARES E PARA.

,ELAS AO QUADRO VERTICAL PAR;

LAELAS QUAISQUER

3.O -PERSPECTIVA DUM INNT

ECTAS USUAIS PARA A SUA DETE:

MINAI PERPENDICULARES E OB

QUES VISUAL DUM PONTO DIREQ

SOMIGNAN PONTO DE DISTANCIE

4.O - ESCALAS EM GERAL ESCA

:ERSPECTIVA. ALTURAS, LARGURAS

PROFUNDIDADES

5.O * PERSPECTIVA DUM POLIGONO

*I RLANGULO. PARALELOGRAMO

6.O - DIVISAO PERSPECTIVA DUM

HORIZONTAL EM PARTES IGUAFLS PRO•

PORCIONADAS

PROGRAMA DE PERSPECTIVA

(2.O ANO)

NEWSLETTAIS

FIGURO PERSPECTIVA G DE

LO EURI

QUAISQUER PERSPECTIVA DE CIRCULO

PONTOS DE CORDA MAXIMA POHLIG

NOS CIRCUNSCRITOS E INSCRITOS DIA.

METROS E DIAGONAIS GENERO

CURVA

FIGURAS DO ESPN

2.O * LINHAS DO QUADRO PE

PANDICULARES AUXILIARES VISUAL

FONTOL PONTO DE FUGA PERSP

VA DUM PONTO QUALQUER PERS_

CTTEA DUMA RETA

3.0 - VISIBILIDADE DOS PONT«

RETAS E PLANOS PERSPECTIVA

FINNOS PERSPECTIVAS DE SUPER:

EIDES CURVAS LINHA DE CONTORN

PERSPECTIVAS DE SOLIDOS POLIS(

COA. RETAS DE FUGA DIVISAO DU*

RETA EM PARTES IGUAIS

PERSPETIVA PARALELA

4.O - PERSPECTIVA CAVALE

PONTO DO VISTA CONFERENCIAI

COEFICIENTES DE REDUCAO EMPX

GO USUAL DESTA PERSPECTIVA

5.O - PERSPECTIVA AXONOMETRICO

ISOMETRICA MONODIARA * -METRICA ESCALAS AXONOMETRICO

REFLEXOS E SOMBRAM

6.O IMAGENS REFLETIDAS PLA

NO DE SIMETRIA SUPERFICIE ES*

LHANTE REFLEXO DAS AGUAS CASI

CORRENTES ESPELHOS

7.O SOMBRAS SEPARAFLS

E

SOMBRA- LUZ; SOMBRA PROPRIA

SOMBRA PROJETADA SOMBRA DE

ARTIFICIAL SOMBRA SOLAR -

8.O SOMBRARA CANSADA

POR RA

SOLARES: 1.O PARALELOS AO QUADRO

2.O SOL ATRAS DO QUADRO; LO

FRENTE DO QUADRO

9.O - SOMBRA PROJETADA SOBR,

PLANOS VERTICAIS, PERPENDICULAREI

C.U EM AO

OBLIQUOS RELACO QUAL"

ICEM SOBRE PLANOS QUAISQUER;

CPS

DO* TELHADOS

ANATOMIA PLASTICA I*

FISIOLOGIA

PROFESSOR DR. 5. EUGEM DE

CAMPOSRG

PROGRAMA DA CADEIRA

ANATOMIA E FISIOLOGIA

TISTICA

1.') CONSIDERACAO - SOBRE DOI

TRINAS E HISTORIAS DA ANATOMIA

FISIOLOGIA ARTISTICAS METODIZES E

VISE DA ANATOMIA

FIGURA HUMA

2.*) FORMA DA

ELEMENTO DE CONSTITUICAO SIME

TRIS E ESTATURA

- ATITUDE NORMAL

3.*) QUILIBRIO DO CORPO -

MANO E CONE,

EIONAL.

4.*) - DIVISAO DAS REGIOES

TERLESP PLANOS E APARELHOS

*

5.*) OSTEOLOGIA ESTUDO G*

DO ESQUELETO EVOLUCAO IMBRIOLI

GICA

6.*) OSSOS DO CRANEO DM

LHES DE-CADA OSSO

*

7.') OSSOS DA FACE DETAL

*

8.E) ARQUITETURA E DESENVO

MEATO DO CRANEO E FACE SOUTU

QUADRO DE BROCA

9.*) INDICE ANTTOPOMETRIE(

ANGULO DA PIRAMIDE FACIAL

10.') CABECA FORM EXPERIM

TEORIA DE VICCHI DEFORMIDADES

1L*) - TORAX EM CONJUN

CONSTITUICAO CLASSIFICAC,AO. DEFOR

MLDADES.

12.*) BACIA INFLUENCIA E

RETERES DIFERENCIAIS

13.*) COLUNA VERTEBRAL D*

HES VARIACOES EM CONJUNTO,

LINHAS

14.-) MEMBROS TORAXICA

COMPOSICAO DIVISAO ANULACA

15.*) LFFEMBRCS PELVLOS-ABD(

MINAI COMPOSICAO DIVISAO

IMPRENSA OFICIAL

0 Comentário

Faça um comentário construtivo abaixo e ganhe votos da comunidade!

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "gritar" ;)

ou

×

Fale agora com um Advogado

Oi. O JusBrasil pode te conectar com Advogados em qualquer cidade caso precise de alguma orientação ou correspondência jurídica.

Disponível em: http://www.jusbrasil.com.br/diarios/4035720/pg-6-diario-oficial-diario-oficial-do-estado-de-sao-paulo-dosp-de-02-12-1933