Carregando...
JusBrasil - Jurisprudência
01 de maio de 2016

Página 1 de 17.029 resultados

Legislação direta

Artigo 472 da Lei nº 5.869 de 11 de Janeiro de 1973
Art. 472. A sentença faz coisa julgada às partes entre as quais é dada, não beneficiando, nem prejudicando terceiros. Nas causas relativas ao estado de pessoa, se houverem sido citados no processo, em litisconsórcio necessário, todos os interessados, a sentença produz coisa julgada em relação a terceiros.

TJ-MA - MANDADO DE SEGURANÇA MS 420562005 MA (TJ-MA)

Data de publicação: 05/09/2006

Ementa: PROCESSUAL CIVIL. MANDADO DE SEGURANÇA. AÇÃO DE EXECUÇÃO. TERCEIRO QUE NÃO PARTICIPOU DO PROCESSO. INOBSERVÂNCIA AOS LIMITES SUBJETIVOS DA COISA JULGADA. ART. 472 DO CPC . BENS PÚBLICOS. IMPENHORABILIDADE. EXECUÇÃO. SISTEMA DE PRECATÓRIOS. ART. 100 DA CF/88 . SEGURANÇA CONCEDIDA. I - Merece guarida a ação mandamental que visa a garantir direito do impetrante, terceiro estranho ao processo, de não ser atingido por comando que emana de sentença executiva, face aos limites subjetivos da coisa julgada, a qual não pode surtir efeito para além daquelas partes que integraram a relação processual, nos termos do art. 472 do CPC ; II - o precatório constitui forma de execução contra a Fazenda Pública ante a impenhorabilidade dos bens públicos, a teor do preceito constitucional inserto no art. 100 da CF/88 ; III - segurança concedida.

Encontrado em: SAO LUIS MANDADO DE SEGURANÇA MS 420562005 MA (TJ-MA) CLEONES CARVALHO CUNHA

TRF-3 - MANDADO DE SEGURANÇA MS 00149835720154030000 SP 0014983-57.2015.4.03.0000 (TRF-3)

Data de publicação: 09/03/2016

Ementa: MANDADO DE SEGURANÇA. PREVIDENCIÁRIO. AÇÃO DE RECONHECIMENTO DE UNIÃO ESTÁVEL. INCLUSÃO DA AUTORA COMO BENEFICIÁRIA DA PENSÃO POR MORTE INSTITUÍDA PELO FALECIDO COMPANHEIRO. ILEGALIDADE. SEGURANÇA PARCIALMENTE CONCEDIDA. 1. A concessão de benefício previdenciário é regida por legislação própria, dependendo da demonstração de requisitos específicos, a serem analisados administrativamente pelo INSS, e que, salvo no caso da delegação prevista no Art. 109 , § 3º , da Constituição Federal , a Justiça Estadual não detém competência para a resolução de tais litígios. 2. A decisão judicial proferida nos autos de ação de reconhecimento de união estável, faz coisa julgada entre as partes e possui eficácia perante todos, a teor do artigo 472 do CPC . Contudo, tal fato, por si só, não significa que a parte que teve reconhecida a união estável com o de cujus possa automaticamente ser incluída como beneficiária da pensão por morte. Isto porque cabe ao INSS administrativamente avaliar se a parte possui todos os requisitos para a concessão de qualquer benefício previdenciário, o que inclui a pensão por morte. 3. A Justiça Estadual não pode, em ação de natureza declaratória de união estável, determinar a inclusão da companheira do de cujus como beneficiária da pensão por morte. 4. Segurança parcialmente concedida

Encontrado em: Seção do Tribunal Regional Federal da 3ª Região, por unanimidade, conceder parcialmente a segurança... e-DJF3 Judicial 1 DATA:09/03/2016 - 9/3/2016 VIDE EMENTA. MANDADO DE SEGURANÇA MS

STJ - MANDADO DE SEGURANÇA MS 20468 DF 2013/0320370-6 (STJ)

Data de publicação: 05/02/2014

Ementa: da Penha, empresas que teriam transferido os direitos e obrigações para a exploração das linhas descritas na inicial à impetrante. 6. Em regra, segundo o art. 472 do CPC , "a sentença faz coisa julgada às partes entre as quais é dada, não beneficiando, nem prejudicando terceiros". Porém, como sabemos, há casos em que a coisa julgada pode beneficiar ou prejudicar terceiros, sendo ultra partes, por exemplo, nos casos em que terceiro adquire a coisa em litígio, como ocorreu na presente hipótese, em que há a substituição processual ulterior decorrente de coisa litigiosa. É o que se pode observar do art. 42 , § 3º , do CPC . 7. No presente caso, as linhas em discussão foram regularmente cedidas à impetrante, sendo essa transferência de direitos e obrigações dos contratos de permissão resguardada pelas decisões proferidas pelo Ministério dos Transportes, de 14.04.1999, nos autos dos processos nºs 50000.003477/99-83 e 50000.003478/99-46, publicadas no DOU de 16.4.99 (fls. 67), o que garante à Viação Catarinense Ltda, substituta processual ulterior decorrente da alienação de coisa litigiosa, legitimidade para defender os efeitos da coisa julgada em questão. 8. De acordo com a sentença judicial transitada em julgado, em ação declaratória apresentada pelas empresas Viação Itapemirim S.A. e Empresa Nossa Senhora da Penha S.A em face da União, o Juízo Federal da Seção Judiciária do Espírito Santo, no processo nº 99.0031632-0, reconheceu a invalidade da cláusula 3ª de cada um dos contratos em vigor e a ineficácia do art. 8º do Decreto nº 2.521 /98 e julgou procedente o pedido para declarar que o prazo de cada um dos novos contratos assinados pelas autoras e pela ré em abril de 1999, em relação às linhas de transportes interestaduais de passageiros de ônibus que se encontravam concedidas e/ou permitidas sob a égide do Decreto nº 952 /93, seria de 15 (quinze) anos, prorrogáveis por igual período. 9. Ora, a decisão transitada em julgado dispôs que o prazo seria de 15 anos...

Encontrado em: ANO:2008 (AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTE INTERESTADUAL ANTI) CPC-73 LEG:FED LEI: 005869 ANO:1973 ART... taquigráficas, o seguinte resultado de julgamento: "A Seção, por unanimidade, denegou a segurança... : 00042 PAR: 00003 ART : 00472 CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL DE 1973 LEG:FED DEC: 002521 ANO:1998 ART...

TJ-RS - Mandado de Segurança MS 188012850 RS (TJ-RS)

Data de publicação: 01/06/1988

Ementa: AÇÃO DE DESPEJO. SENTENCA DESPEJATORIA - EXTENSAO DE SEUS EFEITOS. OS EFEITOS DA SENTENCA QUE JULGOU PROCEDENTE A AÇÃO DE DESPEJO, COM FITO DE RETOMADA DO PREDIO LOCADO, NAO PODEM SER ESTENDIDOS CONTRA INQUILINOS QUE NAO INTEGRARAM A AÇÃO E QUALQUER POLO DA RELACAO JURÍDICO-PROCESSUAL ( CPC ART- 472 ) O LOCATARIO, ATE QUE NAO FOR COMPELIDO ATRAVES DE PROCESSO REGULAR, TEM O DIREITO LIQUIDO E CERTO DE PERMANECER NO PREDIO QUE ALUGOU DURANTE A VIGENCIA DA LOCACAO. SEGURANÇA CONCEDIDA. (Mandado de Segurança Nº 188012850, Terceira Câmara Cível, Tribunal de Alçada do RS, Relator: Celeste Vicente Rovani, Julgado em 01/06/1988)

Encontrado em: Terceira Câmara Cível Diário da Justiça do dia CPC -472 LOCACAO DESPEJO. SENTENCA . EXECUÇÃO.... EFEITOS. EXTENSAO. Mandado de Segurança MS 188012850 RS (TJ-RS) Celeste Vicente Rovani

TJ-MA - MANDADO DE SEGURANÇA: MS 18832006

Data de publicação: 21/09/2006

Decisão: . ART. 472 DO CPC. SEGURANÇA CONCEDIDA. I – Merece guarida ação mandamental que visa a garantir... do CPC; II – segurança concedida. A C Ó R D Ã O Vistos, relatados e discutidos estes autos, acordam... o disposto no art. 472 do CPC, que assim prevê, in litteris : Art. 472. A sentença faz coisa julgada...

TJ-PI - Apelação Cível AC 200800010036388 PI (TJ-PI)

Data de publicação: 14/12/2011

Ementa: PROCESSO CIVIL. APELAÇAO CÍVEL. SERVIDORES PÚBLICOS. EMATER. INCONSTITUCIONALIDADE DA LEI N. 4.950 -A/66. VEDAÇAO À VINCULAÇAO AO SALÁRIO MÍNIMO. DIREITO ADQUIRIDO A REGIME JURÍDICO INEXISTENTE. APLICAÇAO DO PRINCIPIO DA ISONOMIA. IMPOSSIBILIDADE. AUSÊNCIA DE PROVA E DE DIREITO LÍQUIDO E CERTO. APELAÇAO CÍVEL IMPROVIDA. 1– O Supremo Tribunal já firmou entendimento sobre a inconstitucionalidade da Lei n. 4.950 -A/66, que garante o piso salarial dos profissionais diplomados em Engenharia, Química, Arquitetura, Agronomia e Veterinária em, no mínimo, seis salários mínimos. 2 – A vedação de vinculação ao salário mínimo é reiteradamente confirmada em todas as instâncias, inclusive já sumulada pelo Supremo Tribunal Federal, em observância ao disposto no artigo 7º , inciso IV , da Constituição Federal . Inteligência súmula n. 4.3 – Os limites subjetivos da coisa julgada estão insertos na parte inicial do art. 472 do CPC , segundo o qual a sentença faz coisa julgada às partes entre as quais é dada, não beneficiando, nem prejudicando terceiros, somente as partes ficam vinculadas à decisão judicial que estabelece a lei do caso concreto.4 – Ausência de direito adquirido a regime jurídico dos servidores públicos.5 – O mandado de segurança em que se pleiteia o recebimento deste piso salarial deve ser devidamente instruído com a decisão judicial em que foi concedido o direito de perceberem os seis salários mínimos, previstos na lei tida por inconstitucional. Ausência de prova neste sentido.6 – Apelação Cível conhecida e improvida.

TRT-3 - MANDADO DE SEGURANCA MS 62308 01438-2008-000-03-00-4 (TRT-3)

Data de publicação: 20/02/2009

Ementa: MANDADO DE SEGURANÇA - DETERMINAÇÃO DE REVISÃO DO INDEFERIMENTO DA CONCESSÃO DE BENEFÍCIO PREVIDENCIÁRIO - INSS - INCOMPETÊNCIA DESTA JUSTIÇA ESPECIALIZADA - LIMITES SUBJETIVOS DA COISA JULGADA. Falece competência à Justiça do Trabalho para dirimir lides previdenciárias. Portanto, a decisão prolatada por magistrado trabalhista determinando ao INSS, que sequer integrou a reclamação trabalhista, a revisão de benefício previdenciário de trabalhadora consubstancia-se em usurpação da competência outorgada à Justiça Federal Comum (art. 109 , I , CR ) ou, excepcionalmente à Justiça Estadual Comum (art. 109 , parágrafo 3o. , da CR ), além de afrontar os limites subjetivos da coisa julgada, que repousa no disposto no art. 472 , do CPC . O C. TST, por meio da Orientação Jurisprudencial 57, da SBDI-2, não discrepa deste entendimento. Segurança concedida.

Encontrado em: . MANDADO DE SEGURANCA MS 62308 01438-2008-000-03-00-4 (TRT-3) Marcelo Lamego Pertence

TST - RECURSO DE REVISTA RR 6984420125020021 (TST)

Data de publicação: 31/03/2015

Ementa: . Ministério Público. É o relatório. V O T O CONHECIMENTO Conheço do Agravo de Instrumento, por presentes seus pressupostos de admissibilidade. EQUIPARAÇÃO SALARIAL - DIFERENÇAS SALARIAIS DECORRENTES DA CONVERSÃO DO SALÁRIO PARA URV - DECISÃO JUDICIAL - VANTAGEM PESSOAL - SÚMULA 6, ITEM VI, DO C. TST - INCIDÊNCIA - PROVIMENTO Em suas razões de agravo de instrumento, a parte insiste no processamento de seu recurso de revista, sobretudo em razão da apontada contrariedade à Súmula 6, item VI, do TST. O despacho denegatório, que também veiculou os fundamentos do acórdão objurgado, foi vazado nos seguintes termos: REMUNERAÇÃO, VERBAS INDENIZATÓRIAS E BENEFÍCIOS / SALÁRIO/DIFERENÇA SALARIAL / SALÁRIO POR EQUIPARAÇÃO/ISONOMIA. DIREITO PROCESSUAL CIVIL E DO TRABALHO / FORMAÇÃO, SUSPENSÃO E EXTINÇÃO DO PROCESSO / COISA JULGADA. PRESCRIÇÃO. DIREITO PROCESSUAL CIVIL E DO TRABALHO / LIQUIDAÇÃO/CUMPRIMENTO/EXECUÇÃO / OBRIGAÇÃO DE FAZER/NÃO FAZER. Alegação (ões): - contrariedade à(s) Súmula (s) 6, VI/TST. - violação do (s) art (s). 5º , II , LIV , LV da CF . - violação do (s) art (s). 472 , CPC , 461 , CLT . - divergência jurisprudencial. Consta do v. Acórdão: A sentença (fls. 144/146) indeferiu a pretensão, sob o fundamento seguinte: "Disse o reclamante, na exordial, que ingressou aos préstimos da reclamada em 30/12/1983, e exerce a função de agente operacional II, percebendo R$ 2.345,07 por mês. Ainda continua trabalhando. Alegou que, muito embora exerça as mesmas atividades, e com a mesma perfeição técnica, do paradigma VALDEMIR SILVANO, que é agente operacional II, recebe salário inferior ao mesmo. Postulou o autor equiparação salarial com o referido paradigma, diante do exercício de funções idênticas, sem nenhuma diferenciação. Vindicou diferenças salariais e reflexos, com amparo no parágrafo primeiro do art. 461 da CLT . Salientou que o plano de cargos e salários da reclamada não é válido, eis que não há previsão de promoção por antiguidade e merecimento, e não foi homologado pela...

TRF-2 - APELAÇÃO CIVEL AC 200851010040283 RJ 2008.51.01.004028-3 (TRF-2)

Data de publicação: 24/04/2012

Ementa: ADMINISTRATIVO. AUTO DE INFRAÇÃO. COMPRA DE COMBUSTÍVEL DE EMPRESA NÃO AUTORIZADA. 1. A apelante foi autuada por ter adquirido combustível da empresa UBIGÁS PETRÓLEO LTDA., não autorizada a exercer atividade de distribuição de combustível automotivo, tendo sido o auto de infração lavrado com base no art. 5º da Portaria MME 009/97 c/c art. 8º da Portaria 116/2000 da ANP. 2. No caso, a empresa UBIGÁS foi por duas vezes beneficiada por decisões liminares que a autorizaram, por certos períodos, a adquirir e revender álcool e gasolina sem sofrer as limitações impostas pela ANP. A 1ª decisão vigorou de 22/02/1996, data da concessão da liminar, até 14/03/2000, data da extinção do Mandado de Segurança nº 96.02.02325-2. Em virtude da referida extinção, foi interposto o Agravo de Instrumento nº 2000.02.01.021414-4, tendo sido concedido efeito suspensivo ativo ao recurso, em decisão proferida em 03/04/2000, para assegurar à UBIGÁS •o direito de adquirir e revender álcool e gasolina, também em Postos de Revendedores e de Transportadores - Revendedores - Retalhistas de Combustíveis, sem sofrer as limitações e sanções delineadas pelos arts. 2º e 3º, parágrafo único, da Portaria nº 201/99, da Agência Nacional de Petróleo - ANP–, tendo sido a referida liminar revogada em 23/03/2004, em razão do improvimento do agravo de instrumento. 3. Assim, como posto na sentença, em 25/03/2000, data em que ocorreu a venda de combustíveis, que deu origem ao Auto de Infração nº 019033, a empresa UBIGÁS não tinha, efetivamente, respaldo em decisões judiciais para vender álcool à autora. 4. Em que pese a existência de liminares, estas não foram confirmadas por ocasião da decisão final das respectivas ações, aplicando-se, à hipótese, a Súmula 405 do STF, segundo a qual, •denegado o mandado de segurança pela sentença, ou no julgamento do agravo, dela interposto, fica sem efeito a liminar concedida, retroagindo dos efeitos da decisão contrária–. 5. Ademais, como ressaltado pela Procuradoria Federal...

TRF-2 - AC APELAÇÃO CIVEL AC 200851010040283 (TRF-2)

Data de publicação: 24/04/2012

Ementa: ADMINISTRATIVO. AUTO DE INFRAÇÃO. COMPRA DE COMBUSTÍVEL DE EMPRESA NÃO AUTORIZADA. 1. A apelante foi autuada por ter adquirido combustível da empresa UBIGÁS PETRÓLEO LTDA., não autorizada a exercer atividade de distribuição de combustível automotivo, tendo sido o auto de infração lavrado com base no art. 5º da Portaria MME 009/97 c/c art. 8º da Portaria 116/2000 da ANP. 2. No caso, a empresa UBIGÁS foi por duas vezes beneficiada por decisões liminares que a autorizaram, por certos períodos, a adquirir e revender álcool e gasolina sem sofrer as limitações impostas pela ANP. A 1ª decisão vigorou de 22/02/1996, data da concessão da liminar, até 14/03/2000, data da extinção do Mandado de Segurança nº 96.02.02325-2. Em virtude da referida extinção, foi interposto o Agravo de Instrumento nº 2000.02.01.021414-4, tendo sido concedido efeito suspensivo ativo ao recurso, em decisão proferida em 03/04/2000, para assegurar à UBIGÁS •o direito de adquirir e revender álcool e gasolina, também em Postos de Revendedores e de Transportadores - Revendedores - Retalhistas de Combustíveis, sem sofrer as limitações e sanções delineadas pelos arts. 2º e 3º, parágrafo único, da Portaria nº 201/99, da Agência Nacional de Petróleo - ANP–, tendo sido a referida liminar revogada em 23/03/2004, em razão do improvimento do agravo de instrumento. 3. Assim, como posto na sentença, em 25/03/2000, data em que ocorreu a venda de combustíveis, que deu origem ao Auto de Infração nº 019033, a empresa UBIGÁS não tinha, efetivamente, respaldo em decisões judiciais para vender álcool à autora. 4. Em que pese a existência de liminares, estas não foram confirmadas por ocasião da decisão final das respectivas ações, aplicando-se, à hipótese, a Súmula 405 do STF, segundo a qual, •denegado o mandado de segurança pela sentença, ou no julgamento do agravo, dela interposto, fica sem efeito a liminar concedida, retroagindo dos efeitos da decisão contrária–. 5. Ademais, como ressaltado pela Procuradoria Federal...

1 2 3 4 5 999 1000 Próxima
Buscar em:
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais

×

ou