Carregando...
JusBrasil - Jurisprudência
23 de novembro de 2014

Página 1 de 13.557 resultados

Legislação direta

Artigo 170A da Lei nº 5.172 de 25 de Outubro de 1966
Art. 170-A. É vedada a compensação mediante o aproveitamento de tributo, objeto de contestação judicial pelo sujeito passivo, antes do trânsito em julgado da respectiva decisão judicial. (Artigo incluído pela Lcp nº 104, de 2001)

STJ - AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO DE INSTRUMENTO AgRg no Ag 940481 RJ 2007/0193269-0 (STJ)

Data de publicação: 15/12/2008

Ementa: TRIBUTÁRIO E PROCESSUAL CIVIL. AGRAVO REGIMENTAL EM AGRAVO DE INSTRUMENTO CONTROVÉRSIA LIMITADA À COMPENSAÇÃO ANTES DO TRÂNSITO EM JULGADO. ARTIGO 170-A, DO CTN . INAPLICABILIDADE. 1.Os sucessivos regimes de legais de substituição tributária, consoante pacífico entendimento da Primeira Seção externado no julgamento do ERESP 488.992/MG, não retroagem, por isso que "a Lei Complementar 104 /2001, que introduziu no Código Tributário o art. 170-A, segundo o qual"é vedada a compensação mediante o aproveitamento de tributo, objeto de contestação judicial pelo sujeito passivo, antes do trânsito em julgado da respectiva decisão judicial". Agregou-se, com isso, novo requisito para a realização da compensação tributária: a inexistência de discussão judicial sobre os créditos a serem utilizados pelo contribuinte na compensação. Atualmente, portanto, a compensação será viável apenas após o trânsito em julgado da decisão,(...)". 2. In casu, verifica-se que a presente demanda foi ajuizada antes da entrada em vigor do art 170-A, do CTN , introduzido pela Lei Complementar 104 /01, vigente em 11/01/2001, portanto, inaplicável o referido dispositivo. 3. Precedentes desta Corte: AgRg nos EREsp 611.099/SC, Rel. Ministra DENISE ARRUDA, PRIMEIRA SEÇÃO, julgado em 27/02/2008, DJe 17/03/2008; EREsp 359.014/PR, Rel. Ministro HERMAN BENJAMIN, PRIMEIRA SEÇÃO, julgado em 13.12.2006, DJ 01.10.2007 p. 203; EREsp 628.079/SE, Rel. Ministro LUIZ FUX, PRIMEIRA SEÇÃO, julgado em 13/06/2007, DJ 13/08/2007 p. 321. 5. Agravo regimental desprovido

STJ - AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL AgRg no REsp 703715 RS 2004/0152569-1 (STJ)

Data de publicação: 10/04/2006

Ementa: TRIBUTÁRIO. AGRAVO REGIMENTAL. RECURSO ESPECIAL. IPI. INSUMOS E MATÉRIAS-PRIMAS ISENTOS OU TRIBUTADOS À ALÍQUOTA ZERO. DIREITO AO CREDITAMENTO. PRESCRIÇÃO QÜINQÜENAL. COMPENSAÇÃO. ARTIGO 170-A, DO CTN . INAPLICABILIDADE. PRINCÍPIO DA IRRETROATIVIDADE. 1. Tratando-se de reconhecimento de aproveitamento de crédito, decorrente da regra da não-cumulatividade, estabelecida pelo texto constitucional e não de pedido de restituição do indébito tributário, não há que se cogitar da aplicação do artigo 168 , do CTN , incidindo à espécie o Decreto n.º 20.910 /32, que estabelece o prazo prescricional de cinco anos, contados a partir do ajuizamento da ação. 2. O Eg. STJ, no julgamento do ERESP 488.992/MG, Relator o e. Min. Teori Albino Zavascki, conferindo exegese ao art. 170-A, do CTN , reforçou o entendimento da não-aplicação retroativa dos sucessivos regimes legais de compensação tributária, consoante se colhe do seguinte excerto do voto-condutor, em situação que se assemelha a dos presentes autos, onde instaurada a demanda antes do advento da Lei Complementar 104 /2001: "No caso concreto, o pedido formulado na inicial, data de 07.12.1995, é para a autorização da compensação dos pagamentos indevidamente feitos ao PIS"com qualquer tributo federal"(fl. 13). Ora, à época da propositura da demanda (1995), não havia autorização legal para a realização da compensação senão entre quantias relativas ao próprio PIS, já que vigorava a sistemática da Lei 8.383 /91. Sobrevieram, é certo, as modificações legislativas acima aludidas, relativas à abrangência e ao procedimento da compensação. Sobreveio também a Lei Complementar 104 /2001, que introduziu no Código Tributário o art. 170-A, segundo o qual"é vedada a compensação mediante o aproveitamento de tributo, objeto de contestação judicial pelo sujeito passivo, antes do trânsito em julgado da respectiva decisão judicial". Agregou-se, com isso, novo requisito para a realização da compensação tributária: a inexistência de discussão judicial sobre os créditos a serem utilizados pelo contribuinte na compensação. Atualmente, portanto, a compensação será viável apenas após o trânsito em julgado da decisão, devendo ocorrer de acordo com o regime previsto na Lei 10.637 /02, isto é, (a) por iniciativa do contribuinte, (b) entre quaisquer tributos administrados pela Secretaria da Receita Federal, (c) mediante entrega de declaração contendo as informações sobre os créditos e débitos utilizados, cujo efeito é o de extinguir o crédito tributário, sob condição resolutória de sua ulterior homologação. A aplicação do direito superveniente à espécie, porém, é impraticável, porque as leis novas, ao mesmo tempo em que ampliaram o rol das espécies tributárias compensáveis, condicionaram a realização da compensação a outros requisitos, cuja existência não constou da causa de pedir e nem foi objeto de exame nas instâncias ordinárias. Por isso mesmo, não há como julgar a causa à luz do direito novo." ". 3. Agravo regimental desprovido...

Encontrado em: : 005172 ANO:1966 ART : 00168 ART :0170A (ARTIGO 170-A COM REDAÇÃO DADA PELA LEI COMPLEMENTAR 104 /2001.... Ministro Francisco Falcão. T1 - PRIMEIRA TURMA DJ 10.04.2006 p. 138 - 10/4/2006 CTN-66 LEG:FED LEI

STJ - AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL AgRg no REsp 703715 RS 2004/0152569-1 (STJ)

Data de publicação: 10/04/2006

Ementa: TRIBUTÁRIO. AGRAVO REGIMENTAL. RECURSO ESPECIAL. IPI. INSUMOS E MATÉRIAS-PRIMAS ISENTOS OU TRIBUTADOS À ALÍQUOTA ZERO. DIREITO AO CREDITAMENTO. PRESCRIÇÃO QÜINQÜENAL. COMPENSAÇÃO. ARTIGO 170-A, DO CTN . INAPLICABILIDADE. PRINCÍPIO DA IRRETROATIVIDADE. 1. Tratando-se de reconhecimento de aproveitamento de crédito, decorrente da regra da não-cumulatividade, estabelecida pelo texto constitucional e não de pedido de restituição do indébito tributário, não há que se cogitar da aplicação do artigo 168 , do CTN , incidindo à espécie o Decreto n.º 20.910 /32, que estabelece o prazo prescricional de cinco anos, contados a partir do ajuizamento da ação. 2. O Eg. STJ, no julgamento do ERESP 488.992/MG, Relator o e. Min. Teori Albino Zavascki, conferindo exegese ao art. 170-A, do CTN , reforçou o entendimento da não-aplicação retroativa dos sucessivos regimes legais de compensação tributária, consoante se colhe do seguinte excerto do voto-condutor, em situação que se assemelha a dos presentes autos, onde instaurada a demanda antes do advento da Lei Complementar 104 /2001: "No caso concreto, o pedido formulado na inicial, data de 07.12.1995, é para a autorização da compensação dos pagamentos indevidamente feitos ao PIS"com qualquer tributo federal"(fl. 13). Ora, à época da propositura da demanda (1995), não havia autorização legal para a realização da compensação senão entre quantias relativas ao próprio PIS, já que vigorava a sistemática da Lei 8.383 /91. Sobrevieram, é certo, as modificações legislativas acima aludidas, relativas à abrangência e ao procedimento da compensação. Sobreveio também a Lei Complementar 104 /2001, que introduziu no Código Tributário o art. 170-A, segundo o qual"é vedada a compensação mediante o aproveitamento de tributo, objeto de contestação judicial pelo sujeito passivo, antes do trânsito em julgado da respectiva decisão judicial". Agregou-se, com isso, novo requisito para a realização da compensação tributária: a inexistência de discussão judicial sobre os créditos a serem utilizados pelo contribuinte na compensação. Atualmente, portanto, a compensação será viável apenas após o trânsito em julgado da decisão, devendo ocorrer de acordo com o regime previsto na Lei 10.637 /02, isto é, (a) por iniciativa do contribuinte, (b) entre quaisquer tributos administrados pela Secretaria da Receita Federal, (c) mediante entrega de declaração contendo as informações sobre os créditos e débitos utilizados, cujo efeito é o de extinguir o crédito tributário, sob condição resolutória de sua ulterior homologação. A aplicação do direito superveniente à espécie, porém, é impraticável, porque as leis novas, ao mesmo tempo em que ampliaram o rol das espécies tributárias compensáveis, condicionaram a realização da compensação a outros requisitos, cuja existência não constou da causa de pedir e nem foi objeto de exame nas instâncias ordinárias. Por isso mesmo, não há como julgar a causa à luz do direito novo." ". 3. Agravo regimental desprovido....

Encontrado em: :FED LEI: 005172 ANO:1966 ART : 00168 ART :0170A (ARTIGO 170-A COM REDAÇÃO DADA PELA LEI COMPLEMENTAR.... Ministro Francisco Falcão. T1 - PRIMEIRA TURMA --> DJ 10/04/2006 p. 138 - 10/4/2006 LEG: CTN-66 LEG

STJ - RECURSO ESPECIAL REsp 666456 PE 2004/0081878-1 (STJ)

Data de publicação: 13/02/2006

Ementa: TRIBUTÁRIO. RECURSO ESPECIAL. IPI. INSUMOS E MATÉRIAS-PRIMAS ISENTOS OU TRIBUTADOS À ALÍQUOTA ZERO. DIREITO AO CREDITAMENTO. COMPENSAÇÃO. INSTRUÇÃO NORMATIVA. NORMA NÃO ALCANÇADA PELA EXPRESSÃO “LEI FEDERAL” CONSTANTE DO ART. 105 , III , “A”, DA CF/1988 . ARTIGO 170-A, DO CTN . INAPLICABILIDADE. PRINCÍPIO DA IRRETROATIVIDADE. 1. O princípio constitucional da não-cumulatividade, assegura ao contribuinte do IPI o direito ao creditamento do imposto na hipótese de aquisição de insumos e matérias-primas isentos ou tributados à alíquota zero. 2. In casu, verifica-se que os tributos foram recolhidos pela empresa EMBALAGENS ACAN LTDA entre janeiro de 1992 até dezembro de 1999 e a presente demanda ajuizada em 08/08/2002, data na qual se encontrava em vigor a Lei 9.430 /96, sem as alterações levadas a efeito pela Lei 10.637 , de 30/12/2002. 3. No julgamento do ERESP 488.992/MG, a Primeira Seção deu a exata exegese ao art. 170-A, do CTN que veio a reforçar o entendimento no sentido da não-aplicação retroativa dos sucessivos regimes legais de compensação tributária, consoante se colhe do seguinte excerto do voto-condutor: "'a Lei Complementar 104 /2001, que introduziu no Código Tributário o art. 170-A, segundo o qual"é vedada a compensação mediante o aproveitamento de tributo, objeto de contestação judicial pelo sujeito passivo, antes do trânsito em julgado da respectiva decisão judicial'. Agregou-se, com isso, novo requisito para a realização da compensação tributária: a inexistência de discussão judicial sobre os créditos a serem utilizados pelo contribuinte na compensação. Atualmente, portanto, a compensação será viável apenas após o trânsito em julgado da decisão, (...)"4. Obedecido o princípio tempus regit actum, o pedido de compensação fundado na ação não pode ser alterado quando da pretensão de efetiva liquidação. 5. Os créditos e débitos compensáveis são do próprio contribuinte ou responsável em face da Fazenda. 6. Inexiste autorização legal para que a parte compense seus débitos com créditos de terceiro, à luz da redação escrita dos artigos 73 e 74 da Lei 9.430 /96, alterada pela Lei 10.637 /02. 7. A compensação é forma de extinção do crédito tributário e, como tal, submete-se à interpretação estrita. 8. Recurso Especial da Fazenda Nacional provido e desprovido o da empresa...

Encontrado em: /2/2006 CTN-66 LEG:FED LEI: 005172 ANO:1966 ART :0170A (REDAÇÃO DADA PELA LEI COMPLEMENTAR N. 104 /2001...) CÓDIGO TRIBUTÁRIO NACIONAL LEG:FED LEI: 009430 ANO:1996 ART : 00073 ART : 00074 (ARTIGO 74 , COMPENSAÇÃO, TRIBUTO, COM, OUTRA, ESPÉCIE, TRIBUTO ; NÃO, APLICAÇÃO IMEDIATA, ARTIGO, CÓDIGO TRIBUTÁRIO...

STJ - RECURSO ESPECIAL REsp 666456 PE 2004/0081878-1 (STJ)

Data de publicação: 13/02/2006

Ementa: TRIBUTÁRIO. RECURSO ESPECIAL. IPI. INSUMOS E MATÉRIAS-PRIMAS ISENTOS OU TRIBUTADOS À ALÍQUOTA ZERO. DIREITO AO CREDITAMENTO. COMPENSAÇÃO. INSTRUÇÃO NORMATIVA. NORMA NÃO ALCANÇADA PELA EXPRESSÃO “LEI FEDERAL” CONSTANTE DO ART. 105 , III , “A”, DA CF/1988 . ARTIGO 170-A, DO CTN . INAPLICABILIDADE. PRINCÍPIO DA IRRETROATIVIDADE. 1. O princípio constitucional da não-cumulatividade, assegura ao contribuinte do IPI o direito ao creditamento do imposto na hipótese de aquisição de insumos e matérias-primas isentos ou tributados à alíquota zero. 2. In casu, verifica-se que os tributos foram recolhidos pela empresa EMBALAGENS ACAN LTDA entre janeiro de 1992 até dezembro de 1999 e a presente demanda ajuizada em 08/08/2002, data na qual se encontrava em vigor a Lei 9.430 /96, sem as alterações levadas a efeito pela Lei 10.637 , de 30/12/2002. 3. No julgamento do ERESP 488.992/MG, a Primeira Seção deu a exata exegese ao art. 170-A, do CTN que veio a reforçar o entendimento no sentido da não-aplicação retroativa dos sucessivos regimes legais de compensação tributária, consoante se colhe do seguinte excerto do voto-condutor: "'a Lei Complementar 104 /2001, que introduziu no Código Tributário o art. 170-A, segundo o qual"é vedada a compensação mediante o aproveitamento de tributo, objeto de contestação judicial pelo sujeito passivo, antes do trânsito em julgado da respectiva decisão judicial'. Agregou-se, com isso, novo requisito para a realização da compensação tributária: a inexistência de discussão judicial sobre os créditos a serem utilizados pelo contribuinte na compensação. Atualmente, portanto, a compensação será viável apenas após o trânsito em julgado da decisão, (...)"4. Obedecido o princípio tempus regit actum, o pedido de compensação fundado na ação não pode ser alterado quando da pretensão de efetiva liquidação. 5. Os créditos e débitos compensáveis são do próprio contribuinte ou responsável em face da Fazenda. 6. Inexiste autorização legal para que a parte compense seus débitos com créditos de terceiro, à luz da redação escrita dos artigos 73 e 74 da Lei 9.430 /96, alterada pela Lei 10.637 /02. 7. A compensação é forma de extinção do crédito tributário e, como tal, submete-se à interpretação estrita. 8. Recurso Especial da Fazenda Nacional provido e desprovido o da empresa....

Encontrado em: /2/2006 CTN-66 LEG:FED LEI: 005172 ANO:1966 ART :0170A (REDAÇÃO DADA PELA LEI COMPLEMENTAR N. 104 /2001...) CÓDIGO TRIBUTÁRIO NACIONAL LEG:FED LEI: 009430 ANO:1996 ART : 00073 ART : 00074 (ARTIGO 74 , COMPENSAÇÃO, TRIBUTO, COM, OUTRA, ESPÉCIE, TRIBUTO ; NÃO, APLICAÇÃO IMEDIATA, ARTIGO, CÓDIGO TRIBUTÁRIO...

STJ - EMBARGOS DE DECLARAÇÃO NO RECURSO ESPECIAL EDcl no REsp 666456 PE 2004/0081878-1 (STJ)

Data de publicação: 10/04/2006

Ementa: PROCESSUAL CIVIL. TRIBUTÁRIO. EMBARGOS DE DECLARAÇÃO. ERRO MATERIAL. (IPI. INSUMOS E MATÉRIAS-PRIMAS ISENTOS OU TRIBUTADOS À ALÍQUOTA ZERO. DIREITO AO CREDITAMENTO. COMPENSAÇÃO. INSTRUÇÃO NORMATIVA. NORMA NÃO ALCANÇADA PELA EXPRESSÃO “LEI FEDERAL” CONSTANTE DO ART. 105 , III , “A”, DA CF/1988 . ARTIGO 170-A, DO CTN . INAPLICABILIDADE. PRINCÍPIO DA IRRETROATIVIDADE). 1. Os embargos de declaração são cabíveis quando houver no acórdão ou sentença, omissão, contradição ou obscuridade, nos termos do art. 535 , I e II , do CPC , ou para sanar erro material. 2. Embargos de declaração acolhidos, apenas, para sanar o equívoco relativo ao dispositivo final do voto, fazendo constar recurso especial da Fazenda Nacional parcialmente provido, tendo em vista a possibilidade de compensação de créditos com débitos de terceiros à época do ajuizamento da ação, mantendo-se, no mais, o acórdão de fls. 313/325.

STJ - EMBARGOS DE DECLARAÇÃO NO RECURSO ESPECIAL EDcl no REsp 666456 PE 2004/0081878-1 (STJ)

Data de publicação: 10/04/2006

Ementa: PROCESSUAL CIVIL. TRIBUTÁRIO. EMBARGOS DE DECLARAÇÃO. ERRO MATERIAL. (IPI. INSUMOS E MATÉRIAS-PRIMAS ISENTOS OU TRIBUTADOS À ALÍQUOTA ZERO. DIREITO AO CREDITAMENTO. COMPENSAÇÃO. INSTRUÇÃO NORMATIVA. NORMA NÃO ALCANÇADA PELA EXPRESSÃO “LEI FEDERAL” CONSTANTE DO ART. 105 , III , “A”, DA CF/1988 . ARTIGO 170-A, DO CTN . INAPLICABILIDADE. PRINCÍPIO DA IRRETROATIVIDADE). 1. Os embargos de declaração são cabíveis quando houver no acórdão ou sentença, omissão, contradição ou obscuridade, nos termos do art. 535 , I e II , do CPC , ou para sanar erro material. 2. Embargos de declaração acolhidos, apenas, para sanar o equívoco relativo ao dispositivo final do voto, fazendo constar recurso especial da Fazenda Nacional parcialmente provido, tendo em vista a possibilidade de compensação de créditos com débitos de terceiros à época do ajuizamento da ação, mantendo-se, no mais, o acórdão de fls. 313/325

TRF-2 - APELAÇÃO EM MANDADO DE SEGURANÇA AMS 72334 RJ 2007.51.02.000518-4 (TRF-2)

Data de publicação: 03/10/2008

Ementa: MANDADO DE SEGURANÇA – COFINS - LEI 9.718 /98 - INCONSTITUCIONALIDADE DA BASE DE CÁLCULO (ART. 3º, § 1º) - CONSTITUCIONALIDADE DA ALTERAÇÃO DA ALÍQUOTA (ART. 8º) - COMPENSAÇÃO COM TRIBUTOS E CONTRIBUIÇÕES DE ESPÉCIES DISTINTAS E DISTINTA DESTINAÇÃO CONSTITUCIONAL – ART. 74 DA LEI 9.430/95 – MP Nº 66 E LEI Nº 10.637 /2002 – INAPLICABILIDADE DO DIREITO SUPERVENIENTE - TAXA SELIC (APLICAÇÃO) – JUROS DE MORA E TAXA SELIC (NÃO CUMULATIVIDADE) – ARTIGO 170-A DO CTN - INAPLICABILIDADE. 1. A Emenda Constitucional nº 20 , de 15 de dezembro de 1998 (DOU de 16/12/1998) não tem força para legitimar o texto do art. 3º , § 1º , da Lei nº. 9.718 /98, haja vista que a lei entrou em vigor na data de sua publicação, em 28 de novembro de 1998. 2. Prevalece, para fins de determinação da base de cálculo do tributo em tela, o art. 2º da LC 70 /91, que considera faturamento somente a receita bruta das vendas de mercadorias, de mercadorias e serviços e de serviços de qualquer natureza. 3. O Supremo Tribunal Federal, ao concluir o julgamento dos Recursos Extraordinários 357.950/RS, 346.084/PR, 358.273/RS e 390.840/MG (Informativo 408 STF), firmou sua posição pela inconstitucionalidade da ampliação do conceito de receita bruta para toda e qualquer receita, diante da afronta à noção de faturamento (art. 195 , I , b , da CF ). 4. É legítima a majoração da alíquota da COFINS promovida pela Lei nº 9.718 /98, por ser a LC nº 70 /91 legislação complementar apenas em sentido formal, não havendo óbice à sua alteração por lei ordinária (STF, ADC nº 1/1-DF, Rel. Min. Moreira Alves). 5. A Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça firmou orientação no sentido de que, tratando-se de compensação, o caso concreto deve ser analisado com base na causa de pedir e no regime normativo vigente à época do ajuizamento. Em relação à correção do indébito, a partir de janeiro de 1996, aplica-se, exclusivamente, a taxa SELIC. (EREsp 548711/PE, Rel. Ministra DENISE ARRUDA, PRIMEIRA SEÇÃO, julgado em 25.04.2007, DJ 28.05.2007, p. 278). 6. Com a edição da Medida Provisória nº 66 de 29/08/2002, convertida na Lei 10.637 de 30/12/2002, que alterou o artigo 74 da Lei nº. 9.430 /96, mesmo tratando-se de tributos e contribuições de espécies distintas, e de diferente destinação constitucional, cabe ao contribuinte apurar o crédito a seu favor, proceder ao encontro de contas com seus débitos e declarar ao órgão, ficando a extinção do crédito tributário sob condição resolutória da ulterior homologação pelo Fisco. 7. Entendimento da Turma no sentido de ser possível a compensação de créditos decorrentes de recolhimentos indevidos efetuados a título de tributo declarado inconstitucional pelo STF antes do trânsito em julgado da sentença, sendo possível até mesmo a concessão de antecipação da tutela. 8. Apelação parcialmente provida e remessa oficial improvida...

TRF-3 - APELAÇÃO EM MANDADO DE SEGURANÇA AMS 18249 SP 2003.61.04.018249-8 (TRF-3)

Data de publicação: 12/07/2007

Ementa: PROCESSUAL CIVIL. CONSTITUCIONAL. TRIBUTÁRIO. EXTINÇÃO DO MANDADO DE SEGURANÇA, POR FALTA DE INTERESSE. REFORMA DA SENTENÇA (ARTIGO 515 , § 3º , DO CPC , COM A REDAÇÃO DA LEI Nº 10.352 /01). PIS . DECRETOS-LEI Nº 2.445 e 2.449 /88. COMPENSAÇÃO. ARTIGO 170-A DO CTN . INAPLICABILIDADE. 1. Discute-se o direito à compensação dos valores recolhidos indevidamente a título de PIS , com base nos Decretos-lei nºs 2.445 e 2.449 /88, independentemente da aplicação do artigo 170-A do CTN . 2 . A carência de ação, que fundou a extinção do processo sem exame do mérito, não se sustenta, uma vez que o pedido formulado em Juízo extrapola os limites do que administrativamente é admitido pelo Fisco, como revela cabalmente a Instrução Normativa nº 210/02, que veda a compensação mediante o aproveitamento de tributo, antes do trânsito em julgado da respectiva decisão judicial, caracterizando, assim, o interesse de agir. 3. A impetração relaciona-se, exatamente, à oportunidade em que possível a compensação e a compatibilidade do atual ordenamento (art. 170-A), com o direito já deferido, conforme retratado na sentença prolatada antes da entrada em vigor de referida regra, que não condicionou o exercício daquele direito ao trânsito em julgado da decisão judicial. 4. No mandado de segurança nº 98.0208369-0, redistribuído a este Tribunal com o nº 2000.03.99.000769-6, a impetrante obteve provimento judicial, que reconheceu o seu direito à compensação dos valores recolhidos a título de PIS , ainda em primeiro grau, repita-se, antes da entrada em vigor do dispositivo mencionado (art. 170-A), não se afigurando legítima a sua aplicação, pois se encontrava autorizada a compensar o indébito, sem qualquer exigência ou condição prévia, devendo ater-se, in casu, apenas às regras de compensação estabelecidas pela Lei. 8.383 . 5. Apelação provida.

TRF-3 - APELAÇÃO EM MANDADO DE SEGURANÇA 261593 AMS 18249 SP 2003.61.04.018249-8 (TRF-3)

Data de publicação: 18/09/2007

Ementa: PROCESSUAL CIVIL. CONSTITUCIONAL. TRIBUTÁRIO. EXTINÇÃO DO MANDADO DE SEGURANÇA, POR FALTA DE INTERESSE. REFORMA DA SENTENÇA (ARTIGO 515 , § 3º , DO CPC , COM A REDAÇÃO DA LEI Nº 10.352 /01). PIS . DECRETOS-LEI Nº 2.445 e 2.449 /88. COMPENSAÇÃO. ARTIGO 170-A DO CTN . INAPLICABILIDADE. 1. Discute-se o direito à compensação dos valores recolhidos indevidamente a título de PIS , com base nos Decretos-lei nºs 2.445 e 2.449 /88, independentemente da aplicação do artigo 170-A do CTN . 2. A carência de ação, que fundou a extinção do processo sem exame do mérito, não se sustenta, uma vez que o pedido formulado em Juízo extrapola os limites do que administrativamente é admitido pelo Fisco, como revela cabalmente a Instrução Normativa nº 210/02, que veda a compensação mediante o aproveitamento de tributo, antes do trânsito em julgado da respectiva decisão judicial, caracterizando, assim, o interesse de agir. 3. A impetração relaciona-se, exatamente, à oportunidade em que possível a compensação e a compatibilidade do atual ordenamento (art. 170-A), com o direito já deferido, conforme retratado na sentença prolatada antes da entrada em vigor de referida regra, que não condicionou o exercício daquele direito ao trânsito em julgado da decisão judicial. 4. No mandado de segurança nº 98.0208369-0, redistribuído a este Tribunal com o nº 2000.03.99.000769-6, a impetrante obteve provimento judicial, que reconheceu o seu direito à compensação dos valores recolhidos a título de PIS , ainda em primeiro grau, repita-se, antes da entrada em vigor do dispositivo mencionado (art. 170-A), não se afigurando legítima a sua aplicação, pois se encontrava autorizada a compensar o indébito, sem qualquer exigência ou condição prévia, devendo ater-se, in casu, apenas às regras de compensação estabelecidas pela Lei. 8.383 . 5. Apelação provida.

1 2 3 4 5 999 1000 Próxima
Buscar em:
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais

ou

×

Fale agora com um Advogado

Oi. O JusBrasil pode te conectar com Advogados em qualquer cidade caso precise de alguma orientação ou correspondência jurídica.

Escolha uma cidade da lista
Disponível em: http://www.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/busca