Carregando...
JusBrasil - Jurisprudência
19 de abril de 2014

TRF-2 - APELAÇÃO CIVEL AC 364243 RJ 1996.51.01.008773-8 (TRF-2)

Data de publicação: 08/01/2008

Ementa: ADMINISTRATIVO. MILITAR ACIDENTE EM SERVIÇO. ARTROSE NO JOELHO DIREITO. NEUROSE DEPRESSIVA. DOENÇA COM RELAÇÃO DE CAUSA E EFEITO COM O SERVIÇO MILITAR. LAUDO PERICIAL. DIREITO À PROMOÇÃO À GRADUAÇÃO DE 2º TENENTE E À REFORMA NESTA GRADUAÇÃO COM BASE NO INCISO IV, DO ART. 108 C/C O ART. 110 , §§ 1º E 2º , “B”, DA LEI Nº 6.880 /80. IMPOSSIBILIDADE. 1. Pretende o Autor, ora Apelante, a condenação da UNIÃO FEDERAL a retificar o ato que o reformou no posto de 3º Sargento que ocupava quando em atividade, por ter sido julgado incapaz definitivamente para o Serviço Ativo da Marinha – SAM, para considerá-lo promovido ao posto de 2º Tenente. 2. De acordo com o laudo pericial, o Autor está incapaz para atividades relativas à função que venha a exercer e padece de artrose no joelho direito, doença com relação de causa e efeito com o serviço militar, necessitando de cuidados intermitentes de assistência médica ambulatorial pelo restante da vida e eventual assistência médica e de enfermagem em caso de intervenção cirúrgica. 3. Apesar de a enfermidade que acometeu o Autor possuir relação de causa e efeito, a ponto de poder ser enquadrada no inciso IV , do art. 108 , da Lei nº 6.880 /80, o Autor não faz jus à promoção à graduação de 2º Tenente e nem à reforma em tal graduação, pois, não foi considerado inválido, ou seja, não está incapaz total e permanentemente para qualquer trabalho. 4. Apelação improvida

TRF-2 - APELAÇÃO CIVEL AC 199651010087738 RJ 1996.51.01.008773-8 (TRF-2)

Data de publicação: 08/01/2008

Ementa: ADMINISTRATIVO. MILITAR ACIDENTE EM SERVIÇO. ARTROSE NO JOELHO DIREITO. NEUROSE DEPRESSIVA. DOENÇA COM RELAÇÃO DE CAUSA E EFEITO COM O SERVIÇO MILITAR. LAUDO PERICIAL. DIREITO À PROMOÇÃO À GRADUAÇÃO DE 2º TENENTE E À REFORMA NESTA GRADUAÇÃO COM BASE NO INCISO IV, DO ART. 108 C/C O ART. 110 , §§ 1º E 2º , “B”, DA LEI Nº 6.880 /80. IMPOSSIBILIDADE. 1. Pretende o Autor, ora Apelante, a condenação da UNIÃO FEDERAL a retificar o ato que o reformou no posto de 3º Sargento que ocupava quando em atividade, por ter sido julgado incapaz definitivamente para o Serviço Ativo da Marinha – SAM, para considerá-lo promovido ao posto de 2º Tenente. 2. De acordo com o laudo pericial, o Autor está incapaz para atividades relativas à função que venha a exercer e padece de artrose no joelho direito, doença com relação de causa e efeito com o serviço militar, necessitando de cuidados intermitentes de assistência médica ambulatorial pelo restante da vida e eventual assistência médica e de enfermagem em caso de intervenção cirúrgica. 3. Apesar de a enfermidade que acometeu o Autor possuir relação de causa e efeito, a ponto de poder ser enquadrada no inciso IV , do art. 108 , da Lei nº 6.880 /80, o Autor não faz jus à promoção à graduação de 2º Tenente e nem à reforma em tal graduação, pois, não foi considerado inválido, ou seja, não está incapaz total e permanentemente para qualquer trabalho. 4. Apelação improvida.

TRF-2 - APELAÇÃO CIVEL AC 388230 RJ 2002.51.01.023984-0 (TRF-2)

Data de publicação: 14/11/2007

Ementa: ADMINISTRATIVO – CIVIL – MILITAR – REFORMA – REVISÃO – ACIDENTE EM SERVIÇO – INVALIDEZ NÃO COMPROVADA – INEXISTÊNCIA DE DANOS MORAIS OU LUCROS CESSANTES A SEREM INDENIZADOS – APELO DESPROVIDO - A questão em tela refere-se à controvérsia quanto ao alegado direito do apelante à revisão do seu ato de reforma, para que passe a perceber proventos cuja base de cálculo seja o soldo de Terceiro-Sargento. - Ao militar que se julga merecedor de reforma cabe comprovar a sua incapacidade definitiva na forma do artigo 106, inciso II, da Lei n.º 6.880 /80, decorrente de uma das causas mencionadas nos incisos do artigo 108 desta mesma lei, com relação de causa e efeito com o serviço militar ativo, salvo a referente ao inciso VI. Pela fundamentação de sua inicial, o apelante enquadra sua incapacidade no que dispõe o item III do artigo 108, ou seja, “acidente em serviço”. - Depreende-se dos autos (fls. 15/16) que o apelante foi reformado “ex-officio” no posto de Cabo CB-PV-MA da Marinha do Brasil, por incapacidade definitiva para o serviço ativo das Forças Armadas, em virtude de acidente sofrido em serviço, com proventos do mesmo posto que ocupava à época de seu desligamento. - Ademais, consta do laudo pericial acostado às fls. 103/109 que o apelante, apesar de ser portador de “condromalácia e artrose no joelho direito”, não revela um quadro de invalidez, tendo o expert do Juízo informado que o apelante pode exercer “atividades administrativas que não exijam grandes deslocamentos e ou permanência em posição ortostática”. - Assim, diante dos elementos probatórios carreados aos autos, constata-se que a reforma do apelante se deu em conformidade com os ditames legais que tratam da matéria em exame, na medida em que, não estando inválido, mas, tão-somente, incapaz definitivamente para o serviço militar, faz jus à percepção de proventos do mesmo posto ou graduação que ocupava à época de seu desligamento. - Finalmente, não se verificando qualquer ilegalidade no ato administrativo que determinou o desligamento do apelante das Forças Armadas, bem como não tendo o mesmo se desincumbido do onus probandi atinente ao direito por ele invocado, não faz jus às indenizações pleiteadas. - Apelo desprovido....

TJ-SP - Apelação APL 793811420108260000 SP 0079381-14.2010.8.26.0000 (TJ-SP)

Data de publicação: 08/05/2012

Ementa: ACIDENTE DO TRABALHO. AUXÍLIO-DOENÇA/APOSENTADORIA POR INVALIDEZ. SEQUELA DE ARTROSE NO JOELHO DIREITO. ACIDENTE TÍPICO. BENEFÍCIO NEGADO PELO JUIZ SINGULAR. DIAGNÓSTICO, TODAVIA, INSATISFATÓRIO AO CONVENCIMENTO DO JULGADOR DE 2º GRAU NECESSIDADE DE NOVO TRABALHO TÉCNICO JULGAMENTO CONVERTIDO EM DILIGÊNCIA.

Encontrado em: 16ª Câmara de Direito Público 08/05/2012 - 8/5/2012 Apelação APL 793811420108260000 SP 0079381-14.2010.8.26.0000 (TJ-SP) Valdecir José do Nascimento

TJ-SP - Apelação APL 9000272412011826 SP 9000272-41.2011.8.26.0037 (TJ-SP)

Data de publicação: 13/12/2011

Ementa: Auxílio-acidente Artrose no joelho direito Laudo pericial conclusivo quanto à ausência do nexo causal entre a moléstia e o trabalho exercido pela obreira Inexistência de CAT Justiça Estadual competente para o julgamento da demanda, tendo em vista o teor do pedido formulado na inicial Improcedência da ação mantida Recurso improvido.

Encontrado em: 17ª Câmara de Direito Público 13/12/2011 - 13/12/2011 Apelação APL 9000272412011826 SP 9000272-41.2011.8.26.0037 (TJ-SP) Afonso Celso da Silva

TJ-SP - -.... 1638948020088260000 SP (TJ-SP)

Data de publicação: 30/12/2010

Ementa: ACIDENTE DO TRABALHO. BENEFÍCIO. AUXILIO DOENÇA/APOSENTADORIA POR INVALIDEZ ACIDENTARIA. DISCRETA ARTROSE NO JOELHO DIREITO. INCAPACIDADE PARCIAL E TEMPORÁRIA. DIAGNÓSTICO, TODAVIA, INSATISFATÓRIO AO CONVENCIMENTO DO JULGADOR - NECESSIDADE DE NOVO TRABALHO TÉCNICO - JULGAMENTO CONVERTIDO EM DILIGÊNCIA.

Encontrado em: 16ª Câmara de Direito Público 30/12/2010 - 30/12/2010 -.... 1638948020088260000 SP (TJ-SP) Valdecir José do Nascimento

TRF-1 - APELAÇÃO CIVEL AC 40797220064013807 MG 0004079-72.2006.4.01.3807 (TRF-1)

Data de publicação: 12/08/2013

Ementa: APELAÇÃO CÍVEL. PREVIDENCIÁRIO. APOSENTADORIA POR INVALIDEZ. INCAPACIDADE PARA O TRABALHO NÃO DEMONSTRADA. IMPROCEDÊNCIA. 1. Se o laudo médico-pericial foi expresso em consignar que a parte autora - pescadora artesanal, nascida em 1959, portadora de artrose no joelho direito (M25.5), hipertensão arterial (I10) e diabetes - não estava incapacitada para o exercício de suas atividades laborais e os argumentos contidos nas razões da apelação não lograram infirmar as conclusões daquele documento, a legislação de regência não autoriza a concessão do pleiteado benefício de aposentadoria por invalidez. 2. Apelação a que se nega provimento.

TJ-SC - Apelação Cível AC 746090 SC 2008.074609-0 (TJ-SC)

Data de publicação: 04/06/2010

Ementa: APELAÇÃO CÍVEL ¿ AUXÍLIO-DOENÇA ¿ ARTROSE NO JOELHO DIREITO ¿ PERÍCIA MÉDICA ¿ ACIDENTE DE TRABALHO NÃO COMPROVADO ¿ INEXISTÊNCIA DE PROVA DO NEXO ETIOLÓGICO ¿ BENEFÍCIO INDEVIDO ¿ REMESSA PROVIDA E RECURSO PREJUDICADO.

Encontrado em: Quarta Câmara de Direito Público Apelação Cível n. , de Lages Apelante: Instituto Nacional

TST - RECURSO DE REVISTA RR 659009120005150096 65900-91.2000.5.15.0096 (TST)

Data de publicação: 04/09/2009

Ementa: RECURSO DE REVISTA - PROVA PERICIAL - INDEFERIMENTO - DOENÇA PROFISSIONAL - EXISTÊNCIA - FATO CUJA AFERIÇÃO DEPENDE DE CONHECIMENTOS TÉCNICOS - CERCEAMENTO DE DEFESA - CARACTERIZAÇÃO. Nos termos do art. 420 , parágrafo único , I , do CPC , a prova pericial somente se afigura admissível para a demonstração de fatos cuja apuração dependa de conhecimentos técnicos. Tratando-se de estabilidade provisória decorrente de acidente de trabalho, a Súmula nº 378, II, do TST não condiciona a aquisição do benefício à percepção do auxílio-doença acidentário, se, após a dispensa do empregado, restar constatada a existência de doença profissional que guarde nexo de causalidade com as atividades desenvolvidas pelo obreiro na vigência do contrato de trabalho. Na espécie, o empregado alega que adquiriu artrose no joelho direito e tendinite no braço em decorrência do seu trabalho, postulando, em face disso, a realização de perícia, a fim de que reste constatado o mencionado nexo. O indeferimento da produção da aludida prova, ao argumento de que a estabilidade perseguida atrela-se ao afastamento do obreiro de suas atividades por mais de 15 dias, vulnera o disposto nos arts. 5º , LV , da Constituição Federal e 420 , parágrafo único , I , do CPC , além de contrariar a Súmula nº 378, II, do TST, pois priva o reclamante da prova idônea a demonstrar a sua alegação. Recurso de revista conhecido e provido.

TRF-1 - APELAÇÃO CIVEL AC 95169 MG 0095169-97.2000.4.01.9199 (TRF-1)

Data de publicação: 27/09/2012

Ementa: PREVIDENCIÁRIO. APOSENTADORIA POR INVALIDEZ. SENTENÇA PROFERIDA EM TRIPLICIDADE NA PRIMEIRA INSTÂNCIA. NULIDADE DA TERCEIRA SENTENÇA E JULGAMENTO DO FEITO COM BASE NO ART. 515 , § 4º DO CPC . DOENÇA INCAPACITANTE COMPROVADA EM PERÍCIA MÉDICA. PROGRESSÃO OU AGRAVAMENTO. DIREITO AO BENEFÍCIO. JUROS. CORREÇÃO. 1. Tendo em vista acórdão que determinou apenas a conversão do julgamento em diligência, sem determinação para anulação da primeira sentença, infringiu o Juiz a quo o art. 463 do CPC ao proferir a terceira sentença, julgando procedente o pedido, devendo esta terceira sentença ser anulada, com prosseguimento do julgamento. 2. A segurada faz jus à aposentadoria por invalidez, pois a perícia médica oficial constatou que sofre de artrose no joelho direito, quando já ostentava a qualidade de segurada da Previdência Social. 3. Ainda que a doença da segurada fosse pré-existente à filiação ao Regime Geral de Previdência Social, o direito ao benefício se configura por motivo de progressão ou agravamento, causando a incapacidade comprovada na perícia médica. 4. Aposentadoria por invalidez devida desde a citação. Como há notícias nos autos de que autora teve seu pedido de aposentadoria por invalidez deferida administrativamente a partir de 03.07.2006, então as parcelas a serem pagas são referentes ao período de 08.01.2009 - data da citação a 07.07.2006, data do deferimento do benefício pelo INSS. 5. A correção monetária e os juros devem incidir na forma do Manual de Cálculos da Justiça Federal, aprovado pela Resolução/CJF 134, de 21.12.2010. 6. Apelação da autora provida para julgar procedente o pedido.

1 2 3 4 5 279 280 Próxima
Buscar em:
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais

ou

Disponível em: http://www.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/busca