Carregando...
JusBrasil - Jurisprudência
29 de julho de 2015

Página 1 de 2.540 resultados

TRF-2 - APELAÇÃO CIVEL AC 387929 RJ 2004.51.01.015047-2 (TRF-2)

Data de publicação: 21/11/2007

Ementa: PROCESSO CIVIL. ADMINISTRATIVO. FUNDO DE GARANTIA POR TEMPO DE SERVIÇO – FGTS. LEVANTAMENTO DE QUANTIA EXISTENTE EM CONTA VINCULADA AO FGTS. NECESSIDADE DA VIA JUDICIAL CONTENCIOSA. HIPÓTESES COM PREVISÃO NA LEI Nº 8.036 /90. AUTOR PORTADOR DE DOENÇA DE CHAGAS. JURISPRUDÊNCIA DO STJ. RECURSO DESPROVIDO. - Cuida-se de apelação cível alvejando sentença prolatada nos autos de ação sumária ajuizada por Manoel Leite da Silva em face da CEF, versando acerca de liberação de crédito existente na conta vinculada ao Fundo de Garantia por Tempo de Serviço – FGTS. - A questão posta nos autos não se resume à simples concessão de Alvará de levantamento de crédito existente na conta vinculada ao FGTS. Havendo resistência da CEF, revela-se necessária a via judicial contenciosa, razão pela qual não há que se falar, na espécie, em procedimento de jurisdição voluntária. - Tendo em vista que, in casu, a magistrada de primeiro grau convolou o procedimento em sumário (fls. 29), não há que se falar em impossibilidade jurídica do pedido formulado pela parte autora. - Não merece prosperar a alegação da apelante de que o autor não teria interesse processual. A questão referente ao saldo da conta de FGTS pode ser apreciada na fase de liquidação. - Na espécie, o autor alega que não exerce atividade laborativa desde 1997, por ser portador de Doença de Chagas (fls. 14), motivo este que, segundo o mesmo, autoriza a retirada da quantia existente em sua conta vinculada ao FGTS, na forma do art. 20 , VIII , da Lei nº 8.036 /90. - Neste particular, merece atenção o fato de que o recorrido junta às fls. 12/13 cópia da sentença prolatada no processo nº , do 3º Juizado Especial Federal do Rio de Janeiro, no qual também figurava como autor, postulando a condenação da CEF a creditar em sua conta do FGTS os índices expurgados relativos ao Plano Verão e ao Plano Collor I. Naquela ocasião, verifica-se que a magistrada de primeiro grau, apesar de extinguir o feito, sem resolução de mérito, em sua fundamentação, reconhece o fato de o autor estar fora do regime do FGTS há mais de três anos, com base nos documentos apresentados naquele feito. - Destarte, ao que tudo indica, parece correto o entendimento adotado pelo juízo a quo. De qualquer modo, mesmo que este posicionamento não fosse adotado, ainda assim assistiria razão à parte autora. É que o STJ também tem admitido a liberação de crédito existente nas contas vinculadas ao FGTS em casos de moléstia grave. - Precedentes citados. - Recurso desprovido....

TJ-SP - Agravo de Instrumento AI 20135187220138260000 SP 2013518-72.2013.8.26.0000 (TJ-SP)

Data de publicação: 13/12/2013

Ementa: AGRAVO DE INSTRUMENTO Ação de obrigação de fazer Tutela antecipada indeferida Inadmissibilidade Autor portador de Doença de Chagas, fibrilação atrial, taquicardia ventricular e insuficiência cardíaca Pedido de medicamento de alto custo Possibilidade Relatório médico justificando a necessidade do tratamento Falta de Registro na ANVISA Matéria que não pode ser conhecida no âmbito do

TJ-SP - Apelação APL 00298217520098260053 SP 0029821-75.2009.8.26.0053 (TJ-SP)

Data de publicação: 20/08/2013

Ementa: APELAÇÃO FORNECIMENTO DE MEDICAMENTO NÃO HÁ REGISTRO NA ANVISA Ação de obrigação de fazer com pedido de tutela antecipada Sentença que julgou improcedente a ação, nos termos do art. 269 , I , do CPC , mantendo a liminar para concessão de medicamento até o trânsito em julgado da decisão Pretensão de obter do Estado remédio importado, não existente no mercado interno e sem registro na ANV1SA Autora portadora de Doença de Chagas, com taquicardia ventricular e insuficiência cardíaca Remédio que era regularmente fabricado no país, mas que deixou de ser comercializado, não havendo registro na ANVISA Relatório médico que demonstra que a paciente só obteve controle da doença com uso do fármaco MEXITIL - Direito constitucional à saúde Dever do Poder Público em fornecer medicamento àqueles que necessitam Fornecimento de medicamento importado sem registro na ANVISA Direito à saúde que não é ilimitado Excepcionalidade do caso concreto - Sentença parcialmente reformada - Recurso parcialmente provido.

TRF-5 - AC Apelação Civel AC 10451520114058201 (TRF-5)

Data de publicação: 24/04/2014

Ementa: PREVIDENCIÁRIO E ADMINISTRATIVO. BENEFÍCIO ASSISTENCIAL AO DEFICIENTE. PAGAMENTO INDEVIDO. AUSÊNCIA DE INCAPACIDADE. ERRO DE DIAGNÓSTICO. SUSPENSÃO. BOA-FÉ CONFIGURADA. RESTITUIÇÃO AO ERÁRIO. IMPOSSIBILIDADE. APELAÇÃO IMPROVIDA. 1. Cinge-se a controvérsia acerca da exigibilidade da devolução de valores recebidos pela parte autora, á título de benefício assistencial, durante o período de 06/01/1996 a 01/06/2008. 2. O apelante não se desincumbiu do ônus de demonstrar que a segurada tenha contribuído para o equívoco da administração agindo de má-fé. Ao contrário, a concessão do benefício assistencial decorreu unicamente de erro na avaliação médica, incluindo aí os peritos do próprio INSS que, no exame pericial realizado por ocasião do requerimento administrativo, diagnosticaram ser a autora portadora de doença de chagas. 3. Indubitavelmente, a autora encontra-se amparada pela boa-fé. Admitir-se o contrário, seria reconhecer que toda a atividade administrativa seria diretamente questionável, o que é inaceitável tendo em vista que a presunção de validade que acompanha todo ato administrativo visa exatamente assegurar o cumprimento dos fins públicos a que se destina. Desnudar o ato administrativo de tal atributo é negar-lhe a idéia de poder, e sem o qual o Estado não assumiria a sua posição de supremacia sobre o particular. 4. Verificado o equívoco, inexiste direito adquirido a se manter montante irregular; todavia, o já recebido, por se encontrar amparado pela visível boa-fé, não deve ser descontado dos seus contracheques, ante a necessidade de se preservar os valores supremos do ordenamento jurídico: a segurança jurídica e a certeza do direito e, considerando que os valores em questão foram percebidos de boa-fé; impõe-se reconhecer a inexigibilidade da restituição ao erário. 5. Apelação improvida.

TRF-3 - APELAÇÃO CÍVEL AC 3149 SP 2002.61.25.003149-6 (TRF-3)

Data de publicação: 06/10/2009

Ementa: DIREITO PREVIDENCIÁRIO E PROCESSUAL CIVIL. AGRAVO INOMINADO. BENEFÍCIO ASSISTENCIAL. LIVRE CONVENCIMENTO MOTIVADO. CONSIDERAÇÃO DO CONJUNTO PROBATÓRIO. INCAPACIDADE PARA O TRABALHO. 1. Diante do conjunto probatório, e considerado o livre convencimento motivado, sendo a autora portadora de doença de Chagas com cirurgias realizadas em esôfago e intestino para correção de megaesôfago e megacolon, é de se concluir pela incapacidade para o trabalho, de modo a ensejar a concessão do benefício assistencial. 2. Recurso desprovido.

TRF-2 - APELAÇÃO CIVEL AC 200151010230235 RJ 2001.51.01.023023-5 (TRF-2)

Data de publicação: 09/09/2009

Ementa: ADMINISTRATIVO. FGTS. DOENÇA DE CHAGAS. LIBERAÇÃO. POSSIBILIDADE. 1-) Pretensão do autor, portador da doença de chagas, de levantamento de FGTS para cobrir despesas com tratamento de saúde, bem assim aquisição de medicamentos. 2-) Caracterizada a resistência da ré à liberação dos respectivos valores, é de se rejeitar a alegação dela de falta de interesse processual e de inépcia da inicial. 3-) A Lei nº 8.036 /90, que cuida da disciplina do FGTS, há de ser interpretada à vista dos direitos fundamentais previstos na Constituição Federal de 1988. 4-) Precedente desta eg. Quinta Turma Especializada (Apelação Cível 387929, Reg. 200451010150472, Rel. Des. Fed. VERA LÚCIA LIMA, DJ 21/11/2007, p. 230/231). 5-) Apelação improvida.

TRF-5 - Apelação / Reexame Necessário APELREEX 7989 CE 0011434-23.2001.4.05.8100 (TRF-5)

Data de publicação: 19/02/2010

Ementa: PREVIDENCIÁRIO. BENEFÍCIO ASSISTENCIAL. REEXAME NECESSÁRIO. ATENDIMENTO AOS REQUISITOS DA LEI 8.742 DE 1993. PROVA. DIREITO AO BENEFÍCIO A CONTAR DO PEDIDO ADMINISTRATIVO. 1. Perícia judicial que atestou ser a autora portadora de doença de chagas, acometida de megacólon chagásico, estando incapacitada definitivamente para o trabalho. Considerando tratar-se de pessoa com quase sessenta anos de idade, trabalhadora rural e miserável, conforme laudo social de f. 101, reputo atendida a regra contida no parágrafo 2º do art. 20, da lei de regência, ainda que a prova técnica tenha afirmado haver capacidade para os atos da vida independente. Visão teleológica do benefício assistencial. Precedente desta eg. 3ª Turma: APELREEX 4013-CE, des. Vladimir Souza Carvalho, julgado em 26 de março de 2009. Direito ao benefício a contar do pedido administrativo (18 de junho de 1998). 2. Apelação improvida.

TJ-MS - Apelação / Reexame Necessário REEX 00023235520118120010 MS 0002323-55.2011.8.12.0010 (TJ-MS)

Data de publicação: 06/02/2013

Ementa: E M E N T A- REEXAME NECESSÁRIO E APELAÇÃO CÍVEL - AÇÃO DE OBRIGAÇÃO DE FAZER - ILEGITIMIDADE PASSIVA - PRELIMINAR AFASTADA - NULIDADE DA SENTENÇA - REGULAR CITAÇÃO - DEMANDADO QUE DEVE INTEGRAR O PÓLO PASSIVO - PRELIMINAR ACOLHIDA PARCIALMENTE - MÉRITO - FORNECIMENTO DE MEDICAMENTO - LAUDO MÉDICO ATESTANDO QUE A PARTE AUTORA É PORTADORA DE MEGAESÔFAGO E DOENÇA DE CHAGAS - NECESSIDADE DO USO DE TRATAMENTO ESPECÍFICO MEDIANTE O USO DE FÓRMULA NUTRICIONAL - DEVER DO ESTADO - POSSIBILIDADE DE SUBSTITUIÇÃO POR GENÉRICOS - OBRIGAÇÃO QUE DEVE SER ESTENDIDA À MUNICIPALIDADE - CONDENAÇÃO DO MUNICÍPIO AO PAGAMENTO DE HONORÁRIOS EM FAVOR DA DEFENSORIA PÚBLICA - RECURSOS PARCIALMENTE PROVIDOS. A responsabilidade para a concessão de procedimento e/ou tratamento aos cidadãos é concorrente entre a União, os Estados e o Município, podendo qualquer deles ser demandado em juízo para sua prestação. Revel, a Municipalidade deve integrar o pólo passivo da ação que visa tutelar direito à saúde, visto que a responsabilidade pela dispensação de medicamente ou tratamento é concorrente entre os entes federados. Havendo laudo médico informando a doença que acomete a parte autora, bem como a fórmula nutricional indispensável ao seu tratamento, incumbe aos entes federados o dever de fornecimento, garantindo assim o direito à saúde. O ente público não está obrigado a fornecer os medicamentos de marca específica constante no receituário, havendo vinculação apenas ao princípio ativo, podendo ser substituído pelo correspondente genérico. Integrando o polo passivo da demanda e reconhecida a procedência do pedido, a Municipalidade deve ser condenada ao pagamento de honorários advocatícios em favor da Defensoria Pública, cuja importância será revertida em favor do Fundo Especial para Aperfeiçoamento das Atividades da Defensoria Pública, conforme previsto no artigo 7º , da Lei Complementar n. 111 /05.

TRF-1 - AÇÃO RESCISORIA AR 62042 MG 2005.01.00.062042-0 (TRF-1)

Data de publicação: 20/07/2007

Ementa: PROCESSUAL CIVIL E PREVIDENCIÁRIO. AÇÃO RESCISÓRIA. IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DO PEDIDO. AUSÊNICA DE DECISÃO PASSADA EM JULGADO. DUPLO GRAU DE JURISDIÇÃO AINDA NÃO OBSERVADO. INOCORRÊNCIA. AUSÊNCIA DESTA PRERROGATIVA PROCESSUAL AO TEMPO EM QUE PROFERIDA A SENTENÇA. PRELIMINAR REJEITADA. DOLO, PROVA FALSA, DOCUMENTO NOVO E VIOLAÇÃO A LITERAL DISPOSITIVO DE LEI. ART. 485 , III , V , VII, IX , DO CPC . INOCORRÊNCIA. SENTENÇA CONDENATÓRIA. BENEFÍCIO ASSISTENCIAL. CONVICÇÃO FUNDADA EM EXAMES, PERICIAL E LABORATORIA. DOENÇA DE CHAGAS. DECLARAÇÃO DE SINDICATO. INFORMAÇÃO NÃO INCOMPATÍVEL AO FATO VALORADO PELA SENTENÇA RESCINDENDA. BENEFÍCIO ASSISTENCIAL POR INVALIDEZ INDEFERIDO EM 1.993. NOVA SITUAÇÃO FINANCEIRA DA AUTORA. APOSENTADORIA DO CÔNJUGE OCORRIDA EM 1.996. AÇÃO RESCISÓRIA IMPROCEDENTE. MULTA. HONORÁRIOS. 1. Não obstante o zelo do I. Procurador Regional da República, a argüição de impossibilidade jurídica para a ação rescisória, face à inexistência de decisão passada em julgado, não procede. Ao tempo em que proferida a sentença rescindenda, 22.11.1995, não havia duplo grau obrigatório em se tratando de autarquias ou fundações. Prerrogativa processual somente estabelecida com a Lei n. 9.469 /97. 2. Verifica-se, com clareza, pelos fundamentos da sentença rescindenda, que sua conclusão se apoiou em elementos outros, além da prova testemunhal tida por falsa. Valeu-se de exames, técnico pericial e laboratoriais, evidenciadores de ser a então autora portadora de doença de chagas. Ademais, a afirmação de que a autora teria agido com dolo, bem como de que falsa a prova produzida na ação de origem, decorre, exclusivamente, do que se contém na declaração expedida em junho de 2.004, pelo sindicato dos trabalhadores rurais de Formiga, que na convicção do INSS, atesta estar a ré em plena atividade rural em período que havia se afirmado incapaz na ação originária. 3. "O dolo referido no inc. III decorreria de dois fatos autônomos e suficientes. De um lado, a autora teria...

Encontrado em: portadora de doença de chagas. Ademais, a afirmação de que a autora teria agido com dolo, bem.... CONVICÇÃO FUNDADA EM EXAMES, PERICIAL E LABORATORIA. DOENÇA DE CHAGAS. DECLARAÇÃO DE SINDICATO. INFORMAÇÃO... INDEFERIDO EM 1.993. NOVA SITUAÇÃO FINANCEIRA DA AUTORA. APOSENTADORIA DO CÔNJUGE OCORRIDA EM 1...

TRF-3 - APELAÇÃO CIVEL 590466 AC 25872 SP 2000.03.99.025872-3 (TRF-3)

Data de publicação: 09/11/2006

Ementa: PREVIDENCIÁRIO. PRELIMINAR. NULIDADE DA SENTENÇA FACE AUSÊNCIA DE REMESSA OFICIAL E DE PEDIDO ADMINISTRATIVO PRÉVIO. INOCORRÊNCIA. APOSENTADORIA POR INVALIDEZ. REQUISITOS: CARÊNCIA, MANUTENÇÃO DA QUALIDADE DE SEGURADO E INCAPACIDADE. PREENCHIMENTO. TERMO INICIAL DO BENEFÍCIO. JUROS DE MORA. HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS E PERICIAIS. ANTECIPAÇÃO DE TUTELA. 1. Remessa oficial tida por interposta na sentença de 14.10.1999. Incidência da Lei nº 9.469 /97. 2. Ausência de remessa oficial suprida pela interposição do recurso de apelação, não advindo nenhum prejuízo à autarquia previdenciária. 3. Não constitui condição para o ajuizamento da ação, a existência de pedido administrativo prévio de concessão do benefício, eis que tal exigência infringe a 5º, inciso XXXV. 4. Preliminares rejeitadas. 5. É devida aposentadoria por invalidez à autora que comprovou a carência e a qualidade de segurado mediante prova material. 6. Incapacidade demonstrada através de prova pericial, devido ao fato de ser a parte autora portadora de doença de Chagas, cardiopatia hipertensiva com hipertensão pulmonar e espondiloartrose cervical e lombar. 7. Benefício com início a partir do laudo pericial - dia 05.04.1999 (DIB). 8. Correção monetária nos termos da súmula nº 08, deste Tribunal, Lei nº 6.899 /81, e legislação superveniente, art. 454, do Provimento nº 64, de 28.04.2004, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 3a Região, em consonância com a Portaria nº 242, de 03.07.2001, do CJF. 9. Juros de mora, a partir do laudo pericial, de 06% (seis por cento) ao ano, até 10/01/2003. Posteriormente, serão de 01% (hum por cento) ao mês. 10. Honorários advocatícios arbitrados em 10% (dez por cento) sobre a soma das parcelas devidas até a data da prolação da sentença, excluídas as vincendas, conforme o § 3o , do art. 20 , do CPC e a orientação desta Turma. 11. Honorários periciais fixados no valor máximo constante da Tabela II, do anexo I, da Resolução nº 440 - CJF, de 30.05.2005, na cifra de R$ 234,80 (duzentos e trinta e quatro reais e oitenta centavos). 12. Com arrimo no § 3o , do art. 461 , do Código de Processo Civil , deve ser deferida a antecipação da tutela, Antecipo, de ofício, a tutela jurisdicional, determinando ao INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL que proceda à implantação do benefício correspondente à aposentadoria por invalidez à parte ALZIRA ANT�"NIO DE OLIVEIRA, nascida em 10.03.1949, portadora da cédula de identidade RG nº 24.845.849-8 SSP/SP, com termo inicial na data do laudo pericial - dia 05.04.1999 (DIB), no importe de 100% (cem por cento) do salário-de-benefício (RMI). 13. Parcial provimento da remessa oficial, tida por interposta. 14. Parcial provimento da apelação da autarquia. 15. Desprovimento da apelação da autora...

Encontrado em: da autarquia e à remessa oficial, tida por interposta, negou provimento ao recurso ofertado pela autora

1 2 3 4 5 253 254 Próxima
Buscar em:
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais

ou

×

Fale agora com um Advogado

Oi, está procurando um advogado ou correspondente jurídico? Podemos te conectar com Advogados em qualquer cidade do Brasil.

Escolha uma cidade da lista
Disponível em: http://www.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/busca