Carregando...
JusBrasil - Jurisprudência
26 de novembro de 2014

TJ-PR - Apelação Cível AC 6266379 PR 0626637-9 (TJ-PR)

Data de publicação: 18/11/2009

Ementa: Dano moral. Aval em cédulas de crédito bancário. Inscrição em cadastro de inadimplentes. Alegação de falsidade de assinatura. Requerimento de provas. Julgamento antecipado. Cerceamento de defesa. Nulidade. Ocorre cerceamento de defesa quando o Juiz, ignorando o requerimento de produção de prova formulado oportunamente pela autora, julga a lide antecipadamente indeferindo o pedido inicial com base em documentos trazidos pelo réu que a autora sustenta não tê-los assinado. Apelação provida para cassar a sentença.

TJ-SP - Apelação APL 00288245720128260451 SP 0028824-57.2012.8.26.0451 (TJ-SP)

Data de publicação: 08/10/2014

Ementa: EMBARGOS À EXECUÇÃO. CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO. AVAL. Alienação da sociedade que figura como devedora principal na cédula de crédito bancário que não implica cancelamento de aval prestado por seu sócio. Ausência de comprovação de que a instituição financeira tenha anuído com a desoneração do avalista. Garantia que permanece válida. RECURSO DESPROVIDO.

TJ-SP - Apelação APL 00351472220128260114 SP 0035147-22.2012.8.26.0114 (TJ-SP)

Data de publicação: 20/10/2014

Ementa: Execução por título extrajudicial Embargos Cédula de crédito bancário (conta garantida aval PJ) Cerceamento de defesa Encadeamento de operações bancárias. 1. Não há cerceamento de defesa quando a lide dispensa dilação probatória. 2. A alegação genérica de excesso de encargos em conta corrente e de operação encadeada com o contrato exequendo deve ser afastada se a ação principal encontra-se amparada em título executivo extrajudicial e em demonstrativo do débito que não foi objeto de impugnação específica. Preliminar repelida. Recurso não provido.

TJ-RS - Agravo de Instrumento AI 70054086178 RS (TJ-RS)

Data de publicação: 03/07/2013

Ementa: AGRAVO DE INSTRUMENTO. AÇÃO REVISIONAL. CÉDULAS DE CRÉDITO BANCÁRIO EMPRÉSTIMO - CAPITAL DE GIRO. CÉDULAS DE CRÉDITO BANCÁRIO CONTA GARANTIDA AVAL - PJ. CONTRATO DE ARRENDAMENTO MERCANTIL. ANTECIPAÇÃO DE TUTELA. I. Cédulas de crédito bancário conta garantida aval - PJ. As taxas de juros contratadas nestas avenças não superam demasiadamente a taxa média do BACEN. Igualmente, no que tange à capitalização dos juros, conforme entendimento do egrégio STJ (REsp. 973.827/RS), a previsão no contrato de taxa de juros anual superior ao duodécuplo da mensal é suficiente para permitir a cobrança da taxa efetiva anual contratada. Inexistência de abusividade nos encargos da normalidade contratual. Manutenção da decisão que indeferiu a antecipação de tutela. II. Cédulas de crédito bancário empréstimo - capital de giro. Diante da abusividade dos juros remuneratórios contratados nas avenças nºs 004.743.857, 005.453.478 e 004.276.645, deve ser deferida em parte a tutela antecipada em relação a estes contratos, pois não caracterizada a mora debendi. Assim, inviável, por ora, permitir a inscrição do nome da agravante nos órgãos de proteção ao crédito. No entanto, a antecipação de tutela fica condicionada aos depósitos mensais das prestações vincendas, recalculadas com base na taxa média de juros divulgada pelo Banco Central, na data da contratação, com capitalização mensal, sob pena de multa diária. Indeferimento da manutenção de posse, pois o contrato de arrendamento mercantil não é objeto do agravo. AGRAVO PARCIALMENTE PROVIDO, EM DECISÃO MONOCRÁTICA. (Agravo de Instrumento Nº 70054086178, Décima Quarta Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Jorge André Pereira Gailhard, Julgado em 28/06/2013)

TJ-RS - Agravo AGV 70055490445 RS (TJ-RS)

Data de publicação: 28/08/2013

Ementa: AGRAVO INTERNO. AÇÃO REVISIONAL. CÉDULAS DE CRÉDITO BANCÁRIO EMPRÉSTIMO - CAPITAL DE GIRO. CÉDULAS DE CRÉDITO BANCÁRIO CONTA GARANTIDA AVAL - PJ. CONTRATO DE ARRENDAMENTO MERCANTIL. ANTECIPAÇÃO DE TUTELA. I. Primeiramente, impossível a análise do contrato de arrendamento mercantil juntado no presente agravo interno, eis que a própria agravante postulou na inicial da ação revisional o deferimento das liminares em relação, exclusivamente, aos contratos já juntados na petição inicial. Logo, a análise por este Tribunal também do contrato de arrendamento mercantil caracterizaria a supressão de um grau de jurisdição, já que não houve deliberação a seu respeito na decisão agravada. Da mesma forma, o pleito de análise da antecipação de tutela em relação ao aludido contrato de arrendamento mercantil também importa em inovação recursal, já que assim não postulou a agravante na inicial da ação revisional. II. Ademais, como foi a própria agravante quem dispensou a análise da antecipação de tutela quanto ao contrato não juntado aos autos, desnecessária a sua intimação para complementar o recurso. III. Cédulas de crédito bancário conta garantida aval - PJ. As taxas de juros contratadas nestas avenças não superam demasiadamente a taxa média do BACEN. Igualmente, no que tange à capitalização dos juros, conforme entendimento do egrégio STJ (REsp. 973.827/RS), a previsão no contrato de taxa de juros anual superior ao duodécuplo da mensal é suficiente para permitir a cobrança da taxa efetiva anual contratada. Inexistência de abusividade nos encargos da normalidade contratual. Manutenção da decisão que indeferiu a antecipação de tutela. IV. Cédulas de crédito bancário empréstimo - capital de giro. Diante da abusividade dos juros remuneratórios contratados nas avenças nºs 004.743.857, 005.453.478 e 004.276.645, deve ser deferida em parte a tutela antecipada em relação a estes contratos, pois não caracterizada a mora debendi. Assim, inviável, por ora, permitir a inscrição do nome da agravante nos órgãos de proteção ao crédito. No entanto, a antecipação de tutela fica condicionada aos depósitos mensais das prestações vincendas, recalculadas com base na taxa média de juros divulgada pelo Banco Central, na data da contratação, com capitalização mensal, sob pena de multa diária. Indeferimento da manutenção de posse, pois o contrato de arrendamento mercantil não é objeto do agravo. AGRAVO INTERNO DESPROVIDO. (Agravo Nº 70055490445, Décima Quarta Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Jorge André Pereira Gailhard, Julgado em 22/08/2013)...

TJ-RS - Agravo de Instrumento AI 70061649976 RS (TJ-RS)

Data de publicação: 24/11/2014

Ementa: AGRAVO DE INSTRUMENTO. NEGÓCIOS JURÍDICOS BANCÁRIOS. EMBARGOS À EXECUÇÃO. AVAL. CÉDULA DE CRÉDITO RURAL PIGNORATÍCIA. Consoante já decidiu o Egrégio Superior Tribunal de Justiça, é nulo o aval prestado em cédula de crédito rural emitida por pessoa física. Art. 60, §§ 2º e 3º do Decreto-Lei n. 167/67. RECURSO PROVIDO. (Agravo de Instrumento Nº 70061649976, Décima Sexta Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Paulo Sérgio Scarparo, Julgado em 20/11/2014).

TJ-RS - Apelação Cível AC 70051969814 RS (TJ-RS)

Data de publicação: 15/09/2014

Ementa: APELAÇÃO CÍVEL. NEGÓCIOS JURÍDICOS BANCÁRIOS. EMBARGOS DE TERCEIRO. CÉDULA DE CRÉDITO COMERCIAL. AVAL. AUSÊNCIA DE OUTORGA UXÓRIA. MEAÇÃO RESQUARDADA. SENTENÇA DE PARCIAL PROCEDÊNCIA MANTIDA. O aval prestado sem a outorga uxória não importa na nulidade ou ineficácia do ato, tendo em conta que a outorga uxória se refere tão somente à meação do garantidor. APELAÇÃO DESPROVIDA. (Apelação Cível Nº 70051969814, Vigésima Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Glênio José Wasserstein Hekman, Julgado em 10/09/2014)

TJ-RS - Apelação Cível AC 70060122892 RS (TJ-RS)

Data de publicação: 05/08/2014

Ementa: NEGÓCIOS JURÍDICOS BANCÁRIOS. AÇÃO ANULATÓRIA DE AVAL. CÉDULA DE CRÉDITO RURAL PIGNORATÍCIA. PRESCRIÇÃO AFASTADA. Consoante já decidiu o Egrégio Superior Tribunal de Justiça, é nulo o aval prestado em cédula de crédito rural emitida por pessoa física. Art. 60, §§ 2º e 3º do Decreto-Lei n. 167/67. PROVIMENTO AO APELO DA PARTE EMBARGANTE. PREJUDICADO O APELO DA PARTE EMBARGADA. (Apelação Cível Nº 70060122892, Décima Sexta Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Paulo Sérgio Scarparo, Julgado em 31/07/2014)

TJ-RS - Apelação Cível AC 70060190493 RS (TJ-RS)

Data de publicação: 31/10/2014

Ementa: APELAÇÃO CÍVEL. NEGÓCIOS JURÍDICOS BANCÁRIOS. EMBARGOS À EXECUÇÃO. CÉDULA DE CRÉDITO RURAL. COOPERATIVA. AVAL PRESTADO POR DIRETOR. RESPONSABILIDADE SOLIDÁRIA. O avalista que não mais ocupa o cargo de diretor da cooperativa, e presta aval na condição pessoal de diretor, continua responsável solidário pela dívida. Inexistindo prova acerca da irregularidade na contratação e de vício de consentimento, não há falar em nulidade do aval, prestado de forma voluntária. APELAÇÃO IMPROVIDA.. (Apelação Cível Nº 70060190493, Décima Segunda Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Guinther Spode, Julgado em 30/10/2014).

TJ-RS - Apelação Cível AC 70057024820 RS (TJ-RS)

Data de publicação: 22/11/2013

Ementa: APELAÇÃO CÍVEL. NEGÓCIOS JURÍDICOS BANCÁRIOS. AÇÕES ORDINÁRIAS. PRETENSÃO DE DECLARAÇÃO DE NULIDADE DE AVAIS PRESTADOS EM CÉDULAS DE CRÉDITO RURAL. Não há falar em nulidade das garantias de aval prestadas pela autora em cédula de crédito rural, na forma do artigo 60 , caput, do Decreto-Lei n. 167 /1967, não se aplicando à espécie as vedações inscritas nos §§ 2º e 3º do referido dispositivo legal. APELAÇÃO DESPROVIDA. (Apelação Cível Nº 70057024820, Décima Segunda Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Mário Crespo Brum, Julgado em 21/11/2013)

1 2 3 4 5 582 583 Próxima
Buscar em:
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais

ou

×

Fale agora com um Advogado

Oi. O JusBrasil pode te conectar com Advogados em qualquer cidade caso precise de alguma orientação ou correspondência jurídica.

Escolha uma cidade da lista
Disponível em: http://www.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/busca