Carregando...
Jusbrasil - Jurisprudência
26 de setembro de 2016

TRT-10 - ROPS 771200700410002 DF 00771-2007-004-10-00-2 (TRT-10)

Data de publicação: 09/11/2007

Ementa: 1. CCT. TERMO ADITIVO. VALIDADE. O fato de ser firmado Termo Aditivo entre apenas dois dos signatários da CCT trazida à colação, não retira a validade desse documento. A Convenção Coletiva de Trabalho aplica-se a todos os convenentes signatários, sendo que, além dessas normas, os acréscimos advindos com o Termo Aditivo também serão aplicáveis a seus dois signatários; todavia, ressalto, apenas a esses dois, já que os demais entes sindicais não foram convenentes. Essa situação, nada obstante revelar-se peculiar, é plenamente válida e não afronta o disposto no artigo 615 celetário, haja vista que não concorreu nenhum das hipóteses insertas no elenco ali enumerado. 2. Recurso conhecido e desprovido.

Encontrado em: ordinário interposto pelo autor para, no mérito, negar-lhe provimento nos termos do voto do Juiz Relator

TRT-10 - ACAO ANULATORIA AA 363200700010005 00363-2007-000-10-00-5  (TRT-10)

Data de publicação: 18/07/2008

Ementa: AÇÃO ANULATÓRIA. TERMO ADITIVO DE CCT. MEMBRO DE CATEGORIA. 1. PRELIMINAR DE INCOMPETÊNCIA FUNCIONAL. Postulando as autoras declaração de nulidade dos Termos Aditivos à Convenção Coletiva de Trabalho com efeitos para toda a categoria patronal e profissional, exsurge a competência originária deste TRT. Ao contrário, se o pedido tivesse alcance limitado às empresas autoras, dar-se-ia a natureza individual do dissídio e, assim, a competência funcional seria da primeira instância. Precedente da 1ª Seção Especializada desta Corte. 2. PRELIMINAR DE ILEGITIMIDADE ATIVA AD CAUSAM. Além do Ministério Público do Trabalho e dos sindicatos, somente aqueles entes potencialmente autorizados a firmar instrumento coletivo de trabalho ostentam legitimidade ativa ad causam para ajuizar a ação anulatória, em coerência à natureza jurídica coletiva dessa espécie de demanda. Ressalva de entendimento pessoal do Relator. Precedentes do TST.

TRT-10 - ACAO ANULATORIA AA 363200700010005 00363-2007-000-10-00-5 (TRT-10)

Data de publicação: 18/07/2008

Ementa: AÇÃO ANULATÓRIA. TERMO ADITIVO DE CCT. MEMBRO DE CATEGORIA. 1. PRELIMINAR DE INCOMPETÊNCIA FUNCIONAL. Postulando as autoras declaração de nulidade dos Termos Aditivos à Convenção Coletiva de Trabalho com efeitos para toda a categoria patronal e profissional, exsurge a competência originária deste TRT. Ao contrário, se o pedido tivesse alcance limitado às empresas autoras, dar-se-ia a natureza individual do dissídio e, assim, a competência funcional seria da primeira instância. Precedente da 1ª Seção Especializada desta Corte. 2. PRELIMINAR DE ILEGITIMIDADE ATIVA AD CAUSAM. Além do Ministério Público do Trabalho e dos sindicatos, somente aqueles entes potencialmente autorizados a firmar instrumento coletivo de trabalho ostentam legitimidade ativa ad causam para ajuizar a ação anulatória, em coerência à natureza jurídica coletiva dessa espécie de demanda. Ressalva de entendimento pessoal do Relator. Precedentes do TST.

TST - RECURSO ORDINARIO TRABALHISTA RO 6001320095170000 600-13.2009.5.17.0000 (TST)

Data de publicação: 20/05/2011

Ementa: AÇÃO ANULATÓRIA. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO. EMPREGADOS DO COMÉRCIO NO ESPÍRITO SANTO. A) RECURSO ORDINÁRIO INTERPOSTO PELO SINDICATO DOS EMPREGADOS DO COMÉRCIO NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO - SINDICOMERCIÁRIOS. DESCONTO DA TAXA NEGOCIAL. NÃO ASSOCIADOS. O entendimento desta Corte é o de considerar ofensiva ao direito de livre associação e sindicalização (art. 8º , V , da CF ) cláusula que estabelece a imposição do pagamento de contribuições, aos sindicatos, a trabalhadores não associados, à exceção do imposto sindical. Considerando-se, no entanto, a desnecessidade de anulação de toda a norma pactuada (art. 184 do CC ), dá-se provimento parcial ao recurso do Sindicato dos Empregados do Comércio no Estado do Espírito Santo para, reformando a decisão regional, declarar nula, apenas em parte, a cláusula 1ª do Aditivo à CCT 2008 /2009 - DESCONTO DA TAXA NEGOCIAL, restringindo o referido desconto aos trabalhadores associados ao sindicato profissional, nos termos do Precedente Normativo nº 119 da SDC. Recurso ordinário parcialmente provido. B) RECURSO ORDINÁRIO INTERPOSTO PELO MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO. 1) NULIDADE DA CLÁUSULA 20 - ESCALA DE TRABALHO DOS VIGIAS. JORNADA 12X36 HORAS. POSSIBILIDADE. O entendimento atual desta Corte é no sentido de considerar a validade de cláusula de acordo ou convenção coletiva de trabalho que estabeleça turnos de revezamento de 12 horas de labor por 36 horas de descanso, para determinadas categorias, incluindo-se a dos empregados em vigilância e segurança, com base nas particularidades das atividades desenvolvidas. Parte-se da premissa de que as folgas de 36 horas compensam o desgaste sofrido pelo labor de 12 horas e permitem ao empregado organizar sua rotina e dispor de um período mais prolongado de convívio familiar, não se evidenciando excessivo desgaste físico l, a ponto de comprometer a saúde do obreiro. Assim, por não violar o art. 7º , XXII , da Constituição Federal , e não apresentar nenhum aspecto que justifique...

TST - AGRAVO DE INSTRUMENTO EM RECURSO DE REVISTA RECURSO DE REVISTA AIRR e RR 2041100942002501 2041100-94.2002.5.01.0900 (TST)

Data de publicação: 28/11/2003

Ementa: AGRAVO DE INSTRUMENTO DO RECLAMANTE. RECURSO DE REVISTA. NEGATIVA DE VIGÊNCIA DE TERMO ADITIVO À CCT-1992/1993 E À LEI 8.542 /92 . A suposta violação à norma convencional (Termo Aditivo à CCT) não enseja o conhecimento da Revista, porque o art. 896 , c, da CLT apenas admite o processamento do apelo na hipótese de violação à lei federal (stricto sensu) ou à Constituição . Inviável o processamento do apelo com fulcro na alínea b do art. 896, porque não restou provado que o instrumento coletivo seja de observância obrigatória em área territorial que exceda à jurisdição do TRT prolator da sentença. Quanto à alegação de violação à Lei n. 8.542 /92, o agravante não indicou o dispositivo tido por violado (OJ-94 da SDI/TST). As alegações de que restou provado, documentalmente, a concessão de reajustes inferiores ao previsto no Termo Aditivo à CCT e de que o acordo firmado entre o reclamado e a CONTEC não produziria efeitos jurídicos, além de implicarem o reexame do conjunto fático-probatório, não foram prequestionadas. Incidência dos Enunciados 126 e 297/TST. Nego provimento.RECURSO DE REVISTA DO PRIMEIRO RECLAMADO (BANCO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO S/A). EXCLUSÃO DA LIDE. Tendo em vista a petição de fl. 591, na qual os reclamados requerem a exclusão da lide do Banco do Estado do Rio de Janeiro S.A. (em liquidação extrajudicial), por reconhecerem o Banco BANERJ S.A. como sucessor daquele, extingue-se o processo, sem julgamento do mérito ( CPC , art. 267 , VI), quanto ao primeiro reclamado (Banco do Estado do Rio de Janeiro S/A), restando prejudicada a análise do Recurso de Revista de fls. 517/525.RECURSO DE REVISTA DO SEGUNDO RECLAMADO (BANERJ). AUSÊNCIA DE SUCESSÃO.Tendo em vista a petição de fl. 591, na qual os reclamados requerem a exclusão da lide do Banco do Estado do Rio de Janeiro S. A. (em liquidação extrajudicial), por reconhecerem o Banco BANERJ S. A. como sucessor daquele, extingue-se o processo, sem julgamento do mérito ( CPC , art. 267 , VI), no que concerne à...

TRT-3 - RECURSO ORDINARIO TRABALHISTA RO 00510201307103000 0000510-34.2013.5.03.0071 (TRT-3)

Data de publicação: 11/10/2013

Ementa: MULTA CONVENCIONAL. INCIDÊNCIA. As multas previstas nas normas coletivas, em regra, devem incidir por cláusula normativa e por instrumento violado, devendo ser observados os parâmetros de cálculo da norma coletiva vigente na mesma época em que constatado o descumprimento. Não há falar, contudo, em deferimento das aludidas multas a partir da vigência do Termo Aditivo à Convenção Coletiva de Trabalho ainda vigente, quando não há alteração da cláusula que estabelece a multa convencional até o termo final da CCT.

TRT-1 - Inteiro Teor. Recurso Ordinário: RO 237006620095010024 RJ

Data de publicação: 15/08/2012

Decisão: município, a teor da cláusula 2ª das CCTtermo aditivo. Argumenta que a instituição financeira...ª do termo aditivo da CCT. Releva notar que a tese de isonomia trazida à baila pela reclamante

TJ-SP - Apelação APL 00046045620148260602 SP 0004604-56.2014.8.26.0602 (TJ-SP)

Data de publicação: 19/09/2015

Ementa: PENSIONISTA DE EX -FUNCIONÁRIO DA EXTINTA FEPASA – COMPLEMENTAÇÃO DE PROVENTOS – Pretensão da autora ao restabelecimento da estrutura de cargos e salários implementada no Termo Aditivo ao Contrato de Trabalho firmado em 19/07/1988, observado o escalonamento fixado no Contrato Coletivo de Trabalho do biênio de 1995 /1996 – Impossibilidade – Ocorrência da prescrição do fundo de direito, nos termos do artigo 1º do Decreto nº 20.910 /32 – Reestruturação pretendida que é mera repercussão do piso salarial de 2,5 salários mínimos estabelecido na Cláusula 4.17 do CCT 1995/1996 – Ato único – Não configuração de hipótese de relação de trato sucessivo, na qual incidiria a regra da prescrição parcelar – Mantida a extinção do processo, por fundamento diverso – Apelo não provido.

TJ-SP - Apelação APL 00231558420148260602 SP 0023155-84.2014.8.26.0602 (TJ-SP)

Data de publicação: 25/09/2015

Ementa: PENSIONISTA DE EX -FUNCIONÁRIO DA EXTINTA FEPASA – COMPLEMENTAÇÃO DE PROVENTOS – Pretensão da autora ao restabelecimento da estrutura de cargos e salários implementada no Termo Aditivo ao Contrato de Trabalho firmado em 19/07/1988, observado o escalonamento fixado no Contrato Coletivo de Trabalho do biênio de 1995 /1996 – Impossibilidade – Ocorrência da prescrição do fundo de direito, nos termos do artigo 1º do Decreto nº 20.910 /32 – Reestruturação pretendida que é mera repercussão do piso salarial de 2,5 salários mínimos estabelecido na Cláusula 4.17 do CCT 1995/1996 – Ato único – Não configuração de hipótese de relação de trato sucessivo, na qual incidiria a regra da prescrição parcelar – Mantida a extinção do processo, por fundamento diverso – Apelo não provido.

TRT-10 - Recurso Ordinário RO 00649201301810007 DF 00649-2013-018-10-00-7 RO (TRT-10)

Data de publicação: 05/09/2014

Ementa: CEF: ESTÁGIO: DIREITO INTERTEMPORAL: DIFERENÇAS DE BOLSA-AUXÍLIO: CASO CONCRETO: DEVIDAS EM PARTE. Ao instante em que foram firmados os Acordos Coletivos que, em aditamento às Convenções Coletivas de trabalho, expressamente excluíram a CEF da cláusula convencional que estipulava a equiparação da bolsa-auxílio dos estagiários aos salários dos empregados efetivos, sucumbe o efeito equiparativo, mesmo àqueles estagiários ingressos antes do primeiro termo aditivo excludente firmado em outubro/2010 e que deveria ter, pela CCT então em vigor, aumentado o valor da bolsa-auxílio, sendo devida a diferença entre o valor recebido e aquele resultante do equiparativo até a data da excepcionalização e, depois, apenas as diferenças decorrentes da irredutibilidade salarial que emergiriam se o valor houvesse sido implementado enquanto vigente a CCT 2009/2010 sem o efeito do termo aditivo posterior, assim não resultando, depois de tal Acordo Coletivo, diferenças salariais pela equiparação, mas apenas as decorrentes da manutenção do patamar salarial fixado para a bolsa-auxílio pela irredutibilidade salarial que cabe ser resguardada. Recurso da Reclamada conhecido, preliminares rejeitadas e, no mérito, provido em parte.

1 2 3 4 5 476 477 Próxima
Buscar em:
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais

×