Carregando...
JusBrasil - Jurisprudência
22 de outubro de 2014

Página 1 de 24.428 resultados

TRF-5 - Remessa Ex Offício REOMS 85286 PE 2001.83.00.000684-5 (TRF-5)

Data de publicação: 28/02/2008

Ementa: ADMINISTRATIVO. MANDADO DE SEGURANÇA. COBRANÇA DE MULTAS POR INFRAÇÃO DE TRÂNSITO. LICENCIAMENTO DO VEÍCULO CONDICIONADO AO PAGAMENTO DAS PENALIDADES PECUNIÁRIAS. AUSÊNCIA DE NOTIFICAÇÃO PRÉVIA. ART. 281 , PARÁGRAFO ÚNICO , II , DO CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO . VIOLAÇÃO AO PRINCÍPIO DA AMPLA DEFESA. 1. Pretensão do Impetrante de obter o licenciamento de veículo de sua propriedade, com a suspensão da cobrança das multas lavradas pelo Departamento Nacional de Estradas de Rodagem - DNER, sob a alegação de que não foi previamente notificado das autuações, com violação ao princípio da ampla defesa. 2. O condutor que cometer infração no trânsito poderá ser autuado em flagrante ou mediante notificação a ser expedida no prazo máximo de trinta dias, sob pena de vir a ser cancelada a autuação. 3. O colendo Superior Tribunal de Justiça - STJ pacificou o entendimento de que é ilegal condicionar a renovação da licença do veículo ao pagamento de multa, da qual o infrator não foi notificado (Súmula 127). 4. Não havendo nos autos comprovação de que tenha sido o Impetrante notificado previamente das multas, nos termos dos arts. 281 , parágrafo único , II , e 282 , parágrafo 3º , do Código de Trânsito Brasileiro , para que pudesse exercer o direito de defesa constitucionalmente assegurado, deve ser mantida a sentença, que concedeu a invalidação das referidas penalidades. Remessa Necessária improvida.

TRF-5 - Remessa Ex Offício REOMS 85286 PE 0000684-41.2001.4.05.8300 (TRF-5)

Data de publicação: 28/02/2008

Ementa: ADMINISTRATIVO. MANDADO DE SEGURANÇA. COBRANÇA DE MULTAS POR INFRAÇÃO DE TRÂNSITO. LICENCIAMENTO DO VEÍCULO CONDICIONADO AO PAGAMENTO DAS PENALIDADES PECUNIÁRIAS. AUSÊNCIA DE NOTIFICAÇÃO PRÉVIA. ART. 281 , PARÁGRAFO ÚNICO , II , DO CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO . VIOLAÇÃO AO PRINCÍPIO DA AMPLA DEFESA. 1. Pretensão do Impetrante de obter o licenciamento de veículo de sua propriedade, com a suspensão da cobrança das multas lavradas pelo Departamento Nacional de Estradas de Rodagem - DNER, sob a alegação de que não foi previamente notificado das autuações, com violação ao princípio da ampla defesa. 2. O condutor que cometer infração no trânsito poderá ser autuado em flagrante ou mediante notificação a ser expedida no prazo máximo de trinta dias, sob pena de vir a ser cancelada a autuação. 3. O colendo Superior Tribunal de Justiça - STJ pacificou o entendimento de que é ilegal condicionar a renovação da licença do veículo ao pagamento de multa, da qual o infrator não foi notificado (Súmula 127). 4. Não havendo nos autos comprovação de que tenha sido o Impetrante notificado previamente das multas, nos termos dos arts. 281 , parágrafo único , II , e 282 , parágrafo 3º , do Código de Trânsito Brasileiro , para que pudesse exercer o direito de defesa constitucionalmente assegurado, deve ser mantida a sentença, que concedeu a invalidação das referidas penalidades. Remessa Necessária improvida.

TJ-SP - Apelação APL 00386709520088260562 SP 0038670-95.2008.8.26.0562 (TJ-SP)

Data de publicação: 13/10/2014

Ementa: Apelação Cível. Ação indenizatória por danos morais e materiais. Sentença de procedência. Apelo da ré. Compra e venda de caminhão. Comprador que recebeu cobrança de multas por infrações de trânsito cometidas antes da aquisição do veículo. Responsabilidade da ré pelo pagamento desses valores. Ação indenizatória que se sujeita ao prazo prescricional, não decadencial. Prescrição não verificada. A mera possibilidade de que o autor tivesse seu nome inscrito no CADIN pelo não pagamento daquelas multas não gera dano moral indenizável. Ausência de prova nos autos de que a ré foi notificada, antes da propositura da ação, para efetivar o pagamento daqueles valores. Indenização por danos morais afastada. Apelação parcialmente provida.

TJ-SP - Apelação APL 882163020068260000 SP 0088216-30.2006.8.26.0000 (TJ-SP)

Data de publicação: 22/08/2011

Ementa: Administrativo Ação visando à cobrança de multas por infrações de trânsito cometidas com veículo alienado a terceiro Réu que não comunicou a transferência ao DETRAN Responsabilidade solidária presente Exegese do art. 134 do CTB Procedência mantida Recurso desprovido.

TJ-RS - Apelação Cível AC 70038245874 RS (TJ-RS)

Data de publicação: 09/05/2011

Ementa: APELAÇÃO CÍVEL. AÇÃO COMINATÓRIA C/C INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS E MATERIAIS. CONTRATO DE ARRENDAMENTO MERCANTIL. IMPOSSIBILIDADE DE QUITAÇÃO PELO ARRENDATÁRIO. TERMO DE ENTREGA AMIGÁVEL DO BEM. QUITAÇÃO DA DIVIDA APÓS A VENDA EXTRAJUDICIAL DO VEÍCULO, EM LEILÃO. AUSÊNCIA DE TRANSFERÊNCIA DA DOCUMENTAÇÃO DO VEÍCULO PARA A INSTITUIÇÃO FINANCEIRA OU PARA O NOVO ADQUIRENTE DO BEM, O QUE TERIA CAUSADO PREJUÍZOS AO AUTOR, COMO COBRANÇA DE MULTAS POR INFRAÇÃO DE TRÂNSITO, BEM COMO NOTIFICAÇÃO EXTRAJUDICIAL DE DÉBITO JÁ QUITADO. PROCEDÊNCIA DO PEDIDO COMINATÓRIO,.

TJ-RJ - APELACAO APL 7699120108190021 RJ 0000769-91.2010.8.19.0021 (TJ-RJ)

Data de publicação: 03/11/2011

Ementa: COMPRA E VENDA. AUTOMÓVEL. TRANSFERÊNCIA PARA TERCEIRO. DESCUMPRIMENTO CONTRATUAL. MULTA POR INFRAÇÃO DE TRÂNSITO. BEM VINCULADO AO ANTIGO PROPRIETÁRIO. DANO MORAL. Constitui descumprimento contratual a venda de automóvel a terceiro sem prévia regularização da titularidade junto ao órgão estadual competente, não havendo falar em transferência de responsabilidade se o vendedor inseriu o bem no mercado de consumo sem observar dever contratual assumido. Dano moral caracterizado pela cobrança de multas por infrações de trânsito e anotações negativas no prontuário do antigo proprietário, porque ainda vinculado ao automóvel por negligência do vendedor. Primeiro recurso parcialmente provido, restando o segundo improvido.

TJ-SP - Apelação APL 3752660820098260000 SP 0375266-08.2009.8.26.0000 (TJ-SP)

Data de publicação: 01/10/2011

Ementa: APELAÇÃO Ação monitória Multa de trânsito Alegação de venda do veículo Falta de comunicação da alienação ao órgão competente Responsabilidade solidária do proprietário alienante (art. 134 do CTB ) Prescrição quinquenal Aplicação do Dec. nº 20.910 /32, art. 1º - Interrupção do prazo prescricional, ante o ajuizamento de mandado de segurança Novo prazo, reduzido pela metade e contado do trânsito em julgado no mandado de segurança, não decorrido Sentença de procedência Apelação desprovida. 1. É de cinco anos o prazo prescricional referente às ações ajuizadas em desfavor da Fazenda Pública, inclusa a pretensão monitória, para cobrança de multas por infrações de trânsito. 2. Impetrado mandado de segurança pelo infrator, questionando as infrações e imposição das multas, com escopo de liberar e licenciar o veículo, apreendido, sem o pagamento delas, verifica-se a interrupção do prazo de prescrição, que reinicia, pela metade, a partir do trânsito em julgado do writ.

TJ-RJ - RECURSO INOMINADO RI 01296781220138190001 RJ 0129678-12.2013.8.19.0001 (TJ-RJ)

Data de publicação: 15/05/2014

Ementa: ESTADO DO RIO DE JANEIRO PODER JUDICIÁRIO PRIMEIRA TURMA RECURSAL FAZENDÁRIA Processo no 0129678-12.2013.8.19.0001 Recorrente: Robison Luiz Viana Recorrido: Departamento de Trânsito do Estado do Rio de Janeiro Relator: Juiz Paulo Roberto Campos Fragoso Pedido de condenação do 1º Réu à transferência da propriedade do veículo e das penalidades por infração de trânsito para o nome do 2º Réu. Impossibilidade, diante da solidariedade contida no art. 134 do CTB. Ausência de pedido formulado em face do 2º Réu, não citado. Pedido de consulta online de endereço. Desnecessidade. Inépcia da inicial que importa na extinção do feito em face do 2º Réu, sem resolução do mérito. Conhecimento e desprovimento do recurso. Vistos, relatados e discutidos estes autos do Recurso Inominado nº 0086395-36.2013.8.19.0001, em que é recorrente Departamento de Trânsito do Estado do Rio de Janeiro e Recorrido Marcelo Spala Paes Leme de Castro. ACORDAM os Juízes que compõem a Primeira Turma Recursal Fazendária em, por UNANIMIDADE de votos, em negar provimento ao recurso, nos termos do voto do relator. R E L A T Ó R I O Trata-se de ação onde alega a parte Autora que transferiu ao 2º Réu - JGD Veículos LTDA, em 30/09/2002, a propriedade do veículo UNO MILLE placa LJG8318, RENAVAM 320527530, como forma de pagamento na aquisição de outro veículo. Porém este não realizou o registro de alteração da propriedade junto ao 1º Réu - DETRAN, sendo que se nega a proceder às modificações em seus cadastros, enviando-lhe cobranças de multas por infração de Trânsito cometido por aquele. Requer seja o 1º Réu condenado a transferir a propriedade do veículo, bem como a responsabilidade por débitos e multas decorrentes de infração de trânsito, para o nome do 2º Réu. Sentença de improcedência calcada na inobservância, pelo Autor, do art. 134 do CTB. Recurso do Autor no sentido da anulação da sentença por falta de citação do 2º Réu e, em observância ao princípio da eventualidade, a reforma da sentença para julgar...

Encontrado em: . Defensor Público: TJ000002 - DEFENSOR PÚBLICO. RECORRIDO: Departamento de Transito do Estado do Rio

TJ-RJ - APELACAO APL 200900139705 RJ 2009.001.39705 (TJ-RJ)

Data de publicação: 16/10/2009

Ementa: OBRIGAÇÃO DE FAZER - COMPRA E VENDA DE MOTOCICLETA - CONCESSIONÁRIA - AUSÊNCIA DE TRANSFERÊNCIA NO DETRAN - OBRIGAÇÃO RESPONSABILIDAVENDA A TERCEIRO - MULTA. - Ação Obrigação de Fazer c/c reparação de danos morais objetivando compelir a Ré a transferir para seu nome a moto de propriedade do Autor, vendida para aquela empresa de revenda de motos desde fevereiro de 2008, o que lhe acarretou a cobrança de multas por infração de trânsito quase um ano após a transação. - Legitimidade passiva da Concessionária-Ré. - Inexistência de relação contratual entre o Autor e o terceiro que comprou sua moto da empresa Ré, não se justificando a inclusão desse terceiro no pólo passivo da demanda como litisconsórcio. - Responsabilidade da Ré pelo ocorrido, pois deveria transferir imediatamente a motocicleta para o seu nome quando a recebeu como parte do pagamento para compra de outra. Omitiu-se nessa obrigação. - Transferência de propriedade do veículo que é indiscutivelmente da obrigação do comprador, nos termos do § 1º do art. 123 do Código de Trânsito Brasileiro , cabendo ao vendedor apenas comunicar essa venda ao DETRAN. - Existência do dano moral. O valor de R$ 3.500,00 (três mil e quinhentos reais) se ostenta adequado, fixado com proporcionalidade e razoabilidade entre o fato e seus efeitos, não representando enriquecimento para o Autor, mas sim uma compensação pelos transtornos causados, além de penalidade para a Ré, destinado a evitar reiterado comportamento da mesma. - Sentença mantida. - Recursos improvidos.

TJ-RJ - APELACAO APL 61689620088190207 RJ 0006168-96.2008.8.19.0207 (TJ-RJ)

Data de publicação: 16/10/2009

Ementa: OBRIGAÇÃO DE FAZER - COMPRA E VENDA DE MOTOCICLETA - CONCESSIONÁRIA - AUSÊNCIA DE TRANSFERÊNCIA NO DETRAN - OBRIGAÇÃO RESPONSABILIDAVENDA A TERCEIRO - MULTA. - Ação Obrigação de Fazer c/c reparação de danos morais objetivando compelir a Ré a transferir para seu nome a moto de propriedade do Autor, vendida para aquela empresa de revenda de motos desde fevereiro de 2008, o que lhe acarretou a cobrança de multas por infração de trânsito quase um ano após a transação. - Legitimidade passiva da Concessionária-Ré. - Inexistência de relação contratual entre o Autor e o terceiro que comprou sua moto da empresa Ré, não se justificando a inclusão desse terceiro no pólo passivo da demanda como litisconsórcio. - Responsabilidade da Ré pelo ocorrido, pois deveria transferir imediatamente a motocicleta para o seu nome quando a recebeu como parte do pagamento para compra de outra. Omitiu-se nessa obrigação. - Transferência de propriedade do veículo que é indiscutivelmente da obrigação do comprador, nos termos do § 1º do art. 123 do Código de Trânsito Brasileiro , cabendo ao vendedor apenas comunicar essa venda ao DETRAN. - Existência do dano moral. O valor de R$ 3.500,00 (três mil e quinhentos reais) se ostenta adequado, fixado com proporcionalidade e razoabilidade entre o fato e seus efeitos, não representando enriquecimento para o Autor, mas sim uma compensação pelos transtornos causados, além de penalidade para a Ré, destinado a evitar reiterado comportamento da mesma. - Sentença mantida. - Recursos improvidos.

1 2 3 4 5 999 1000 Próxima
Buscar em:
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais

ou

×

Fale agora com um Advogado

Oi. O JusBrasil pode te conectar com Advogados em qualquer cidade caso precise de alguma orientação ou correspondência jurídica.

Disponível em: http://www.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/busca