Carregando...
JusBrasil - Jurisprudência
02 de setembro de 2014

TJ-AC - Embargos Infringentes e de Nulidade Criminal EI 2095 AC 2006.002095-2 (TJ-AC)

Data de publicação: 19/12/2007

Ementa: PROCESSUAL PENAL: EMBARGOS INFRINGENTES E DE NULIDADE; COGNIÇÃO LIMITADA À MATÉRIA EM QUE HOUVE DIVERGÊNCIA NA VOTAÇÃO DA CÂMARA; DESCLASSIFICAÇÃO DO TRÁFICO PARA O USO DE SUBSTÂNCIA ENTORPECENTE; QUANTIDADE DE DROGAS QUE INDICA O CRIME DE TRÁFICO; ACÓRDÃO MANTIDO.

STJ - HABEAS CORPUS HC 273520 SP 2013/0220669-0 (STJ)

Data de publicação: 16/10/2013

Ementa: HABEAS CORPUS. ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE . ATO INFRACIONAL EQUIPARADO AO CRIME DE TRÁFICO ILÍCITO DE DROGAS. PLEITO DE DESCLASSIFICAÇÃO PARA O USO DE SUBSTÂNCIA ENTORPECENTE. ANÁLISE. VIA INADEQUADA. MEDIDA SOCIOEDUCATIVA DE INTERNAÇÃO POR PRAZO INDETERMINADO. LEGALIDADE. INCIDÊNCIA DO ART. 122 , INCISO II , C.C. ARTS. 100 E 113 DO ECA . HABEAS CORPUS PARCIALMENTE CONHECIDO E, NESSA EXTENSÃO, DENEGADO. 1. O Tribunal de origem, após análise detida das provas dos autos, deu provimento à apelação do Ministério Público estadual, por entender estar suficientemente comprovada a prática de ato infracional equiparado ao delito de tráfico ilícito de drogas. 2. Nesse contexto, não é possível, na estreita via do habeas corpus, apreciar o pleito de desclassificação da conduta para o uso de entorpecentes, dada a necessidade de aprofundado exame do acervo fático-probatório. Precedente. 3. É cabível a imposição da medida socioeducativa de internação ao menor que reitera na prática atos infracionais e reincide no cometimento de infração equiparada ao crime de tráfico ilícito de drogas, de modo a demonstrar que é essa a única medida socieducativa adequada à sua ressocialização. Aplicação do art. 122 , inciso II , c.c. arts. 100 e 113 , todos do ECA . Precedentes. 4. Habeas corpus parcialmente conhecido e, nessa extensão, denegado.

TJ-MG - Apelação Criminal APR 10290120019853001 MG (TJ-MG)

Data de publicação: 26/08/2013

Ementa: APELAÇÕES CRIMINAIS - TRÁFICO DE DROGAS - DESCLASSIFICAÇÃO PARA USO DE SUBSTÂNCIAS ENTORPECENTES - RECURSOS CONHECIDOS E PARCIALMENTE PROVIDOS. Sendo o acervo probatório tão somente o retrato fiel do momento do flagrante, qual seja, três indivíduos que se preparavam para compartilhar o mesmo cigarro de maconha e, ao verem a polícia, tentaram despistar, dispensando a droga no chão, embora não se negue a possibilidade de serem traficantes, inclusive existindo evidências nos autos em tal sentido, outra alternativa não há senão desclassificar o crime para o delito de uso de substância entorpecente.

TJ-MG - Apelação Criminal APR 10702130129720001 MG (TJ-MG)

Data de publicação: 25/03/2014

Ementa: APELAÇÃO CRIMINAL - TRÁFICO DE DROGAS - DESCLASSIFICAÇÃO PARA USO DE SUBSTÂNCIAS ENTORPECENTES - PROVAS FRÁGEIS ACERCA DA MERCANCIA DE DROGAS - POSSIBILIDADE - RECURSO PROVIDO. - O reconhecimento da hedionda mercancia reclama prova absolutamente segura. A superveniência de qualquer dúvida em se saber se o réu é traficante ou usuário faz prevalecer a segunda hipótese, como solução benéfica do princípio in dubio pro reo. - Sendo o acervo probatório tão-somente o retrato fiel do momento do flagrante, embora não se negue a possibilidade de ser o apelante traficante, não havendo provas conclusivas acerca da mercancia de drogas, outra alternativa não há senão desclassificar o crime para o de uso de substâncias entorpecentes.

TJ-MG - Apelação Criminal APR 10879100008306001 MG (TJ-MG)

Data de publicação: 29/04/2014

Ementa: APELAÇÃO CRIMINAL - TRÁFICO DE DROGAS - DESCLASSIFICAÇÃO PARA USO DE SUBSTÂNCIAS ENTORPECENTES - PROVAS FRÁGEIS ACERCA DA MERCANCIA DE DROGAS - POSSIBILIDADE - RECURSO PROVIDO. - O reconhecimento da hedionda mercancia reclama prova absolutamente segura. A superveniência de qualquer dúvida em se saber se o réu é traficante ou usuário faz prevalecer a segunda hipótese como solução benéfica do princípio in dubio pro reo. - Sendo o acervo probatório tão-somente o retrato fiel do momento do flagrante, embora não se negue a possibilidade de ser o apelante traficante, não havendo provas conclusivas acerca da mercancia de drogas, outra alternativa não há senão desclassificar o crime para o de uso de substâncias entorpecentes.

TJ-MG - Apelação Criminal APR 10133100004380001 MG (TJ-MG)

Data de publicação: 14/05/2014

Ementa: APELAÇÃO CRIMINAL - TRÁFICO DE DROGAS - DESCLASSIFICAÇÃO PARA USO DE SUBSTÂNCIAS ENTORPECENTES - PROVAS FRÁGEIS ACERCA DA MERCANCIA DE DROGAS - POSSIBILIDADE - RECURSO PROVIDO. - O reconhecimento da hedionda mercancia reclama prova absolutamente segura. A superveniência de qualquer dúvida em se saber se o réu é traficante ou usuário faz prevalecer a segunda hipótese, como solução benéfica do princípio in dubio pro reo. - Sendo o acervo probatório tão-somente o retrato fiel do momento do flagrante, embora não se negue a possibilidade de ser o apelante traficante, não havendo provas conclusivas acerca da mercancia de drogas, outra alternativa não há senão desclassificar o crime para o de uso de substâncias entorpecentes.

TJ-MG - Apelação Criminal APR 10518100151282001 MG (TJ-MG)

Data de publicação: 21/10/2013

Ementa: APELAÇÃO CRIMINAL - TRÁFICO DE DROGAS - DESCLASSIFICAÇÃO PARA USO DE SUBSTÂNCIAS ENTORPECENTES - RECURSO CONHECIDO E PROVIDO. - O reconhecimento da hedionda mercancia reclama prova absolutamente segura. A superveniência de qualquer dúvida quanto a ser o réu traficante ou usuário faz prevalecer a segunda hipótese, como solução benéfica do princípio in dubio pro reo.

STJ - HABEAS CORPUS HC 226313 PR 2011/0283564-6 (STJ)

Data de publicação: 15/04/2013

Ementa: HABEAS CORPUS SUBSTITUTIVO DE RECURSO ORDINÁRIO. DESCABIMENTO.MODIFICAÇÃO DA ORIENTAÇÃO JURISPRUDENCIAL DO STJ, EM CONSONÂNCIA COMO NOVO POSICIONAMENTO ADOTADO PELO PRETÓRIO EXCELSO. TRÁFICO ILÍCITODE SUBSTÂNCIAS ENTORPECENTES. PEDIDO DE DESCLASSIFICAÇÃO PARA ODELITO DE USO PRÓPRIO OU ABSOLVIÇÃO. REEXAME DO CONJUNTOFÁTICO-PROBATÓRIO. INADMISSÍVEL NA VIA ELEITA. CAUSA ESPECIAL DEDIMINUIÇÃO DE PENA ( § 4º DO ART. 33 DA LEI N. 11.343 /2006) APLICADAEM PATAMAR DIVERSO DO MÁXIMO. REGIME INICIAL FECHADO. INVIABILIDADEDE SUBSTITUIÇÃO DA PENA PRIVATIVA DE LIBERDADE POR RESTRITIVA DEDIREITOS. GRANDE QUANTIDADE DE DROGA. FUNDAMENTAÇÃO IDÔNEA.INEXISTÊNCIA DE ILEGALIDADE. HABEAS CORPUS NÃO CONHECIDO. - Este Superior Tribunal de Justiça, na esteira do entendimentofirmado pelo Supremo Tribunal Federal, tem amoldado o cabimento doremédio heróico, adotando orientação no sentido de não mais admitirhabeas corpus substitutivo de recurso ordinário/especial. Contudo, àluz de princípios constitucionais, sobretudo o do devido processolegal e da ampla defesa, tem-se analisado as questões suscitadas naexordial a fim de se verificar a existência de constrangimentoilegal para, se for o caso, deferir-se a ordem de ofício. - Os pedidos de absolvição ou desclassificação para o delito de usopróprio não podem ser analisados por esta Corte, na via estreita dohabeas corpus, por demandarem o revolvimento aprofundado do conteúdofático dos autos. Precedentes. - Tendo em vista o disposto no art. 42 da Lei 11.343 /2006, não háilegalidade em decisão que aplica a causa de diminuição de pena do § 4º do art. 33 dessa Lei em patamar diverso do máximo, em razão dagrande quantidade e natureza da droga apreendida em poder dopaciente - 83 (oitenta e três) pedras de crack. - No caso, apesar de a pena ter sido fixada em 4 (quatro) anos e 2 (dois) meses de reclusão, a gravidade concreta do delito,evidenciada pelas circunstâncias em que ocorreu, justificam aimposição do regime inicial fechado, bem como a não substituição dapena por restritiva de direitos, nos termos do art. 44, inciso III,do Código Penal .Habeas corpus não conhecido....

TJ-MG - Apelação Criminal APR 10693120123577001 MG (TJ-MG)

Data de publicação: 17/12/2013

Ementa: APELAÇÃO CRIMINAL - TRÁFICO DE DROGAS - DESCLASSIFICAÇÃO PARA USO DE SUBSTÂNCIAS ENTORPECENTES - PROVAS FRÁGEIS ACERCA DA MERCANCIA DE DROGAS - POSSIBILIDADE - RECURSO PROVIDO. - O reconhecimento da hedionda mercancia reclama prova absolutamente segura. A superveniência de qualquer dúvida em se saber se o réu é traficante ou usuário faz prevalecer a segunda hipótese como solução benéfica do princípio in dubio pro reo. - Sendo o acervo probatório tão-somente o retrato fiel do momento do flagrante, embora não se negue a possibilidade de ser o apelante traficante, não havendo provas conclusivas acerca da mercancia de drogas, outra alternativa não há senão desclassificar o crime para o delito de uso de substâncias entorpecentes.

TJ-MG - Apelação Criminal APR 10295120023409001 MG (TJ-MG)

Data de publicação: 22/07/2013

Ementa: TRÁFICO DE DROGAS - ABSOLVIÇÃO OU DESCLASSIFICAÇÃO PARA USO - IMPOSSIBILIDADE - DESTINO MERCANTIL DA SUBSTÂNCIA ENTORPECENTE DEVIDAMENTE COMPROVADO - CONDENAÇÃO CONFIRMADA. - Resultando incontroverso o destino mercantil das substâncias entorpecentes apreendidas, em razão da quantidade de droga havida em depósito e da condição financeira do réu, incompatíveis com a mera condição de usuário por ele afirmada, como também tendo em vista diversos outros indícios constantes dos autos, deve ser mantida sua condenação pela prática do crime de tráfico de drogas. - O fato do acusado não ter sido surpreendido em atos de mercancia mostra-se irrelevante para a configuração do delito de tráfico, basta a prática de uma das ações descritas no artigo 33 da Lei 11.343 /06, desde que outras circunstâncias do caso concreto denotem o intuito mercantil do acusado, como ocorre no presente caso, não bastando para autorizar a desclassificação do delito a mera alegação de ser o agente usuário de drogas, até porque tal condição não exclui a de traficante.

1 2 3 4 5 999 1000 Próxima
Buscar em:
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais

ou

×
Disponível em: http://www.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/busca