Carregando...
JusBrasil - Jurisprudência
01 de outubro de 2014

TJ-PI - Apelação Cível AC 201000010060221 PI (TJ-PI)

Data de publicação: 23/02/2011

Ementa: APELAÇAO Nº GIL-PI APELANTE : COMPANHIA ENERGÉTICA DO PIAUÍ - CEPISA.ADVOGADO: Kassio Nunes Marques (OAB-PI 2740) E OUTROS APELADO: LUIS HENRIQUE LINCK GOMES ADVOGADO: Dalton Rodrigues Clark (OAB-PI 1007) RELATOR: JUIZ CONVOCADO OTON MÁRIO J. LUSTOSA TORRES REVISOR: DESEMBARGADOR FERNANDO CARVALHO MENDES ÓRGAO: : 1ª CÂMARA ESPECIALIZADA CÍVEL/TJPI DIREITO CIVIL. DANO MORAL. SUPENSAO DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA. DESCUMPRIMENTO DE ORDEM JUDICIAL PARA ABSTENÇAO DO CORTE. SUSPENSAO DO SERVIÇO COMO FORMA DE COMPELIR DEVEDOR A EFETUAR PAGAMENTO DE TARIFAS. ATO ILÍCITO CARACTERIZADO. EMPRESA CONCESSIONÁRIA DE SERVIÇO PÚBLICO. EXERCÍCIO REGULAR DE DIREITO. INOCORRÊNCIA. DÉBITO RECONHECIDO. COMPENSAÇAO EM RECONVENÇAO. REDUÇAO DO QUANTUM INDENIZATÓRIO. RAZOABILIDADE E PROPORCIONALIDADE. HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS COMPATÍVEIS COM O ZELO PROFISSIONAL. LITIGÂNCIA DE MÁ-FÉ NAO CARACTERIZADA. 1. Após religamento por força de decisão judicial, o novo corte no fornecimento de energia elétrica, como forma de compelir o consumidor a efetuar o pagamento de tarifas, configura ato ilícito e abusivo. 2. Não há falar-se em exercício regular de direito, com arrimo no art. 188 , inciso I , do Código Civil , quando a suspensão da prestação do serviço não for precedida de aviso ao consumidor. 3. Redução do quantum indenizatório para adequá-lo aos parâmetros de razoabilidade e proporcionalidade. 4. Débito do consumidor apurado em reconvenção deve ser deduzido do valor da condenação por danos morais imposta ao fornecedor do serviço. 5. Litigância de má-fé não configurada. Honorários advocatícios fixados dentro dos limites legais. 6. Recurso parcialmente provido.

TJ-SP - Agravo de Instrumento AI 967582300 SP (TJ-SP)

Data de publicação: 22/11/2005

Ementa: "O requerimento de reconsideração de despacho, ou reiterando postulação já formulada, não tem o condão de devolver ao requerente o prazo recursal contra anterior pedido inacolhido ou acolhido parcialmente. Assim, o prazo para recurso conta-se da data do primeiro dos despachos, e não do último." (Al 447.305 - 11a Câm. - Rei. Juiz MENDES GOMES).

TJ-RJ - MANDADO DE SEGURANÇA MS 00010348820118199000 RJ 0001034-88.2011.8.19.9000 (TJ-RJ)

Data de publicação: 31/01/2013

Ementa: CONSELHO RECURSAL DOS JUIZADOS ESPECIAIS CÍVEIS Mandado de Segurança 0001034-88.2011.8.19.9000 Impetrante - Banco IBI S/A Impetrado - 2a TURMA RECURSAL VOTO Competência da própria turma recursal para julgamento dos mandados de segurança impetrados contra a decisão do colegiado da turma recursal de fls.30 deste mandamus. Indeferimento liminar de Mandado de Segurança que se volta contra a decisão do colegiado da Seginda Turma Recursal. Decisão não teratológica. Utilização do presente mandamus como sucedâneo do Recurso Extraordinário. Inexistência de direito líquido e certo. Equação que desafiaria, em tese, Recurso Extraordinário, mesmo assim, se demonstrada violação direta à Constituição da República. Indeferimento da petição inicial do mandado de segurança, na forma do art. 8o da Lei 1.533/51. Sem honorários, na forma das Súmulas 105 do STJ e 512 do STF. DA COMPETÊNCIA DA TURMA RECURSAL O plenário da Corte Suprema do Brasil pacificou e consolidou o entendimento segundo o qual é competente a própria turma recursal para julgamento dos mandados de segurança impetrados contra a decisão monocrática do relator ou do colegiado da turma recursal. O leading case está no MS 24691, julgado em 04.12.2003, em que o Min. Marco Aurélio Mendes de Farias Melo ficou vencido por entender que a competência seria do Tribunal de Justiça ao qual está vinculado o juiz ou a turma recursal. O voto vencedor foi proferido pelo Min. Sepúlveda Pertence que redigirá o acórdão. Há outra decisão do STF, no MS 24951, de 28.06.2004. Os recentes precedentes específicos são, o primeiro do plenário do STF, e o segundo decisão monocrática do Min Marco Aurélio citando o leading case, vejamos : MANDADO DE SEGURANÇA Nr.24691 ORIGEM:MG RELATOR: MIN. MARCO AURÉLIO REDATOR PARA ACÓRDÃO: MIN. SEPÚLVEDA PERTENCE IMPTE.(S): ARNALDO CARDOSO DOS SANTOS ADV.(A/S): JORGE DE SOUZA CARVALHO IMPDO.(A/S): TURMA RECURSAL DOS JUIZADOS ESPECIAIS CÍVEIS E CRIMINAIS DE CATAGUASES DATAANDAMENTOOBSERVAÇÃO 15/12/2003DECISAO...

TJ-RJ - MANDADO DE SEGURANÇA MS 00012484520128199000 RJ 0001248-45.2012.8.19.9000 (TJ-RJ)

Data de publicação: 20/05/2013

Ementa: Competência da própria turma recursal para julgamento dos mandados de segurança impetrados contra a decisão do colegiado da turma recursal. Indeferimento liminar de Mandado de Segurança que se volta contra a decisão do colegiado da Segunda Turma Recursal (fls. 92/96 deste writ). Decisão não teratológica. Utilização do presente mandamus como sucedâneo do Recurso Extraordinário não interposto. Inexistência de direito líquido e certo. Equação que desafiaria, em tese, Recurso Extraordinário, mesmo assim, se demonstrada violação direta à Constituição da República. Indeferimento da petição inicial do mandado de segurança, na forma do art. 8o da Lei 1.533/51. Sem honorários, na forma das Súmulas 105 do STJ e 512 do STF. DA COMPETÊNCIA DA TURMA RECURSAL O plenário da Corte Suprema do Brasil pacificou e consolidou o entendimento segundo o qual é competente a própria turma recursal para julgamento dos mandados de segurança impetrados contra a decisão monocrática do relator ou do colegiado da turma recursal. O leading case está no MS 24691, julgado em 04.12.2003, em que o Min. Marco Aurélio Mendes de Farias Melo ficou vencido por entender que a competência seria do Tribunal de Justiça ao qual está vinculado o juiz ou a turma recursal. O voto vencedor foi proferido pelo Min. Sepúlveda Pertence que redigirá o acórdão. Há outra decisão do STF, no MS 24951, de 28.06.2004. Os recentes precedentes específicos são, o primeiro do plenário do STF, e o segundo decisão monocrática do Min Marco Aurélio citando o leading case, vejamos : MANDADO DE SEGURANÇA Nr.24691 ORIGEM:MG RELATOR: MIN. MARCO AURÉLIO REDATOR PARA ACÓRDÃO: MIN. SEPÚLVEDA PERTENCE IMPTE.(S): ARNALDO CARDOSO DOS SANTOS ADV.(A/S): JORGE DE SOUZA CARVALHO IMPDO.(A/S): TURMA RECURSAL DOS JUIZADOS ESPECIAIS CÍVEIS E CRIMINAIS DE CATAGUASES DATAANDAMENTOOBSERVAÇÃO 15/12/2003DECISAO PUBLICADA, DJ: ATA Nº 35, de 04/12/2003 - 05/12/2003JUNTADA DA CERTIDÃO DE JULGAMENTO DA SESSÃO DO DIA 04.12.2003. 04/12/2003JULGAMENTO DO PLENO...

TJ-RJ - MANDADO DE SEGURANÇA MS 00011534920118199000 RJ 0001153-49.2011.8.19.9000 (TJ-RJ)

Data de publicação: 21/12/2011

Ementa: Mandado de Segurança 0001153-49.2011.8.19.9000 Impetrante - Marilene Isabel Dalamaria Impetrado - 1a TURMA RECURSAL VOTO Competência da própria turma recursal para julgamento dos mandados de segurança impetrados contra a decisão do colegiado da turma recursal de fls.217/218 deste mandamus. Indeferimento liminar de Mandado de Segurança que se volta contra a decisão do colegiado da Primeira Turma Recursal. Decisão não teratológica. Utilização do presente mandamus como sucedâneo do Recurso Extraordinário. Inexistência de direito líquido e certo. Equação que desafiaria, em tese, Recurso Extraordinário, mesmo assim, se demonstrada violação direta à Constituição da República. Indeferimento da petição inicial do mandado de segurança, na forma do art. 8o da Lei 1.533/51. Sem honorários, na forma das Súmulas 105 do STJ e 512 do STF. DA COMPETÊNCIA DA TURMA RECURSAL O plenário da Corte Suprema do Brasil pacificou e consolidou o entendimento segundo o qual é competente a própria turma recursal para julgamento dos mandados de segurança impetrados contra a decisão monocrática do relator ou do colegiado da turma recursal. O leading case está no MS 24691, julgado em 04.12.2003, em que o Min. Marco Aurélio Mendes de Farias Melo ficou vencido por entender que a competência seria do Tribunal de Justiça ao qual está vinculado o juiz ou a turma recursal. O voto vencedor foi proferido pelo Min. Sepúlveda Pertence que redigirá o acórdão. Há outra decisão do STF, no MS 24951, de 28.06.2004. Os recentes precedentes específicos são, o primeiro do plenário do STF, e o segundo decisão monocrática do Min Marco Aurélio citando o leading case, vejamos : MANDADO DE SEGURANÇA Nr.24691 ORIGEM:MG RELATOR: MIN. MARCO AURÉLIO REDATOR PARA ACÓRDÃO: MIN. SEPÚLVEDA PERTENCE IMPTE.(S): ARNALDO CARDOSO DOS SANTOS ADV.(A/S): JORGE DE SOUZA CARVALHO IMPDO.(A/S): TURMA RECURSAL DOS JUIZADOS ESPECIAIS CÍVEIS E CRIMINAIS DE CATAGUASES DATAANDAMENTOOBSERVAÇÃO 15/12/2003DECISAO PUBLICADA, DJ: ATA Nº 35, de 04...

TJ-RJ - MANDADO DE SEGURANÇA MS 00017009420088199000 RJ 0001700-94.2008.8.19.9000 (TJ-RJ)

Data de publicação: 09/01/2009

Ementa: Competência da própria turma recursal para julgamento dos mandados de segurança impetrados contra a decisão do colegiado da turma recursal de fls.30 deste mandamus. Indeferimento liminar de Mandado de Segurança que se volta contra a decisão do colegiado da Terceira Turma Recursal. Decisão não teratológica. Utilização do presente mandamus como sucedâneo do Recurso Extraordinário. Inexistência de direito líquido e certo. Equação que desafiaria, em tese, Recurso Extraordinário, mesmo assim, se demonstrada violação direta à Constituição da República. Indeferimento da petição inicial do mandado de segurança, na forma do art. 8o da Lei 1.533/51. Sem honorários, na forma das Súmulas 105 do STJ e 512 do STF. DA COMPETÊNCIA DA TURMA RECURSAL O plenário da Corte Suprema do Brasil pacificou e consolidou o entendimento segundo o qual é competente a própria turma recursal para julgamento dos mandados de segurança impetrados contra a decisão monocrática do relator ou do colegiado da turma recursal. O leading case está no MS 24691, julgado em 04.12.2003, em que o Min. Marco Aurélio Mendes de Farias Melo ficou vencido por entender que a competência seria do Tribunal de Justiça ao qual está vinculado o juiz ou a turma recursal. O voto vencedor foi proferido pelo Min. Sepúlveda Pertence que redigirá o acórdão. Há outra decisão do STF, no MS 24951, de 28.06.2004. Os recentes precedentes específicos são, o primeiro do plenário do STF, e o segundo decisão monocrática do Min Marco Aurélio citando o leading case, vejamos : MANDADO DE SEGURANÇA Nr.24691 ORIGEM:MG RELATOR: MIN. MARCO AURÉLIO REDATOR PARA ACÓRDÃO: MIN. SEPÚLVEDA PERTENCE IMPTE.(S): ARNALDO CARDOSO DOS SANTOS ADV.(A/S): JORGE DE SOUZA CARVALHO IMPDO.(A/S): TURMA RECURSAL DOS JUIZADOS ESPECIAIS CÍVEIS E CRIMINAIS DE CATAGUASES DATA ANDAMENTO OBSERVAÇÃO 15/12/2003 DECISAO PUBLICADA, DJ: ATA Nº 35, de 04/12/2003 05/12/2003 JUNTADA DA CERTIDÃO DE JULGAMENTO DA SESSÃO DO DIA 04.12.2003. 04/12/2003 JULGAMENTO DO PLENO - QUESTAO...

TJ-SP - Apelação Sem Revisão SR 914756000 SP (TJ-SP)

Data de publicação: 24/11/2005

Ementa: Como depósito algum houve, impunha-semesmo o acolhimento da demanda.De todo modo, não custa registrar ainconsistência das alegações do apelo. Eventuaisbenfeitorias incorporam-se ao imóvel e tampouco geramdireito à indenização ou a retenção, nos termos docontrato, a tornar dispensável qualquer prova (súmula 15do extinto Segundo Tribunal de Alçada Civil de São Paulo) e a prejudicar a queixa de cerceamento de defesa.Pelas razões expostas, e estando orecurso em confronto com a jurisprudência dominante doextinto Segundo Tribunal de Alçada Civil de São Paulo,2 "A contestação à ação de despejo por falta de pagamento cumulada com açãode cobrança de locativos em atraso deve vir acompanhada de depósito daimportância tida como incontroversa." - Ap. s/ Rev. 706.880-00/6 - 7a Câm. - Rei. Des*. REGINA CAPISTRANO - J. 31.1.2005. No mesmo sentido: JTA (LEX) 157/505 e 164/567); Ap. s/ Rev. 433.931-00/0 - 2a Cãm. - Rei. Juiz VIANNACOTRIM - J. 19.6.95; Ap. s/ Rev. 433.358-00/2 - 12a Câm. - Rei. J. LUÍS DECARVALHO - J. 29.6.95; Ap. s/ Rev. 452.467-00/7 - 4a Câm. - Rei. Juiz CELSOPIMENTEL - J. 19.3.96; Ap. s/ Rev. 455.148-00/4 - 1a Câm. - Rei. J. RENATOSARTORELLI - J. 13.5.96; Ap. s/ Rev. 495.888-00/0 - Ia Câm. - Rei. JuizVIEIRA DE MORAES - J. 6.10.97; Ap. s/ Rev. 505.896-00/0 - 11a Câm. - Rei.Juiz ARTUR MARQUES - J. 9.3.98; Ap. s/ Rev. 507.918-00/9 - 12a Câm. - Rei.Juiz CAMPOS PETRONI - J. 4.6.98; EI 557.813-01/3 - 5a Câm. - Rei. JuizFRANCISCO THOMAZ - J. 1.3.2000; Ap. s/ Rev. 612.486-00/0 - 3a Cãm. - Rei.Juiz RIBEIRO PINTO - J. 31.7.2001; Ap. s/Rev. 620.344-0/3 - 4a Câm. - Rei.J. RODRIGUES DA SILVA - J. 9.10.2001; Ap. s/Rev. 622.281-00/8 - 12a Câm. -Rei. J. ARANTES THEODORO - J. 22.11.2001; Ap. s/ Rev. 630.557-00/7 - 7aCâm. - Rei. Juiz PAULO AYROSA - J. 29.1.2002; Ap. s/ Rev. 635.145-00/5 - 3aCâm. - Rei. Juiz CAMBREA FILHO - J. 19.2.2002; AI 760.303-00/9 - 11a Câm. -Rei. Juiz MENDES GOMES - J. 21.10.2002; Ap. s/Rev. 818.388-00/6 - 11a Câm. - Rei. Juiz EGIDIO GIACOIA - J. 26.1.2004; Ap. s/Rev. 597.758-00/1 - Ia Câm. - Rei. Juiz VANDERCI ÁLVARES - J. 13.2.2001; Ap. s/Rev. 602.246-00/3 - 1"Câm. - Rei. Juiz VIEIRA DE MORAES - J. 20.2.2001; Ap. s/Rev. 653.585-00/7 -3a Câm. - Rei. Juiz FERRAZ FELISARDO - J. 28.1.2003. » \í 'AApalaçâo aam ravieao 914.756-0/0 - daciaáo 10.602 - 28a Câmara 21' Vara Cival da Farnandópolia (proc. 661/03) João Paulo da Jaaua x Nagatoshi Tanaka...

TJ-PR - Embargos de Declaração Cível EMBDECCV 1175135 PR Embargos de Declaração Cível 0117513-5/01 (TJ-PR)

Data de publicação: 08/06/1998

Ementa: S DE DECLARACAO - EQUIVOCO AO CONSIDERAR ASSINADO O ENDOSSO PARA RENOVAR APOLICE DE SEGURO, NAO IMPLICA EM OMISSAO - DOCUMENTO QUE A EXEMPLO DA APOLICE NAO SE CONVALIDA PELA ASSINATURA - BASTANDO MERO CONSENTIMENTO, O QUE FOI DEMONSTRADO - RECONHECIMENTO DA VALIDADE DAS LETRAS DE CAMBIO POR ESTAREM PRESENTES OS REQUISITOS PARA TANTO - A FALTA DE ACEITE NAO RETIRA A EXEQUIBILIDADE DO TITULO - EMBARGOS REJEITADOS. LEGISLACAO: D 2044/08. JURISPRUDENCIA: TASP - AP CIV 484281, 11 CC, REL JUIZ MENDES GOMES. TARJ - AP CIV 84063/88, 4 CC, REL JUIZ MAURILIO RODRIGUES PEREIRA.

TJ-PR - Apelação Cível AC 1152485 PR Apelação Cível 0115248-5 (TJ-PR)

Data de publicação: 05/02/1999

Ementa: UAL CIVIL. AÇÃO CAUTELAR DE ARRESTO. MEDIDA INCIDENTAL A AÇÃO DE EXECUÇÃO DE TITULO EXTRAJUDICIAL. CONTRATO DE LOCACAO DE IMOVEL. MULTAS CONTRATUAIS. EXECUTIVIDADE. PERIGO DE DANO JURÍDICO. DILAPIDACAO DO PATRIMONIO EM EVIDENTE PREJUIZO AOS CREDORES. ESTADO DE INSOLVENCIA PRESUMIDA. PRESSUPOSTOS GENÉRICOS DO PROCESSO CAUTELAR PRESENTES. RECURSO PROVIDO. LEGISLACAO: CPC - ART 20 . CPC - ART 813 . CPC - ART 585 , II , IV . CPC - ART 584 , III A V. CPC - ART 462 . CPC - ART 397 . CPC - ART 23 . SUMULAS: SUM 14, DO STJ. DOUTRINA: THEODORO JUNIOR, HUMBERTO - PROCESSO CAUTELAR, P 193 . JURISPRUDENCIA: TACSP - AP CIV 471723, 6 CC, REL JUIZ CARLOS STROPPA. JTA - LEX 161/579. TACSP - AP CIV 500278, 2 CC, REL JUIZ GILBERTO DOS SANTOS. JTA 71/261. TACSP - AP CIV 408043, 11 CC, REL JUIZ MENDES GOMES.

TJ-PR - Inteiro Teor. 8601958 PR 860195-8 (Acórdão) (TJPR)

Data de publicação: 09/10/2012

Decisão: , COM A PARTICIPAÇAO DA PARTE CONTRA QUEM DEVA ELA OPERAR. (AI 828.995-00/0, 11ª CÂM. - REL. JUIZ MENDES GOMES - J. 9... REMETENTE: JUIZ DE DIREITO APELANTE: INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS APELADO: ROMERI JOSÉ... RIBEIRO RELATOR: DES. PRESTES MATTAR REL. CONV.: JUIZ ALEXANDRE BARBOSA FABIANI APELAÇAO CÍVEL - AÇAO...

1 2 3 4 5 999 1000 Próxima
Buscar em:
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais

ou

×
Disponível em: http://www.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/busca