Carregando...
JusBrasil - Jurisprudência
01 de outubro de 2014

TJ-ES - Apelação Civel AC 35060173297 ES 35060173297 (TJ-ES)

Data de publicação: 26/07/2011

Ementa: APELAÇAO CÍVEL - AÇAO DE INDENIZAÇAO - MORTE FILHO MENOR - ACIDENTE - MANOBRA DO CAMINHAO EM MARCHA-RÉ - FALTA DE CAUTELA - MOTORISTA EMBRIAGADO - PRESUNÇAO DE CULPA - AUSÊNCIA DE PROVAS EM SENTIDO CONTRÁRIO - DEVER DE INDENIZAR - dependência econômica dos pais da vítima - PRESUMIDA - VÍTIMA MENOR - FAMÍLIA DE BAIXA RENDA - PENSAO MENSAL DEVIDAMENTE FIXADA NOS TERMOS DA JURISPRUDÊNCIA - DANO MORAL - CONFIGURADO - MANUTENÇAO DO QUANTUM INDENIZATÓRIO - PRINCÍPIOS DA RAZOABILIDADE E DA PROPORCIONALIDADE ATENDIDOS - VERBAS SUCUMBENCIAS MANTIDAS COM A RESSALVA DO ART. 12 DA LEI Nº 1.060 /50 - RECURSO PARCIALMENTE PROVIDO. 1 - A manobra de marcha-ré deve sempre ser realizada com extrema cautela, tendo em vista o grau de perigo e o baixo nível de visão do motorista, mormente em se tratando de veículos pesados, cuja visão fica ainda mais prejudicada, dada a extensão do veículo, razão pela qual verifica-se a presunção relativa de culpa do motorista que não as observa (TJES, Classe: Apelação Cível, 35020452153, Relator: ÁLVARO MANOEL ROSINDO BOURGUIGNON - Relator Substituto : ELISABETH LORDES , Órgão julgador: SEGUNDA CÂMARA CÍVEL, Data de Julgamento: 10/07/2007, Data da Publicação no Diário: 01/08/2007). 2 - Além da falta de cautela do motorista ao realizar a manobra com o caminhão de marcha-ré, deve-se levar em consideração o seu estado de embriaguez no momento do acidente. Independentemente da quantidade de bebida alcóolica ingerida, é evidente que há diminuição da atenção e do reflexo do condutor, aumentando o seu tempo de reação. 3 - O apelante não trouxe aos autos qualquer fato capaz de ilidir a sua culpa, que é presumida, devendo responder pela indenização pleiteada. 4 - A jurisprudência se manifesta no sentido de que a morte de filho menor em acidente autoriza os pais, quando de baixa renda, a pedir ao responsável pelo sinistro a indenização por danos materiais, pois se presume o auxílio que futuramente o filho poderia prestar-lhes, sendo esta a hipótese dos autos já...

TJ-ES - Remessa Ex-officio 14050050682 ES 14050050682 (TJ-ES)

Data de publicação: 27/08/2008

Ementa: APELAÇÕES CÍVEIS EM AÇÃO DE REPARAÇÃO DE DANOS RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO - ACIDENTE DE TRÂNSITO - MANOBRA DE CAMINHÃO EM MARCHA-RÉ - MANOBRA EFETUADA SEM AS CAUTELAS DEVIDAS - INEXISTÊNCIA DE CULPA EXCLUSIVA DA VÍTIMA - MANUTENÇÃO DO VALOR ARBITRADO A TÍTULO DE DANOS MORAIS - RECURSOS CONHECIDOS E IMPROVIDOS 1 - Flagrante a culpa do motorista que efetua manobra com veículo em marcha-à-ré sem as devidas cautelas, deixando de cumprir o dever de cuidado a que estava obrigado, concorrendo, de forma determinante, para o acidente. 2 - Considerando o caráter punitivo⁄ressarcitório da indenização por dano moral, entendo que o valor fixado na sentença deve ser mantido, por se mostrar razoável e cumprir o objetivo da reparação. 3 - Recursos conhecidos e providos.

TJ-ES - Remessa Ex-officio 14050050682 ES 014050050682 (TJ-ES)

Data de publicação: 27/08/2008

Ementa: APELAÇÕES CÍVEIS EM AÇAO DE REPARAÇAO DE DANOS RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO -ACIDENTE DE TRÂNSITO - MANOBRA DE CAMINHAO EM MARCHA-RÉ - MANOBRA EFETUADA SEM AS CAUTELAS DEVIDAS - INEXISTÊNCIA DE CULPA EXCLUSIVA DA VÍTIMA - MANUTENÇAODO VALOR ARBITRADO A TÍTULO DE DANOS MORAIS - RECURSOS CONHECIDOS E IMPROVIDOS1 -Flagrante a culpa do motorista que efetua manobra com veículo em marcha-à-ré sem as devidas cautelas, deixando de cumprir o dever de cuidado a que estava obrigado, concorrendo, de forma determinante, para o acidente.2 - Considerando o caráter punitivo/ressarcitório da indenização por dano moral, entendo que o valor fixado na sentença deve ser mantido, por se mostrar razoável e cumprir o objetivo da reparação. 3 - Recursos conhecidos e providos.

TJ-RS - Recurso Cível 71004066106 RS (TJ-RS)

Data de publicação: 04/04/2013

Ementa: RESPONSABILIDADE CIVIL. AÇÃO DE INDENIZAÇÃO POR DANOS MATERIAIS E MORAIS. ACIDENTE DE TRÂNSITO. INEXISTÊNCIA DE COMPLEXIDADE DA CAUSA. DESNCESSIDADE DE PRODUÇÃO DE PROVA PERICIAL. CERCEAMENTO DE DEFESA INEXISTENTE. CULPA EXCLUSIVA DA PRIMEIRA RÉ, CONDUTORA DA CAMIONETA, QUE, AO REALIZAR MANOBRA EXCEPCIONAL DE MARCHA-RÉ, COLIDE NA LATERAL DO VEÍCULO DA AUTORA, QUE ESTAVA ESTACIONADO NO OUTRO LADO DA VIA. FATO PRESENCIADO PELA TESTEMUNHA APRESENTADA PELA AUTORA. TESE DE NEGATIVA DE AUTORIA DEFENDIDA PELA RÉ QUE NÃO ENCONTRA SUPORTE PROBATÓRIO, SENDO DESPROVIDA DE VEROSSIMILHANÇA. DEVER DE INDENIZAR. DANOS MATERIAIS DEMONSTRADOS POR ORÇAMENTOS. SENTENÇA MANTIDA POR SEUS PRÓPRIOS FUNDAMENTOS. Preliminar de complexidade da causa desacolhida, já que a prova coligida esclarece com suficiência o evento danoso, permitindo o julgamento seguro do processo. A testemunha apresentada pela autora, devidamente compromissada, presenciou o acidente. Nesse passo, aduziu que a primeira ré, após deixar uma criança numa casa de festas, executou manobra de marcha-ré com sua camioneta Saveiro, vindo a colidir no veículo da autora, que estava estacionado. Como a ré saiu do local sem procurar o proprietário do veículo danificado, a testemunha anotou a placa, repassando a informação para a autora. A ré, por sua vez, embora não admita a autoria do fato, reconheceu, na contestação, ter deixado sua filha na festa infantil no dia do evento. A versão da ré de que apenas se apresentou no local dos fatos como advogada, para oferecer assistência jurídica ao Sr. Ademar, marido da autora, não é verossímil, tanto que este registrou ocorrência policial, no mesmo dia do acidente, com base nas informações prestadas pela testemunha Patrick, imputando àquela a autoria dos danos. Por outro lado, os danos vieram demonstrados pelos orçamentos trazidos aos autos, prevalecendo o de menor valor para fins de ressarcimento. Sentença mantida por seus próprios fundamentos, nos termos do art. 46 da Lei n. 9.099 /95. RECURSO DESPROVIDO. (Recurso Cível Nº 71004066106, Terceira Turma Recursal Cível, Turmas Recursais, Relator: Alexandre de Souza Costa Pacheco, Julgado em 28/03/2013)...

TJ-RS - Recurso Cível 71004388807 RS (TJ-RS)

Data de publicação: 01/07/2014

Ementa: ACIDENTE DE TRÂNSITO. ESTACIONAMENTO IRREGULAR DE CAMINHÃO EM SAÍDA DE GARAGEM. CONCORDÂNCIA DO PROPRIETÁRIO DO IMÓVEL. MANOBRA DE MARCHA A . ABALROAMENTO. CULPA DO CONDUTOR DO AUTOMÓVEL. ASSUNÇÃO DE RISCO. RECURSO DESPROVIDO. (Recurso Cível Nº 71004388807, Terceira Turma Recursal Cível, Turmas Recursais, Relator: Cleber Augusto Tonial, Julgado em 26/06/2014)

TJ-RS - Recurso Cível 71004841136 RS (TJ-RS)

Data de publicação: 30/09/2014

Ementa: RECURSO INOMINADO. ACIDENTE DE TRÂNSITO. ILEGITIMIDADE ATIVA AFASTADA. A RESPONSAILIDADE PELO EVENTO DANOSO É DO MOTORISTA QUE, AO EFETUAR MANOBRA EXCEPCIONAL, COLOCANDO O CAMINHÃO SOBRE PISTA DE ROLAMENTO PARA INGRESSAR DE MARCHA A NO PÁTIO, OBSTRUI A TRAJETÓRIA DO OUTRO CAMINHÃO QUE VINHA PELA FAIXA MAIS ATRÁS. 1 - Tangente à prefacial de ilegitimidade ativa, escudada em que o caminhão envolvido no acidente não é de propriedade dos autores, foi corretamente afastada na sentença, pois, mesmo que ainda possa o veículo constar no DETRAN em nome da empresa anterior proprietária, a cópia do Instrumento Particular de Compra e Venda inserida às fls. 63/64 demonstra que o referido caminhão foi adquirido pela autora Fernanda Braun em 02.03.2012, data anterior ao acidente. Ademais, tratando-se de bem móvel, a propriedade se transfere com a tradição. Outrossim, relativamente ao autor Paulo Ricardo Guimarães da Rosa, era quem conduzia um dos caminhões envolvidos no acidente, circunstância que lhe confere legitimidade para pleitear indenização pelos danos ocorridos no veículo que dirigia; ou com ela arcar perante o proprietário/condutor do outro caminhão. 2 - No mérito, manifesta a responsabilidade do motorista do caminhão Mercedes Benz, o autor Paulo Ricardo, eis que, empreendendo manobra excepcional sobre a faixa de rolamento (Rua Edgar Pires de Castro), em "noite escura" para ingressar no acostamento à direita, atravessou o veículo na faixa para entrar em marcha a no pátio da propriedade de nº 10355, encontrando-se no meio da faixa no momento da colisão, como bem esclareceu a testemunha Carlos Roberto à fl. 80. Dessa forma, obstruiu a passagem do outro caminhão (Scania) que vinha pela pista a uns 600 metros atrás, como declinado pelo próprio motorista que encetava a referida manobra (fl. 79). E as fotografias de fl. 32 bem demonstram isso. 3 - Muito embora os autores afirmem que a manobra foi sinalizada pelo caminhão que se atravessou na faixa, essa sinalização consistia somente no "pisca" e do assessoramento através de seu ajudante que fazia sinais com as mãos, o que não se coaduna, à evidência, pela própria excepcionalidade da manobra, a exigir muito mais cuidados e redobrada cautela. Aliás, não deveria, de modo algum, ser efetuada como o foi, inclusive colocando em perigo o próprio ajudante, pois em local escuro (à noite), e que quase foi atropelado, como consignado nas próprias razões recursais (fl. 98). 4 - Inexistente, outrossim, qualquer prova no sentido de que o caminhão que abalroou aquele que se encontrava sobre a pista estivesse em velocidade incompatível com o local. Inclusive as fotografias de fl. 37 revelam que, se assim não fosse, os estragos frontais no Scania teria sido muito maiores. SENTENÇA MANTIDA PELO SEUS PRÓPRIOS FUNDAMENTOS. RECURSO IMPROVIDO. (Recurso Cível Nº 71004841136, Terceira Turma Recursal Cível, Turmas Recursais, Relator: Lusmary Fatima Turelly da Silva, Julgado em 25/09/2014)...

TJ-SC - Apelação Cível AC 20130359594 SC 2013.035959-4 (Acórdão) (TJ-SC)

Data de publicação: 09/09/2013

Ementa: APELAÇÃO CÍVEL. AÇÃO DE INDENIZAÇÃO DECORRENTE DE ACIDENTE DE VEÍCULO. CAMINHÃO CONDUZIDO PELO PREPOSTO DA RÉ, QUE AO EFETUAR MANOBRA DE MARCHA À ATROPELA UM INFANTE COM 5 ANOS DE IDADE. CIÊNCIA DO MOTORISTA QUANTO À PRESENÇA DO MENOR PRÓXIMO AO CAMINHÃO. AUSÊNCIA DE AUXÍLIO DE TERCEIROS PARA A REALIZAÇÃO DA MANOBRA. CULPA VERIFICADA. MINORAÇÃO DO QUANTUM FIXADO EM DANOS MORAIS E ESTÉTICOS. PLEITO INDEFERIDO. RECURSO CONHECIDO E DESPROVIDO. "A manobra de marcha a , pelo risco que oferece, somente pode ser encetada quando o condutor possuir plena visibilidade de sua retaguarda, sendo exigido dos veículos de grande porte, para tanto, o auxílio de outra pessoas" (Apelação Cível n. 2005.031628-3, de Timbó, rel. Des. Marcus Tulio Sartorato, j. 05-6-07). A marcha à é uma manobra atípica, por ser contrária a condução normal de veículo, merecendo do motorista que a empreende, a máxima atenção possível eis que todo e qualquer dano dela resultante o é por sua conta responsabilidade.

TJ-RS - Recurso Cível 71004832630 RS (TJ-RS)

Data de publicação: 03/07/2014

Ementa: RECURSO INOMINADO. RESPONSABILIDADE CIVIL. ACIDENTE DE TRÂNSITO.CONDUTOR DE CAMINHÃO EM RODOVIA INICIA MARCHA À RE CAUSA CHOQUE COM MOTOCICLETA QUE TRAFEGAVA ATRÁS NO MESMO SENTIDO E EM "PONTO CEGO". AUSÊNCIA DE CAUTELA NA MANOBRA. CULPA DO EVENTO DANOSO. PRESUNÇÃO DE QUEM BATE NA TRASEIRA ELIDIDA PELA MARCHA DO VEÍCULO MAIOR QUE NÃO VIZUALIZOU O MENOR PELO RETROVISOR. DEVER DE INDENIZAR CONFIGURADO. DANOS MATERIAIS. DANOS MORAIS E LUCROS CESSANTES INCOMPROVADOS. SENTENÇA REFORMADA. RECURSO PROVIDO EM PARTE. (Recurso Cível Nº 71004832630, Quarta Turma Recursal Cível, Turmas Recursais, Relator: Glaucia Dipp Dreher, Julgado em 27/06/2014)

TJ-RS - Recurso Cível 71004762589 RS (TJ-RS)

Data de publicação: 14/03/2014

Ementa: RECURSO INOMINADO. RESPONSABILIDADE CIVIL. ACIDENTE DE TRÂNSITO. CULPA CONCORRENTE DEMONSTRADA. AUTOR QUE SE ENCONTRAVA COM SEU VEÍCULO ESTACIONADO EM LOCAL PROIBIDO QUANDO FOI ATINGIDO PELO CAMINHÃO CONDUZIDO PELO DEMANDADO, O QUAL EFETUAVA MANOBRA DE MARCHA A DE FORMA IMPRUDENTE. SENTENÇA REFORMADA. RECURSO PROVIDO EM PARTE. (Recurso Cível Nº 71004762589, Segunda Turma Recursal Cível, Turmas Recursais, Relator: Roberto José Ludwig, Julgado em 12/03/2014)

TJ-RS - Apelação Crime ACR 70051990851 RS (TJ-RS)

Data de publicação: 19/04/2013

Ementa: APELAÇÃO-CRIME. ART. 302 DO CTB . CAMINHÃO. MANOBRA DE MARCHA À . ATROPELAMENTO DE CRIANÇA. VÍTIMA QUE TRANSITAVA DE BICICLETA ATRÁS DO VEÍCULO. IMPRUDÊNCIA DO MOTORISTA. CONDENAÇÃO QUE SE IMPUNHA. REDUÇÃO DO PRAZO DA SUSPENSÃO DA HABILITAÇÃO PARA DIRIGIR E DO QUANTUM DA PRESTAÇÃO PECUNIÁRIA. Apelo parcialmente provido. (Apelação Crime Nº 70051990851, Primeira Câmara Criminal, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Manuel José Martinez Lucas, Julgado em 10/04/2013) Ver íntegra da ementa

1 2 3 4 5 104 105 Próxima
Buscar em:
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais

ou

×
Disponível em: http://www.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/busca