Carregando...
JusBrasil - Jurisprudência
30 de julho de 2015

Página 1 de 5.249 resultados

TJ-RS - Apelação Cível AC 70064492820 RS (TJ-RS)

Data de publicação: 13/05/2015

Ementa: AÇÃO DECLARATÓRIA DE UNIÃO ESTÁVEL. PARTILHA. SUB-ROGAÇÃO. 1. Comprovada a união estável, os bens adquiridos na constância da vida em comum devem ser partilhados de forma igualitária, sendo irrelevante perquirir acerca da colaboração prestada individualmente pelos conviventes. Inteligência do art. 1.725 do CCB. 2. A sub-rogação de bens constitui exceção à regra da comunicabilidade e, para ser acolhida, deve estar plenamente comprovada nos autos, o que não ocorreu no caso com relação aos bens adquiridos pelo varão da ex-esposa, na constância da união estável. Recurso parcialmente provido. (Apelação Cível Nº 70064492820, Sétima Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Sérgio Fernando de Vasconcellos Chaves, Julgado em 07/05/2015).

TJ-RS - Apelação Cível AC 70063005359 RS (TJ-RS)

Data de publicação: 18/02/2015

Ementa: APELAÇÃO. DIREITO CIVIL. FAMÍLIA. AÇÃO DE DIVÓRCIO. PARTILHA. SUB-ROGAÇÃO. AUSÊNCIA DE PROVA. 1. Sendo o casamento regido pelo regime da comunhão parcial, devem ser partilhados, de forma igualitária, os bens adquiridos a título oneroso, na constância da vida em comum. 2. Considerando que o imóvel foi adquirido onerosamente durante a vigência da matrimônio, deve ser mantida a partilha determinada na sentença. Ademais, a sub-rogação, por se constituir exceção à regra, deve estar cabalmente comprovada. RECURSO DESPROVIDO. (Apelação Cível Nº 70063005359, Sétima Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Liselena Schifino Robles Ribeiro, Julgado em 11/02/2015).

TJ-RS - Apelação Cível AC 70063111728 RS (TJ-RS)

Data de publicação: 25/06/2015

Ementa: APELAÇÃO CÍVEL. UNIÃO ESTÁVEL. ALIMENTOS À MULHER. PARTILHA. SUB-ROGAÇÃO. PROVA DIRETA INEXISTENTE. 1. ALIMENTOS. A dependência econômica da autora em relação ao ex-companheiro ao longo de 22 anos de vida familiar é induvidosa. Ela conta 50 anos de idade e tem pouca experiência profissional, de modo que faz jus à continuidade da prestação alimentar. Em relação ao valor da pensão alimentícia, é evidente que o núcleo familiar se beneficiava de um diferenciado status econômico, de modo que as despesas decorrentes de um alto padrão de vida são igualmente maiores do que a média geral. E há inúmeros elementos nos autos a evidenciar que o demandado aufere elevada renda. Ele admite que sua renda não se restringe a R$ 30.000,00 mensais, ressalvando o caráter de incerteza e variabilidade dos ganhos. Assim, sendo certo que persiste a necessidade de a autora contar com a assistência material a ser prestada pelo ex-companheiro, mas que é saudável e, mesmo com sua pouca experiência, pode ir conquistando espaço no mercado de trabalho, em cotejo com as evidentes e diferenciadas possibilidades do alimentante, para o equilíbrio deste cenário se justifica o acolhimento, em parte, do pedido do apelante para reduzir a R$ 20.000,00 mensais a pensão alimentícia. Mas não há falar em termo final, pois embora sendo característica intrínseca aos pressupostos da prestação de pensão alimentícia a sua eventual temporalidade, disto não resulta que se impõe, ipso facto, definir desde já o momento em... que cessará tal obrigação. 2. PARTILHA. IMÓVEL DA RUA GUSTAVO SCHMIDT.  Não sustenta a alegada sub-rogação em um terço, em decorrência da venda de apartamento que já pertencia ao varão. Não obstante comprovada essa anterior aquisição e venda durante a união estável, o imóvel da rua General Rondon, foi vendido pelo apelante 08-03-2001, enquanto aquele da rua Gustavo Schmidt, nº 277 foi objeto de escritura pública de compra e venda celebrada 11-10-2002. De modo que cai por terra a alegação de dação...

TJ-RS - Apelação Cível AC 70061442893 RS (TJ-RS)

Data de publicação: 04/11/2014

Ementa: APELAÇÃO CÍVEL. DIVÓRCIO. PARTILHA. SUB-ROGAÇÃO PARCIAL. PARTILHA DAS DÍVIDAS NA PROPORÇÃO DA SUB-ROGAÇÃO. POSSIBILIDADE. Via de regra, em razão do regime de comunhão parcial, a divisão dos ônus e dos bônus decorrentes do casamento é igualitária, porém, comprovado que o bem partilhado pertencia em maior extensão a um dos ex-cônjuges, nada mais justo que cada divorciando arque com as despesas na parte que lhes couber. Caso em que o bem foi partilhado na proporção de 68% em favor da apelada e 32% em favor do apelante, devendo as despesas da propriedade, devidamente comprovadas nos autos, atentarem para a mesma proporção. Redimensionada a sucumbência. DERAM PARCIAL PROVIMENTO. (Apelação Cível Nº 70061442893, Oitava Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Rui Portanova, Julgado em 30/10/2014).

TJ-RS - Apelação Cível AC 70062104013 RS (TJ-RS)

Data de publicação: 01/12/2014

Ementa: APELAÇÃO. DIREITO CIVIL. FAMÍLIA. AÇÃO DE DIVÓRCIO LITIGIOSO. PARTILHA. SUB-ROGAÇÃO. VALOR CONSIDERADO NA DATA DA AQUISIÇÃO. Sendo o casamento regido pelo regime da comunhão parcial, devem ser partilhados, de forma igualitária, os bens adquiridos a título oneroso, na constância da vida em comum. RECURSO DESPROVIDO. (Apelação Cível Nº 70062104013, Sétima Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Liselena Schifino Robles Ribeiro, Julgado em 26/11/2014).

TJ-RS - Apelação Cível AC 70063184352 RS (TJ-RS)

Data de publicação: 18/02/2015

Ementa: APELAÇÃO. DIREITO CIVIL. FAMÍLIA. AÇÃO DE DISSOLUÇÃO DE UNIÃO ESTÁVEL. PARTILHA. SUB-ROGAÇÃO. AUSÊNCIA DE PROVA. 1. Na união estável, considerado o regime da comunhão parcial, os bens adquiridos onerosamente pelo casal, na constância da união, devem ser partilhados igualmente, não se exigindo, para tanto, prova acerca da colaboração mútua prestada pelos conviventes, pois se presume o esforço comum. 2. Considerando que o imóvel foi adquirido onerosamente durante a vigência da matrimônio, deve ser mantida a partilha determinada na sentença. Ademais, a sub-rogação, por se constituir exceção à regra, deve estar cabalmente comprovada. RECURSO DESPROVIDO. (Apelação Cível Nº 70063184352, Sétima Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Liselena Schifino Robles Ribeiro, Julgado em 11/02/2015).

TJ-RS - Apelação Cível AC 70060985835 RS (TJ-RS)

Data de publicação: 30/03/2015

Ementa: APELAÇÃO CÍVEL E RECURSO ADESIVO. AÇÃO DE DISSOLUÇÃO DE UNIÃO ESTÁVEL CUMULADA COM PEDIDO DE ALIMENTOS. PARTILHA. SUB-ROGAÇÃO. ALIMENTOS. Na hipótese dos autos, em relação ao à motocicleta, ausente comprovação de que foi adquirida em sub-rogação. O valor recebido a título de seguro/DPVAT se deu comprovadamente na constância da união estável e, por isso, presume-se tenha revertido em benefício do casal. Quanto aos alimentos pretendidos, embora confirmada a existência da união de 2009 a 2012, quando ajuizada a presente demanda, não restou comprovada a necessidade da autora, nem mesmo a possibilidade do réu, uma vez que sequer vieram aos autos documentos seguros acerca de seus rendimentos. APELO PROVIDO EM PARTE, NEGADO PROVIMENTO AO RECURSO ADESIVO. (Apelação Cível Nº 70060985835, Sétima Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Sandra Brisolara Medeiros, Julgado em 25/03/2015).

TJ-RS - Apelação Cível AC 70053821377 RS (TJ-RS)

Data de publicação: 29/04/2013

Ementa: APELAÇÃO. DIREITO CIVIL. FAMÍLIA. AÇÃO DE DIVÓRCIO LITIGIOSO. PARTILHA. SUB-ROGAÇÃO. Sendo o casamento regido pelo regime da comunhão parcial, devem ser partilhados, de forma igualitária, os bens adquiridos a título oneroso, na constância da vida em comum, não comprovada a sub-rogação referente à aquisição do veículo. RECURSO DESPROVIDO. (Apelação Cível Nº 70053821377, Sétima Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Liselena Schifino Robles Ribeiro, Julgado em 24/04/2013)

TJ-RS - Apelação Cível AC 70052200367 RS (TJ-RS)

Data de publicação: 18/12/2012

Ementa: APELAÇÃO CÍVEL. DIVÓRCIO. PARTILHA. SUB-ROGAÇÃO NÃO DEMONSTRADA. SENTENÇA MANTIDA. O apelante não fez prova suficiente de sub-rogação de bens para infirmar a assertiva da autora acerca do direito à comunhão patrimonial também sobre a motocicleta. A sub-rogação, pela força que tem para excluir bens da comunhão patrimonial resultante do regime de casamento, deve estar cabalmente demonstrada - e isto não ocorreu nestes autos -, devendo ser mantida a sentença em todos os seus termos. NEGARAM PROVIMENTO. UNÂNIME. (Apelação Cível Nº 70052200367, Oitava Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Luiz Felipe Brasil Santos, Julgado em 13/12/2012)

TJ-RS - Apelação Cível AC 70051978328 RS (TJ-RS)

Data de publicação: 04/02/2013

Ementa: APELAÇÃO. DIREITO CIVIL. FAMÍLIA. AÇÃO DE DECLARAÇÃO E DISSOLUÇÃO DE UNIÃO ESTÁVEL. PARTILHA. SUB-ROGAÇÃO. 1. Aplica-se à união estável o regime de comunhão parcial de bens, devendo ser partilhados, na proporção de 50%, os bens adquiridos durante a união, porquanto se presume tenham sido adquiridos com o esforço comum, nos termos do art. 1725 do Código Civil . 2. A sub-rogação, por se constituir exceção à regra, deve estar devidamente comprovada. Não é o caso. RECURSO DESPROVIDO. (Apelação Cível Nº 70051978328, Sétima Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Liselena Schifino Robles Ribeiro, Julgado em 30/01/2013)

1 2 3 4 5 524 525 Próxima
Buscar em:
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais

ou

×

Fale agora com um Advogado

Oi, está procurando um advogado ou correspondente jurídico? Podemos te conectar com Advogados em qualquer cidade do Brasil.

Escolha uma cidade da lista
Disponível em: http://www.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/busca