Carregando...
JusBrasil - Jurisprudência
28 de maio de 2015

TJ-MS - Apelacao Criminal ACR 1251 MS 2009.001251-4 (TJ-MS)

Data de publicação: 05/05/2009

Ementa: APELAÇÃO CRIMINAL - RECEPTAÇÃO QUALIFICADA E FURTO EM REPOUSO NOTURNO - PEDIDO DE DECLARAÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE DO PRECEITO SECUNDÁRIO PREVISTO NO § 1º DO ART. 180 DO CP - INOCORRÊNCIA - PEDIDO DE ABSOLVIÇÃO DO CRIME DE RECEPTAÇÃO QUALIFICADA - IMPOSSIBILIDADE - AGENTE QUE ADQUIRIU PRODUTO POR PREÇO ABAIXO DO VALOR DE MERCADO - DESCLASSIFICAÇÃO PARA RECEPTAÇÃO CULPOSA - IMPOSSIBILIDADE - PEDIDO DE AFASTAMENTO DA CAUSA DE AUMENTO DO REPOUSO NOTURNO - INVIABILIDADE - CRIME COMETIDO NO PERÍODO DA MADRUGADA - FIXAÇÃO DA PENA-BASE NO PATAMAR MÍNIMO - IMPOSSIBILIDADE - EXISTÊNCIA DE MAUS ANTECEDENTES - RECURSOS IMPROVIDOS.

TJ-MS - Apelacao Criminal APR 1251 MS 2009.001251-4 (TJ-MS)

Data de publicação: 05/05/2009

Ementa: APELAÇÃO CRIMINAL - RECEPTAÇÃO QUALIFICADA E FURTO EM REPOUSO NOTURNO - PEDIDO DE DECLARAÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE DO PRECEITO SECUNDÁRIO PREVISTO NO § 1º DO ART. 180 DO CP - INOCORRÊNCIA - PEDIDO DE ABSOLVIÇÃO DO CRIME DE RECEPTAÇÃO QUALIFICADA - IMPOSSIBILIDADE - AGENTE QUE ADQUIRIU PRODUTO POR PREÇO ABAIXO DO VALOR DE MERCADO - DESCLASSIFICAÇÃO PARA RECEPTAÇÃO CULPOSA - IMPOSSIBILIDADE - PEDIDO DE AFASTAMENTO DA CAUSA DE AUMENTO DO REPOUSO NOTURNO - INVIABILIDADE - CRIME COMETIDO NO PERÍODO DA MADRUGADA - FIXAÇÃO DA PENA-BASE NO PATAMAR MÍNIMO - IMPOSSIBILIDADE - EXISTÊNCIA DE MAUS ANTECEDENTES - RECURSOS IMPROVIDOS.

TJ-RS - Apelação Crime ACR 70053896098 RS (TJ-RS)

Data de publicação: 26/06/2013

Ementa: APELAÇÃO CRIME. RECEPTAÇÃO QUALIFICADA. ABSOLVIÇÃO. PEDIDO DO MINISTÉRIO PÚBLICO. IMPARCIALIDADE DO JUIZ. O recurso exclusivo da defesa aliado ao pedido expresso do agente ministerial (atuante nesta instância), no sentido de que o réu seja absolvido, esvazia a controvérsia posta nos autos. De ressaltar que o Procurador de Justiça é quem detém atribuição para atuar junto aos Tribunais perante as Câmaras, nos termos do artigo 29, I, a e artigo 31, respectivamente, da Lei Orgânica Estadual e Nacional do Ministério Público, de sorte que o pedido por ele deduzido é o que deve ser considerado nos julgamentos dos recursos. A Carta Magna de 1988 filiou-nos ao Sistema Acusatório, e, a um só tempo, incumbiu exclusivamente ao Ministério Público a titularidade da ação penal e impediu o juiz de tomar qualquer iniciativa. Com isso, distinguiu o persecutor do julgador, sendo, sem dúvida, a inércia do juiz a garantia da sua imparcialidade. APELO DEFENSIVO PROVIDO. (Apelação Crime Nº 70053896098, Quinta Câmara Criminal, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Francesco Conti, Julgado em 19/06/2013)

Encontrado em: Quinta Câmara Criminal Diário da Justiça do dia 26/06/2013 - 26/6/2013 Apelação Crime ACR 70053896098 RS (TJ-RS) Francesco Conti

TJ-RS - Apelação Crime ACR 70045724028 RS (TJ-RS)

Data de publicação: 07/03/2013

Ementa: APELAÇÕES CRIMINAIS. RECURSOS DEFENSIVOS. FURTO QUALIFICADO POR FRAUDE E CONCURSO DE AGENTES E RECEPTAÇÃO QUALIFICADA. ARGUIÇÃO DE NULIDADE DA SENTENÇA POR NÃO ENFRENTAMENTO DE TESE DEFENSIVA. PEDIDOS DE ABSOLVIÇÃO POR INSUFICIÊNCIA DE PROVAS, BEM COMO DE DESCLASSIFICAÇÃO DA RECEPTAÇÃO QUALIFICADA PARA A MODALIDADE DOLOSA. 1. NULIDADE DA SENTENÇA Não se faz presente a nulidade arguida em razão de omissão da sentença, tendo em vista que o tema não abordado por ela dizia respeito a argumento, e não a tese defensiva. Argumento, aliás, que não se fazia relevante para a justa valoração da causa. 2. SUFICIÊNCIA PROBATÓRIA Prova suficiente para manutenção da condenação imposta aos três acusados. Em relação ao furto, houve chamada de corréu confesso não reiterada em juízo, devido à revelia, mas consistente com uma série de outros indícios, e aponte por um dos receptadores. Em relação à receptação, demonstradas a materialidade e a autoria da infração, assim como o conhecimento prévio dos réus acerca da origem ilícita da carga de trigo por eles negociada e transportada, não há falar em insuficiência probatória. 3. QUALIFICADORA Os receptadores receberam, intermediaram e venderam mercadoria de origem ilícita no exercício de suas atividades comerciais, o que configura o tipo da receptação qualificada. 4. PENAS Aplicadas de modo que atendem ao critério de suficiência para a reprovação das condutas, as penas estabelecidas para os réus condenados não comportam reparo, salvo em relação à reincidência reconhecida em relação a um deles, sem que houvesse trânsito em julgado da condenação ao tempo do fato. Afastamento da agravante, com as devidas repercussões na pena, no regime e na substituição. PRELIMINAR REJEITADA. RECURSO DE UM DOS RÉUS PARCIALMENTE PROVIDO POR MAIORIA DE VOTOS. VOTO VENCIDO QUE ABSOLVIA O RÉU ITAMAR. RECURSOS DOS DEMAIS DESPROVIDOS. (Apelação Crime Nº 70045724028, Sexta Câmara Criminal, Tribunal de Justiça do RS, Relator: João Batista Marques Tovo, Julgado em 06/12/2012)...

Encontrado em: Sexta Câmara Criminal Diário da Justiça do dia 07/03/2013 - 7/3/2013 Apelação Crime ACR 70045724028 RS (TJ-RS) João Batista Marques Tovo

TJ-RS - Apelação Crime ACR 70046498242 RS (TJ-RS)

Data de publicação: 11/09/2012

Ementa: APELAÇÕES CRIMINAIS. RECURSOS DEFENSIVOS. RECEPTAÇÃO QUALIFICADA. PEDIDOS DEFENSIVOS DE ABSOLVIÇÃO POR INSUFICIÊNCIA DE PROVA OU POR NÃO DEMONSTRADO O CONHECIMENTO DOS RÉUS ACERCA DA PROCEDÊNCIA ILÍCITA DOS OBJETOS APREENDIDOS, BEM COMO DE DESCLASSIFICAÇÃO PARA RECEPTAÇÃO DOLOSA. 1. ADEQUAÇÃO TÍPICA Hipótese narrada na denúncia que não configura o crime de receptação qualificada. Aquisição de dois tacógrafos estragados para posterior venda, que não evidencia atividade comercial, ainda que irregular ou clandestina, por se tratar de fato isolado. Habitualidade ou...

Encontrado em: Sexta Câmara Criminal Diário da Justiça do dia 11/09/2012 - 11/9/2012 Apelação Crime ACR 70046498242 RS (TJ-RS) João Batista Marques Tovo

TJ-RS - Apelação Crime ACR 70049430820 RS (TJ-RS)

Data de publicação: 15/02/2013

Ementa: APELAÇÃO CRIMINAL. RECURSO DEFENSIVO. RECEPTAÇÃO QUALIFICADA. PEDIDO DE ABSOLVIÇÃO POR INSUFICIÊNCIA DE PROVA OU DE DESCLASSIFICAÇÃO PARA A MODALIDADE CULPOSA DA INFRAÇÃO, BEM COMO DE REDUÇÃO DAS PENAS IMPOSTAS. 1. SUFICIÊNCIA PROBATÓRIA Demonstradas a materialidade e a autoria da infração, assim como o conhecimento prévio do réu acerca da origem ilícita do veículo apreendido, o qual se encontrava com características adulteradas, não há falar em insuficiência probatória. 2. QUALIFICADORA Patenteado nos autos que o réu era proprietário de um ferro-velho, conforme ele mesmo aduz, configurada está a qualificadora, eis que evidenciado o exercício de atividade comercial. 3. PENAS Redução das penas ante a consideração mais benéfica das circunstâncias judiciais. RECURSO PARCIALMENTE PROVIDO. (Apelação Crime Nº 70049430820, Sexta Câmara Criminal, Tribunal de Justiça do RS, Relator: João Batista Marques Tovo, Julgado em 31/01/2013)

Encontrado em: Sexta Câmara Criminal Diário da Justiça do dia 15/02/2013 - 15/2/2013 Apelação Crime ACR 70049430820 RS (TJ-RS) João Batista Marques Tovo

TJ-MG - Apelação Criminal APR 10460060238785001 MG (TJ-MG)

Data de publicação: 25/06/2013

Ementa: APELAÇÃO CRIMINAL. CRIMES DE FURTO QUALIFICADO. ALEGAÇÃO DE BIS IN IDEM. NÃO CABIMENTO. AÇÕES DISTINTAS. RECONHECIMENTO DO CRIME CONTINUADO. PEDIDO PREJUDICADO. CRIME DE RECEPTAÇÃO. PROVA INSUFICIENTE. IN DUBIO PRO REO. ABSOLVIÇÃO MANTIDA. - Comprovadas a materialidade e a autoria dos delitos de furto qualificado, a condenação do réu é medida que se impõe. - Afasta-se a alegação de ocorrência de bis in idem, se não há comprovação da identidade dos elementos da demanda. - Já tendo sido reconhecido, na sentença, o instituto do crime continuado, resta prejudicado o pedido formulado a este Tribunal. - Considerando-se que as provas dos autos são insuficientes para embasar o decreto condenatório, em respeito ao princípio in dubio pro reo, a manutenção da absolvição do acusado é medida que se impõe.

TJ-RS - Revisão Criminal RVCR 70056007149 RS (TJ-RS)

Data de publicação: 13/05/2014

Ementa: REVISÃO CRIMINAL. HOMICÍDIO QUALIFICADO. TENTATIVA DE HOMICÍDIO QUALIFICADO. CRIMES CONEXOS. PEDIDO DE ABSOLVIÇÃO DO DELITO QUADRILHA ARMADA. TESE DE QUE A RECEPTAÇÃO E PORTES DE ARMA SEJAM ABSORVIDOS PELO HOMICÍDIO. REEXAME DA PROVA. INADMISSIBILIDADE. PRECEDENTES DA CORTE E DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA. NÃO CONHECIMENTO. DECISÃO MONOCRÁTICA. 1. Pedido revisional em que a defesa, sob o argumento de que houve exasperação da pena sem a devida fundamentação, pede absolvição do réu quanto aos delitos de quadrilha, receptação e portes de arma, alegando que o vínculo associativo não restou demonstrado e que os dois últimos delitos devem ser absorvidos pelo homicídio. 2. O requerente não apresentou nenhuma prova ou fato novo para embasar o seu pedido revisional, o qual não pode ser usado para rediscussão da prova. Na hipótese, as teses trazidas em sede de revisão já foram analisadas na apelação. 3. Não pode ser conhecida a revisão criminal fundada fora das hipóteses previstas no art. 621 do Código de Processo Penal . REVISÃO CRIMINAL NÃO CONHECIDA. (Revisão Criminal Nº 70056007149, Primeiro Grupo de Câmaras Criminais, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Julio Cesar Finger, Julgado em 06/05/2014)

TJ-RS - Apelação Crime ACR 70048764385 RS (TJ-RS)

Data de publicação: 08/02/2013

Ementa: APELAÇÃO CRIMINAL. RECURSO DEFENSIVO. FURTO QUALIFICADO PELO USO DE CHAVE FALSA. PEDIDOS DE ABSOLVIÇÃO POR INSUFICIÊNCIA DE PROVA OU POR ATIPICIDADE DA CONDUTA E DE DESCLASSIFICAÇÃO PARA A FORMA TENTADA OU PARA O CRIME DE RECEPTAÇÃO, ALÉM DE REDUÇÃO DAS PENAS APLICADAS. Quem é surpreendido na posse do produto da subtração, logo após e nas imediações do local em que cometida, deve ser reputado autor do fato por dedução, cabendo-lhe explicar de modo plausível essas comprometedoras circunstâncias. Hipótese retratada nos autos, no entanto, na qual a versão apresentada pelo acusado para explicar o fato de se encontrar na direção de veículo subtraído poucos momentos antes é confortada pelos demais elementos de prova e exclui a autoria do furto. Prova insuficiente para condenar. RECURSO PROVIDO. (Apelação Crime Nº 70048764385, Sexta Câmara Criminal, Tribunal de Justiça do RS, Relator: João Batista Marques Tovo, Julgado em 31/01/2013)

Encontrado em: Sexta Câmara Criminal Diário da Justiça do dia 08/02/2013 - 8/2/2013 Apelação Crime ACR 70048764385 RS (TJ-RS) João Batista Marques Tovo

TJ-DF - Apelação Criminal APR 20130710390955 (TJ-DF)

Data de publicação: 28/04/2015

Ementa: PENAL. APELAÇÃO. RECEPTAÇÃO. PEDIDO DE ABSOLVIÇÃO. IMPOSSIBILIDADE. MATERIALIDADE E AUTORIA COMPROVADAS. CONHECIMENTO DA ORIGEM ILÍCITA. INVERSÃO DO ÔNUS DA PROVA. CONDENAÇÃO MANTIDA. FURTO QUALIFICADO PELO ROMPIMENTO DE OBSTÁCULO E CONCURSO DE PESSOAS. AFASTAMENTO DA QUALIFICADORA DO CONCURSO DE PESSOAS. AUSÊNCIA DE PROVAS. DOSIMETRIA DA PENA. AFASTAMENTO DE CIRCUNSTÂNCIAS JUDICIAIS. FURTO PRATICADO NO PERÍODO NOTURNO. DESABONO DAS CIRCUNSTÂNCIAS DO CRIME. POSSIBILIDADE. 1. No crime de receptação dolosa, a apreensão do bem em poder do réu gera para ele o ônus de comprovar a procedência lícita da coisa. Precedentes. 2. Deve ser mantido o decreto condenatório pela prática do delito de receptação se as provas produzidas nos autos, aliadas às circunstâncias da apreensão do bem em posse do agente comprovam que este tinha conhecimento da origem ilícita do bem. 3. Não havendo provas suficientes que confirmem que o réu praticou o crime de furto em concurso de pessoas, deve ser afastada a incidência da qualificadora prevista no § 4º do inciso IV do Código Penal . 4. Não havendo nada nos autos que denote maior censurabilidade da conduta do réu, sua culpabilidade não pode ser considerada como circunstância judicial desabonadora. 5. No delito de furto, a circunstância de ser ele praticado na madrugada, período de repouso noturno, foi prevista pelo legislador pátrio como dotada de maior reprovabilidade, ensejando, inclusive, o aumento da pena da terceira fase da dosimetria. Há, ainda, julgado recente do c. STJ defendendo a aplicabilidade da referida causa de aumento ao delito de furto qualificado. Não tendo, no caso dos autos, o Magistrado sentenciante a utilizado no terceiro estágio da dosimetria – o que, inclusive, ensejaria reprimenda, correta a sua utilização na primeira fase, para macular as circunstâncias do delito, conforme operado em primeira instância. 6. Recurso conhecido e parcialmente provido.

1 2 3 4 5 999 1000 Próxima
Buscar em:
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais

ou

×

Fale agora com um Advogado

Oi, está procurando um advogado ou correspondente jurídico? Podemos te conectar com Advogados em qualquer cidade do Brasil.

Escolha uma cidade da lista
Disponível em: http://www.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/busca