Carregando...
JusBrasil - Jurisprudência
23 de setembro de 2014

TRF-3 - APELAÇÃO CÍVEL 56050 AC 30307 SP 91.03.030307-1 (TRF-3)

Data de publicação: 30/08/2007

Ementa: PROCESSUAL CIVIL. REEXAME NECESSÁRIO. EXECUÇÃO FISCAL. PENHORA DE BEM DE VALOR IRRISÓRIO. INSUFICIÊNCIA FRENTE ÀS CUSTAS DO PROCESSO. ART. 659 , § 2º , DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL . APLICABILIDADE AO PROCESSO DE EXECUÇÃO FISCAL. PROSSEGUIMENTO DA EXECUÇÃO NA BUSCA DE OUTROS BENS PENHORÁVEIS. APELOS IMPROVIDOS. 1. Nos termos do art. 475 , II , do Código de Processo Civil , sentença que julga procedentes embargos à execução fiscal está sujeita a remessa oficial, no caso tida por interposta. 2. Sendo as custas processuais muito superiores ao valor do bem penhorado, evidente se afigura a aplicabilidade do art. 659 , § 2º , do Código de Processo Civil , ante a absoluta inutilidade de se excutir o bem. 3. O art. 659 , § 2º , do CPC tem incidência no processo de execução fiscal, tendo em vista a ordem de aplicação subsidiária do Código de Processo Civil prevista no art. 1º da Lei nº 6.830 /80 e a inexistência de tratamento específico desta. 4 Constatada a irrisoriedade do valor do bem penhorado, deve a constrição ser levantada e a execução prosseguir na busca de bens suficientes à satisfação integral do crédito em cobrança. 5. Apelos e remessa oficial, tida por interposta, improvidos.

TRF-3 - APELAÇÃO CÍVEL AC 30307 SP 91.03.030307-1 (TRF-3)

Data de publicação: 21/06/2007

Ementa: PROCESSUAL CIVIL. REEXAME NECESSÁRIO. EXECUÇÃO FISCAL. PENHORA DE BEM DE VALOR IRRISÓRIO. INSUFICIÊNCIA FRENTE ÀS CUSTAS DO PROCESSO. ART. 659 , § 2º , DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL . APLICABILIDADE AO PROCESSO DE EXECUÇÃO FISCAL. PROSSEGUIMENTO DA EXECUÇÃO NA BUSCA DE OUTROS BENS PENHORÁVEIS. APELOS IMPROVIDOS. 1. Nos termos do art. 475 , II , do Código de Processo Civil , sentença que julga procedentes embargos à execução fiscal está sujeita a remessa oficial, no caso tida por interposta. 2. Sendo as custas processuais muito superiores ao valor do bem penhorado, evidente se afigura a aplicabilidade do art. 659 , § 2º , do Código de Processo Civil , ante a absoluta inutilidade de se excutir o bem. 3. O art. 659 , § 2º , do CPC tem incidência no processo de execução fiscal, tendo em vista a ordem de aplicação subsidiária do Código de Processo Civil prevista no art. 1º da Lei nº 6.830 /80 e a inexistência de tratamento específico desta. 4 Constatada a irrisoriedade do valor do bem penhorado, deve a constrição ser levantada e a execução prosseguir na busca de bens suficientes à satisfação integral do crédito em cobrança. 5. Apelos e remessa oficial, tida por interposta, improvidos.

TRT-4 - Agravo De Petição AP 1171004419915040231 RS 0117100-44.1991.5.04.0231 (TRT-4)

Data de publicação: 18/05/2000

Ementa: PENHORA SOBRE BENS DE VALOR IRRISÓRIO. Não deve ser mantida a penhora quando manifestamente o produto da execução dos bens constritos será totalmente absorvido pelo pagamento das despesas de leilão e custas processuais. Agravo de Petição a que se dá parcial provimento.  (...)

TRF-4 - APELAÇÃO CIVEL AC 50461182920124047000 PR 5046118-29.2012.404.7000 (TRF-4)

Data de publicação: 01/08/2013

Ementa: TRIBUTÁRIO. EMBARGOS À EXECUÇÃO FISCAL. GARANTIA DO JUÍZO. VALOR IRRISÓRIO. REJEIÇÃO LIMINAR. ART. 16 , § 1º DA LEI 6.830 /80. 1. A garantia do juízo é requisito de admissibilidade dos embargos à execução, de acordo com o artigo 16 , § 1º da Lei 6.830 /80. 2. A garantia apresentada não precisa corresponder ao valor integral do débito. Todavia, efetivada a penhora de bens de valor irrisório em relação ao valor executado, não se encontra seguro o juízo, ainda que parcialmente, impondo-se a extinção dos embargos.

TJ-RS - Agravo de Instrumento AI 70058574641 RS (TJ-RS)

Data de publicação: 25/02/2014

Ementa: AGRAVO DE INSTRUMENTO. RESPONSABILIDADE CIVIL. CUMPRIMENTO DE SENTENÇA. PENHORA ON LINE. VALOR IRRISÓRIO. NOMEAÇÃO DE BENS À PENHORA. ÔNUS DO CREDOR. 1. Em face da impossibilidade de realização do bloqueio eletrônico de valores, compete ao credor indicar bens a serem penhorados, em razão do que estabelece o art. 475-J, § 3º, do CPC , acrescentado pela Lei nº 11.232 , de 22/12/05. 2. Com a reforma processual, não cabe mais à parte executada nomear bens à penhora. Assim, assoma-se correto a determinação de intimação do credor para se manifestar sobre o prosseguimento do feito, com a adoção de providências para penhora de bens. NEGADO SEGUIMENTO AO RECURSO, EM DECISÃO MONOCRÁTICA. (Agravo de Instrumento Nº 70058574641, Quinta Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Isabel Dias Almeida, Julgado em 18/02/2014)

TRF-5 - AG Agravo de Instrumento AG 26387320134050000 (TRF-5)

Data de publicação: 26/07/2013

Ementa: PROCESSUAL CIVIL. EXECUÇÃO FISCAL. PENHORA. ORDEM DE PREFERÊNCIA. ACEITAÇÃO DE BENS FORA DA ORDEM. PENHORA ON LINE. VALORES IRRISÓRIOS. INAPLICABILIDADE DO ART. 659 , PARÁGRAFO 2º , DO CPC . ISENÇÃO DE CUSTAS. PRECEDENTES DO TRF 5 E DO STJ. 1. A jurisprudência do col. STJ, firmou-se no sentido de que a Fazenda Pública não é obrigada a aceitar bens nomeados à penhora fora da ordem legal de preferência dos bens penhoráveis, uma vez que, não obstante o princípio da menor onerosidade ao devedor, a execução é feita no interesse do credor. Precedentes. 2. A Lei 9.289 /96 isenta de custas a Fazenda Pública, de forma que, não se lhe a regra do art. 659 , parágrafo 2º , do CPC : não se levará a efeito a penhora, quando evidente que o produto da execução dos bens encontrados será totalmente absorvido pelo pagamento das custas da execução - inexistência de motivos para a desconstituição da penhora. 3. Manutenção dos benefícios da justiça gratuita aos agravantes. 4. Agravo a que se nega provimento.

TJ-RS - Agravo de Instrumento AI 70050479641 RS (TJ-RS)

Data de publicação: 03/09/2012

Ementa: AGRAVO DE INSTRUMENTO. AÇÃO DE COBRANÇA DE COTAS CONDOMINIAIS. CUMPRIMENTO DE SENTENÇA. PENHORA SOBRE A UNIDADE CONDOMINIAL. IRRAZOABILIDADE. DÉBITO IRRISÓRIO EM COMPARAÇÃO AO VALOR DO BEM IMÓVEL. NEGADO SEGUIMENTO AO RECURSO. (Agravo de Instrumento Nº 70050479641, Décima Oitava Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Nara Leonor Castro Garcia, Julgado em 31/08/2012)

TJ-DF - Agravo de Instrumento AGI 20140020103270 DF 0010393-27.2014.8.07.0000 (TJ-DF)

Data de publicação: 28/08/2014

Ementa: AGRAVO DE INSTRUMENTO. EXECUÇÃO FISCAL. CONCENTRAÇÃO DE ATOS EXECUTIVOS E DE GARANTIAS. FACULDADE. BENS INDISPONÍVEIS E ONERADOS. PENHORA. GARANTIA NÃO ACEITA. GRUPO ECONÔMICO. RECONHECIMENTO. CRÉDITO TRIBUTÁRIO. RESPONSABILIDADE. DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA. POSSIBILIDADE. PENHORA. ORDEM PREFERENCIAL. VEÍCULOS. OBJETOS SUNTUOSOS. ADMISSIBILIDADE. VALORES IRRISÓRIOS ANTE O VALOR COBRADO. FAZENDA PÚBLICA. DESCABIMENTO. OBJEÇÃO DE PRÉ-EXECUTIVIDADE. PARCELAMENTO INDEFERIDO ADMINISTRATIVAMENTE. ATO ADMINISTRATIVO AINDA NÃO ANULADO PELO PODER JUDICIÁRIO. MANUTENÇÃOD DO INDEFERIMENTO. 1. Na pendência de inúmeras execuções fiscais contra o mesmo devedor, pode o magistrado realizar os atos executivos, bem como concentrar a informação de garantia, num deles, com o objetivo de alcançar a efetividade da prestação jurisdicional, desde que garantida a ampla defesa. 2. O devedor não pode impor ao credor da execução fiscal que sejam aceitos em garantia imóveis já penhorados por outros entes federativos ou gravados com indisponibilidade por decisão judicial. 3. Evidenciado o vínculo entre empresas de cunho familiar por meio da composição societária, administração, negociação de débitos fiscais em conjunto e transferência de bens entre estas, forçoso reconhecer que compõem o mesmo grupo econômico. 4. Cabível a desconsideração de personalidade jurídica de empresa executada que se furta ao adimplemento das obrigações, com objetivo de alcançar o patrimônio das demais componentes do grupo econômico que são criadas para manter os negócios e receber os bens transferidos. 5. Observada a ordem preferencial de penhora instituída pela Lei de Execução Fiscal e estando os bens indicados pelo contribuinte já onerados, é legal e cabível a penhora de veículos e objetos suntuosos na residência, sobretudo diante do que dispõe a Lei sobre a impenhorabilidade do bem de família. (Art. 2º, Lei 8.009/90) 6. Em execução fiscal, considerando-se que a Fazenda Pública é isenta de custas, demonstrado que os bens não se enquadram nas hipóteses de impenhorabilidade, legítima é a penhora ainda que os valores não alcancem parte considerável do valor cobrado. 7. Conquanto o Poder Judiciário ainda analise o alcance da decisão judicial que determinou a atualização de créditos de precatórios para fins de adimplemento de parcelamento tributário, deve ser mantida a decisão judicial que manteve a execução fiscal em razão do indeferimento administrativo do parcelamento. 7.1. Pelo mesmo motivo, não se verifica excesso de execução na hipótese porquanto o valor cobrado decorre do indeferimento administrativo do parcelamento. 8. Recurso conhecido e desprovido....

TJ-SP - Agravo de Instrumento AI 1448001020128260000 SP 0144800-10.2012.8.26.0000 (TJ-SP)

Data de publicação: 17/10/2012

Ementa: CUMPRIMENTO DE SENTENÇA. PENHORA. CANCELAMENTO POR INCIDIR EM BENS DE VALOR COMERCIAL IRRISÓRIO. INADMISSIBILIDADE. SUFICIÊNCIA PARA ATENDER PARTE DO CRÉDITO. AGRAVO PROVIDO. Sendo os bens suficientes para assegurar, ao menos em parte, a satisfação do crédito, ainda que minimamente, apresenta-se perfeitamente admissível a penhora. A não realização da penhora, nos termos do artigo 659 , § 2º , do CPC , só tem sentido quando o valor do bem sequer atende às despesas com a sua própria guarda, o que não se dá na hipótese dos autos. RECURSO. AGRAVO DE INSTRUMENTO. ALEGAÇÃO DE IRREGULARIDADE FORMAL. PRELIMINAR REJEITADA. AGRAVO CONHECIDO. 1. Segundo a nova orientação da jurisprudência do C. Superior Tribunal de Justiça, fixada em julgamento de processo repetitivo, a falta de peças facultativas não autoriza a negativa de processamento do agravo, cabendo a abertura de oportunidade à parte para a complementação. 2. A petição recursal atende aos requisitos formais, apresentando plena relação lógica entre a fundamentação e o pedido, corretamente formulados. 3. Não há imposição legal para que as peças do agravo de instrumento sejam autenticadas, cabendo à parte contrária apresentar impugnação específica para apresentar eventual desconformidade. Inviável, pois, a mera impugnação genérica.

TRT-1 - Agravo de Peticao AP 01642004619905010026 RJ (TRT-1)

Data de publicação: 30/05/2014

Ementa: SUBAVALIAÇÃO DO BEM. ARREMATAÇÃO COM PREÇO VIL INEXISTÊNCIA - Não se pode afirmar que o valor atribuído pelo serventuário desta especializada possa ser considerado irrisório, pois não estamos falando de especulação de mercado, mas sim, da busca do valor razoável do bem de modo a satisfazer o crédito do trabalhador, por meio da tutela jurisdicional do Estado. Ademais, não se pode espancar a estimativa do juízo, pois o oficial de justiça avaliador goza de fé pública, sempre com os contornos da imparcialidade, é o serventuário habilitado para proceder a penhora e avaliação de bens - inteligência do artigo 721 , da CLT . Além disso, não configura arrematação por preço vil a venda do bem pelo maior lance, conforme artigo 888 , § 1º da CLT , equivalente a 76,4% (setenta e seis vírgula quatro por cento) do valor da avaliação, sob apreço, adequando-se, visivelmente, ao princípio da razoabilidade, o qual deve sempre nortear o instituto da arrematação. RECURSO A QUE SE NEGA PROVIMENTO. I - RELATÓRIO

1 2 3 4 5 646 647 Próxima
Buscar em:
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais

ou

×
Disponível em: http://www.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/busca