Carregando...
JusBrasil - Jurisprudência
28 de abril de 2015

TJ-RS - Apelação Cível AC 70060167137 RS (TJ-RS)

Data de publicação: 02/12/2014

Ementa: APELAÇÕES CÍVEIS. UNIÃO ESTÁVEL. REQUISITOS. ÔNUS DA PROVA. NÃO RECONHECIMENTO. PRINCÍPIO DA MONOGAMIA. EVIDÊNCIA ACERCA DA EXISTÊNCIA DE OUTRAS RELAÇÕES SIMULTÂNEAS. Nos termos da legislação civil vigente, para o reconhecimento de união estável, incumbirá a prova, àquele que propuser o seu reconhecimento, de que a relação havida entre o casal é, ou foi, pública, contínua, duradoura e destinada à constituição de um núcleo familiar. Não é possível o reconhecimento de união estável se uma das partes mantém outros relacionamentos amorosos concomitantes. APELO DESPROVIDO. (Apelação Cível Nº 70060167137, Sétima Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Sandra Brisolara Medeiros, Julgado em 26/11/2014).

TJ-RS - Apelação Cível AC 70061166815 RS (TJ-RS)

Data de publicação: 30/03/2015

Ementa: APELAÇÃO CÍVEL. UNIÃO ESTÁVEL. REQUISITOS. ÔNUS DA PROVA. NÃO RECONHECIMENTO. ÓBICE DO CASAMENTO. PRINCÍPIO DA MONOGAMIA. PRECEDENTES. SENTENÇA CONFIRMADA. Nos termos da legislação civil vigente, para o reconhecimento de união estável, incumbirá a prova, àquele que propuser o seu reconhecimento, de que a relação havida entre o casal é, ou foi, pública, contínua, duradoura e destinada à constituição de um núcleo familiar. Não é possível o reconhecimento de união estável se um dos conviventes mantém casamento civil, não estando comprovada nos autos a separação de fato antecedendo a relação posta em liça. Ônus da prova que incumbe a quem alega a tese de fato trazida a juízo (art. 333, I, do CPC). APELO DESPROVIDO. (Apelação Cível Nº 70061166815, Sétima Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Sandra Brisolara Medeiros, Julgado em 25/03/2015).

TJ-RS - Apelação Cível AC 70056302433 RS (TJ-RS)

Data de publicação: 22/04/2014

Ementa: APELAÇÃO CÍVEL. UNIÃO ESTÁVEL. REQUISITOS. ÔNUS DA PROVA. NÃO RECONHECIMENTO. ÓBICE DO CASAMENTO. PRINCÍPIO DA MONOGAMIA. PRECEDENTES. SENTENÇA CONFIRMADA. Nos termos da legislação civil vigente, para o reconhecimento de união estável, incumbirá a prova, àquele que propuser o seu reconhecimento, de que a relação havida entre o casal é, ou foi, pública, contínua, duradoura e destinada à constituição de um núcleo familiar. Não é possível o reconhecimento de união estável se um dos conviventes mantém casamento civil, não estando comprovada nos autos sequer separação de fato antecedendo a relação posta em liça. Ônus da prova que incumbe a quem alega a tese de fato trazida a juízo (art. 333 , I , do CPC ). APELO DESPROVIDO. (Apelação Cível Nº 70056302433, Sétima Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Sandra Brisolara Medeiros, Julgado em 16/04/2014)

TJ-RS - Apelação Cível AC 70059998179 RS (TJ-RS)

Data de publicação: 02/12/2014

Ementa: APELAÇÃO CÍVEL. UNIÃO ESTÁVEL. REQUISITOS. ÔNUS DA PROVA. NÃO RECONHECIMENTO. ÓBICE DO CASAMENTO. VERIFICAÇÃO APENAS DE RELAÇÃO CONCUBINÁRIA. PRINCÍPIO DA MONOGAMIA. SENTENÇA CONFIRMADA. 1. Nos termos da legislação civil vigente, para o reconhecimento de união estável, incumbirá a prova, àquele que propuser o seu reconhecimento, de que a relação havida entre o casal é, ou foi, pública, contínua, duradoura e destinada à constituição de um núcleo familiar. 2. Não é possível o reconhecimento de união estável se um dos conviventes mantém casamento civil, não estando comprovada nos autos separação de fato antecedendo a relação posta em liça, que apresenta caráter de mero relacionamento concubinário adulterino. 3. Outrossim, não demonstrado pela demandante efetiva participação no patrimônio relacionado, não há falar em divisão, pois, em não se tratando de união estável a relação mantida entre as partes, inaplicável a presunção do esforço comum. APELO DESPROVIDO. (Apelação Cível Nº 70059998179, Sétima Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Sandra Brisolara Medeiros, Julgado em 26/11/2014).

TJ-RS - Apelação Cível AC 70061830386 RS (TJ-RS)

Data de publicação: 31/10/2014

Ementa: UNIÃO ESTÁVEL. PRESSUPOSTOS. AFFECTIO MARITALIS. COABITAÇÃO. PUBLICIDADE DA RELAÇÃO. PROVA. PRINCÍPIO DA MONOGAMIA 1. Não constitui união estável o relacionamento entretido sem a intenção clara de constituir um núcleo familiar. 2. A união estável assemelha-se a um casamento de fato e indica uma comunhão de vida e de interesses, reclamando não apenas publicidade e estabilidade, mas, sobretudo, um nítido caráter familiar, evidenciado pela affectio maritalis. 3. Não é permitido, no nosso ordenamento jurídico, a coexistência de dois casamentos ou de uma união estável paralela ao casamento ou de duas uniões estáveis paralelas. 4. Constitui concubinato adulterino a relação entretida pelo falecido com a autora, pois ele estava casado com outra mulher, com quem convivia. Inteligência do art. 1.727 do Código Civil . 5. Não comprovada a entidade familiar, nem que a autora tenha concorrido para aquisição de qualquer bem, a improcedência da ação impõe-se. Recurso desprovido. (Apelação Cível Nº 70061830386, Sétima Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Sérgio Fernando de Vasconcellos Chaves, Julgado em 29/10/2014).

TJ-RS - Apelação Cível AC 70059033548 RS (TJ-RS)

Data de publicação: 30/09/2014

Ementa: APELAÇÕES CÍVEIS. UNIÃO ESTÁVEL. REQUISITOS. ÔNUS DA PROVA. NÃO RECONHECIMENTO. ÓBICE DO CASAMENTO. VERIFICAÇÃO APENAS DE RELAÇÃO CONCUBINÁRIA. PRINCÍPIO DA MONOGAMIA. SENTENÇA CONFIRMADA. Nos termos da legislação civil vigente, para o reconhecimento de união estável, incumbirá a prova, àquele que propuser o seu reconhecimento, de que a relação havida entre o casal é, ou foi, pública, contínua, duradoura e destinada à constituição de um núcleo familiar. Não é possível o reconhecimento de união estável se um dos conviventes mantém casamento civil, não estando comprovada nos autos sequer separação de fato antecedendo a relação posta em liça, que apresenta caráter de mero relacionamento concubinário adulterino. Ônus da prova que incumbe a quem alega a tese de fato trazida a juízo (art. 333 , I , do CPC ). RECONHECIMENTO DE PATERNIDADE SOCIOAFETIVA. LITISCONSÓRCIO NECESSÁRIO RELATIVAMENTE AO PAI REGISTRAL. Não se faz possível o conhecimento do pedido de reconhecimento de paternidade socioafetiva sem a formação de litisconsórcio com o pai registral da requerente. APELO PARCIALMENTE CONHECIDO E DESPROVIDO. (Apelação Cível Nº 70059033548, Sétima Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Sandra Brisolara Medeiros, Julgado em 24/09/2014)

TJ-MG - Apelação Cível AC 10643120002669002 MG (TJ-MG)

Data de publicação: 30/07/2014

Ementa: AÇÃO DECLARATÓRIA DE UNIÃO ESTÁVEL POST MORTEM - CONCOMITÂNCIA DE CASAMENTO VÁLIDO - PRINCÍPIO DA MONOGAMIA - ART. 1727 DO CÓDIGO CIVIL - NATUREZA CONCUBINÁRIA DA SEGUNDA RELAÇÃO. PEDIDO IMPROCEDENTE - RECURSO DESPROVIDO. - Se o suposto convivente era oficialmente casado com outra mulher até a data do seu falecimento e se não se cogita, sequer, da separação de fato do referido casal, o pedido de reconhecimento de união estável formulado pela autora revela-se inviável, diante do Princípio da Monogamia, estampado no artigo 1.727 do Código Civil , sendo inafastável, nessa hipótese de concomitância de relacionamentos afetivos, a natureza concubinária da segunda relação, da qual não se originam direitos sucessórios ou previdenciários, como se casamento fosse. - Precedentes dos Tribunais Superiores. Recurso desprovido.

TJ-RS - Apelação Cível AC 70051864932 RS (TJ-RS)

Data de publicação: 31/05/2013

Ementa: APELAÇÕES CÍVEIS. UNIÃO ESTÁVEL. REQUISITOS. ÔNUS DA PROVA. NÃO RECONHECIMENTO. ÓBICE DO CASAMENTO. VERIFICAÇÃO APENAS DE RELAÇÃO CONCUBINÁRIA. PRINCÍPIO DA MONOGAMIA. SENTENÇA CONFIRMADA. Nos termos da legislação civil vigente, para o reconhecimento de união estável, incumbirá a prova, àquele que propuser o seu reconhecimento, de que a relação havida entre o casal é, ou foi, pública, contínua, duradoura e destinada à constituição de um núcleo familiar. Não é possível o reconhecimento de união estável se um dos conviventes mantém casamento civil, não estando comprovada nos autos separação de fato antecedendo a relação posta em liça, que apresenta caráter de mero relacionamento concubinário adulterino. Ônus da prova que incumbe a quem alega a tese de fato trazida a juízo (art. 333 , I , do CPC ). APELO DESPROVIDO. (Apelação Cível Nº 70051864932, Sétima Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Sandra Brisolara Medeiros, Julgado em 29/05/2013)

TJ-RS - Apelação Cível AC 70052282654 RS (TJ-RS)

Data de publicação: 04/06/2013

Ementa: APELAÇÕES CÍVEIS. UNIÃO ESTÁVEL. REQUISITOS. ÔNUS DA PROVA. NÃO RECONHECIMENTO. PRINCÍPIO DA MONOGAMIA. EVIDÊNCIA DE OUTRA RELAÇÃO APARENTEMENTE ESTÁVEL. ÓBICE. VERIFICAÇÃO APENAS DE RELACIONAMENTO AMOROSO. SENTENÇA CONFIRMADA. Nos termos da legislação civil vigente, para o reconhecimento de união estável, incumbirá a prova, àquele que propuser o seu reconhecimento, de que a relação havida entre o casal é, ou foi, pública, contínua, duradoura e destinada à constituição de um núcleo familiar. Não é possível o reconhecimento de união estável se uma das partes mantém, de fato, casamento civil, união estável previamente constituída, ou outra relação amorosa, não estando comprovada nos autos sequer dissolução de fato antecedendo o relacionamento posto em liça, que apresenta caráter de mero relacionamento amoroso. Ônus da prova que incumbe a quem alega a tese de fato trazida a juízo (art. 333 , I , do CPC ). APELO DESPROVIDO. (Apelação Cível Nº 70052282654, Sétima Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Sandra Brisolara Medeiros, Julgado em 29/05/2013)

TJ-RS - Embargos de Declaração ED 70063408132 RS (TJ-RS)

Data de publicação: 31/03/2015

Ementa: EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO CÍVEL. UNIÃO ESTÁVEL POST MORTEM. REQUISITOS. ÔNUS DA PROVA. NÃO RECONHECIMENTO. ÓBICE DO CASAMENTO. VERIFICAÇÃO APENAS DE RELAÇÃO CONCUBINÁRIA. PRINCÍPIO DA MONOGAMIA. SENTENÇA DE IMPROCEDENCIA CONFIRMADA PELO COLEGIADO. AUSÊNCIA DE OBSCURIDADE, CONTRADIÇÃO OU OMISSÃO. NÍTIDA PRETENSÃO DE REDISCUSSÃO DA MATÉRIA JÁ DECIDIDA. VEDAÇÃO. PREQUESTIONAMENTO. FIM ESPECÍFICO. Não estando presentes os pressupostos específicos de cabimento dos embargos de declaração (art. 535 do CPC ), é caso de rejeitá-los. EMBARGOS DE DECLARAÇÃO DESACOLHIDOS. (Embargos de Declaração Nº 70063408132, Sétima Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Sandra Brisolara Medeiros, Julgado em 25/03/2015).

1 2 3 4 5 46 47 Próxima
Buscar em:
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais
  • Selecionar tribunais Todos os tribunais

ou

×

Fale agora com um Advogado

Oi, está procurando um advogado ou correspondente jurídico? Podemos te conectar com Advogados em qualquer cidade do Brasil.

Escolha uma cidade da lista
Disponível em: http://www.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/busca