Carregando...
JusBrasil - Tópicos
18 de setembro de 2014
Estrangeiro Residente no País Editar Foto
×

Alterar Imagem

Envie uma imagem

Estrangeiro Residente no País

Adicione uma descrição a este tópico. Editar
470 caracteres restantes
Cancelar
Visto permanente para investidor estrangeiro pessoa física

de que o estrangeiro continua como investidor no Brasil. Além disso, por estabelecer residência permanente no país...Visto permanente para investidor estrangeiro pessoa física Estrangeiros podem obter visto permanente no Brasil por meio... que pretende estabelecer residência permanente no Brasil deverá consultar asses...

Resultados da busca JusBrasil para "Estrangeiro Residente no País"

STF - AG.REG. NO AGRAVO DE INSTRUMENTO AI 842916 MG (STF)

Data de publicação: 17/04/2012

Ementa: Ementa: AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO DE INSTRUMENTO. DIREITO CIVIL E INTERNACIONAL. SUCESSÃO. ALEGAÇÃO DE NÃO HAVER DIREITO A HERANÇA NEM A PROPRIEDADE PARA ESTRANGEIROS NÃO RESIDENTES NO PAÍS. MATÉRIA REGULADA POR NORMAS INFRACONSTITUCIONAIS. CÓDIGO CIVIL E LEI DE INTRODUÇÃO ÀS NORMAS DO DIREITO BRASILEIRO. OFENSA INDIRETA OU REFLEXA. 1. A violação reflexa e oblíqua da Constituição Federal decorrente da necessidade de análise de malferimento de dispositivo infraconstitucional torna inadmissível o recurso extraordinário. 2. Deveras, o direito à sucessão de bens deixados por estrangeiro dentro do território nacional aos seus descendentes não residentes no Brasil foi resolvida pela interpretação conferida à legislação que regulamenta a espécie. 3. In casu, o acórdão recorrido assentou: Agravo de Instrumento. Inventário. Estrangeiro. Sucessão. Herdeiros residentes em outro país. Meação. Aplicação do disposto no inc. XXXI , do art. 5º , da Constituição da República. Nos termos do inc. XXXI , do art. 5º , da CF , a sucessão de bens de estrangeiros situados no País será regulada pela lei brasileira em benefício do cônjuge ou dos filhos brasileiros, sempre que não lhes seja mais favorável a lei pessoal do ‘de cujus’. Recurso a que se nega provimento. 4. Agravo regimental desprovido.

Encontrado em: SASKIA SAMINE KARL E NELE ELVIRA KARL. KARL SIEGFRIED VALENTIN SPEEHT AG.REG. NO AGRAVO DE INSTRUMENTO AI 842916 MG (STF) Min. LUIZ FUX

TRF-3 - APELAÇÃO CÍVEL AC 218 MS 0000218-92.2007.4.03.6004 (TRF-3)

Data de publicação: 02/10/2012

Ementa: PREVIDENCIÁRIO. AGRAVO. ASSISTÊNCIA SOCIAL. ESTRANGEIRO RESIDENTE NO PAÍS. POSSIBILIDADE. IGUALDADE DE CONDIÇÕES PREVISTA NO ARTIGO 5º DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL . PESSOA HIPOSSUFICIENTE E DE BAIXA INSTRUÇÃO. IDADE AVANÇADA. IMPLEMENTAÇÃO DOS REQUISITOS NECESSÁRIOS. I - A assistência social é paga ao portador de deficiência ou ao idoso com 65 (sessenta e cinco) anos ou mais que comprove não possuir meios de prover a própria subsistência ou de tê-la provida pela sua família ( CF , art. 203 , V , Lei nº 8.742 /93, Lei nº 9.720 /98 e Lei nº 10.741 /03, art. 34 ). II - O fato da parte autora ostentar a condição de estrangeiro não constitui óbice à concessão do benefício, desde que presentes os requisitos legais autorizadores, uma vez que a Constiuição Federal não promove a distinção entre estrangeiros residentes no país e brasileiros, sendo o benefício assistencial de prestação continuada devido "a quem dela necessitar", inexistindo restrição à sua concessão ao estrangeiro aqui residente. III - Ademais, o artigo 5º da Constituição Federal assegura ao estrangeiro residente no país o gozo dos direitos e garantias individuais em igualdade de condição com o nacional. IV - Ressalte-se que, embora tenha sido reconhecida a repercussão geral e a questão ainda esteja em análise no Supremo Tribunal Federal (RE 587.970), trata-se de posicionamento dominante nesta E. Corte a concessão do benefício ao estrangeiro, sendo plenamente aplicável a regra autorizadora prevista no artigo 557 do Código de Processo Civil . V - Agravo a que se nega provimento.

TJ-PE - Embargos de Declaração ED 91287920128170000 PE 0011234-14.2012.8.17.0000 (TJ-PE)

Data de publicação: 02/08/2012

Ementa: TRIBUTÁRIO. COBRANÇA DE ICMS SOBRE OPERAÇÃO DE VENDAS DE JÓIAS A ESTRANGEIRO NÃO RESIDENTE NO PAÍS. ISENÇÃO TRIBUTÁRIA PELA AUSÊNCIA DO FATO GERADOR, DIANTE DA PUBLICAÇÃO DA PORTARIA SECEX Nº 12/2003. ACLARATÓRIOS IMPROVIDOS. DECISÃO UNÂNIME. 1. O mandado de segurança preventivo presta-se a combater ameaça efetiva e concreta de lesão a direito líquido de certo do impetrante. 2. Situação que se amolda ao caso em apreço, haja vista que a embargada encontra-se na iminência de sofrer autuações sistemáticas da Fazenda Pública relativamente à cobrança de ICMS incidente sobre a venda de jóias e pedras preciosas a estrangeiros não residentes no país. 3. A matéria sub examine encontra-se pacificada por este Sodalício, cujo entendimento é no sentido de que sobre as operações de vendas a estrangeiros não residentes no Brasil não deve incidir o ICMS, em razão da disposição prevista pela Portaria SECEX nº 12/2003 que equiparou a citada operação comercial à atividade exportadora, ficando, assim, sujeita à regra contida no artigo 155 , § 2º , X , a , da CF/88 que veda a incidência de ICMS sobre as operações que destinem mercadorias ao exterior. 4. Embargos de declaração improvido à unanimidade. 5. Não considerados malferidos os dispositivos explicitados.

TJ-PE - Agravo AGV 2657014 PE 0009128-79.2012.8.17.0000 (TJ-PE)

Data de publicação: 24/05/2012

Ementa: RIBUTÁRIO. COBRANÇA DE ICMS SOBRE OPERAÇÃO DE VENDAS DE JÓIAS A ESTRANGEIRO NÃO RESIDENTE NO PAÍS. ISENÇÃO TRIBUTÁRIA PELA AUSÊNCIA DO FATO GERADOR, DIANTE DA PUBLICAÇÃO DA PORTARIA SECEX Nº 12 /2003. INTEGRATIVO IMPROVIDO. DECISÃO UNÂNIME. 1. O mandado de segurança preventivo presta-se a combater ameaça efetiva e concreta de lesão a direito líquido de certo do impetrante. 2. Situação que se amolda ao caso em apreço, haja vista que a agravada encontra-se na iminência de sofrer autuações sistemáticas da Fazenda Pública relativamente à cobrança de ICMS incidente sobre a venda de jóias e pedras preciosas a estrangeiros não residentes no país. 3. A matéria sub examine encontra-se pacificada por este Sodalício, cujo entendimento é no sentido de que sobre as operações de vendas a estrangeiros não residentes no Brasil não deve incidir o ICMS, em razão da disposição prevista pela Portaria SECEX nº 12 /2003 que equiparou a citada operação comercial à atividade exportadora, ficando, assim, sujeita à regra contida no artigo 155 , § 2º , X da CF/88 que veda a incidência de ICMS sobre as operações que destinem mercadorias ao exterior. 4. Recurso de agravo improvido à unanimidade.

TJ-PE - Agravo AGV 2343566 PE 0015363-62.2012.8.17.0000 (TJ-PE)

Data de publicação: 27/09/2012

Ementa: TRIBUTÁRIO. COBRANÇA DE ICMS SOBRE OPERAÇÃO DE VENDAS DE JÓIAS A ESTRANGEIRO NÃO RESIDENTE NO PAÍS. ISENÇÃO TRIBUTÁRIA PELA AUSÊNCIA DO FATO GERADOR, DIANTE DA PUBLICAÇÃO DA PORTARIA SECEX Nº 12/2003. INTEGRATIVO IMPROVIDO. DECISÃO UNÂNIME. 1.O mandado de segurança preventivo presta-se a combater ameaça efetiva e concreta de lesão a direito líquido de certo do impetrante. 2.Situação que se amolda ao caso em apreço, haja vista que a agravada encontra-se na iminência de sofrer autuações sistemáticas da Fazenda Pública relativamente à cobrança de ICMS incidente sobre a venda de jóias e pedras preciosas a estrangeiros não residentes no país. 3.A matéria sub examine encontra-se pacificada por este Sodalício, cujo entendimento é no sentido de que sobre as operações de vendas a estrangeiros não residentes no Brasil não deve incidir o ICMS, em razão da disposição prevista pela Portaria SECEX nº 12/2003 que equiparou a citada operação comercial à atividade exportadora, ficando, assim, sujeita à regra contida no artigo 155, § 2º, X da CF/88 que veda a incidência de ICMS sobre as operações que destinem mercadorias ao exterior. 4.Precedentes deste Sodalício citados. 5.Recurso de agravo improvido à unanimidade. 6.Não considerados malferidos os disposivos dos arts. 3º, II, parágrafo único, I e II; 12, I, ambos da Lei Complr e o art. 155,§2º, X, alínea "a" da CF/88.

TRF-3 - AGRAVO DE INSTRUMENTO AI 32654 SP 2010.03.00.032654-1 (TRF-3)

Data de publicação: 01/03/2011

Ementa: PROCESSUAL CIVIL - AGRAVO DE INSTRUMENTO - BENEFÍCIO ASSISTENCIAL DE PRESTAÇÃO CONTINUADA - POSSIBILIDADE DE CONCESSÃO A ESTRANGEIRO RESIDENTE NO PAÍS. I - Prevê o art. 273 , caput, do CPC , que o magistrado poderá, a requerimento da parte, antecipar, total ou parcialmente, os efeitos da tutela pretendida no pedido inicial, desde que, existindo prova inequívoca, se convença da verossimilhança da alegação. II - O artigo 5º , caput, da Constituição da República, garante a igualdade entre as pessoas, sem distinção de qualquer natureza, bem como assegura aos estrangeiros residentes no país as mesmas garantias dadas aos nacionais. III - Considerando a residência permanente do autor em território nacional e o fato de que ele cumpre os requisitos para naturalização previstos no art. 12 , II , da Constituição da República, não há razão para distinção no que toca à assistência social, tanto mais por se tratar de um direito fundamental, que independe da nacionalidade da pessoa necessitada. IV - Não há que se falar em perigo de irreversibilidade do provimento antecipado, considerando não se tratar de medida liminar que esgota o objeto da demanda. V - Agravo de Instrumento interposto pelo INSS improvido.

TRF-3 - APELAÇÃO CÍVEL AMS 6515 MS 0006515-25.2010.4.03.6000 (TRF-3)

Data de publicação: 13/08/2012

Ementa: CONSTITUCIONAL. PREVIDENCIÁRIO. PROCESSUAL CIVIL. AGRAVO. DECISÃO MONOCRÁTICA. AUSÊNCIA DE ILEGALIDADE OU ABUSO DE PODER. BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA A ESTRANGEIRO RESIDENTE NO PAÍS. POSSIBILIDADE DE CONCESSÃO. REDISCUSSÃO DE MATÉRIA JÁ DECIDIDA. 1- O artigo 557 do Código de Processo Civil consagra a possibilidade de o recurso ser julgado pelo respectivo Relator. 2- Segundo entendimento firmado nesta Corte, a decisão do Relator não deve ser alterada quando fundamentada e nela não se vislumbrar ilegalidade ou abuso de poder que resulte em dano irreparável ou de difícil reparação para a parte. 3- A decisão agravada abordou todas as questões suscitadas e orientou-se pelo entendimento jurisprudencial dominante. Pretende o agravante, em sede de agravo, rediscutir argumentos já enfrentados pela decisão recorrida. 4- Segundo precedentes desta Corte, a concessão do benefício assistencial é garantida aos estrangeiros residentes nos país, desde que presentes os requisitos legais autorizadores. 5- Agravo desprovido. Decisão mantida.

TJ-PE - Agravo AGV 1920901 PE 0008601-30.2012.8.17.0000 (TJ-PE)

Data de publicação: 24/05/2012

Ementa: TRIBUTÁRIO. RECURSO DE AGRAVO. COBRANÇA DE ICMS SOBRE OPERAÇÃO DE VENDAS DE JÓIAS A ESTRANGEIRO NÃO RESIDENTE NO PAÍS. EXPORTAÇÃO. ISENÇÃO TRIBUTÁRIA PELA AUSÊNCIA DO FATO GERADOR. RECURSO IMPROVIDO. DECISÃO UNÂNIME. 1. A matéria sub examine encontra-se pacificada por este Sodalício, cujo entendimento é no sentido de que sobre as operações de vendas a estrangeiros não residentes no Brasil não deve incidir o ICMS, em razão da disposição prevista pela Portaria SECEX nº 12 /2003 que equiparou a citada operação comercial à atividade exportadora, ficando, assim, sujeita à regra contida no artigo 155 , § 2º , X da CF/88 que veda a incidência de ICMS sobre as operações que destinem mercadorias ao exterior. 2. As provas carreadas aos autos são suficientes para demonstrar que a venda da mercadoria efetuada pela empresa agravada, em que pese ter sido realizada no Brasil, teve como comprador pessoa residente no exterior que efetuou o pagamento em moeda estrangeira, razão pela qual a operação comercial realizada caracteriza-se como atividade exportadora. 3. Recurso de agravo improvido por unanimidade dos votos.

TRF-3 - APELAÇÃO CÍVEL AC 11140 MS 2008.60.00.011140-3 (TRF-3)

Data de publicação: 31/05/2011

Ementa: CONSTITUCIONAL. PROCESSO CIVIL. BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA A ESTRANGEIRO RESIDENTE NO PAÍS. POSSIBILIDADE DE CONCESSÃO. AGRAVO (ART. 557 , § 1º , CPC ). I - Ao manter a sentença de primeiro grau que julgou procedente o pedido do autor, a r. decisão agravada filiou-se ao entendimento já manifestado anteriormente por esta C. Turma, no sentido de que a concessão do benefício assistencial é garantida aos estrangeiros residentes nos país, desde que presentes os requisitos legais autorizadores. (Precedentes do E. TRF da Terceira Região). II - O autor reside no país desde a década de 1950, podendo-se concluir que já poderia ter requerido sua naturalização voluntariamente, não sendo válido, no entanto, que esta seja exigida para que ele faça jus ao exercício de um direito fundamental. III - Agravo (art. 557 , § 1º , CPC ) interposto pelo réu improvido.

TRF-2 - APELAÇÃO EM MANDADO DE SEGURANÇA AMS 200651010193236 RJ 2006.51.01.019323-6 (TRF-2)

Data de publicação: 27/05/2010

Ementa: MANDADO DE SEGURANÇA. AUTORIZAÇÃO PARA USO DE RADIOFREQUÊNCIA EM SERVIÇO MÓVEL MARÍTIMO. ESTRANGEIRO NÃO RESIDENTE NO PAÍS. 1. Trata-se mandado de segurança impetrado por cidadão estrangeiro, não residente no Brasil, mas proprietário de imóvel e embarcação no país. A autorização obtida para o uso de radiofrequência marítima foi cancelada, e a ANATEL exige a apresentação de documentos que somente são emitidos em favor de estrangeiros com residência no país (cartão de CPF e carteira de identidade de estrangeiro). A sentença julgou improcedente o pedido, ao fundamento de que o estrangeiro nem sequer pode ser proprietário de navio, nos termos do art. 106 , I , da Lei n.º 6.815 /80. 2. Entretanto, o art. 8º da Lei n.º 7.652 /88 é claro ao permitir ao estrangeiro não residente no País o registro de embarcação classificada na atividade de “esporte ou recreio” (redação dada pela Lei n.º 9.774 /98), como é o caso. Assim, a ANATEL, com atribuição para regulamentar o setor (Decreto n.º 3.896 /2001) não pode utilizar-se de ato normativo expedido em 1981 (Instrução n.º 04 ) para negar o direito à licença de uso de radiofrequência ao Impetrante, exigindo-lhe documentos que não pode obter na condição de estrangeiro sem visto de permanência. Tendo sido reconhecido pela legislação posterior o direito à propriedade de embarcação, é consequência lógica deste o direito ao uso da radiocomunicação, essencial à segurança do transporte marítimo. Entretanto, tal autorização não pode ser definitiva, devendo observar o mesmo prazo deferido aos nacionais (10 anos). A procedência parcial do pedido é de rigor. 3. Apelação parcialmente provida. Sentença reformada.

ou

×
Disponível em: http://www.jusbrasil.com.br/topicos/700988/estrangeiro-residente-no-pais