Busca sem resultado
jusbrasil.com.br
12 de Julho de 2024

A Inteligência Artificial na legislação brasileira

Propriedade Intelectual

ano passado

Artigo Clara Toledo Corrêa

Como já sabemos desde o início dos anos 2000 a Inteligência Artificial (IA) tem sido utilizada de diversas formas, assim, a IA não é algo completamente novo, embora seu refinamento se supere a cada dia. Nos últimos meses e semanas discussões sobre trazer à vida ou às telas ou em propagandas, cenas ou músicas de pessoas que já faleceram é algo que tem gerado uma certa celeuma do ponto de vista social, mais do que legal.

Com o auxílio da Inteligência Artificial, há pouquíssimo tempo, a cantora Maria Rita protagonizou um comercial com a sua mãe, Elis Regina, que faleceu quando ela tinha apenas quatro anos de idade. Para muitos o comercial foi emocionante, para outros uma incoerência devido ao posicionamento que Elis Regina teve em seu passado de luta política e diante da história da montadora de carros.

O fato é que o Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (Conar) questionou, junto com alguns consumidores, a questão moral da utilização da imagem de uma pessoa já falecida devido a possibilidade de confusão entre pessoas mais novas que não conhecem a história das cantoras e artistas. Bem como a dita imprudência como ambas conduziam os veículos – pois um comercial deve ser seguro para os consumidores e deve mostrar o que deve realmente ser feito, em linhas gerais.

Assim, a grande discussão, por fim foi esta, inclusive, pois quanto ao uso da imagem e música da cantora falecida prematuramente aos 36 anos, não há o que se discutir, pertencem aos herdeiros até o septuagésimo aniversário após sua morte. Se discute apenas os direitos autorais referentes às músicas, por exemplo, já que os direitos morais atrelados à personalidade não possuem um único posicionamento, quanto ao uso “indiscriminado” pós morte.

Questões como essas, portanto, são controversas há tempos – mais de décadas – e pouco foi mudado quanto ao âmbito jurídico, ou melhor, legislativo. Para muitos estudiosos, pesquisadores e atuantes na área, as leis referentes ao Direito Autoral e Propriedade Industrial, por exemplo, são consideradas defasadas levando em consideração que são textos da década de 1990.

De fato, o Direito não precede os fatos e preceder a tamanha tecnologia e velocidade é algo inimaginável diante do processo burocrático. Com isso, juristas vêm se valendo de figuras e institutos alienígenas ao Direito Brasileiro, bem como utilizando as normativas nacionais de forma mais cautelosa possível, por meio de contratos bem elaborados, que podem auxiliar as partes envolvidas e a sociedade a ingressar perante o Poder Judiciário.

No caso aqui descrito, não podemos afirmar que determinados cuidados foram observados, do contrário não haveria o processo ético contra a montadora de veículos que envolveu a “herdeira” de Elis Regina (coloco entre aspas, pois a cantora Maria Rita não se resume a uma herdeira).

Por esse motivo e diante do “mundo virtual em que vivemos”, de artistas e influencers, juntamente com a Inteligência Artificial, é necessário mais do que nunca tomarmos certos cuidados e atentarmos para determinados aspectos legais e sociais que devem ser tratados de forma clara e bem pontuados em contratos, antes de sair fazendo a famigerada “publi”.

Consequentemente, esses documentos devem observar uma série de leis - como a Constituição, Código Civil, Lei de Direitos Autorais, Lei de Propriedade Industrial - bem como outras regulamentações nacionais e usos em outros países. Pois como já mencionado, alguns institutos não são tratados no Brasil, mas aceitos aqui pelo Judiciário.

Clara Toledo Corrêa é advogada, especialista em Propriedade Intelectual e Industrial, Marcas e Patentes e atua na Toledo Corrêa Marcas e Patentes.

  • Publicações164
  • Seguidores15
Detalhes da publicação
  • Tipo do documentoArtigo
  • Visualizações777
De onde vêm as informações do Jusbrasil?
Este conteúdo foi produzido e/ou disponibilizado por pessoas da Comunidade, que são responsáveis pelas respectivas opiniões. O Jusbrasil realiza a moderação do conteúdo de nossa Comunidade. Mesmo assim, caso entenda que o conteúdo deste artigo viole as Regras de Publicação, clique na opção "reportar" que o nosso time irá avaliar o relato e tomar as medidas cabíveis, se necessário. Conheça nossos Termos de uso e Regras de Publicação.
Disponível em: https://www.jusbrasil.com.br/artigos/a-inteligencia-artificial-na-legislacao-brasileira/1909329233

Informações relacionadas

Tribunal de Contas da União
Jurisprudênciahá 3 meses

Tribunal de Contas da União TCU - RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO (RACOM): https://pesquisa.apps.tcu.gov.br/rest/publico/base/acordao-completo/6162024

Nathalia Sant' Anna, Bacharel em Direito
Artigoshá 3 meses

Uma análise jurídica sobre as Patentes e a Inteligência Artificial

Tribunal de Justiça de Minas Gerais
Jurisprudênciahá 3 anos

Tribunal de Justiça de Minas Gerais TJ-MG - Agravo de Instrumento-Cv: AI XXXXX-38.2020.8.13.0000 MG

Editora Revista dos Tribunais
Doutrinahá 2 anos

Capítulo 17. Propriedade Intelectual e Inteligência Artificial

Nova lei permite expressamente a cumulação de BPC/LOAS com Bolsa Família

3 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Decorridos 48 anos de militância desde que me formei na sempiterna ARCADAS, afora os anos da Faculdade e do Clássico que já trabalhava em escritórios de advocacia e Deptos. Jurídicos como o da FIESP, por exemplo; filho de advogado e neto do Exmo. Desembargador 44º Presidente do TJ-SP, pela atual composição do STF se nos afigura que a "Inteligência Artificial" já se "instalou" na Corte Suprema.
A afirmação decorre do atual nível dos Exmos. Ministros e dos seus respectivos julgamentos.
O insuperável Ruy Barbosa estava, para variar, certo, ao dizer que "Juiz nomeado não é juiz, pois está interessado em assuntos políticos."
Afora o fatos de viverem dando entrevistas, inclusive sob processos "sub judice".
Vamos indo "maravilhosamente bem". continuar lendo

Felicia Scabello
11 meses atrás

Bom artigo! O uso da IA no comercial foi muito bem feito. E propaganda é algo surreal pra vendas! continuar lendo

IA tem muitos desafios e ameaças, desde o início que as máquinas começaram a substituir a mão de obra já se falava "será que vai ser tudo perfeito"!
Para reflexão vamos lemtar das prestações de serviço que hoje são IA (atendimento automático nas ligações), o que surpreende é fazer tudo que robô solicita e ao final da ligação "estamos sem sistema", ligue em outro horário. continuar lendo