Busca sem resultado
jusbrasil.com.br
20 de Maio de 2024

A responsabilidade da TV pelo aumento da criminalidade

Mais parece que os telejornais, ao invés de prestarem um bom serviço à sociedade, se tornaram uma escola do crime.

há 9 anos

Independente do horário ou do dia, da cidade ou do Estado, nossos telejornais (locais ou nacionais) são verdadeiros repositórios de notícias ruins – crimes, mortes, acidentes, tragédias, …

A responsabilidade da TV pelo aumento da criminalidade

São raros os momentos em que não vemos a propagação do ódio entre pessoas. Talvez isso só ocorra na hora de apresentar a previsão do tempo, ou de falar sobre esportes (desde que não mostre nenhuma agressão).

Se tem um “assunto da moda”, de preferência envolvendo muito sofrimento e brutalidade, aí é que os jornais só falam sobre isso.

Todos lembramos do caso do caso do esfaqueamento daquela pessoa no RJ, num roubo de uma bicicleta. Quantos outros casos foram noticiados após esse, não só no RJ, mas em outros Estados?

E na época em que a “moda” era explodir/arrombar “caixas rápidos”?! Só se falava nesse tipo de crime.

O mais “engraçado” disso tudo é que a maior parte dos crimes que são noticiados acabam sendo repetidos, inclusive na forma de atuação, passoapasso.

Assim, mais parece que os telejornais, ao invés de prestar um bom serviço à sociedade, se tornaram uma escola do crime.

Não sabe como praticar determinado crime?! Assista aos telejornais, pois eles te dirão como fazer!

Vamos ao exemplo do “caixa rápido”.

Aqui no ES, há uns anos, “entrou na moda” invadir estabelecimentos comerciais no período da noite (quando estava fechado), com um veículo de carroceria, e levar embora o caixa eletrônico do local.

Geralmente, os agentes usavam o próprio veículo para quebrar a entrada do local, entravam de ré até o local do caixa, o colocavam no veículo e fugiam.

Bastou esse crime sair na mídia, com detalhes (forma de atuação, tempo de duração da ação, dentre outros), que pouco tempo depois só se falava nisso e no aumento de roubos/furtos de camionete e pick-ups (utilizadas para transportar o caixa).

E como disse, os crimes, surpreendentemente, eram muito parecidos e não necessariamente eram praticados pelas mesmas pessoas.

A violência está tão grande e tão espalhada que não precisamos desse (des)“incentivo”. Eu, pelo menos, dispenso.

Tento entender qual a necessidade de passar a reconstituição de crimes bárbaros em rede nacional e, o mais impressionante, a perseguição policial (que pode resultar, como resultou, na exibição de um homicídio ao vivo), com direito a narrador, comentarista esportivo e de arbitragem, além dos repórteres de campo.

Na verdade, o mais triste nem é ver na televisão (24h por dia) essas aulas de prática criminosa.

O pior mesmo é saber que isso é muito noticiado por ter público para assistir (ô se tem!).

Aproveito para te convidar a acessar o meu blog. Lá tem textos como esse e muito mais!


Gostou do texto? Recomente a leitura para outras pessoas! Basta clicar no triângulo que está em pé, à esquerda do texto.

Comente também! Mesmo se não gostou ou não concordou.

Para atingir um resultado maior e melhor, o assunto deve ser debatido e as opiniões trocadas.

Um grande abraço!

  • Sobre o autorAdvogado Criminal, Professor e escritor.
  • Publicações451
  • Seguidores3620
Detalhes da publicação
  • Tipo do documentoArtigo
  • Visualizações1324
De onde vêm as informações do Jusbrasil?
Este conteúdo foi produzido e/ou disponibilizado por pessoas da Comunidade, que são responsáveis pelas respectivas opiniões. O Jusbrasil realiza a moderação do conteúdo de nossa Comunidade. Mesmo assim, caso entenda que o conteúdo deste artigo viole as Regras de Publicação, clique na opção "reportar" que o nosso time irá avaliar o relato e tomar as medidas cabíveis, se necessário. Conheça nossos Termos de uso e Regras de Publicação.
Disponível em: https://www.jusbrasil.com.br/artigos/a-responsabilidade-da-tv-pelo-aumento-da-criminalidade/214742532

Informações relacionadas

Yasmin Dias Leão, Estudante de Direito
Artigoshá 2 anos

A dignidade da pessoa humana em face da violência contra a mulher

Caroline Christina Dias, Advogado
Artigoshá 9 anos

Resumo de direito penal: Dos crimes contra o patrimônio

Felipe Freitas, Advogado
Artigoshá 5 anos

A influência da mídia no destaque à criminalidade infanto-juvenil

Isabel Bacelllar Mercier, Advogado
Artigoshá 8 anos

Meios de controle social

Marcella Maris, Pesquisador em Psicologia
Artigoshá 9 anos

A Escola Positiva e Direito Penal

60 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Creio que para isso não há outra explicação a não ser que a maioria das pessoas sentem prazer em ver à desgraça alheia, como você aborda a mídia faz o trabalho dela (mesmo sendo sensacionalista), o lamentável é ver que existe público (que não é pouco) dando audiência para esse tipo de jornalismo, como eu disse isso só pode ser pelo mero prazer de assistir à desgraça alheia.
Por fim o que me deixa mais intrigado com tudo isso, é quando as pessoas que fazem esse trabalho e muitos telespectadores que não possuem conhecimento técnico se acham competentes e capazes de discutir direitos, princípios e outros institutos jurídicos sem o aparato de nenhuma fundamentação seja legal ou doutrinária, usando como parâmetro somente os fatos elencados pela mídia. continuar lendo

Fatos totalmente parciais, né, Daniel, o que dificulta ainda mais qualquer debate.
Sinceramente, não dá pra contra argumentar quem se utiliza de informações dos "Datenas" da vida para defender algo. continuar lendo

Saudações forenses para os amigos do JusBrasil.
É só mudar o canal da TV para a TV Cultura ou a TV Futura.
Esses sim, são ótimos canais para a família continuar lendo

Excelente artigo!
Quem dera que as pessoas se dessem conta disso. Tais programas de TV, além de ensinar, também estimulam o transgressor a continuar praticando crimes. A psicologia explica isso bem.
Existem boas pesquisas e estudos sobre esse tema, dentre os quais, um que foi realizado na USP, que tive oportunidade de ler em um congresso há alguns anos. Procurei agora e estou colando o link, pra quem se interessar: http://www.revistas.usp.br/comueduc/article/view/36262 continuar lendo

Concordo!

Assim que der, lerei o artigo e direi o que achei.

Obrigado! continuar lendo

O problema é que isso vende, a falta de cultura do povo brasileiro faz com que estas pessoa sensacionalistas ganhem dinheiro com coisas que não tem a menor utilidade para sociedade, claro que algumas coisas até ajudam mais as noticias são manipuladas pelas redes de TVs,jornais, internet que fica até difícil distinguir o que é verídico do falso, fora a exploração de imagens que existe da vitima, tornando assim a cabeça dos jovens hoje um celeiro para aprender coisas erradas. continuar lendo

Pois é, Richer. E se damos ibope, mais programas surgem. continuar lendo

Pois é...imagina o sálario do Datena...
Uma vez conheci um fotográfo que me disse bem assim: infelizmente quanto mais desgraça melhor.
Outra coisa igual revista e programinhas de fofoca, vendem bem pq tem público.
Triste isso. continuar lendo

Acho que a função da imprensa é informar e isso é importante pelo fato de alertar sobre os perigos que nos rodeiam. Concordo que o que se divulga nos meios de comunicação pode até ensinar como praticar atos ilícitos mas isso não significa dizer que quem tem esse conhecimento irá praticá-lo pela razão de que todos tem o livre arbitrio de decidir o que é certo e o que é errado. E também nenhum crime fica sem punição, ja que colhemos o que plantamos é a lei do retorno que nunca falha. continuar lendo

Concordo com vc, Ismar.
Mas só conseguimos usar bem nosso livre arbítrio qnd ja adquirimos certo grau de conhecimento.
Notícias como "jovem traficante vive vida de luxo e acaba preso" só fazem com que pessoas "fracas" que querem ter uma "vida de luxo" se arrisquem a praticar ease mesmo crime, pq dá resultado.
Sem falar se várias outras notícias que destrincham o crime.
Pq passar a reconstituição de um crime em rede neacional?!
São coisas que não entendo. continuar lendo