Busca sem resultado
jusbrasil.com.br
24 de Fevereiro de 2024

Assédio Moral no Trabalho: como e por que acontece?

O que fazer se você está sendo assediado moralmente no trabalho?

Publicado por Rosane Monjardim
há 9 anos

Assdio Moral no Trabalho Como acontece

Assédio moral no trabalho, é uma forma de violência que consiste na exposição prolongada e repetitiva dos trabalhadores a situações vexatórias, constrangedoras e humilhantes, praticadas por uma ou mais pessoas. Ocorre por meio de comportamentos com o objetivo de humilhar, ofender, ridicularizar, inferiorizar, culpabilizar, amedrontar, punir ou desestabilizar emocionalmente os trabalhadores, colocando em risco a sua saúde física e psicológica, além de afetar o seu desempenho e o próprio ambiente de trabalho.

O assédio moral pode assumir tanto a forma de ações diretas (acusações, insultos, gritos, humilhações públicas) quanto indiretas (propagação de boatos, isolamento, recusa na comunicação, fofocas e exclusão social). Porém, para que sejam caracterizadas como assédio, essas ações devem ser um processo frequente e prolongado.

Assdio Moral no Trabalho Como acontece

Alguns dos objetivos do assédio:

  • Desestabilizar emocional e profissionalmente o indivíduo;
  • Pressioná-lo a pedir demissão;
  • Provocar sua remoção para outro local de trabalho;
  • Fazer com que se sujeite passivamente a determinadas condições de humilhação e constrangimento, a más condições de trabalho etc.

As práticas de assédio moral podem se dar tanto do chefe para seu (s) subordinado (s) (assédio descendente), como do (s) subordinado (s) para seu (s) superior (es) (assédio ascendente), entre os colegas de trabalho, ou podem ser mistas, isto é, entre superiores, colegas e/ou subordinados.

As ações decorrem das relações interpessoais e/ou do assédio organizacional (quando a própria organização incentiva e/ou tolera as ocorrências).

O assédio nem sempre é intencional. Às vezes, as práticas ocorrem sem que os agressores saibam que o abuso de poder frequente e repetitivo é uma forma de violência psicológica. Porém, isso não retira a gravidade do assédio moral e dos danos causados às pessoas, que devem procurar ajuda para cessar o problema.

Considerações sobre a vítima

As vítimas de assédio moral não são necessariamente pessoas frágeis ou que apresentam qualquer transtorno. Muitas vezes elas têm características percebidas pelo agressor como ameaçadoras ao seu poder. Por exemplo, podem ser pessoas que reagem ao autoritarismo do agressor ou que se recusam a submeter-se a ele.

Além desses casos, as vítimas são frequentemente identificadas em grupos que já sofrem discriminação social, tais como mulheres, homossexuais, pessoas com deficiências, idosos, minorias étnicas, entre outros.

Diferença entre assédio moral interpessoal e assédio moral organizacional

No assédio moral interpessoal, a finalidade está em prejudicar ou eliminar o trabalhador na relação com o (s) outro (s), enquanto no assédio moral organizacional o propósito é atingir o trabalhador por meio de estratégias organizacionais de constrangimento com o objetivo de melhorar a produtividade e reforçar o controle.

Assdio Moral no Trabalho Como acontece

Em alguns casos, o assédio moral organizacional ocorre com o objetivo de forçar o trabalhador indesejável a pedir demissão, o que evita custos à organização (como não pagar multas rescisórias). Esse tipo de assédio se dá por meio de práticas abusivas, tais como cobranças exageradas e persistentes ou o estabelecimento de metas abusivas e crescentes por parte de gestores ou representantes da organização, com o intuito de alcançar objetivos organizacionais, por exemplo.

Importante

Se você é testemunha de cena (s) de humilhação no trabalho supere seu medo, seja solidário com seu colega. Você poderá ser "a próxima vítima" e nesta hora o apoio dos seus colegas também será precioso. Não esqueça que o medo reforça o poder do agressor!

Lembre-se

O assédio moral no trabalho não é um fato isolado, como vimos ele se baseia na repetição ao longo do tempo de práticas constrangedoras, explicitando o estrago de determinar as condições de trabalho num contexto de desemprego, dessindicalização e aumento da pobreza urbana.

A batalha para recuperar a dignidade, a identidade, o respeito no trabalho e a autoestima, deve passar pela organização de forma coletiva através dos representantes dos trabalhadores do seu sindicato e das CIPAS e procura dos Centros de Referência em Saúde dos Trabalhadores (CRST e CEREST), Comissão de Direitos Humanos e dos Núcleos de Promoção de Igualdade e Oportunidades e de Combate a Discriminação, em matéria de Emprego e Profissão, que existem nas Delegacias Regionais do Trabalho.

O BASTA À HUMILHAÇÃO depende também da informação, organização e mobilização dos trabalhadores. Um ambiente de trabalho saudável é uma conquista diária possível na medida em que haja "vigilância constante" objetivando condições de trabalho dignas, baseadas no respeito “ao outro como legítimo outro”, no incentivo a criatividade, na cooperação.

O combate de forma eficaz ao assédio moral no trabalho, exige a formação de um coletivo multidisciplinar, envolvendo diferentes atores sociais: sindicatos, advogados, médicos do trabalho e outros profissionais de saúde, sociólogos, antropólogos e grupos de reflexão sobre o assédio moral.

Estes são passos iniciais para conquistarmos um ambiente de trabalho saneado de riscos e violências e que seja sinônimo de cidadania, longe de assédio moral no trabalho.

Aos empregadores, ou colegas assediantes, não se pode esquecer, fato de natureza grave e relevante quando assediam, permitem ou induzem o assédio moral:

Assédio Moral é crime, estipulado no artº 203 do Código Penal:

Frustração de Direito Assegurado por Lei Trabalhista

Art. 203, do Código Penal

“Frustrar, mediante fraude ou violência, direito assegurado pela legislação do trabalho:

Pena – detenção de um ano a dois anos, e multa, além da pena correspondente à violência.

§ 1º Na mesma pena incorre quem:

  1. obriga ou coage alguém a usar mercadorias de determinado estabelecimento, para impossibilitar o desligamento do serviço em virtude de dívida;

  2. impede alguém de se desligar de serviços de qualquer natureza, mediante coação ou por meio da retenção de seus documentos pessoais ou contratuais.

§ 2º A pena é aumentada de um sexto a um terço se a vítima é menor de dezoito anos, idosa, gestante, indígena ou portadora de deficiência física ou mental.”

Reflitam, pensem, repassem, denunciem.

Assdio Moral no Trabalho Como e porque acontece

  • Sobre o autorAdvogada
  • Publicações94
  • Seguidores471
Detalhes da publicação
  • Tipo do documentoArtigo
  • Visualizações22703
De onde vêm as informações do Jusbrasil?
Este conteúdo foi produzido e/ou disponibilizado por pessoas da Comunidade, que são responsáveis pelas respectivas opiniões. O Jusbrasil realiza a moderação do conteúdo de nossa Comunidade. Mesmo assim, caso entenda que o conteúdo deste artigo viole as Regras de Publicação, clique na opção "reportar" que o nosso time irá avaliar o relato e tomar as medidas cabíveis, se necessário. Conheça nossos Termos de uso e Regras de Publicação.
Disponível em: https://www.jusbrasil.com.br/artigos/assedio-moral-no-trabalho-como-e-por-que-acontece/191622868

Informações relacionadas

Lexly Brasil, Outro Trabalhador dos Serviços
Artigoshá 10 meses

Assédio Moral no Trabalho: Lei 14.457/22

Isadora Balem, Advogado
Artigoshá 3 anos

Saiba como denunciar o assédio sexual no trabalho!

Nogueira Advocacia, Advogado
Artigoshá 6 anos

7 principais dúvidas sobre o assédio moral no ambiente de trabalho

ADVOGADO MARCELO FIDALGO, Advogado
Artigoshá 6 anos

Empresa deve indenizar trabalhadores que sofrerem assédio moral

Leidyane Gomes , Advogado
Artigoshá 7 anos

Diferença entre assédio moral e assédio sexual no ambiente de trabalho

17 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Infeliz realidade de muitos trabalhadores. Importante mencionar também o relevante papel que o Ministério Público do Trabalho tem realizado ao coibir, identificar e, eventualmente, propor ACP com o intuito de reprimir esta prática perniciosa.

Você, trabalhador, se esta prática é constante no seu ambiente de trabalho e afeta também aos seus colegas, denuncie ao Ministério Público do Trabalho, sua identidade pode ser preservada. continuar lendo

É fato, Dra. Marília.

Obrigada pelo acréscimo de informação. continuar lendo

Dra. Rosane, muito bom o artigo, todo fundamentado e "ornamentado" parabéns!
Sou como criança que gosta de ler textos com figuinhas (rsrsr)..., mas não estou, de forma nenhuma, menosprezando o texto por isso, pelo contrário, foi muito mais agradável a leitura justamente por isso!
Abraço e sucesso !
Elane continuar lendo

Obrigada Dra. Elane.
Gosto de fazer e apresentar os artigos de uma forma que torne a leitura agradável e interessante, não apenas para os colegas, mas, principalmente para os leigos, os quais, muitas vezes temos que literalmente desenhar para que entendam o que se fala, por isso, apresento os artigos dessa forma, assim como, na aulas que ministro, são as mesmas apresentadas quase que como um gibi. O aprendizado é bem melhor de se memorizado e entendido.

Obriga por sua participação.

Abraços continuar lendo

Bom dia, sou jornalista e gostei tanto do seu artigo, achei tão esclarecedor, que publiquei no meu site de notícias: www.abordagemnoticias.com.br
Espero que não se incomode, mas acho que muitas pessoas poderão se beneficiar com as informações do artigo. continuar lendo

Bom dia Dag.
Sinta-se a vontade quanto a publicação, fico contente por ter apreciado o artigo, e, me sinto honrada em ver que pode ser útil às demais pessoas sendo repassado em seu site.

Peço apenas que não esqueça de colocar o link original da mesma aqui na casa dos JusBrasileiros.

Obrigada pela participação e divulgação.

Abraços continuar lendo

A terceirização vai potencializar vertiginosamente o assedio moral... continuar lendo