Busca sem resultado
jusbrasil.com.br
17 de Junho de 2024

Doutrina brasileira do Habeas Corpus

Publicado por Dr. Cassio Novaes
há 11 anos

Corrente teórica, criada no Brasil, no final do século XIX e início do século XX, encabeçada por Ruy Barbosa que, dada a carência de remédios constitucionais para a garantia dos direitos constitucionais, estendia a hipótese de cabimento do Habeas Corpus para diversos casos, sem restringi-lo a salvaguarda do direito de ir, vir e permanecer, conforme prescrevia a própria Constituição Republicana, de 24 de fevereiro de 1891, no § 22, do artigo 72:

“dar-se-á habeas corpus sempre que o indivíduo sofrer ou se achar em iminente perigo de sofrer violência ou coação, por ilegalidade ou abuso de poder”.

Em contraposição tínhamos a posição ortodoxa, segunda a qual o Habeas Corpus só era cabível nas hipóteses que diziam respeito ao direito de ir, vir e permanecer.

Corrente intermediária, encabeçada por Pedro Lessa, Ministro do STF na época, sustentava que o Habeas Corpus deveria ser concedido apenas nos casos que envolviam a liberdade de ir, vir e permanecer, mas, sendo essa uma condição necessária para o exercício de inúmeros outros direitos, admitia-se, por este motivo, que poderiam ser protegidos pelo Habeas Corpus. Ocorre que, de fato, nenhum direito pode ser exercido se não houver liberdade de locomoção. Ela é condição e meio para o exercício de praticamente todos os demais direitos. Exemplificativamente, se um redator é impedido de adentrar na sede do jornal, ou se um religioso é impedido de frequentar determinado culto, justificada seria a concessão de Habeas Corpus, porém, não para defender a liberdade de imprensa, ou a liberdade de religião, mas sim o direito de ir, vir e permanecer, conditio sine qua non para o exercício daqueles.

A exemplo de Othon Sidou, havia quem sustentava que o equívoco foi mais na escolha do nome do instituto criado para defesa dos direitos individuais do que nele próprio. Asseverava Sidou:

“É tempo de atentar para que, em verdade, o que a primeira constituição republicana fez não foi elevar o habeas corpus da sua condição processual para dar-lhe guarida em seu bojo, porém batizar com o nome específico do habeas corpus a garantia genérica em preservação dos direitos pessoais. Criou-se um instituto que, potenciado em defesa dos direitos individuais, exigia curso célere, e nesse propósito, perseguindo a rapidez, deu-se-lhe o nome de habeas corpus, tomando de seu, apenas, essa característica, peculiar a todos os interditos, e de todas a mais impositiva”.

Alguns chegaram a dizer que o instituto brasileiro era o mais amplo do mundo. Outros o comparam com o "Direito de Amparo" previsto na Constituição do México de 1917.

Tal foi a eficiência e a eficácia do Habeas Corpus durante o atribulado período da Primeira República que logo precipitou seu fim. Neste diapasão, em 3 de setembro de 1926 adveio a revisão constitucional que introduziu alterações no art. 72 da Constituição de 1.891, a famosa: Declaração de Direitos. No entanto, nenhuma delas foi tão substancial como a realizada no § 22, que passou a ter a seguinte redação:

“Dar-se-á o habeas-corpus sempre que alguém sofrer ou se achar em iminente perigo de sofrer violência por meio de prisão ou constrangimento ilegal em sua liberdade de locomoção”.

A leitura demonstra que foi omitida a coação e acrescentada a liberdade de locomoção. Passando a fazer referência expressa ao direito de locomoção, a Constituição restringiu o campo de aplicação do habeas corpus às hipóteses de cerceamento do direito de ir, ficar e vir.

Direitos outros que não a liberdade de locomoção restaram, dessa forma, desamparados, e, para solucionar esse problema, a doutrina teve que buscar alternativas.

A lacuna teria que ser preenchida por outro instrumento. Esse cenário fez parte da gênese do Mandado de Segurança, criação jurídica nacional como a doutrina que o precedeu e incentivou, introduzido pela primeira vez na Constituição de 1934 (art. 113). Como disse Pontes de Miranda (1972, p. 235):

“Como dar remédio àquelas coações e ameaças provindas dos poderes públicos quando a liberdade de locomoção não fosse o direito condição? Foi então que se pensou no Mandado de Segurança, criação posterior, porém que remonta ao projeto de Guidesteu Pires, em 1926. A data é sugestiva. Fechando-se a porta que a jurisprudência abrira, era preciso abrir outra”.

Em 1934, era a seguinte a redação constitucional do art. 113, no 33:

“Dar-se-á mandado de segurança para a defesa de direito, certo e incontestável, ameaçado ou violado por acto manifestamente inconstitucional ou illegal de qualquer autoridade. O processo será o mesmo do habeas corpus, devendo ser sempre ouvida a pessoa de direito público interessada. O mandado não prejudica as acções petitoriais competentes.”

O Mandado de Segurança foi suprimido pela Constituição de 37, mas retornou em 1946.

Vale destacar, todavia, a redação do art. 141, § 24, da Constituição da 1946, que assim dispunha:

“Para proteger direito líquido e certo não amparado por habeas-corpus, conceder-se-á mandado de segurança, seja qual for a autoridade responsável pela ilegalidade ou abuso de poder”.

Na esteira desse dispositivo constitucional, adveio a lei disciplinadora em 1.951 (Lei nº 1.533, de 31 de dezembro de 1.951), até hoje vigente.

  • Sobre o autorAdvogado
  • Publicações6
  • Seguidores14
Detalhes da publicação
  • Tipo do documentoArtigo
  • Visualizações9245
De onde vêm as informações do Jusbrasil?
Este conteúdo foi produzido e/ou disponibilizado por pessoas da Comunidade, que são responsáveis pelas respectivas opiniões. O Jusbrasil realiza a moderação do conteúdo de nossa Comunidade. Mesmo assim, caso entenda que o conteúdo deste artigo viole as Regras de Publicação, clique na opção "reportar" que o nosso time irá avaliar o relato e tomar as medidas cabíveis, se necessário. Conheça nossos Termos de uso e Regras de Publicação.
Disponível em: https://www.jusbrasil.com.br/artigos/doutrina-brasileira-do-habeas-corpus/111827434

Informações relacionadas

Artigosano passado

Habeas Corpus: O que é e como funciona?

Sérgio Zoghbi, Professor de Direito do Ensino Superior
Modeloshá 11 anos

Modelo de Habeas Corpus

William Garcez, Delegado de Polícia
Artigoshá 8 anos

A prisão preventiva à luz da doutrina e da jurisprudência

Wendel Spargoli, Advogado
Artigoshá 2 anos

Conceito e aplicação do Habeas Corpus

Dra Fabiola Vidal, Advogado
Artigosano passado

Tudo sobre o Habeas corpus

1 Comentário

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)
Maira Da Silva PRO
5 anos atrás

Já foi alvo de questão em concursos! Muito obrigada.

Cespe 2013. Com relação aos recursos em processo penal e ao habeas corpus, assinale a opção correta.
a) O recurso ex officio viola o princípio da inércia, não tendo sido previsto na CF.
b) A fuga do réu implica o reconhecimento da deserção e a consequente extinção do recurso sem análise do mérito.
c) Pela Teoria Brasileira do Habeas Corpus o remédio constitucional do habeas corpus é utilizado sempre que o indivíduo sofrer ou se achar em iminente perigo de sofrer violência, ou coação, por ilegalidade ou abuso de poder.
d) É vedada a conversão de habeas corpus impetrado como preventivo em liberatório, em face da sua natureza jurídica
e) Contra a decisão do juiz da execução penal que indeferiu pedido de remição penal cabe apelação. continuar lendo