Busca sem resultado
jusbrasil.com.br
21 de Junho de 2024

Golpe do Delivery: como recuperar o dinheiro perdido

Como evitar o golpe

Publicado por Bruno Boscatti
ano passado

O chamado Golpe do Delivery ou Golpe da Maquininha de Cartão se popularizou na pandemia de COVID-19, em razão do aumento de pedidos de comida por aplicativos de entrega, como Ifood, Rappy e Uber Eats.

Após realizar o pedido via aplicativo, a vítima recebe uma ligação de alguém que se identifica como funcionário do restaurante por fazer a entrega. O mais comum é que essa ligação seja realizada por uma mulher, para evitar ainda mais suspeitas sobre o golpe.

A atendente relata que houve um problema com a entrega, podendo afirmar que o motoboy sofreu um acidente no caminho, ou que o motoboy responsável pela entrega não compareceu para retirar a comida.

Seja qual for a mentira contada, a conclusão sempre é a mesma: será necessário pagar uma pequena taxa de entrega, além daquela prevista no aplicativo, pois um segundo motoboy concluirá a entrega.

Ao chegar na residência da vítima, o motoboy apresenta a maquininha de cartão, solicitando que a pessoa digite a senha e faça o pagamento. Contudo, ao consultar seu extrato bancário, a vítima percebe que a transferência foi realizada em valor muito superar ao valor da suposta taxa de entrega.

Como evitar o Golpe do Delivery?

A primeira dica para evitar esse tipo de golpe é não aceitar pagar nenhum valor que não foi previsto no aplicativo. Lembre-se que o App de entrega é o intermediário da compra, então todos os valores que serão pagos precisam ser previstos na hora do pedido, ou seja, não pode haver "valor surpresa".

Quando o motoboy chega na residência, geralmente o valor que será pago já consta no visor da maquininha, sem que o motoboy tenha digitado qualquer número, o que pode indicar que o visor está travado, permitindo que a operação seja realizada em valor superior ao indicado no visor.

Por isso, a segunda dica tem a ver com a maquininha de cartão de crédito: se desconfiar, clique no botão vermelho para cancelar a operação, o que permitirá ver se a operação foi cancelada ou não. Se o visor não apontar o cancelamento, não faça o pagamento.

O que fazer se for vítima do Golpe do Delivery?

O primeiro passo é entrar em contato com seu Banco, informando o ocorrido e solicitando o bloqueio do valor. O ideal é registrar um Boletim de Ocorrência online enquanto aguarda retorno do Banco, pois as instituições financeiras geralmente solicitam o envio do Boletim de Ocorrência.

O estorno do valor perdido também deve ser solicitado ao aplicativo de entrega, pois ao contratar os serviços do App, o Consumidor tem a justa expectativa de que os entregadores credenciados na plataforma são confiáveis, sendo o App responsável pelo cadastro de novos motoboys no aplicativos.

O que fazer se o Banco e o App de entrega negarem o estorno do valor?

Se a vítima obter a negativa de estorno do valor perdido com o Golpe do Delivery, será necessário consultar um advogado para tratar judicialmente da questão.

Isto porque, a depender do caso, a vítima terá direito ao estorno integral do valor perdido, bem como uma indenização por danos morais, em razão do Banco ter permitido transferências altas que não correspondem com o padrão de gastos da vítima, além do App ter permitido o cadastro de estelionatário que se passou por motoboy, assumindo o risco da atividade, que resultou no Golpe do Delivery.

Inclusive, em caso recente, o Tribunal de Justiça de São Paulo entendeu pela condenação do Banco Réu e o App de entregas (UberEats) a devolver o valor perdido e indenizar a vítima por danos morais, no valor de R$ 5.000,00:

*Ação declaratória de inexigibilidade de débito c.c. indenizatória por danos morais – Prestação de serviços de entrega – Golpe do delivery – Ação julgada parcialmente procedente declarando-se a inexigibilidade do débito com a condenação dos réus por danos morais – Recursos interpostos pelos réus. Cerceamento de defesa – Inocorrência – Provas documentais produzidas autorizavam o julgamento antecipado do mérito – Preliminar rejeitada. Golpe do delivery - Ilegitimidade passiva – Descabimento – Réu Uber atua na intermediação de serviços de entrega de refeições por aplicativo digital (Uber Eats) – Uso de cartão de crédito fornecido pelo Banco Itaucard para pagamento de despesas no aplicativo de entrega de refeições, com a utilização de máquina adulterada pelo entregador, resultando em cobrança de valor superior ao devido – Réus integram a cadeia de fornecedores de serviços, responsabilizando-se por danos causados a consumidores por defeito na prestação dos serviços - Aplicação da legislação consumerista (súmula 297 do STJ) - Responsabilidade objetiva dos réus (art. 14 do CDC)– Golpe perpetrado com a obtenção pelos fraudadores de dados pessoais do consumidor através da plataforma digital, sendo evidente a falha na prestação da ré Uber por golpe praticado pelo entregador, ao conseguir obter vantagem ilícita do cliente concretizando a transação em valor superior à compra – Despesa impugnada discrepante do perfil do consumidor – Banco não se desincumbiu do ônus de comprovar a adoção de cautelas para coibir a consumação de gastos incompatíveis com o perfil do autor (art. , VIII, do CDC)- Fortuito interno – Súmula 479 do STJ - Inexigibilidade dos débitos – Recursos negados. Danos morais – Golpe do delivery – Negativação ilícita, por transação realizada em nome do autor objeto de fraude – Danos morais que se configuram com a própria ocorrência do fato, da negativação ilícita (damnum in re ipsa) – Indenização arbitrada em consonância com os critérios da razoabilidade e proporcionalidade – Juros de mora -– Tratando-se de responsabilidade contratual, os juros de mora incidem da citação e não da intimação da sentença, como pretendido pela ré - Jurisprudência do STJ – Recursos negados. Recursos negados.*(TJSP; AC n.º 1025938-05.2021.8.26.0564; Rel. (a): Francisco Giaquinto; 13ª Câmara de Direito Privado; Data do Julgamento: 14/12/2022)

Portanto, ainda que o estelionatário não seja identificado, a vítima pode sim obter judicialmente o estorno dos valores perdidos com o Golpe do Delivery, perante seu Banco e o App de entrega (Ifood, Rappy, Uber Eats).


Para mais conteúdos como este, acesse https://boscatti.adv.br/artigos/

Dr. Bruno Petillo de Castro Boscatti, OAB/SP 472.046.

WhatsApp (11) 99926-0129

  • Publicações65
  • Seguidores27
Detalhes da publicação
  • Tipo do documentoArtigo
  • Visualizações741
De onde vêm as informações do Jusbrasil?
Este conteúdo foi produzido e/ou disponibilizado por pessoas da Comunidade, que são responsáveis pelas respectivas opiniões. O Jusbrasil realiza a moderação do conteúdo de nossa Comunidade. Mesmo assim, caso entenda que o conteúdo deste artigo viole as Regras de Publicação, clique na opção "reportar" que o nosso time irá avaliar o relato e tomar as medidas cabíveis, se necessário. Conheça nossos Termos de uso e Regras de Publicação.
Disponível em: https://www.jusbrasil.com.br/artigos/golpe-do-delivery-como-recuperar-o-dinheiro-perdido/1759190657

Informações relacionadas

Roberta Hoher Dorneles, Advogado
Artigoshá 3 anos

Golpe do Motoboy: quando é possível cobrar o prejuízo da Instituição Financeira?

Tribunal de Justiça de São Paulo
Jurisprudênciahá 2 anos

Tribunal de Justiça de São Paulo TJ-SP - Recurso Inominado Cível: RI XXXXX-24.2022.8.26.0564 SP XXXXX-24.2022.8.26.0564

Tribunal de Justiça de São Paulo
Jurisprudênciahá 2 anos

Tribunal de Justiça de São Paulo TJ-SP - Apelação Cível: AC XXXXX-05.2021.8.26.0564 SP XXXXX-05.2021.8.26.0564

Tribunal de Justiça de São Paulo
Jurisprudênciahá 2 anos

Tribunal de Justiça de São Paulo TJ-SP - Apelação Cível: AC XXXXX-14.2022.8.26.0405 SP XXXXX-14.2022.8.26.0405

0 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)