Busca sem resultado
jusbrasil.com.br
22 de Julho de 2024

Posso ser cobrado pela dívida do meu cônjuge?

Entenda como funciona a responsabilidade patrimonial dos cônjuges nos pagamentos de dívidas.

há 8 anos

Posso ser cobrado pela dvida do meu cnjuge

É importante conhecer as leis aplicadas sobre a contração de dívidas de um casal. Quando a dívida é contraída em conjunto, ou seja, pelo marido e pela mulher, os dois são devedores e, no caso da impossibilidade de pagamento, os patrimônios dos dois poderão ser usados para a quitação do débito.

Porém, boa parte dos casais desconhece que, nos casos em que a dívida é contraída apenas por um dos cônjuges, tanto os bens do devedor como o de seu cônjuge poderão ser utilizados para o pagamento do débito.

Em que situações os bens do cônjuge serão utilizados para quitar o débito do outro?

Nos regimes de casamento em comunhão parcial de bens, isso acontece quando se consegue provar que a contração da dívida foi em proveito do próprio casal ou da família e, portanto, tanto o patrimônio de um quanto de outro poderá ser acionado para o pagamento da dívida.

Tais dívidas compreendem financiamentos, empréstimos, dívidas trabalhistas, ou seja, de quaisquer tipos.

Caso a contração da dívida tenha acontecido para benefício individual, os bens do cônjuge não poderão ser atingidos quando do não pagamento do débito. Essas previsões estão dispostas nos artigos 1663 e 1664 do Código Civil.

As dívidas ilícitas também entram na cobrança. Se um dos cônjuges está enriquecendo de maneira ilícita, mesmo sem o conhecimento do outro, a responsabilidade do pagamento das dívidas poderá repousar sobre o patrimônio dos dois.

Outras exceções de cobrança pela dívida do cônjuge

Ainda no regime de comunhão parcial de bens, as dívidas contraídas anteriormente ao casamento não poderão ser consideradas de responsabilidade do casal.

Como já mencionamos, mesmo as dívidas que forem assumidas durante o período do casamento, só atingirão o patrimônio do cônjuge se revertidas para o enriquecimento ou benefício da família.

Nenhum bem proveniente de herança, doação ou que tenham sido adquiridos antes do casamento entrarão na cobrança de dívidas.

A exceção também se aplica no caso de a família possuir um único imóvel ou bens que são utilizados no exercício das profissões, como automóveis ou computadores.

A poupança comum dos cônjuges também poderá ser utilizada para a quitação de débitos do marido ou da esposa, desde que o valor seja maior que 40 salários mínimos. Abaixo disso, a poupança não entra no pagamento da dívida.

No caso de casamento com separação de bens, o cônjuge que contraiu a dívida tem a responsabilidade de liquidá-la sem a possibilidade de utilizar o patrimônio do outro para tal.

Fonte: BlogExameOAB.com


Baixe agora o e-book gratuito com os 4 Passos para Aprovação na OAB.

  • Publicações799
  • Seguidores1425
Detalhes da publicação
  • Tipo do documentoArtigo
  • Visualizações139601
De onde vêm as informações do Jusbrasil?
Este conteúdo foi produzido e/ou disponibilizado por pessoas da Comunidade, que são responsáveis pelas respectivas opiniões. O Jusbrasil realiza a moderação do conteúdo de nossa Comunidade. Mesmo assim, caso entenda que o conteúdo deste artigo viole as Regras de Publicação, clique na opção "reportar" que o nosso time irá avaliar o relato e tomar as medidas cabíveis, se necessário. Conheça nossos Termos de uso e Regras de Publicação.
Disponível em: https://www.jusbrasil.com.br/artigos/posso-ser-cobrado-pela-divida-do-meu-conjuge/359751445

Informações relacionadas

Juliana Marchiote , Advogado
Artigoshá 5 anos

Posso ser cobrado por dívida feita pelo meu cônjuge?

Rafaela Contezini, Advogado
Artigoshá 8 anos

As dívidas são inclusas na partilha de bens?

Rede de Ensino Luiz Flávio Gomes
Notíciashá 16 anos

Como funciona a responsabilidade patrimonial do cônjuge na execução? - Fernanda Braga

CS Advogados e Apoio jurídico
Artigoshá 4 anos

Responsabilidade do cônjuge por dívida do outro

Erick Sugimoto, Bacharel em Direito
Artigoshá 2 anos

Penhora de bens do cônjuge do executado: é possível?

29 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)
Wilma Masca
8 anos atrás

e no caso de união estável?
Vou te fazer um consulta específica:
Eu mantenho uma união estável a 40 anos.
meu marido não trabalha, não tem renda, e vive se metendo em rolos.
Já tive minha conta bloqueada por um problema com uma advogada a quem recorremos para fins de compra de um imóvel e ele a destratou, xingou, etc, e ela entrou com uma ação e tive que pagar R$ 9.000 para poder continuar minha vida.,
Sou aposentada e inda trabalho.
Como posso me precaver quanto a esses rolos que meu marido faz?
Não quero ser surpreendida por outra ação e ter que pagar pelos maus feitos dele. continuar lendo

Contrate um advogado continuar lendo

Déa de Lima Vidal
3 anos atrás

Minha cara senhora, penso que é fundamental por sua saúde mental, física e espiritual se separar. Em relação à questão técnica que a senhora colocou acima, veja: se a senhora não assinou nenhum contrato com seu companheiro especificando condições sobre administração de bens, TODOS OS ARTIGOS que valem para o regime de comunhão parcial de bens, VALEM para a União estável. Ou seja, todas as explicações acima referentes a casamento com comunhão parcial de bens, valem para a senhora. continuar lendo

Adorei o Artigo, muito esclarecedor. continuar lendo

Valmir Ribeiro
6 anos atrás

Bom dia!
Vou direto ao assunto!
Tenho somente uma parcela vencida no banco de um empréstimo feito no CNPJ da minha empresa.
Recebi uma notificação de que o nome de minha esposa será negativado caso não seja pago.
Pergunta: o banco pode enviar esse tipo de notificação para a minha esposa sendo que o empréstimo foi feito no´CNPJ que está no meu nome? Somos casados em regime parcial de bens.
Outro detalhe: Por descuido e a correria do dia-dia, eu não paguei algumas parcelas do MEI (sou micro empreendedor individual) e a receita cancelou o meu CNPJ por falta do pagamento. continuar lendo

Antonio Carlos
6 anos atrás

Sou viúvo, e possuo um imóvel quitado e pretendo casar-me novamente, minha futura esposa tem uma grande dívida junto ao Banco do Brasil em virtude do pagamento de plano de saúde e operações referente ao finado pai dela. Pergunta: Após nos casar-mos em regime de comunhão parcial de Bens, o BANCO pode cobrar a divida dos dois e acionar meu imóvel? continuar lendo

Juliano Gomes
5 anos atrás

não pois a divida foi contraída anteriormente ao seu casamento
dividas anteriores ao casamento é responsabilidade individual da sua futura esposa
porem se ela contrair dividas durante seu novo casamento
é também sua responsabilidade continuar lendo

Ricardo Quiros PRO
5 anos atrás

Não, pois o seu imóvel foi adquirido antes do novo casamento. Somente sobre os bens adquiridos na constância do casamento, é que poderão recair as dividas em proveito da família, pois, caso contrário, ou seja, em beneficio individual, não. No caso em tela, a divida dela é antes do casamento, também não entrando nos bens adquiridos da casal, podendo somente sobre o quinhão (parte) do conjuge devedor. continuar lendo