Busca sem resultado
jusbrasil.com.br
19 de Julho de 2024

Qual é a diferença entre as Práticas Colaborativas e a mediação de conflitos?

Publicado por Iane Ruggiero
há 8 anos

Qual a diferena entre as Prticas Colaborativas e a mediao de conflitos

As Práticas Colaborativas são indicadas para aquelas pessoas que desejam ou se sentem mais seguras sendo representadas por um advogado individual (não comum ao outro). Esse profissional esclarecerá as suas dúvidas, defenderá seus interesses e ajudará na criação de soluções, com o objetivo de atingir um acordo salutar para todos.

A mediação de conflitos é indicada para aqueles que acreditam que conseguirão atingir esse acordo bom para todos com o auxílio de um terceiro imparcial, que não defenderá os seus interesses nem poderá sugerir nem impor soluções, mas auxiliará as partes a descobrir seus verdadeiros interesses e necessidades, e comunicá-los com objetividade, ouvindo o outro e construindo uma solução sozinhos.

Mas uma coisa não exclui a outra: as práticas colaborativas podem também contar com o auxílio de mediadores de conflitos, que auxiliarão na comunicação entre os envolvidos.

E a mediação de conflitos pode também contar com a participação de advogados, colaborativos ou não, que prestarão os esclarecimentos jurídicos pertinentes ao caso e elaborarão o termo de acordo, quando atingido.

Qual é o papel de cada profissional nos casos de Direito de Família?

A participação de advogados na mediação é bastante recomendável, na medida em que o mediador, sendo imparcial (e muitas vezes sem formação jurídica), não pode prestar os esclarecimentos jurídicos pertinentes ao caso, podendo gerar, até mesmo, acordos impossíveis juridicamente. Na maioria dos casos de Direito de Família, como quando há questões envolvendo menores, os advogados são necessários para a homologação judicial do acordo, ou mesmo para assessorar na lavratura de escritura pública de divórcio e partilha, quando não há filhos menores.

Qual a diferena entre as Prticas Colaborativas e a mediao de conflitos

Infelizmente, a formação adversarial e paternalista de muitos profissionais do Direito pode atrapalhar o processo de mediação, cuja dinâmica estimula o empoderamento e protagonismo dos envolvidos que devem, eles mesmos, encontrar as soluções para seus conflitos.

Assim, aqueles que entendem que a mediação é o processo mais adequado ao seu caso devem procurar advogados familiarizados com as técnicas de mediação, para que não lhes falte a orientação jurídica tão necessária e, ao mesmo tempo, para que o processo de mediação seja, além de enriquecido, respeitado pelo profissional.

  • Sobre o autorAdvogada Familiar Colaborativa
  • Publicações35
  • Seguidores69
Detalhes da publicação
  • Tipo do documentoArtigo
  • Visualizações4562
De onde vêm as informações do Jusbrasil?
Este conteúdo foi produzido e/ou disponibilizado por pessoas da Comunidade, que são responsáveis pelas respectivas opiniões. O Jusbrasil realiza a moderação do conteúdo de nossa Comunidade. Mesmo assim, caso entenda que o conteúdo deste artigo viole as Regras de Publicação, clique na opção "reportar" que o nosso time irá avaliar o relato e tomar as medidas cabíveis, se necessário. Conheça nossos Termos de uso e Regras de Publicação.
Disponível em: https://www.jusbrasil.com.br/artigos/qual-e-a-diferenca-entre-as-praticas-colaborativas-e-a-mediacao-de-conflitos/393682811

Informações relacionadas

Iane Ruggiero, Advogado
Artigoshá 8 anos

Práticas colaborativas: entenda o básico

Mariana Landim, Advogado
Artigoshá 5 anos

Advocacia colaborativa: o papel do advogado na resolução pacífica dos conflitos

Claudia Arantes Sales Vargas, Advogado
Artigoshá 3 anos

Advocacia colaborativa, o que é?

Tribunal Superior do Trabalho
Jurisprudênciaano passado

Tribunal Superior do Trabalho TST - RECURSO DE REVISTA: RR XXXXX-32.2005.5.02.0027

Qual a diferença entre arbitragem, mediação, conciliação e negociação?

1 Comentário

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Excelente artigo! Está de parabéns pelo artigo e pela atuação profissional informada. A sociedade jurídica precisa de profissionais que partilhem desse pensamento e desta atuação socializada e preocupada com as vidas em jogo. Parabéns! continuar lendo