Busca sem resultado
jusbrasil.com.br
23 de Julho de 2024

Surdez unilateral e concursos públicos: a nova posição do STJ

Publicado por Rodrigo Leite
há 10 anos

O art. 37, VIII, da Constituição Federal estabelece que

“A lei reservará percentual dos cargos e empregos públicos para as pessoas portadoras de deficiência e definirá os critérios de sua admissão.”

Com o objetivo de disciplinar o enunciado constitucional foi editada a Lei n. 7.853, de 24 de outubro de 1989, com normas gerais para tentar assegurar o pleno exercício dos direitos individuais e sociais das pessoas portadoras de deficiências, e sua efetiva integração social.

Posteriormente foi editado o Decreto n. 3.298/1999 para regulamentar a Lei n. 7.853/1989, e dispor sobre a Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência, cujo objetivo é assegurar o pleno exercício dos direitos individuais e sociais das pessoas portadoras de deficiência.

O decreto, em sua redação original, dispunha em seu art. 4º, II, que deficiência auditiva seria a perda parcial ou total das possibilidades auditivas sonoras.

Posteriormente, em 2004, o Decreto n. 3.298/1999 foi alterado para incluir o termo “bilateral” no inciso II do art. . A redação atual do dispositivo é a seguinte:

“Art. 4o É considerada pessoa portadora de deficiência a que se enquadra nas seguintes categorias:

(...)

II - deficiência auditiva - perda bilateral, parcial ou total, de quarenta e um decibéis (dB) ou mais, aferida por audiograma nas frequências de 500HZ, 1.000HZ, 2.000Hz e 3.000Hz;”

A alteração no Decreto com a inclusão da expressão “bilateral” trouxe, inegavelmente, uma repercussão jurídica: limitou o âmbito de abrangência legislativo para considerar que só se considera pessoa portadora de deficiência auditiva aqueles indivíduos que possuem surdez “bilateral, parcial ou total”.

Essa alteração traz grande repercussão prática. Afinal, em concursos públicos, o indivíduo que possui surdez unilateral deve concorrer nas vagas destinadas a portadores de deficiência?

A tradicional jurisprudência do STJ considerava que o portador de surdez unilateral deveria concorrer, em concursos públicos, às vagas destinadas a portadores de deficiência.

Considerava-se que

A surdez unilateral não obsta o reconhecimento do caráter de portador de necessidades especiais, uma vez que o art. , II, do Decreto 3.298/99, que define as hipóteses de deficiência auditiva, deve ser interpretado em consonância com o art. 3º do mesmo diploma legal, de modo a não excluir os portadores de surdez unilateral da disputa às vagas destinadas aos portadores de deficiência física. (AgRg no AREsp 22.688/PE, Rel. Ministro Arnaldo Esteves Lima, Primeira Turma, julgado em 24/04/2012, DJe 02/05/2012)

Afirmava-se que

A jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça firmou-se no sentido de que, no concurso público, é assegurada a reserva de vagas destinadas aos portadores de necessidades especiais acometidos de perda auditiva, seja ela unilateral ou bilateral. (AgRg no RMS 34.436/PE, Rel. Min. Herman Benjamin, Segunda Turma, julgado em 03/05/2012, DJe 22/05/2012)

Entendia-se que

Nos termos da Lei nº 7.853/1989, regulamentada pelos Decretos nos 3.298/1999 e 5.296/2004, toda perda de audição, ainda que unilateral ou parcial, de 41 decibéis (dB) ou mais, aferida por audiograma nas frequências de 500HZ, 1.000HZ, 2.000Hz e 3.000Hz, caracteriza deficiência auditiva. (AgRg no RMS 24.445/RS, Rel. Min. Og Fernandes, Sexta Turma, julgado em 09/10/2012, DJe 17/10/2012)

Essa posição, segundo o qual o portador de surdez unilateral teria direito a concorrer às vagas destinadas a pessoas com deficiência foi acolhida na Corte Especial no STJ no julgamento do AgRg no MS 19.254/DF, Rel. Min. Castro Meira, julgado em 21/11/2012, DJe 04/12/2012.

O Supremo Tribunal Federal, todavia, no julgamento do MS 29.910 AgR/DF, Rel. Min. Gilmar Mendes, Segunda Turma, julgado em 21/06/2011, DJe 1º/08/2011, decidiu que a perda auditiva unilateral não é condição apta a qualificar o candidato a concorrer às vagas destinadas aos portadores de deficiência.”

O tema contava, pois, com posições antagônicas, uma da jurisprudência reiterada do STJ pela admissibilidade do portador de surdez unilateral concorrer na vagas destinadas a pessoas com deficiência, e outra advinda da Segunda Turma do STF, que não admitia.

Recentemente, no julgamento do MS 18.966/DF, Rel. Min. Castro Meira, Rel. P/ Acórdão Min. Humberto Martins, julgado em 02/10/2013, DJe 20/03/2014, a Corte Especial do STJ, por maioria, alterou o tradicional posicionamento do Tribunal para considerar que o candidato portador de surdez unilateral não deve concorrer em concurso público nas vagas destinadas a portadores de deficiência.

Eis a ementa do acórdão:

ADMINISTRATIVO. PROCESSUAL CIVIL. CONCURSO PÚBLICO. CONCEITO DE DEFICIENTE AUDITIVO. DECRETO 3.298/99 ALTERADO PELO DECRETO 5.296/2004. APLICAÇÃO AO EDITAL COM AMPARO NORMATIVO. JURIDICIDADE. PRECEDENTE DO STF. DIVERGÊNCIA FÁTICA QUE DEMANDARIA DILAÇÃO PROBATÓRIA. PRECEDENTES. AUSÊNCIA DE DIREITO LÍQUIDO E CERTO.

1. Cuida-se de writ of mandamus impetrado contra o Ministro Presidente do Superior Tribunal de Justiça e o Diretor Geral do Centro de Promoção de Eventos da Universidade de Brasília (CESPE - UnB), no qual candidata em concurso público, portadora de surdez unilateral, alega que deveria ser enquadrada na qualidade de deficiente físico, por interpretação sistemática dos arts. e do Decreto n. 3.298/99 em cotejo com a Constituição Federal e convenções internacionais.

2. O Decreto n. 5.296/2004 alterou a redação do art. , II, do Decreto n. 3.298/99 e excluiu da qualificação "deficiência auditiva" os portadores de surdez unilateral; a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal frisou a validade da referida alteração normativa. Precedente: AgRg no MS 29.910, Relator Min. Gilmar Mendes, Segunda Turma, Processo Eletrônico, divulgado no DJe 146 em 29.7.2011 e publicado em 1º.8.2011.

3. A junta médica tão somente emitiu laudo técnico em sintonia com as previsões do Edital 1 - STJ, de 8.2.2012, cujo teor meramente remete ao Decreto n. 3.298/99 e suas alterações, que foi o parâmetro do ato reputado coator, em verdade praticado sob o pálio da juridicidade estrita.

4. Para apreciar qualquer argumento no sentido de que haveria alguma incapacidade diversa da impetrante em prol de a alocar na qualidade de deficiente auditiva seria imperioso realizar contraditório e dilação probatória, providências vedadas em sede de rito mandamental. Precedente específico: AgRg na AO 1622/BA, Relator Min. Gilmar Mendes, Segunda Turma, julgado em 21.6.2011, publicado no DJe - 125 em 1º.7.2011 e no Ement. Vol. 2555-01, p. 1. No mesmo sentido: AgRg no RMS 33.928/SC, Rel. Ministro Humberto Martins, Segunda Turma, DJe 27.10.2011. Segurança denegada.” (MS 18.966/DF, Rel. Min. Castro Meira, Rel. P/ Acórdão Min. Humberto Martins, Corte Especial, julgado em 02/10/2013, DJe 20/03/2014)

Esse entendimento foi adotado mais recentemente no julgamento do AgRg no AgRg no REsp 1390124/RS, Rel. Min. Humberto Martins, Segunda Turma, julgado em 25/03/2014, DJe 31/03/2014.

Cumpre assinalar, por oportuno, que o STJ em seu enunciado 377 considera que “o portador de visão monocular tem direito de concorrer, em concurso público, às vagas reservadas aos deficientes.”

Quanto à deficiência visual o Decreto n. 3298/1999 não trouxe a restrição que fez para a deficiência auditiva. Com efeito, segundo o decreto é considerada deficiência visual a cegueira, na qual a acuidade visual é igual ou menor que 0,05 no melhor olho, com a melhor correção óptica; a baixa visão, que significa acuidade visual entre 0,3 e 0,05 no melhor olho, com a melhor correção óptica; os casos nos quais a somatória da medida do campo visual em ambos os olhos for igual ou menor que 60o; ou a ocorrência simultânea de quaisquer das condições anteriores.

Não podemos, pois, confundir as situações.

Assim, para a atual jurisprudência do STJ, I) após o julgamento do MS 18.966/DF, julgado em 02/10/2013 pela Corte Especial, os indivíduos que apresentam surdez unilateral não devem, nos concursos públicos, concorrer às vagas destinadas a pessoas portadoras de deficiência; II) situação diferente é a dos portadores de visão monocular. Esses, segundo a Súmula 377 do STJ, têm direito de concorrer, em concurso público, às vagas reservadas aos deficientes.

  • Publicações17
  • Seguidores47
Detalhes da publicação
  • Tipo do documentoArtigo
  • Visualizações27622
De onde vêm as informações do Jusbrasil?
Este conteúdo foi produzido e/ou disponibilizado por pessoas da Comunidade, que são responsáveis pelas respectivas opiniões. O Jusbrasil realiza a moderação do conteúdo de nossa Comunidade. Mesmo assim, caso entenda que o conteúdo deste artigo viole as Regras de Publicação, clique na opção "reportar" que o nosso time irá avaliar o relato e tomar as medidas cabíveis, se necessário. Conheça nossos Termos de uso e Regras de Publicação.
Disponível em: https://www.jusbrasil.com.br/artigos/surdez-unilateral-e-concursos-publicos-a-nova-posicao-do-stj/128090137

Informações relacionadas

Artigoshá 8 meses

Deficientes auditivos unilaterais e os concursos públicos: Uma análise jurídica a respeito da (não) concessão das vagas reservadas em concurso público.

Marcus Peterson Firma de Advogados, Advogado
Artigoshá 11 meses

Guia Completo sobre as cotas para PCD em Concursos Públicos

Coruja Concurseira, Bacharel em Direito
Artigoshá 9 anos

Nova súmula do STJ define que surdez unilateral não é deficiência

Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios TJ-DF: XXXXX-55.2023.8.07.0018 1848829

Herbert Henrique Nogueira, Bacharel em Direito
Artigosano passado

Atos Administrativos: Anulação, Revogação e Convalidação.

12 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)
Julia Maria Pedrazzi
6 anos atrás

Ainda que, aos olhos de algumas pessoas, surdez unilateral pareça ser uma problema "fácil de manejar", basta chamar um pouco mais alto, ir para ambiente mais silencioso, a pessoa sentar do lado da mesa que a permita escutar ou virar a cabeça e o problema estará "resolvido".

Em ambiente de trabalho este acometimento pode afetar muito o desempenho profissional e a qualidade das relações sociais. Eu sou Enfermeira e possuo surdez unilateral total no ouvido esquerdo e posso citar alguns exemplos em que pude observar o meu desempenho prejudicado dependendo do meio de atuação e a desigualdade de tratamento com as demais pessoas.

Como quando trabalhei em uma unidade de terapia intensiva, um local não muito silencioso, com equipe grande e barulho de monitores, uma médica veio me perguntar se já havia sido realizado o cateterismo vesical de uma paciente, e eu não sabia do que se tratava. Então ela disse que havia colocado o pedido junto com a ficha única da paciente e me informado verbalmente há mais de uma hora e meia. No memento em que ela fez isso eu estava sentada com o ouvido esquerdo voltado para ela, logo, não a escutei, o que claramente prejudicou a paciente, que ficou 1 h e meia com a bexiga cheia.

O mesmo ocorreu em outras situações, como pacientes que me chamaram em alojamento conjunto e eu não escutei ou outros profissionais da equipe multiprofissional que precisaram falar comigo muito alto ou gritando para eu escutar, gerando situações embaraçosas e constrangedoras.

O que aconteceu bem menos quando eu estagiei em ambientes mais silenciosos e com equipes menores, como em atendimento ambulatorial. Tendo sido esta uma das razões para eu ter optado por prestar concursos em que eu possa trabalhar neste tipo de ambiente. Porém, na minha área, não é tão fácil conseguir uma vaga de emprego nesses setores, e a maioria dos concursos que possuem esse tipo de setor são gerais, como as secretarias de saúde, sendo difícil de conseguir alocação em um setor assim.

Outro fato grave envolvendo o assunto, foi certa vez em que fui tentar uma oportunidade de emprego, na prova objetiva de conhecimentos específicos eu havia alcançado a maior classificação, com pontuação 9 na prova, quando fui para a entrevista, o entrevistador perguntou se eu tinha alguma deficiência. Relatei que possuía surdez unilateral, mas que isso não seria um grande problema se a equipe que trabalhasse comigo estivesse ciente, pois poderia acontecer eventualmente de falarem comigo do lado esquerdo e eu não escutar. O entrevistador encerrou a entrevista logo em seguida.

É evidente a gravidade da limitação causada pela perda auditiva unilateral a desigualdade de condições com as demais pessoas e o preconceito. Logo, é mais do que justo que seja considerada deficiência. continuar lendo

Sei bem como é amiga, também tenho perda severa no ouvido esquerdo, sempre tinha que sentar no lado esquerda da sala (com o ouvido esquerdo para a parede) porque senão, eu tinha dificuldade para compreender o que o professor falava. pode parecer que não, mas este problema afeta, e muito, nas nossas atividades. Eu particularmente, geralmente escuto o que a pessoa fala, mas o som chega embaralhado, então, tenho que disfarçar e fingir que entendi, ou pedir para a pessoa repetir o que falou. continuar lendo

Altair Souza
3 anos atrás

O surdo uniliteral é uma deficiência, e contra isso não existe argumento.
Esse juizes são defensores de tudo que eles são beneficiados, o cidadão é obrigado a aceitar essas covardia que eles praticam.
Qualquer pessoa sabe que na falta de um orgão ou dos cincos sentidos já é uma deficiência no ser humano, pois vai causar alguma limitação em relação ao normal. continuar lendo

Mariléia Chemim
7 anos atrás

Participem da Consulta Pública p/ inclusão do deficiente auditivo unilateral como deficiência

https://www12.senado.leg.br/ecidadania/visualizacaomateria?id=125796

COMO FUNCIONA
Esta e TODAS as outras proposições que tramitam no Senado estão abertas para receber opiniões conforme a Resolução 26/2013.

PLC 23/2016
PROJETO DE LEI DA CÂMARA nº 23 de 2016
Autoria Deputado Arnaldo Faria de Sá
Ementa
Considera pessoa com deficiência aquela com perda auditiva unilateral.
Explicação da Ementa
Estabelece que deficiência auditiva é a limitação de longo prazo da audição, unilateral ou bilateral, parcial ou total, a qual, em interação com uma ou mais barreiras impostas pelo meio, obstrui a participação plena e efetiva da pessoa na sociedade, em igualdade de condições com as demais pessoas.
Ler texto completo Ver tramitação

É possível opinar enquanto a matéria tramita no Senado

1.393Favor 2.544Contra

Voto “A favor”
A favor Contra

Votos apurados até 06/09/2016 14:04:28. continuar lendo

Afonso Couto
6 anos atrás

faça um teste de uma semana, tampe um de seus ouvidos, e depois diga o que sentiu, ouviu.
vejam como as pessoas no seu trabalho ou convivio familiar vão lhe tratar. e depois me diga. continuar lendo

Luzineide Modesto
7 anos atrás

Uma pessoa tem perda auditiva de 95 decibéis em Ouvido D (surdez profunda) e de 20 e 30 decibéis em duas e três frequências, respectivamente caracterizando surdez grau leve no ouvido esquerdo. A perda profunda e leve, não deixa de ser bilateral. Fazendo-se a média entre ambas as perdas, encontra-se uma perda de audição maior que a prevista em lei (41 decibéis em cada ouvido). Ou seja, este indivíduo tem uma perda de audição em média de 60 decibéis. Neste caso, poderia ser o indivíduo considerado deficiente auditivo já na lei vigente? continuar lendo