Busca sem resultado
jusbrasil.com.br
15 de Julho de 2024

Uma carta ao "Dotô Adevogado"

Descomplicar é preciso.

Publicado por Eloy Banzi
há 7 anos

Uma carta ao Dot Adevogado

Caro Dotô.

Lhe iscrevo purque tive arguma vergonha de fala pessoarmente, mas arguma coisa sucede e priciso disabafá.

Dispois que falei meu causo, o sinhô disse que pricisava entrar com uma tar de ação. Pircebi que o sinhô intendia bem do que tava falando, purque sempre falô umas coisas bunita e difícil. Mas ai que tá, dotô. Fiquei tão basbacado com as palavra difíciu, que saí só sorriso do iscritório, mas quando cheguei em casa, pircibi que que saí rindo, mas num intendi nada de nada.

A muié me pregunto como que foi com o Dotô, eu disse que foi tudo bem, que o dotô é muito bão e ia resorvê nossa pendenga. Mas aquilo fico dentro de mim, num intendi e resorvi lhe pregunta.

Te liguei quele dia, lembra? Pidindo umas expricação. O sinhô falô bunito dinovo, otra veiz fiquei bobo, mas o pobrema, Dotô... É que num intendi nada traveis. O sinhô falô que pricisava fazê um tal de piticionamento, que ia despacha arguma coisa. Fiquei té preocupado, num sabia que o dotô mexia com essas coisa de despacho não.

Então dotô, assim foi toda veiz que a gente se falava, o sinhô expricava e eu num intendia nadica. Pensei em ir ai traveis, mas imaginei que ia contecê dinovo. Ai eu resorvi te manda essa carta, purque anssim o sinhô pode se prepara mió pra lidá com eu.

Discurpa a dificurdade dotô, mas vô gradece muito se o sinhô pudesse expricá mais simpres pra nóis. Sei que o sinhô sabe fala bunito por dimais, mas comigo num carece disso não... Priciso msm só sabê pra que serve essa tar de ação.

-

Caros colegas, vale muito a reflexão!

Muitas vezes a profissão nos leva ao vício do “juridiquês”, esquecemos que o cliente não tem obrigação de entender a linguagem utilizada no universo jurídico. Por isso é tão importante sabermos falar da maneira mais clara possível.

Comunicar-se não é falar bonito, mas ser compreendido.


Eloy Banzi - Advocacia

www.eloybanzi.adv.br

  • Sobre o autorAdvogado, amigo do direito, prisioneiro da esperança.
  • Publicações19
  • Seguidores103
Detalhes da publicação
  • Tipo do documentoArtigo
  • Visualizações42972
De onde vêm as informações do Jusbrasil?
Este conteúdo foi produzido e/ou disponibilizado por pessoas da Comunidade, que são responsáveis pelas respectivas opiniões. O Jusbrasil realiza a moderação do conteúdo de nossa Comunidade. Mesmo assim, caso entenda que o conteúdo deste artigo viole as Regras de Publicação, clique na opção "reportar" que o nosso time irá avaliar o relato e tomar as medidas cabíveis, se necessário. Conheça nossos Termos de uso e Regras de Publicação.
Disponível em: https://www.jusbrasil.com.br/artigos/uma-carta-ao-doto-adevogado/473535759

Informações relacionadas

Camila Vaz, Advogado
Artigoshá 8 anos

Você sabe realmente por que a pronúncia ADEVOGADO é ridicularizada?

LAFAYETTE ADVOCACIA, Advogado
Modeloshá 2 anos

Modelo de exoneração de pensão alimentícia de filho maior e formado na graduação

Raquel Tedesco, Advogado
Artigoshá 8 anos

Até quando posso denunciar um abuso sexual ocorrido na infância?

Tribunal de Justiça de São Paulo
Jurisprudênciahá 3 anos

Tribunal de Justiça de São Paulo TJ-SP - Apelação Cível: AC XXXXX-04.2020.8.26.0001 SP XXXXX-04.2020.8.26.0001

Editora Revista dos Tribunais
Doutrinahá 2 anos

Capítulo 21. Introdução à Responsabilidade Civil

231 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)
Felipe Bleichvel
7 anos atrás

concordo plenamente.
muito boa reflexão.
Já dizia Einstein “Você não entende algo de verdade a menos que seja capaz de explicá-lo à sua avó” continuar lendo

Leandro Pereira
7 anos atrás

Kkkkkkkkk..boa Einstein.. continuar lendo

Cristina B. Ferreira
7 anos atrás

Há médicos que também não facilitam para os pacientes.... Não é só o "juridiques"....há o "mediques" ... Norma culta sim, de forma acessível. Ótimo. continuar lendo

ohhhhhhhh!!!!! sociedade,kkkkk. de novo se ele faz também posso. não vi ninguem falar em médico.amigo: tente observar só oq lhe foi proposto nesse caso. meu amado pai sempre dizia a mim e meus irmãos; faz a tua parte, e deixa que os outros facão a deles. tá pai. e vou lhe dizer de coração: se nós sociedade nos preocuparmos cada um em fazer sua parte, acredito que amanha teremos um pais melhor.há! tendo em vista isso, acredito que não estaria mos como estamos hoje. abraços. rodrigo betat continuar lendo

Perfil Removido
7 anos atrás

sempre concordando e respeitando a opinião de cada um , acredito que em todas as areas existem profissionais que não facilitam para o cliente entender melhor, mas aqui o assunto é advogados e é muito dificil passar por uma situação na justiça ainda mais ter que ter um profissional que não lhe dê uma explicação da situação, as vezes chego a pensar ,funcionário público e advogado infelizmente um mal necessário não generalizando todos mas mediante a atitudes de alguns continuar lendo

Davi Moreira
7 anos atrás

Nos dias de hoje apenas uma coisa o advogado deve dizer ao seu cliente: Você tem 50% de chances e obter êxito e outros 50% de não obter. Simples assim. continuar lendo

Rozvitha Komora
6 anos atrás

Davi Moreira: Nos dias de hoje, o cliente quer, precisa e merece saber a verdade, de forma clara, precisa e inteligível; afinal ele, cliente, que está pagando e bons advogados que não faltam no mercado! continuar lendo

Fernanda Martins
7 anos atrás

Excelente! Eu particularmente não gosto muito do "jurisdiquês", nem mesmo em minhas peças. Desnecessário muitas vezes, melhor dizer exatamente o que se quer dizer. continuar lendo

Sardi Palm
7 anos atrás

Expressões em latim só para "enfeitar" a peça... continuar lendo

Diga sempre ao seu cliente que ele tem 100% de chances senão ele irá procurar outro advogado. continuar lendo

José Roberto PRO
7 anos atrás

Flexibilidade!
Talvez essa seja a palavra para que não se perca a riqueza da língua portuguesa e nem os clientes.
O "juridiquês" tem seu lado bonito, se bem utilizado. continuar lendo

Estefane Medrado
7 anos atrás

Concordo. continuar lendo

Elaine Paiva
7 anos atrás

Também concordo. Tem seu lado elegante o juridiquês quando utilizado sem exageros. continuar lendo