Busca sem resultado
jusbrasil.com.br
19 de Maio de 2024

Você sabe o que é Constelação Sistêmica Familiar?

Publicado por Direito Familiar
há 7 anos


Você já ouviu falar sobre constelação familiar? Não? Calma! Apesar do termo “constelação”, não estamos falando de astrologia ou astronomia…

A constelação sistêmica familiar é uma técnica alternativa – ainda sendo difundida no Brasil –de resolução de conflitos que permite identificar problemas pessoais que se encontram além da esfera jurídica. Ela acontece por meio de dinâmicas que possibilitam a exteriorização de conflitos “escondidos” pelas pessoas, buscando restaurar o equilíbrio do sistema familiar em que vive o indivíduo.

Esse método tem sido aplicado por alguns Tribunais e, por contribuir para que as pessoas identifiquem os seus reais problemas e consigam resolvê-los de forma mais satisfatória – melhorando as relações familiares – auxilia, também, na resolução dos processos judiciais de maneira mais rápida e eficiente, diminuindo, inclusive, a intervenção do Judiciário na esfera pessoal de cada um, especialmente no que diz respeito ao Direito de Família.

Parece complexo, certo?

Foi por isso, e por entendermos que o ideal é sempre buscarmos formas de resolver os conflitos para além do âmbito jurídico, que convidamos a Milena Patricia da Silva, advogada e terapeuta sistêmica familiar, para explicar um pouco mais sobre o assunto!

Confira abaixo!

O que é constelação sistêmica familiar?

Por Milena Patricia da Silva (Advogada e Terapeuta Sistêmica Familiar)

Constelação familiar é uma técnica ou um método terapêutico, desenvolvido pelo Alemão Bert Hellinger, depois de ter realizado um trabalho durante 16 anos como membro de uma ordem missionária católica entre os zulus na África do Sul. Sua formação e sua atividade terapêutica envolveram diversas abordagens: psicanálise, dinâmica de grupo, terapia primal, análise do script, hipinoterapia. Acabou se interessando pela Gestalt-Terapia e pela Análise Transacional e finalmente a terapia familiar. Todos esse estudos contribuíram para que as constelações se desenvolvessem.

A técnica em si, funciona de tal forma que uma pessoa (o cliente), busca o terapeuta (constelador) para solucionar um problema. Para que seja realizada uma constelação em grupo existem os seguintes elementos: terapeuta, cliente, plateia, representante. O cliente é convidado para colocar seu tema (problema/questão). Então, ele escolhe alguém para representar um ou mais membros da sua família. E a partir daí a constelação já toma seu próprio caminho.

Os representantes sentem as mesmas sensações que aquele membro a quem representam. Por exemplo: se o cliente escolheu alguém da plateia pra representar seu pai, o representante começa a ter sensações verdadeiras – como as sensações do pai do cliente. Essas informações aparecem sem que o representante saiba qualquer informação prévia do cliente. Esse fenômeno pode ser explicado pela Teoria dos Campos Mórficos, de Rupert Sheldrake.

A partir dessas informações que vão surgindo, o cliente vai tendo as percepções, muitas vezes sem a interferência do terapeuta. Durante a constelação usam-se algumas frases de efeito imediato nos representantes, das quais podem surgir emoções e gestos que o cliente facilmente identifica ser de seu familiar.

O terapeuta consegue, a partir da sua percepção e dos conhecimentos sistêmicos baseados nas leis do amor, oferecer comandos de movimentos que podem curar traumas, restabelecer vínculos interrompidos e até promover reconciliações. E isso acontece porque o cliente consegue – através do método – ver a “alma” daquele membro com quem tem o conflito. Conseguindo ainda, perceber as dinâmicas ocultas das relações, e o porquê muitas vezes acontecem alguns dos conflitos familiares. Não raras vezes as constelações mostram que o cliente ou algum outro familiar está repetindo um padrão dentro daquele sistema.

O termo “sistema familiar”, traz o conceito de sistema, ou seja, no qual todos fazem parte, de forma inter-relacionada, e só se torna completo quando todos os membros podem ser incluídos. Ou seja, todos aqueles que vieram antes de nós pertencem. A ancestralidade daqueles que vieram antes de nós, pertence. Os avós, bisavós, trisavós, pertencem. Ainda que desconheçamos conscientemente quem são.

Portanto, aquelas pessoas que sabidamente têm consciência de sua ancestralidade, devem incluí-la. Por exemplo, sabe-se que a avó era italiana, e a trisavó era polonesa, e a avó da trisavó era russa, todos esses povos devem ser incluídos, sem distinção, sem exclusão.

Isso é muito importante para que se estabeleçam os lugares de cada membro familiar.

Para saber mais sobre a constelação sistêmica familiar e como funciona, leia o artigo: “Como funciona a Constelação Sistêmica Familiar?”(clique aqui)

Texto originalmente publicado no BLOG DIREITO FAMILIAR.

  • Publicações143
  • Seguidores1229
Detalhes da publicação
  • Tipo do documentoArtigo
  • Visualizações36762
De onde vêm as informações do Jusbrasil?
Este conteúdo foi produzido e/ou disponibilizado por pessoas da Comunidade, que são responsáveis pelas respectivas opiniões. O Jusbrasil realiza a moderação do conteúdo de nossa Comunidade. Mesmo assim, caso entenda que o conteúdo deste artigo viole as Regras de Publicação, clique na opção "reportar" que o nosso time irá avaliar o relato e tomar as medidas cabíveis, se necessário. Conheça nossos Termos de uso e Regras de Publicação.
Disponível em: https://www.jusbrasil.com.br/artigos/voce-sabe-o-que-e-constelacao-sistemica-familiar/410528387

Informações relacionadas

Jully Anne Fernandes, Advogado
Artigoshá 4 anos

A Prática da Constelação Familiar no Judiciário

Direito Familiar, Operador de Direito
Artigoshá 7 anos

Como funciona a Constelação Sistêmica Familiar?

Dávila Galiza, Advogado
Artigoshá 10 anos

Mediação familiar: uma alternativa viável à resolução dos conflitos familiares

Matheus Grillo Pasquino, Advogado
Artigosano passado

Quais são os tipos de divórcio e como funcionam.

Débora Spagnol, Advogado
Artigoshá 6 anos

Constelações Familiares: a aplicação das "Leis do Amor" na resolução de conflitos

26 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Daqui a pouco vão estar usando Coach na Justiça... É uma piada mesmo.
"diga que vc pode ter seu direito reconhecido, que ele será" kkk continuar lendo

É um absurdo, um desrespeito com as entidades sérias e honestas que há anos estudam e dedicam junto à ciência e conselhos mundiais no estudo comportamental e de desenvolvimento humano. Quais os interesses de quem introduziu essa fuleragem no judiciário? Se beneficiar?! Estamos perdidos... continuar lendo

Excelente conteúdo. Amo as constelações. Utilizo muito em meus atendimentos como terapeuta e consegui implantar as constelações na vara da família no fórum de Maringá - Pr.
descubra mais..
https://paulawelker.com.br/#constelacao continuar lendo

É interessante a dinâmica da Constelação Familiar com a visão de celeridade judicial e resolução de conflitos. continuar lendo

Não, não é. É uma prática errada, machista e cheia de achismos baratos. É preciso seriedade, órgãos regulamentados e com conselhos, já temos um sistema capenga, abraçando pseudoterapias que são rejeitadas aberta e largamente nos próprios órgãos competentes é que regressamos e prejudicanos qualquer melhoria que se possa ter social. continuar lendo

Uau, parabéns pela iniciativa. O sistema jurídico precisava de um avanço. Já participei de grupos e fui atendida nessa terapia. É incrível os avanços. Confesso que a primeira vez não entendi nada e acredito ser normal criticarmos e negarmos a eficiência do que não conhecemos. Constelações são científicas, só ler Rupert Sheldrake. continuar lendo