Art. 29, § 10 da Lei Orgânica da Seguridade Social em Todos os Documentos

Mais de 10.000 resultados
Ordenar Por

Parágrafo 10 Artigo 29 da Lei nº 8.212 de 24 de Julho de 1991

Dispõe sobre a organização da Seguridade Social, institui Plano de Custeio, e dá outras providências.
Art. 29. O salário-base de que trata o inciso III do art. 28 é determinado conforme a seguinte tabela:
§ 10. Não é admitido o pagamento antecipado de contribuição para suprir o interstício entre as classes.

TRT-17 - AGRAVO DE PETIÇÃO AP 00925009219975170131 (TRT-17)

JurisprudênciaData de publicação: 29/10/2008

AGRAVO DE PETIÇÃO. CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA. JUROS E MULTA. O art. 879 , § 4º , da CLT , dispõe que a atualização dos créditos previdenciários adotará os critérios estabelecidos na legislação previdenciária. Já os arts. 34 e 35 , da Lei 8.212 /91 ( Lei Orgânica da Seguridade Social ) prescrevem que as contribuições sociais arrecadadas pelo INSS, pagas com atraso, ficam sujeitas a juros e multas de mora. Com efeito, os arts. 22 e 28 da Lei nº 8.212 /1991 dispõem que as contribuições previdenciárias incidirão sobre o total das remunerações pagas a qualquer título durante o mês. Assim, o fato gerador das contribuições previdenciárias relaciona-se com o pagamento da remuneração devida pela prestação de serviços. Note-se que a circunstância do empregador deixar de quitar no momento próprio alguma parcela trabalhista não tem como efeito afastar a contribuição previdenciária incidente sobre a parcela não paga, nem os juros e a multas aplicáveis ao crédito previdenciário. Desse modo, quando a s (TRT 17ª R., AP 0092500-92.1997.5.17.0131, 1ª Turma, Rel. Desembargador José Carlos Rizk, Rev. Desembargador Gerson Fernando da Sylveira Novais, DEJT 29/10/2008).

Encontrado em: 29/10/2008 - 29/10/2008 Agravante: Luis Carlos Piassi.

TRF-3 - APELAÇÃO CÍVEL AC 00350326120164039999 SP (TRF-3)

JurisprudênciaData de publicação: 20/03/2017

ASSISTÊNCIA SOCIAL. BENEFÍCIO ASSISTENCIAL DE PRESTAÇÃO CONTINUADA. ARTRITE REUMATÓIDE. INCAPACIDADE TOTAL E TEMPORÁRIA. DEFICIÊNCIA NÃO CONFIGURADA. ANÁLISE DE MISERABILIDADE PREJUDICADA. INACUMULABILIDADE COM BENEFÍCIO PREVIDENCIÁRIO 1. A Constituição garante à pessoa portadora de deficiência e ao idoso que comprove não possuir meios de prover sua própria manutenção o pagamento de um salário mínimo mensal. Trata-se de benefício de caráter assistencial, que deve ser provido aos que cumprirem tais requisitos, independentemente de contribuição à seguridade social. 2. A Lei Orgânica da Assistência Social prevê que "[p]ara efeito de concessão do benefício de prestação continuada, considera-se pessoa com deficiência aquela que tem impedimento de longo prazo de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, o qual, em interação com uma ou mais barreiras, pode obstruir sua participação plena e efetiva na sociedade em igualdade de condições com as demais pessoas" (art. 20, § 2º) e que se considera impedimento de longo prazo "aquele que produza efeitos pelo prazo mínimo de 2 (dois) anos" (art. 20, § 10). 3. O laudo médico pericial indica que a autora, apresenta artrite reumatoide, estando incapacitada de forma total e temporária para o trabalho, estimando-se sua recuperação em 12 meses. Ou seja, não é possível concluir pela existência de "impedimento de longo prazo" nos termos do art. 20 , § 10 da LOAS. 4. Não sendo possível extrair do conjunto probatório a existência de impedimentos de longo prazo, o quadro apresentado não se ajusta ao conceito de pessoa com deficiência, nos termos do artigo 20 , § 2º , da Lei 8.742 /93, com a redação dada pela Lei 12.435 /2011. 5. Quanto à alegada hipossuficiência econômica, prejudicada sua análise. Para a concessão do benefício, comprova-se, alternativamente, o requisito etário ou a condição de pessoa com deficiência e, cumulativamente, a miserabilidade. 6. Conforme destacado pelo Ministério Público Federal, a autora recebe desde 29.01.2016 benefício de aposentadoria por idade (fl. 155), inacumulável com o benefício assistencial nos termos do art. 20, § 4º da LOAS. 7. Recurso de apelação a que se nega provimento.

TRF-1 - APELAÇÃO CIVEL (AC) AC 00256420920104019199 (TRF-1)

JurisprudênciaData de publicação: 28/04/2015

CONSTITUCIONAL E PREVIDENCIÁRIO. BENEFÍCIO ASSISTENCIAL. LOAS. ART. 203, V, DA CF/88. LEI 8.742/93. PESSOA PORTADORA DE DEFICIENCIA FÍSICA E/OU MENTAL. PERÍCIA MÉDICA. SENTENÇA IMPROCEDENTE. INTERESSE DE MENOR INCAPAZ. INTERVENÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO SUPRIDA NA INSTÂNCIA RECURSAL. INCAPACIDADE PARA O TRABALHO E VIDA INDEPENDENTE. HIPOSSUFICIÊNCIA CARACTERIZADA. PREENCHIMENTO DOS REQUISITOS LEGAIS. SENTENÇA REFORMADA. 1. A Constituição Federal, em seu artigo 203, inciso V, e a Lei n. 8.742/93 (Lei Orgânica da Assistência Social) garantem um salário mínimo de benefício mensal à pessoa portadora de deficiência e ao idoso que comprovem não possuir meios de prover à própria manutenção ou de tê-la provida por sua família, independentemente de contribuição à seguridade social. 2. Os requisitos para a concessão do benefício de prestação continuada estão estabelecidos no art. 20 da Lei n. 8.742/93. São eles: i) o requerente deve ser portador de deficiência ou ser idoso com 65 anos ou mais; ii) não receber benefício no âmbito da seguridade social ou de outro regime e iii) ter renda mensal familiar per capita inferior a ¼ do salário mínimo (requisito para aferição da miserabilidade). 3. O Col. STF, ao apreciar a Ação Direta de Inconstitucionalidade n. 1.232-1/DF, declarou que a regra constante do art. 20, § 3º, da LOAS não contempla a única hipótese de concessão do benefício, e sim presunção objetiva de miserabilidade, de forma a admitir a análise da necessidade assistencial em cada caso concreto, mesmo que o "quantum" da renda "per capita" ultrapasse o valor de ¼ do salário mínimo, cabendo ao julgador avaliar a vulnerabilidade social de acordo com o caso concreto. 4. Firmou-se o entendimento jurisprudencial de que, para fins de cálculo da renda familiar mensal, não deve ser considerado o benefício (mesmo que de natureza previdenciária) que já venha sendo pago a algum membro da família, desde que seja de apenas 1 (um) salário mínimo, forte na aplicação analógica do parágrafo único do art. 34 da Lei 10.741/2003 (Estatuto do Idoso). Precedentes. 5. Considera-se deficiente aquela pessoa que apresenta impedimentos (físico, mental, intelectual ou sensorial) de longo prazo (mínimo de 2 anos) que podem obstruir sua participação plena e efetiva na sociedade em igualdade de condições com as demais pessoas. Tal deficiência e o grau de impedimento devem ser aferidos mediante avaliação médica e avaliação social, consoante o § 6º do art. 20 da Lei Orgânica da Assistência Social. 6. A incapacidade para a vida laborativa deve ser entendida como incapacidade para vida independente, para efeitos de concessão de benefício de prestação continuada. 7. Conquanto o Ministério Público não tenha sido intimado para intervir no feito em primeira instância, a irregularidade consistente na ausência de manifestação do Ministério Público em primeira instância, nos casos que há interesse de incapaz, pode ser suprida diante da manifestação nesta instância recursal. (AC 2000.01.00.008500-4/MG, Rel. Desembargador Federal Carlos Olavo, Primeira Turma, e-DJF1 p.434 de 17/02/2009). 8. No caso concreto, o laudo médico-pericial (fl. 35/36) foi conclusivo ao mencionar, peremptoriamente, que a moléstia de que padece a autora (menor impúbere) - sequela de pé torto congênito com atrofia de musculatura de panturrilha e monoparesia de membro inferior - a incapacita de modo total e permanente para o trabalho, caracterizando, assim, impedimento de longo prazo prescrito na Lei n. 8.742/93, que pode obstruir sua participação plena e efetiva na sociedade em igualdade de condições com as demais pessoas. 9. O laudo socioeconômico de fls. 47/48 revelou a vulnerabilidade social em que vive a autora, já que reside com sua mãe, de 29 anos (doméstica) e sua irmã. Há informações de que o pai biológico da menor não paga pensão alimentícia e que a genitora, à época da realização do estudo social (setembro/2009), ganhava o equivalente a R$ 300,00, com despesas elevadas com medicações e alimentos. Faz jus a parte autora à concessão do pleiteado benefício de assistência social, merecendo ser reformada a sentença recorrida. 10. O termo inicial do benefício deve ser fixado na data do requerimento administrativo (f. 61). 11. Correção monetária e juros de mora nos termos do Manual de Cálculos da Justiça Federal. 12. Os honorários advocatícios devem ser fixados em 10% das prestações vencidas até a prolação da sentença de procedência. 13. Apelação da parte autora provida.

DJGO 10/08/2015 - Pág. 2400 - Seção III - Diário de Justiça do Estado de Goiás

Diários Oficiais10/08/2015Diário de Justiça do Estado de Goiás
A ASSISTÊNCIA SOCIAL SERA PR ESTADA A QUEM DELA NECESSITAR, INDEPENDENTEMENTE DE CONTRIBUICAO A SEGURIDADE...LEI ORGÂNICA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL LOAS, A QUAL PRECEITUA EM SEU ARTIGO 2, AL INEA E, E ARTIGO 20, CAPUT...: ART. 2 A ASSISTÊNCIA SOCIAL TEM POR O BJETIVOS: (REDACAO DADA PELA LEI N 12.435 , DE 2011) I A PROTEÇÂO...

DJGO 29/05/2019 - Pág. 98 - Seção III - Diário de Justiça do Estado de Goiás

Diários Oficiais29/05/2019Diário de Justiça do Estado de Goiás
ART. 151. A LEI ORGÂNICA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL (L OAS), LEI N 8.742 /93, ESTABELECEU QUE TAL BENEFICIO CORRESPONDE...N10. 741 /03); DEVE-S E SE COMPROVAR TAMBEM, QUE O REQUERENTE NAO POSSUI CONDICOES DE S

TRF-2 - Apelação AC 00225033520154025161 RJ 0022503-35.2015.4.02.5161 (TRF-2)

JurisprudênciaData de publicação: 13/09/2018

PREVIDENCIÁRIO. BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA (BPC) DA LEI ORGÂNICA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL (LOAS) . ART. 203 , INCISO V , DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL LEI Nº 8.742 /93 . ANTECIPAÇÃO DE TUTELA. POSSIBILIDADE. COMPROVAÇÃO DOS REQUISITOS. IDADE E MISERABILIDADE. REMESSA NECESSÁRIA. CORREÇÃO MONETÁRIA. MATÉRIA DE ORDEM PÚBLICA QUE NÃO DEPENDE DE RECURSO VOLUNTÁRIO PARA O TRIBUNAL DE ORIGEM. I - Sendo ilíquida a sentença proferida, deve ser submetida à remessa necessária, nos termos do nos termos do RESP 1.101.727/PR, proferido sob o rito do art. 543-C do CPC /73 e/ou art. 496 , I , §§ 1º e 2º do CPC /2015. II - Mantida a antecipação de tutela, pois presentes os requisitos exigidos para o deferimento da tutela de urgência, seja na forma do CPC /73 ou no CPC /15. III - A concessão de benefício assistencial, independente de contribuição à Seguridade Social é devida ao portador de deficiência ( § 2º do artigo 20 da Lei nº 8.742 /93, com a redação dada pela Lei nº 12.470 /2011) ou idoso com 65 (sessenta e cinco) anos ou mais (artigo 34 da Lei10.741 /2003) que comprove não possuir meios de prover a própria manutenção e nem de tê-la provida por sua família, nos termos dos artigos 20 , § 3º , da Lei nº 8.742 /93. IV - Ao instituir o benefício de prestação continuada no inciso V do seu artigo 203 , a Constituição da República teve por escopo garantir o mínimo existencial aos idosos e aos portadores de deficiência que não possuem meios de prover a própria subsistência e privilegiou, assim, a dignidade da pessoa humana. V - Comprovados os requisitos legais - idade e miserabilidade - é devida a concessão do benefício assistencial. VI - O STJ firmou entendimento no sentido de que o benefício assistencial deve ser concedido a partir do requerimento administrativo e, na sua ausência, na data da citação. VII - Apreciando o tema 810 da repercussão geral, o Supremo Tribunal Federal declarou que, nas condenações impostas à Fazenda Pública de natureza não tributária, a partir do advento da Lei nº 11.960 , de 29/06/2009, os valores apurados devem ser atualizados monetariamente segundo o IPCA-E, acrescidos de juros moratórios segundo a remuneração da caderneta de poupança, na forma do art. 1º-F da Lei nº 9.494 /97 (RE nº 870.947/SE - Rel. Ministro LUIZ FUX - Julgado em: 20/09/2017). VIII - A correção monetária é matéria de ordem pública, cognoscível de ofício, que incide 1 sobre o objeto da condenação judicial e não se prende a pedido feito em primeira instância ou a recurso voluntário dirigido à Corte de origem, razão pela qual não caracteriza reformatio in pejus contra a Fazenda Pública, tampouco ofende o princípio da inércia da jurisdição, o Tribunal, de ofício, corrigir a sentença para fixar o critério de incidência da correção monetária nas obrigações de pagar impostas ao INSS, mormente em face da inconstitucionalidade do art. 1º-F da Lei nº 9.494 /97, com a redação dada pela Lei nº 11.960 /09, na parte em que disciplina a atualização monetária das condenações impostas à Fazenda Pública segundo a remuneração oficial da caderneta de poupança, reconhecida pelo STF no julgamento do RE nº 870.947/SE. IX - Apelação e remessa necessária desprovidas. Sentença retificada de ofício, em relação à correção monetária.

DJGO 26/10/2015 - Pág. 1608 - Seção III - Diário de Justiça do Estado de Goiás

Diários Oficiais26/10/2015Diário de Justiça do Estado de Goiás
ALTERACAO DAS F ACULDADES MENTAIS COM GRAVE PERTURBACAO DA VIDA ORGÂNICA E SOCIAL . 8....DE CONSEQUENCIA, COND ENO O INSTITUTO NACIONAL DE SEGURIDADE SOCIAL - INSS, A PAGAR AO AUTOR A MAJORACAO.... 1-F, DA LEI N 9.494 /97.

TRF-3 - APELAÇÃO CÍVEL AC 00371098419754036182 SP (TRF-3)

JurisprudênciaData de publicação: 26/10/2016

AGRAVO LEGAL. JULGAMENTO POR DECISÃO MONOCRÁTICA. ART. 557 DO CPC DE 1973. AGRAVO DESPROVIDO. 1. O julgamento monocrático se deu segundo as atribuições conferidas ao Relator pelo artigo 557 do Código de Processo Civil de 1973 , em sua redação primitiva. 2. Tratando-se de agravo legal interposto na vigência do Código de Processo Civil de 1973 e observando-se o princípio tempus regit actum, os requisitos de admissibilidade recursal são aqueles nele estabelecidos (Enunciado nº 02 do Superior Tribunal de Justiça). 3. Por ocasião do julgamento do recurso, contudo, dever-se-á observar o disposto no § 3º do artigo 1.021 do Código de Processo Civil de 2015 . 4. A prescrição no Direito Tributário, por extinguir o próprio crédito tributário (art. 156 , V , do CTN ), sempre fora passível de reconhecimento de ofício, sendo tal possibilidade atualmente consagrada, seja pela Lei n.º 11.051/04, de 29.12.2004 que acresceu o § 4º ao art. 40 da LEF , seja pela Lei n.º 11.280 /04 que alterou o art. 219 , § 5º , do Código de Processo Civil (Leandro Paulsen, René Bergmann Ávilla e Ingrid Schroder Sliwka - Direito Processual Tributário - Editora Livraria do Advogado, 7ª Edição - Ano 2012, p. 528). 5. O novo regramento é de ser aplicado aos processos em curso, consoante tem decidido a jurisprudência. 6. De acordo com o artigo 40 , § 4º , da Lei 6.830 /80, a prescrição intercorrente deve seguir o mesmo prazo da prescrição da ação para cobrança do crédito tributário, o qual, se advirta, recebeu diversas alterações ao longo do tempo. 7. Destaco que a Lei Orgânica da Previdência Social, Lei nº 3.807 /60, dispôs no artigo 144 que o prazo prescricional para as instituições de previdência social receber ou cobrar as importâncias que lhes sejam devidas é de trinta anos. 8. Com a edição do Código Tributário Nacional , Lei nº 5.172 /66, em 1º de janeiro de 1967, por meio do artigo 174 , revogou-se o artigo 144 da Lei nº 3.807 /60, conferindo natureza tributária às contribuições previdenciárias, devendo o prazo prescricional ser contado de cinco anos da data da constituição do crédito, e idêntico prazo para a decadência. 9. Citado entendimento permaneceu até o advento da Emenda Constitucional nº 08 /77, de 14 de abril de 1977, a qual conferiu às contribuições previdenciárias natureza de contribuição social. Contudo, a referida norma legal só foi regulamentada com o advento da Lei nº 6.830/80 de 22 de setembro de 1980, que por sua vez restabeleceu o artigo 144 da Lei nº 3.807 /60, determinando portanto que o prazo prescricional para a cobrança de referidos créditos era trintenário; restando inalterado o prazo quinquenal decadência. 10. A partir da vigência da Lei nº 8.212 /91, ocorrida em 25 de julho de 1991, o prazo prescricional foi novamente reduzido, quando passou, então, a ser decenal, consoante disposto no artigo 46 . No entanto, referido dispositivo legal foi declarado inconstitucional pelo Colendo Supremo Tribunal Federal, conforme se infere do Enunciado da Súmula Vinculante n º 8, verbis: "São inconstitucionais o parágrafo único do artigo 5º do decreto-lei nº 1.569 /1977 e os artigos 45 e 46 da lei nº 8.212 /1991, que tratam de prescrição e decadência de crédito tributário". 11. Como após a Constituição da República de 1988 as contribuições à Seguridade Social voltaram a ter natureza tributária, os fatos geradores ocorridos após 01.03.1989 (ADCT, art. 34) passaram a observar os prazos de decadência e prescrição previstos nos artigos 173 e 174 , do CTN . 12. Assentadas tais premissas, cumpre ter presente que para a decretação da prescrição intercorrente, deve-se levar em conta o prazo de prescrição conforme a lei vigente ao tempo do arquivamento da execução fiscal. 13. Agravo legal a que se nega provimento.

Encontrado em: PRIMEIRA TURMA e-DJF3 Judicial 1 DATA:26/10/2016 - 26/10/2016 VIDE EMENTA.

TRF-3 - APELAÇÃO CÍVEL AC 42411 SP 2007.03.99.042411-3 (TRF-3)

JurisprudênciaData de publicação: 22/02/2011

TRIBUTÁRIO PROCESSUAL CIVIL. EXECUÇÃO FISCAL. CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS. PRAZO PRESCRICIONAL. PRESCRIÇÃO INTERCORRENTE. ARTIGO 269 , IV , DO CPC . ARTIGO 40 , § 4º , DA LEI N. 6.830 /80. 1. Observada a formalidade prevista no § 4º do artigo 40 da Lei nº 6.830 /80, com a redação dada pelo artigo 6º da Lei nº 11.051 , de 29/12/2004 (publicada em 30/12/2004), que autoriza o reconhecimento de ofício da prescrição tributária intercorrente, depois de ouvida a Fazenda Pública. 2. O § 4º do artigo 40 da Lei de Execução Fiscal , acrescentado pela Lei nº 11.051 /2004 tem aplicação imediata, inclusive aos feitos em curso. Precedentes do Superior Tribunal de Justiça, inclusive considerando a superveniência do § 5º do artigo 219 do Código de Processo Civil , inserido pela Lei nº 11.280 , de 16/02/2006 (vigente a partir de 15/05/2006). 3. O primeiro impulso de uniformização do sistema previdenciário veio com o Decreto nº 35.448, de 01/05/1954 (Regulamento Geral dos Institutos de Aposentadorias e Pensões), que normatizou os planos de custeio e de benefícios aplicáveis a todos os IAP, dispondo que não prescreve o direito de receber ou cobrar as importâncias a que se referem o art. 54 e seus parágrafos . 4. Em que pese o artigo 65 estabelecer a imprescritibilidade das contribuições para custeio da previdência, trata-se de regra que é esvaziada a partir de uma interpretação sistemática da norma. Com efeito, se o próprio Decreto nº 35.448/54 (artigos 61 e 62) impôs às empresas a obrigação acessória de preservar as escriturações relativas ao recolhimento das contribuições sociais pelo período de cinco anos, precipuamente para fins de fiscalização da arrecadação, é de se concluir que a exigibilidade da obrigação principal também se submete ao mesmo lapso temporal. Em suma, por uma questão lógica, ninguém pode ser cobrado por algo que não mais tem obrigação de provar o pagamento. Destarte, naquela época o prazo prescricional continuou a ser o quinquenal. 5. Quando da edição da Lei nº 3.807 , de 26/08/1960 (Lei Orgânica da Previdência Social), que conferiu uma maior padronização ao sistema, sem, ainda, promover a unificação dos institutos (o que se deu apenas com o Decreto-lei nº 72 , de 21/11/1966, que criou o INPS), ficou estabelecido o prazo prescricional de 30 anos, por força do disposto em seu artigo 144 . 6. Posteriormente, com o advento do Código Tributário Nacional (Lei nº 5.172 , de 25/10/1966), o lapso prescricional voltou a ser quinquenal, nos termos do seu artigo 174 . 7. É questão assente no Colendo Supremo Tribunal Federal que as contribuições para o custeio da Previdência Social perderam a natureza de tributo no período compreendido entre a edição da Emenda Constitucional nº 8 , de 14/04/1977, e a promulgação da atual Constituição da República de 1988, não se lhes aplicando a disciplina do Código Tributário Nacional , inclusive no que se refere à prescrição. 8. Com a promulgação da Constituição Federal de 1988, as contribuições sociais, incluídas nesse conceito as destinadas ao custeio da seguridade social, foram reinseridas no âmbito do Sistema Tributário Nacional. Assim, a prescrição dessas contribuições voltou a seguir o regramento do Código Tributário Nacional , prevalecendo, a partir da atual Constituição , o lapso prescricional quinquenal previsto no artigo 174 do Código Tributário Nacional . 9. Em suma, a interpretação do artigo 40 , § 4º , da Lei nº 6.830 /80 deve ser feita em conjunto com o disposto no artigo 144 da Lei nº 3.807 /60, no artigo 174 do Código Tributário Nacional ou noutro dispositivo pertinente, conforme o período, o que leva à conclusão de que o arquivamento do feito, por prazo superior ao legalmente previsto, importa na prescrição da execução fiscal. 10. No caso, a certidão de dívida ativa é datada de 05/11/1991, e refere-se a contribuições previdenciárias relativas às competências de abril de 1986 a dezembro de 1989. A dívida foi inscrita em 10/10/1991, e a execução fiscal ajuizada em 14/02/1992. Em 10/07/1996, foi deferido o pedido de suspensão do feito, nos termos do artigo 40 da Lei nº 6.830 /80. Transcorrido o prazo legal de um ano, e sem manifestação do exequente, os autos foram remetidos ao arquivo. Em 23/06/2006, o Juízo a quo abriu vista dos autos ao INSS, para manifestação acerca do § 4º do artigo 40 da Lei de Execuções Fiscais. Destarte, é de ser reconhecida a prescrição intercorrente apenas das contribuições exequendas relativas às competências de outubro de 1988 a dezembro de 1989. 11. Agravo interno improvido.

Encontrado em: ANO-2006 LEG-FED DEC-35448 ANO-1954 ART-54 ART-61 ART-62 ART-65 ***** LOPS-60 LEI ORGÂNICA DA PREVIDÊNCIA...ANO-1954 ART-54 ART-61 ART-62 ART-65 ***** LOPS-60 LEI ORGÂNICA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL LEG-FED LEI- 3807...-61 ART-62 ART-65 ***** LOPS-60 LEI ORGÂNICA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL LEG-FED LEI- 3807 ANO-1960 ART-144...

DJGO 23/04/2014 - Pág. 438 - Seção III - Diário de Justiça do Estado de Goiás

Diários Oficiais23/04/2014Diário de Justiça do Estado de Goiás
FEDERAL, RECURSO 2004 34 00 704569- 1 , JUIZA FEDERAL MôNICA J SIFUENTES P MEDEIROS, DJ-DF 29/10/2004...SERá PRESTADA A QUEM DELA NECESSITAR, INDEPENDENTEMENTE DA CONTRIBUIçãO à SEGURIDADE SOCIAL E TEM COMO...” A LEI 8 742 /93, TAMBéM DENOMINADA LEI ORGâNICA DA ASSISTêNCIA SOCIAL – LOAS -, VEIO REGULAMENTAR O...
Conteúdo exclusivo para assinantes

Acesse www.jusbrasil.com.br/pro e assine agora mesmo