jusbrasil.com.br
17 de Outubro de 2019
Comentário feito no documento:

Problemas com Airbnb? Breve análise da questão do ponto de vista do consumidor

Sergio Baltar, Caminhoneiro Autônomo
há 7 meses
Eu usei airbnb e posso fazer um depoimento de causa própria.

airbnb cobra em média de taxa de serviço 15% de quem aluga e 15% do proprietário do imóvel, ou seja, em um única transação ganha 30% por 'intermediar' o acordo entre proprietário e inquilino. O QUE MUITAS DAS VEZES, INCLUSIVE, deixa o valor do aluguel bem mais alto.

Neste sentido, é um dos dinheiros ganhos mais fáceis do mundo. 30% de uma casa que não é do airbnb, que ganha só por divulgação e intermediação.

Somando ao fato, que eles nem investem em profissionais para atendimento ao público interno e externo. Alguns puxa sacos conhecidos como "superhost" trabalham de graça para airbnb tirando algumas dúvidas das pessoas.

Neste contexto, a base da piramide financeira do airbnb são os superhost ou os bons proprietários dos imóveis.

Porém, como no exemplo do autor da matéria, quando o consumidor encontra MAUS PROPRIETÁRIOS, MAUS ANFITRIÕES, o consumidor FICA JOGA AS TRAÇAS.

O site airbnb, lava as mãos e diz que a culpa é do anfitrião e não dela porque é apenas intermediária.

NÃO EXISTE CANAL DIRETO ENTRE CONSUMIDOR E AIRBNB. Ou seja, no site você não encontra um telefone ou um email direito, específico para resolver problemas de hospedagem. O consumidor fica nas mãos dos superhost que no fim dizem: "Nós não trabalhamos para airbnb, somos apenas voluntários e não poderemos te ajudar'.

Por outro lado, quando indicam um telefone para você ligar NÃO É 0800, ou seja, se seu celular for pré-pago, seus créditos vão acabar bem antes de resolverem o seu problema.

Em suma, não tem como confiar numa empresa que não podemos encontrar fisicamente no Brasil e que os funcionários para atender os consumidores não são funcionários.

Infelizmente no Brasil, estas empresas internacionais vem para Brasil, enriquecem com maus serviços ou fraudam como no esquema da piramide e NADA ACONTECE.

Logo, para aqueles que querem usar airbnb eu deixo sugestões:

1) Não procurem airbnb. Deixam o valor da diária 30% mais cara, logo fica vantajoso achar mesmo lugar ou hotéis, flat em canais de busca de preço como trivago, decolar etc.

2) Mas, se querem se aventurar nesta empresa, então procurem por anfitriões que receberam bons elogios RECENTEMENTE.

3) Caso tenham problemas com airbnb: PROCUREM PROCON e juizado especial sempre. Esta empresa ficou multi milionária no Brasil sem suar, sem trabalhar de verdade. Logo, é preciso que o Estado intervenha de alguma forma contra empresas que só querem lucrar sem se importar, investir em serviços de qualidade de verdade para os cidadão brasileiros.
Disponível em: https://www.jusbrasil.com.br/comentarios/691284760#comment_691284760

9 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Tenho que discordar de alguns pontos seus. Sou host no AirBnb e temos o seguinte:

1. Os valores são de NO MÁXIMO 23% sobre o valor da diária, sendo que 3% é cobrado do anfitrião e de 0 a 20% é cobrado dos hóspedes, e este valor é variável.

2. Superhosts não são voluntários nem tem qualquer tipo de obrigação em orientar hóspedes quanto a problemas com a companhia. Superhost nada mais é do que um anfitrião que atingiu determinados níveis de satisfação (número e notas de avaliação, padrão de resposta rápida, etc), não tendo NENHUMA responsabilidade em relação a imóveis de outros anfitriões e muito menos quanto ao serviço prestado pelo AirBnb.

Todos estamos sujeitos a passar por más experiências. Eu, como um anfitrião muito bem analisado, passei por problemas com hóspedes. Isso não descredita o AirBnb e muito menos todos os usuários do site. continuar lendo

Olá! Apenas corrigindo a informação: O airbnb cobra do proprietário/anfitrião apenas 3%. continuar lendo

Serio q nunca li tanta DEsinformação errada junta ao mesmo tempo... conseguiu ser pior q o próprio texto da matéria... pra começar, o airbnb TEM 0800... pra continuar, o valor q eles cobram do dono do imóvel (vulgo anfitrião) é FIXO e, pasme, é 3%... o problema do mundo são as pessoas a adoram afirmar coisas q não se dão ao trabalho nem de pesquisar.... sobre o resto das afirmações erradas nem vou perder mais tempo continuar lendo

Tem algo a dizer sobre a UBER e outros aplicativos de motoristas e passageiros?
Eu tenho apto desde 2014 no AIRBNB e volta e meia no OLX, mas prefiro o AIRBNB; não sou superhost, tampouco super anfitriã;

por viver distante do meu apartamento (não consigo administrar) por isso sou super exigente com aluguel (o zelador que administra e ele quase nem nota nada quando o povo sai - sempre que é OLX saio no prejuízo)......tenho regras que quase ninguém aceita....aí pouco alugo (o aplicativo em questão é bom pois dá segurança - vc insere uma caução no valor que vc acha justo e eles só devolvem ao cliente-hóspede quando este fazer checkout....; caso tenham quebrado tudo ou roubado algo a caução não será devolvida. continuar lendo

Nada a ver Sr Sergio. O site tem sim um sistema de 0800 gratuito, tem telefones fixos para atendimento de qualquer solicitação e as taxas cobradas não são essas que está citando não. Favor se informar corretamente para posteriormente colocar informações corretas aqui ou em qualquer outro lugar. continuar lendo

hum. modelo uber... daqui a pouco estão induzindo as pessoas a comprarem casas para os trouxas alugarem... continuar lendo

Creio que sua informação deva estar equivocada. Taxa de serviço do hóspede é limitada entre 5 e 17%. Já do locador, a taxa fica entre 3 e 7% geralmente fica 10% do locatário e 3 % do locador, ou seja total 13% e não 30% amigo. Eu hospedo no Airbnb. Outra informação equivocada é quanto ao telefone, existe sim o 0800-878-7918 em idiomas Português, espanhol, inglês. continuar lendo

Sou anfitriã e o Airbnb desconta de mim 3%.
E só recebo 24 hs após o check-in do locador. continuar lendo

Sim. Logo de início não confiei deste sistema. continuar lendo