Página 885 do Diário de Justiça do Estado de Sergipe (DJSE) de 2 de Dezembro de 2020

Por que esse conteúdo está aqui?
O Jusbrasil não cria, edita ou altera o conteúdo exibido. Replicamos somente informações que foram veiculadas pelos órgãos oficiais.Toda informação aqui divulgada é pública e pode ser encontrada, também, nos sites que publicam originalmente esses diários.

NÚMERO ÚNICO: 000XXXX-77.2019.8.25.0031

EXEQUENTE : BARBARA RESENDE BARRETO

ADV. : BÁRBARA RESENDE BARRETO - OAB: 9071-SE

EXECUTADO : ESTADO DE SERGIPE

PROC. : TÚLIO CAVALCANTE FERREIRA

ATO ORDINATÓRIO....: POR ATO ORDINATÓRIO INTIME-SE O EXEQUENTE QUE FOI EXPEDIDO ALVARÁ ELETRÔNICO PARA QUE O RETIRE E INFORME O RECEBIMENTO NO PRAZO DE 05 DIAS, SOB PENA DE EXTINÇÃO COMO PRESUNÇÃO DO PAGAMENTO. -NÚMERO ALVARÁ 202069000353

PROCEDIMENTO COMUM

PROC.: 201969001222

NÚMERO ÚNICO: 000XXXX-44.2019.8.25.0031

REQUERENTE : MARIA DO CARMO DE MELO AMANCIO

ADV. : ROUZIANE DE MELO VIEIRA - OAB: 10952-SE

REQUERIDO : INSS

PROC. : RICARDO DOS SANTOS NASCIMENTO

SENTENÇA....: ABERTA A AUDIÊNCIA, PELO MM. JUIZ FOI NOTICIADO ÀS PARTES QUE A COLHEITA DA PROVA ORAL SERIA FEITO PELO MÉTODO DE REGISTRO AUDIOVISUAL, NOS TERMOS DA RESOLUÇÃO Nº 02, DE 10 DE FEVEREIRO DE 2010, PUBLICADA NO DJE Nº 3.020, DE 10/02/2010. OS DEPOIMENTOS FORAM COLHIDOS NA SEGUINTE ORDEM: 1º) REQUERENTE – MARIA DO CARMO DE MELO AMANCIO; 2º) TESTEMUNHA DA REQUERENTE – IVANETE DOS SANTOS MELO; 3º) TESTEMUNHA DA REQUERENTE – JOÃO DOS SANTOS MELO.SENDO QUE, AO FINAL, TODOS OS ARQUIVOS FORAM ANEXADOS, DEVIDAMENTE IDENTIFICADA, A QUAL FICARÁ ANEXADA AO PROCESSO. A PARTE REQUERENTE APRESENTOU RAZÕES FINAIS REITERATIVAS, FICANDO A PARTE REQUERIDA PREJUDICADA, ANTE SUA AUSÊNCIA.PELO JUIZ FOI PROFERIDA SENTENÇA NOS SEGUINTES TERMOS: “CUIDA-SE DE DEMANDA AJUIZADA POR MARIA DO CARMO DE MELO AMANCIO EM FACE DO INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL – INSS, VOLTADA À OBTENÇÃO DO BENEFÍCIO PREVIDENCIÁRIO PREVISTO NO ART. 48, §§ 1º E DA LEI 8.213/1991, DENOMINADO APOSENTADORIA POR IDADE RURAL, COM RENDA MENSAL DE UM SALÁRIO-MÍNIMO, A TEOR DO ARTIGO 39, INCISO I DA MESMA LEI. A PARTE AUTORA AFIRMA SER SEGURADA ESPECIAL DA PREVIDÊNCIA SOCIAL E TER TIDO NEGADO O BENEFÍCIO POSTULADO, AO ARGUMENTO DE QUE NÃO ATENDERIA AOS REQUISITOS PARA SUA CONCESSÃO. COM A INICIAL, JUNTOU DOCUMENTOS, DENTRE ELES SUA INSCRIÇÃO NO SINDICATO DOS TRABALHADORES RURAIS DO MUNICÍPIO DE GARARU-SE; CONTRATO DE COMODATO; COMPROVANTE DE INSCRIÇÃO NO GARANTIA SAFRA, DECLARAÇÃO DE APTIDÃO AO PRONAF-DAP. TAIS DOCUMENTOS ENCONTRAM-SE ÀS P. 18/66. REGULARMENTE CITADO, O ENTE REQUERIDO APRESENTOU CONTESTAÇÃO ÀS P. 71/79. INSTRUÇÃO REALIZADA COM A OITIVA DE TESTEMUNHAS ARROLADAS PELA PARTE AUTORA, BEM COMO COM SEU DEPOIMENTO PESSOAL. É O QUE IMPENDE RELATAR. DECIDO. O FEITO JÁ SE ENCONTRA REGULARMENTE INSTRUÍDO, TENDO SIDO FACULTADO ÀS PARTES O EXERCÍCIO PLENO DA AMPLA DEFESA, ESTANDO, POR SEU TURNO, A CAUSA MADURA PARA JULGAMENTO. PRETENDE A PARTE REQUERENTE OBTER COMANDO JUDICIAL CONDENATÓRIO, A FIM DE IMPELIR O INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL AO ADIMPLEMENTO DO BENEFÍCIO PREVIDENCIÁRIO DENOMINADO APOSENTADORIA POR IDADE, NA CONDIÇÃO DE SEGURADA ESPECIAL – RURAL, POR ENTENDER PRESENTES TODOS OS REQUISITOS ELENCADOS NA LEI Nº 8.213/1991, ESPECIALMENTE AQUELES APONTADOS NOS ARTIGOS 11, INCISO VII; 39, INCISO I; 48, §§ 1º E ; E 142 DA REFERIDA LEGISLAÇÃO. A ATIVIDADE RURAL CONTABILIZA-SE, AINDA QUE DE FORMA DESCONTÍNUA, NO PERÍODO IMEDIATAMENTE ANTERIOR AO REQUERIMENTO DO BENEFÍCIO, IGUAL AO NÚMERO DE MESES CORRESPONDENTES À CARÊNCIA DO BENEFÍCIO REQUERIDO, QUE NO CASO EM TELA É DE 15 (QUINZE) ANOS, CONFORME SE INFERE DO ART. 143 DA LEI Nº 8.213/91. CONFORME A PRÓPRIA DICÇÃO DO MENCIONADO TEXTO LEGAL, O EXERCÍCIO DE ATIVIDADE REMUNERADA EM PERÍODO NÃO SUPERIOR A 120 (CENTO E VINTE) DIAS, CORRIDOS OU INTERCALADOS, NO ANO CIVIL, NÃO EXCLUI A CONDIÇÃO DE SEGURADO ESPECIAL (ART. 12, § 9º, III DA LEI Nº 8.212/91). DEFINE O ART. 11, INC. VII, DA LEI Nº 8.213/91, COMO SEGURADO ESPECIAL “A PESSOA FÍSICA RESIDENTE NO IMÓVEL RURAL OU EM AGLOMERADO URBANO OU RURAL PRÓXIMO A ELE QUE, INDIVIDUALMENTE OU EM REGIME DE ECONOMIA FAMILIAR, AINDA QUE COM O AUXÍLIO EVENTUAL DE TERCEIROS, NA CONDIÇÃO DE: A) PRODUTOR, SEJA PROPRIETÁRIO, USUFRUTUÁRIO, POSSUIDOR, ASSENTADO, PARCEIRO OU MEEIRO OUTORGADOS, COMODATÁRIO OU ARRENDATÁRIO RURAIS, QUE EXPLORE ATIVIDADE: 1. AGROPECUÁRIA EM ÁREA DE ATÉ 4 MÓDULOS FISCAIS”. OS SEGURADOS ESPECIAIS POSSUEM DIREITO AOS BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS LISTADOS NO ART. 39, INCISO I E PARÁGRAFO ÚNICO, DA SUPRACITADA LEI, A SABER: APOSENTADORIA POR IDADE OU POR INVALIDEZ, AUXÍLIO-DOENÇA, AUXÍLIO-RECLUSÃO, PENSÃO POR MORTE E SALÁRIO-MATERNIDADE, NO VALOR DE UM SALÁRIO-MÍNIMO. PARA TANTO, DEVE COMPROVAR O EXERCÍCIO DE ATIVIDADE RURAL, AINDA QUE DE FORMA DESCONTÍNUA, NO PERÍODO IMEDIATAMENTE ANTERIOR AO REQUERIMENTO DO BENEFÍCIO, IGUAL AO NÚMERO DE MESES CORRESPONDENTE À CARÊNCIA DO BENEFÍCIO REQUERIDO. SIGNIFICA DIZER QUE ESTÁ DISPENSADO DO CUMPRIMENTO DO PERÍODO DE CARÊNCIA, ASSIM DEFINIDO COMO “O NÚMERO MÍNIMO DE CONTRIBUIÇÕES MENSAIS INDISPENSÁVEIS PARA QUE O BENEFICIÁRIO FAÇA JUS AO BENEFÍCIO” (ART. 24 DA LEI 8.213/81). ANALISANDO OS DOCUMENTOS CONSTANTES DOS AUTOS, BEM COMO OS DEPOIMENTOS PRESTADOS EM JUÍZO, HÁ DE SE CONCLUIR PELA TOTAL OBSERVÂNCIA DO PERÍODO DE ATIVIDADE RURAL EXIGIDO PARA A CONCESSÃO DO BENEFÍCIO PLEITEADO. PRIMEIRAMENTE, VALE RESSALTAR QUE COM RELAÇÃO ÀS DÚVIDAS QUANTO À PROVA MATERIAL, ESTAS PODEM SER SANADAS PELOS DEPOIMENTOS PRESTADOS EM SEDE DE INSTRUÇÃO, OS QUAIS FORAM UNÍSSONOS QUANTO AO TRABALHO NA AGRICULTURA EXERCIDO PELA REQUERENTE HÁ MUITOS ANOS, BEM MAIS DO QUE O PERÍODO DE PROVA EXIGIDO (180 MESES), POSTO QUE A DEMANDANTE AFIRMOU TRABALHAR COMO LAVRADORA DESDE TENRA IDADE, E AS TESTEMUNHAS ASSEVERARAM QUE, DESDE QUE A CONHECERAM, A PARTE AUTORA TRABALHA NA ROÇA. NESSE SENTIDO: PREVIDENCIÁRIO. APOSENTADORIA POR IDADE DE RURÍCOLA. SEGURADA ESPECIAL. REGIME DE ECONOMIA FAMILIAR. PROVA DO TRABALHO RURAL. 1 - O TRABALHADOR RURAL TEM DIREITO À APOSENTADORIA ESPECIAL, AOS 60 (SESSENTA) ANOS, SE HOMEM, E AOS 55 (CINQUENTA E CINCO) ANOS, SE MULHER (ART. 201, PARÁGRAFO 7º, II, CF/88), DESDE QUE PROVADO O EXERCÍCIO DE LABOR NO CAMPO E O PERÍODO DE CARÊNCIA (ARTS. 142-143, DA LEI Nº. 8.213/91). 2 - A PROVA DA ATIVIDADE RURAL DEVE SER FEITA NA FORMA PREVISTA NO ARTIGO 106 DA LEI Nº 8.213/91. CONTUDO, ANTE AS RECONHECIDAS DIFICULDADES DAQUELES QUE VIVEM NA ZONA RURAL, - EM SUA MAIORIA DESPROVIDOS DE QUALQUER REGISTRO DE SEU TRABALHO -, A JURISPRUDÊNCIA TEM ADMITIDO O INÍCIO DE PROVA DOCUMENTAL, CORROBORADO POR DEPOIMENTOS TESTEMUNHAIS. (…) 4 - O INÍCIO DE PROVA MATERIAL CORROBORADO PELOS DEPOIMENTOS TESTEMUNHAIS TOMADOS EM JUÍZO, COMPROVAM A SUA ATIVIDADE RURÍCOLA, FAZENDO, JUS, PORTANTO, À CONCESSÃO DO BENEFÍCIO DE APOSENTADORIA POR IDADE, NA QUALIDADE DE TRABALHADORA RURAL. (...) (TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL - 5ª REGIÃO, AC540643/SE, DATA DO JULGAMENTO: 29/05/2012, ÓRGÃO JULGADOR: SEGUNDA TURMA, RELATOR: DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO WILDO)” -GRIFO NOSSO. DESTA FEITA, DIANTE DAS PROVAS DOCUMENTAIS E DA PROVA ORAL COLHIDA AOS AUTOS, FICOU COMPROVADA A QUALIDADE DE SEGURADA ESPECIAL DA PARTE AUTORA, BEM COMO O PREENCHIMENTO DO PERÍODO DE CARÊNCIA,