Página 126 do Diário de Justiça do Estado do Piauí (DJPI) de 26 de Janeiro de 2021

Diário de Justiça do Estado do Piauí
mês passado
Por que esse conteúdo está aqui?
O Jusbrasil não cria, edita ou altera o conteúdo exibido. Replicamos somente informações que foram veiculadas pelos órgãos oficiais.Toda informação aqui divulgada é pública e pode ser encontrada, também, nos sites que publicam originalmente esses diários.

1ª fase - Das circunstâncias judiciais (art. 59, CP): Verifico que o réu agiu com culpabilidade normal ao tipo; sem antecedentes criminais em relação a condenações transitadas em julgado; ausentes informações sobre a sua conduta pessoal; não existem informações suficientes sobre a sua personalidade; o motivo do crime foi normal ao tipo; as consequências do crime foram comuns ao tipo, sem elevada gravidade específica; a vítima não contribuiu para a prática dos crimes.

Crime do art. 129,§ 9º do CP- Analisadas as circunstâncias judiciais do caput do artigo 59 do Código Penal, considerando que a pena-base varia entre 3 (três) meses e 3 (três) anos de detenção, com todas as circunstâncias favoráveis, fixo a pena-base em 3 (três) meses de detenção.

2ª fase - Circunstâncias legais. Inexistem circunstâncias agravantes, bem como circunstâncias atenuantes.

3ª fase: Causas especiais de aumento e/ou diminuição de pena. Inexistem causas especiais de aumento, bem como causas de diminuição.

Vencidas as etapas do artigo 68 do Código Penal, fica o réu DEMERVAL GOMES DE ARAÚJO FILHO, condenado à pena privativa de liberdade de 3 (três) meses de detenção pelo crime do art. 129, § 9º do CP.

PENA DEFINITIVA observado a conduta praticada pelo acusado, fica o réu condenado à PENA DEFINITIVA DE 3 (TRÊS) MESES DE DETENÇÃO.

Fixo como regime inicial de cumprimento de pena o ABERTO, nos termos do art. 33, § 2º, c do CP.

Nos termos do art. 44, I do CP, entendo que não é cabível a substituição da pena privativa de liberdade por penas restritivas de direito, visto que o delito foi praticado com violência à pessoa (HC 114.703/MS, 2.ª T., rel. Min. Gilmar Mendes, 16.04.2013, v.u., Informativo n.º 702).

Incabível a substituição por penas restritivas de direito, também entendo impossível a suspensão condicional da pena diante do disposto na súmula 536 do STJ (A suspensão condicional do processo e a transação penal não se aplicam na hipótese de delitos sujeitos ao rito da Lei Maria da Penha. (Súmula 536, TERCEIRA SEÇÃO, julgado em 10/06/2015, DJe 15/06/2015).

Deixo de fixar o valor mínimo para reparação dos danos causados pela infração, nos termos do artigo 387, IV do CPP, pois não foram produzidas provas demonstrando o prejuízo sofrido.

Concedo ao réu o direito de recorrer em liberdade diante da ausência dos requisitos para a prisão cautelar contidos no art. 312 do CPP.

Condeno o réu ao pagamento das custas processuais (CPP, art. 804).

Após o trânsito em julgado, adotem-se as seguintes providências: 1) lance-se o nome do réu no rol dos culpados; 2) oficie-se ao Tribunal Regional Eleitoral para os fins do art. 15, III da Constituição Federal; 3) extraia-se Guia de Execução e demais documentos necessários (Resolução nº 113/2010 do CNJ), para remessa ao juízo competente para fiscalização e acompanhamento do cumprimento da pena; 4) Comunique-se ao Instituto de Identificação do Estado, para fins de estatística criminal; 5) arquive-se a ação penal com baixa na distribuição.

Intime-se o réu, nos termos do art. 392, do CPP.

Ciência ao Ministério Público.

Expedientes necessários.

Publique-se.

Registre-se.

Intimem-se.

12.297. EDITAL - VARA ÚNICA DE SÃO MIGUEL DO TAPUIO 1627913

AVISO DE INTIMAÇÃO (Vara Única de SÃO MIGUEL DO TAPUIO)

Processo nº 0000006-06.2006.8.18.0071

Classe: Ação Penal - Procedimento Ordinário

Autor: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUÍ

Advogado (s):

Réu: AUDIR RODRIGUES DA SILVA

Advogado (s): JOSUE SOARES DA SILVA (OAB/PIAUÍ Nº 4003)

SENTENÇA: "I- RELATÓRIO Cuidam os presentes autos de processo criminal instaurado contra AUDIR RODRIGUES DA SILVA, tendo sido ele condenado pelo cometimento de conduta tipificada no art. 155, § 1º, do Código Penal. A pena imposta foi de 2 anos e 8 meses de reclusão e 60 dias-multa. A sentença foi proferida no dia 26 de março de 2019, transitando em julgado para a acusação ainda em 13 de maio de 2019, conforme certidão da secretaria judicial. O órgão do Ministério Público exarou manifestação pela declaração da extinção da punibilidade do réu com base no art. 107, IV, c/c o art. 109, IV e artigo 110, § 1º, todos do Código Penal. É o relatório. Decido. II- FUNDAMENTAÇÃO O legislador fixa um prazo em cujo o qual o Estado deve exercer sua pretensão punitiva, e em não o fazendo o jus persequendi in juditio ou o jus punitionis fulmina. O douto processualista Fernando da Costa Tourinho Filho, ensina que a prescrição é, na lição de Haus, meio de se liberar das consequências de uma infração pelo efeito do tempo fixado e sob as condições determinadas pela lei. Ela põe fim à ação ou à pena (in Processo Penal I, p. 496, ed. Saraiva). O artigo 107 do Código Penal estabelece que a punibilidade extingue-se, dentre outros casos, pela prescrição, decadência ou perempção, e o lapso temporal para operar-se a prescrição encontra-se regulada pelo Código Penal, no art. 109. Além disso, após a sentença condenatória transitada em julgado, a prescrição se regula pela pena aplicada. É o caso dos autos. Assim dispõe o art. 110 do Código Penal: Artigo 110 A prescrição depois de transitar em julgado a sentença condenatória regula-se pela pena aplicada e verifica-se nos prazos fixados no artigo anterior, os quais se aumentam de um terço, se o condenado é reincidente. § 1o A prescrição, depois da sentença condenatória com trânsito em julgado para a acusação ou depois de improvido seu recurso, regula-se pela pena aplicada, não podendo, em nenhuma hipótese, ter por termo inicial data anterior à da denúncia ou queixa". No caso concreto, a denúncia foi recebida em 20 de agosto de 2007. Por sua vez, a sentença foi prolatada em 26 de março de 2019, transitando em julgado para a acusação em 13 de maio do mesmo ano, isto é, mais de 8 anos depois de recebida a denúncia. Assim, em consonância ao disposto nos arts. 109, IV e 110, § 1º, do Código Penal, verifica-se a ocorrência da prescrição, tomando-se por base a pena fixada na sentença. A pena de multa, cominada cumulativamente, também está prescrita, com base no art. 114, II, do CP. III- DISPOSITIVO Diante do exposto, com supedâneo nos artigos 110, § 1º, 109, inciso IV, ambos do Código Penal, JULGO EXTINTA A PUNIBILIDADE EM FAVOR DO CONDENADO, AUDIR RODRIGUES DA SILVA, eis que operou-se a prescrição retroativa. Sem custas ou honorários. Publique-se, registre-se e intime-se, com os expedientes necessários. Intime-se pessoalmente o órgão do MP. Após o cumprimento das formalidades legais, arquive-se. SÃO MIGUEL DO TAPUIO, 14 de janeiro de 2021. ALEXANDRE ALBERTO

TEODORO DA SILVA Juiz (a) de Direito da Vara Única da Comarca de SÃO MIGUEL DO TAPUIO".

12.298. EDITAL - VARA ÚNICA DE SÃO MIGUEL DO TAPUIO 1627922

AVISO DE INTIMAÇÃO (Vara Única de SÃO MIGUEL DO TAPUIO)

Processo nº 0000150-23.2019.8.18.0071

Classe: Termo Circunstanciado

Autor:

Advogado (s):

Autor do fato: WEBERT SOARES ALVES

Advogado (s):

Página 126