Página 1063 da Caderno Judicial das Comarcas do Diário de Justiça do Estado do Mato Grosso (DJMT) de 28 de Abril de 2021

Por que esse conteúdo está aqui?
O Jusbrasil não cria, edita ou altera o conteúdo exibido. Replicamos somente informações que foram veiculadas pelos órgãos oficiais.Toda informação aqui divulgada é pública e pode ser encontrada, também, nos sites que publicam originalmente esses diários.

prejuízo ao direito defendido, caso a parte não obtenha, desde logo, a tutela pretendida, restar­se­á caracterizado o perigo de dano, o qual, além de ser identificado como grave, deve ser iminente e em sendo assim, a mera suspeita ou a eventual possibilidade de ocorrência de dano. Quanto ao tema em análise e respectivas peculiaridades, o art. 12 Lei n. 7.347/85, dispõe: “ Poderá o juiz conceder mandado liminar, com ou sem justificação prévia, em decisão sujeita a agravo. § 1º­ A requerimento de pessoa jurídica de direito público interessada, e para evitar grave lesão à ordem, à segurança e à economia pública (...). § 2º­ A multa cominada liminarmente só será exigível do réu após o trânsito em julgado da decisão favorável ao autor, mas será devida desde o dia que se houver configurado o descumprimento.” In casu, o pedido liminar assenta­se no alegado dano ambiental. Acerca do meio ambiente ecologicamente equilibrado, o legislador constituinte estabeleceu: “Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo, e essencial à sadia qualidade de vida, impondo­se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê­lo e preservá­lo para as presentes e futuras gerações. (..) § 4º. A Floresta Amazônica brasileira, a Mata Atlântica, a Serra do Mar, o Pantanal Mato­Grossense e a Zona Costeira são patrimônio nacional, e sua utilização far­se­á, na forma da lei, dentro de condições que assegurem a preservação do meio ambiente, inclusive quanto ao uso dos recursos naturais.” Conclui­se, portanto, que as atividades utilizadoras de recursos ambientais e que, por tal razão, sejam potencial e efetivamente capazes de causar degradação ambiental, dependem de prévio licenciamento ambiental, a ser procedido pelo órgão estadual competente, nos termos do art. 10 da Lei n. 6.938/81. Embora a Constituição da República estabeleça o direito à propriedade como direito fundamental (art. 5º, XXII), a carta magna prevê a limitação ao direito de propriedade em determinadas áreas, nos termos do supratranscrito artigo 225, § 4º, razão pela qual, para o cumprimento de sua função social, deverão ser observadas certas restrições. Partindo­se dessa premissa, analisando a prova documental produzida à exordial, notadamente o Auto de Infração n. 9145079­E, lavrado pelo IBAMA, denota­se que, aparentemente, o réu teria desmatado ilegalmente 25,14 has de área objeto de especial preservação, entre 13 de março de 2019 e 18 de março de 2019 (ID. 54130545, fl. 15). Referido documento encontra­se lastreado pelo Relatório de Fiscalização e fotografias, os quais sugerem forte desmatamento da área (ID. 5413045, fls. 17/ss. e ID. 54130547, fls. 01/ss.) Portanto, em juízo de cognição sumária, há plausibilidade do direito invocado à exordial, razão pela qual, ante a relevância do bem jurídico tutelado, merece parcial acolhimento o pleito liminar, para a suspensão da atividade ilícita, inclusive com a aplicação de multa, em caso de descumprimento, bem como anotação premonitória às margens da matrícula. No que tange ao pedido de suspensão de incentivo e benefícios oficiais e indisponibilidade de bens, entendo que, nesta fase sumária, em razão da gravidade, constitui­se medida excepcional, somente justificável quando outras medidas alternativas não ocasionarem os efeitos esperados. Nesse sentido: “AGRAVO DE INSTRUMENTO – AÇÃO CIVIL PÚBLICA – DESMATAMENTO EM ÁREA DE RESERVA LEGAL SEM AUTORIZAÇÃO LEGAL E/OU LICENÇA DO ÓRGÃO AMBIENTAL COMPETENTE – DANO AMBIENTAL – ANTECIPAÇÃO DA TUTELA – PRESENÇA DOS REQUISITOS LEGAIS – SUSPENSÃO DAS ATIVIDADES E ELABORAÇÃO DE PLANO DE RECUPERAÇÃO DA ÁREA DEGRADADA –– DEVER DE REPARAR O DANO – PRINCÍPIO DA PREVENÇÃO – SUSPENSÃO DE LINHAS DE FINANCIAMENTOS E DE EVENTUAIS INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS CONCEDIDOS EM RELAÇÃO AO IMÓVEL OBJETO DE DEGRADAÇÃO AMBIENTAL – MEDIDA EXCESSIVAMENTE ONEROSA A SER APLICADA EM SEDE DE ANTECIPAÇÃO DE TUTELA, EM QUE AINDA NÃO HOUVE A FORMAÇÃO DO CONTRADITÓRIO – AFASTAMENTO – AVERBAÇÃO DA LIDE JUNTO À MATRÍCULA DO REGISTRO DE IMÓVEIS – NECESSIDADE DE ACAUTELAMENTO DE EVENTUAIS PREJUÍZOS À TERCEIROS – MANUTENÇÃO – RECURSO PARCIALMENTE PROVIDO. 1. Em regra os danos ambientais não conseguem esperar a prestação jurisdicional definitiva, eis que na maioria das vezes ou sucedem de maneira irreversível ou sua reparação ocorre de forma dificultosa e dispendiosa, causando um prejuízo a ser arcado por toda coletividade e, não raras vezes, por diversas gerações, certo é que não há margem para aguardar a prestação jurisdicional definitiva resultante do processo de cognição exauriente, sendo necessário o socorro à tutela de urgência, com vistas a salvaguardar o bem até a sentença meritória. 2. A medida de suspensão de qualquer incentivo fiscal e/ou financiamento oficial se demonstra, nessa fase sumária, excessivamente onerosa, especialmente por configurar nítida restrição de crédito, a obstar, inclusive, o desenvolvimento da atividade econômica do Agravante, em violação ao art. 170, inc. I, da CF/88, o que parece somente ser possível ­ face à gravidade da sanção ­ depois de assegurada ampla defesa e adequada instrução probatória. 3. A averbação da existência da lide junto à matrícula do imóvel é medida imperiosa para acautelar prejuízos que possam ser causados a terceiros, em virtude da eventual transmissão da propriedade e, em consequência, de obrigação de indenizar que ocasionalmente venha a ser atribuída ao réu nos presentes autos. (N.U 1007206­75.2017.8.11.0000, CÂMARAS ISOLADAS CÍVEIS DE DIREITO PÚBLICO, HELENA MARIA BEZERRA RAMOS, Primeira Câmara de Direito Público e Coletivo, Julgado em 22/02/2021, Publicado no DJE 25/02/2021) Diante do exposto, DEFIRO EM PARTE O PEDIDO LIMINAR formulado na inicial, determinando a imediata suspensão da atividade na área explorada ilegalmente, sob pena da aplicação de multa diária correspondente a R$ 1.000,00 (um mil reais), no caso de descumprimento, nos termos do art. 536 do CPC, limitada a R$ 100.000,00 (cem mil reais). Determino, que o requerido apresente à SEMA/MT, no prazo de 90 (noventa) dias o Plano de Recuperação de Área Degrada – PRAD, que atenda às diretrizes indicadas pelo órgão, com posterior execução do plano. Determino, ainda, a inscrição da presente demanda na referida matrícula, para conhecimento de terceiros. Oficie­se o Cartório de Registro Geral de Imóveis competente e o Instituto do Meio Ambiente em Juína/MT, da presente decisão. Após, cite­se o réu, para contestação no prazo legal. Em seguida, intime­se o autor, para réplica, em 15 dias. Depois, conclusos para sentença. Ciência ao Ministério Público. Cumpra ­se, expedindo o necessário. Brasnorte, datado e assinado digitalmente. DAIANE MARILYN VAZ Juíza de Direito

Decisão Classe: CNJ­50 PROCEDIMENTO COMUM CÍVEL

Processo Número: 1000375­60.2021.8.11.0100

Parte (s) Polo Ativo: VANILDA FERREIRA DAS NEVES (REQUERENTE)

MARCOS VINICIUS FORTE (REQUERENTE)

PATRICIA NEVES FORTE (REQUERENTE)

AIRTON FERREIRA FORTE (REQUERENTE)

P. N. F. (REQUERENTE)

Advogado (s) Polo Ativo: DANIELLA MAIA DUTRA OAB ­ MT18410/B (ADVOGADO (A))

Parte (s) Polo Passivo: SEGURADORA LIDER DO CONSÓRCIO DO SEGURO DPVAT SA (REQUERIDO)

Magistrado (s): DAIANE MARILYN VAZ

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO VARA ÚNICA DE BRASNORTE DECISÃO Processo: 1000375­60.2021.8.11.0100.

REQUERENTE: P. N. F., VANILDA FERREIRA DAS NEVES, AIRTON FERREIRA FORTE, MARCOS VINICIUS FORTE, PATRICIA NEVES FORTE REQUERIDO: SEGURADORA LIDER DO CONSÓRCIO DO SEGURO DPVAT SA Vistos. Trata­se de “Ação de Cobrança Seguro DPVAT ” proposta pela menor PRISCILA NEVES FORTE, ora 1ª autora; assistida pela genitora VANILDA FERREIRA DAS NEVES, ora 2ª autora; PATRICIA NEVES FORTE, ora 3ª autora; AIRTON FERREIRA FORTE, ora 4º autor, e; MARCOS VINICIUS FORTE, ora 4º autor, em face da SEGURADORA LÍDER DOS CONSÓRCIOS DO SEGURO DPVAT. Pois bem. Considerando a natureza desta demanda, bem como a qualificação dos autores, e ainda, os indícios de provas até então apresentados, os quais sugerem a impossibilidade de recolhimento de custas e despesas processuais, sem prejuízo do próprio sustento, merece acolhimento o pedido de assistência judiciária gratuita. Portanto, nos termos do art. 98 do Código de Processo Civil, DEFIRO a benesse, a qual poderá ser revista a posteriori, acaso sobrevenha situação nova nos autos. No mais, deixo de designar audiência preliminar de conciliação, nos termos do art. 334 do Código de Processo Civil, em virtude da ausência de instalação de CEJUSC na Comarca. Frisa­se que a participação do juiz em referida audiência é desaconselhável, por violar o princípio da confidencialidade. A confidencialidade “implica o sigilo de toda informação obtida pelo conciliador ou mediador ou ainda pelas partes, no curso da autocomposição, com exceção de prévia autorização das partes.” Ora, não há como garantir respeito a esse princípio se tanto esta magistrada, como sua assessoria estarão em contato direto com o julgamento de mérito da causa. A própria Lei é clara ao dizer que “a confidencialidade estende­se a todas as informações produzidas no curso do procedimento, cujo teor não poderá ser utilizado para fim diverso daquele previsto por expressa deliberação das partes.” Ainda em relação à assessoria, ou à possibilidade de se designar servidor exclusivamente para a função, tem­se que a Lei exige capacitação mínima por meio de curso realizado por entidade credenciada (art. 167, § 1º, CPC). Como não há servidor ou membro de assessoria capacitado, esta via resta inviabilizada. O art. 139, VI, Código de Processo Civil permite ao juiz flexibilizar o procedimento, adequando­o à causa e tornando o processo mais efetivo. Ademais, será assegurada possibilidade de realização de audiência de composição caso se mostre viável sua realização após defesa e réplica. Assim, constata­se que não há qualquer prejuízo na flexibilização aqui operada. Portanto, não há que se falar em nulidade (art. 282, § 1º, CPC), já que a medida de flexibilização é temporária e somente será mantida enquanto ausente estrutura apta à realização do procedimento completo trazido com a nova Lei. Assim, cite (m)­se a (s) parte (s) ré(s) para: a) No prazo de 15 (quinze dias) oferecer (em) defesa, sob pena de revelia, consoante previsão do art. 344 do Código de Processo Civil, ressalvadas as hipóteses do art. 345 do mesmo diploma; b) Apresentada contestação no prazo acima, intime­se a parte autora a impugná­la no prazo de quinze dias (arts. 350 e 351 do CPC). Na sequência, digam­se às partes a especificarem as provas que eventualmente pretendam produzir em audiência, justificando concretamente a pertinência de cada uma, sob pena de indeferimento, em 5 dias. Por fim, conceda­se vista ao Ministério Público local, em razão da existência de menor no polo ativo. Tudo cumprido, conclusos para saneamento e organização do processo, sem prejuízo de eventual julgamento antecipado da lide. Intimações e diligências necessárias. Brasnorte, datado e assinado pelo sistema. DAIANE MARILYN VAZ Juíza de Direito

Decisão Classe: CNJ­59 EMBARGOS DE TERCEIRO CÍVEL

Processo Número: 1000336­63.2021.8.11.0100

Parte (s) Polo Ativo: VIA FERTIL PRODUTOS AGROPECUARIOS LTDA (EMBARGANTE)

Advogado (s) Polo Ativo: LUIZ ORIONE NETO OAB ­ MT3606­O