Página 6036 do Superior Tribunal de Justiça (STJ) de 7 de Maio de 2021

Superior Tribunal de Justiça
há 2 meses
Por que esse conteúdo está aqui?
O Jusbrasil não cria, edita ou altera o conteúdo exibido. Replicamos somente informações que foram veiculadas pelos órgãos oficiais.Toda informação aqui divulgada é pública e pode ser encontrada, também, nos sites que publicam originalmente esses diários.

CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL. ILEGALIDADE INEXISTENTE. FORMA QUE ATENDE AO PRINCÍPIO DA EFETIVIDADE DA JURISDIÇÃO.

REDUÇÃO DA MULTA IMPOSTA AO LIMITE DO ARTIGO 77, § 5º, DO CPC, OU, PATAMAR RAZOÁVEL FIXADO PELA TERCEIRA SEÇÃO DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA. PENALIDADE IMPOSTA EM DECORRÊNCIA DO ATRASO DE 13 (TREZE) DIAS NA IMPLEMENTAÇÃO DA INTERCEPTAÇÃO E DA ENTREGA PARCIAL DOS DADOS REQUISITADOS JUDICIALMENTE. LIMITES ESTABELECIDOS PELO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA NA QUESTÃO DE ORDEM EM INQUÉRITO N. 784/DF NÃO ULTRAPASSADOS.

SUBSTITUIÇÃO DO VALOR BLOQUEADO POR SEGURO GARANTIA ATÉ O TRÂNSITO EM JULGADO DA DECISÃO. AUSÊNCIA DE PREVISÃO LEGAL PARA APLICAÇÃO DO SEGURO NA ESFERA DO PROCESSO PENAL. AFETAÇÃO DA CAPACIDADE ECONÔMICA E PREJUÍZO ÀS ATIVIDADES EMPRESARIAIS NÃO DEMONSTRADO, INCLUSIVE PELA INTERPOSIÇÃO DO MANDAMUS NO ÚLTIMO DIA DO PRAZO DO ART. 23 DA LEI N. 12.016/2009.

MANDAMUS CONHECIDO E DENEGADO.

AGRAVO INTERNO PREJUDICADO PELO JULGAMENTO DO MÉRITO."

Daí o presente recurso ordinário, no qual, em resumo, o recorrente repisa os argumentos lançados em sua inicial do mandado de segurança.

Sustenta que não poderia ter sido imposta multa à recorrente, pois"não há disposição legal ou acordo entre Facebook Brasil e WhatsApp que permita criar relação de solidariedade, não podendo o v. acórdão manter multa imposta ao Recorrente, que foi penalizado sem que sequer fosse ouvido, como se houvera responsabilidade sua pelo cumprimento das decisões do MM. Juízo a quo (e pelo pagamento de valores), eis que, como já demonstrado, seu cumprimento caberia apenas ao WhatsApp LLC"(fl. 456).

A respeito da aplicação do instituto das astreintes no caso concreto, afirma que"o que se defende no presente Recurso Ordinário é que sequer seria possível importar qualquer dessas sanções ao âmbito penal sob o fundamento do poder geral de cautela, ainda mais em relação a terceiros estranhos ao feito, em razão do princípio da legalidade. Contudo, caso se entenda que seria possível manter a sanção fixada pelo MM. Juízo a quo, deveria o v. Acórdão ter observado as próprias limitações de natureza e valor traçadas pela lei" (fl. 458).