Página 4632 da Suplemento - Seção III do Diário de Justiça do Estado de Goiás (DJGO) de 30 de Julho de 2021

Por que esse conteúdo está aqui?
O Jusbrasil não cria, edita ou altera o conteúdo exibido. Replicamos somente informações que foram veiculadas pelos órgãos oficiais.Toda informação aqui divulgada é pública e pode ser encontrada, também, nos sites que publicam originalmente esses diários.

Comarca de Aparecida de Goiânia

Juizado de Violência Doméstica e Familiar

Gabinete da Juíza Jordana Brandão Alvarenga Pinheiro Lima

juizadovdfmaparecida@tjgo.jus.br

Narrou que, após o acusado se recusar a retirar o automóvel, tomou as chaves das mãos de Maurício, momento em que este lhe desferiu um empurrão.

Elucidou que, naquele instante, não chegou a cair no chão, mas tentou empreender fuga do local correndo para o lado externo da residência, ocasião em que também gritava por socorro.

Ao ser questionada acerca das lesões identificadas no laudo do exame de corpo de delito, a vítima afirmou que os hematomas identificados em sua mandíbula decorrem do momento em que o denunciado tentou tampar sua boca para que a ofendida não gritasse, ao passo que as lesões no joelho e no cotovelo, salvo engano, foram provocadas na ocasião em que correu para o lado externo do imóvel.

O policial militar Wilkerson Ribeiro Macedo, ao ser inquirido durante a instrução processual, narrou que, embora não se recorde de detalhes dos fatos, uma vez que já se ultrapassou grande lapso temporal desde a data do ocorrido, é possível reconhecer o acusado como sendo o autor da violência doméstica noticiada naquela época (evento nº 29).

Durante seu depoimento, a testemunha salientou que não se recorda de ter visto lesões aparentes na vítima, mas se lembra que esta afirmou que teria sido agredida por seu companheiro.

De outro norte, a testemunha policial Gladson da Cruz Vieira afirmou que não se recorda dos fatos narrados na presente ação penal, ressalvando que já decorreu grande lapso temporal desde o ocorrido, ao passo que, na atividade policial, é muito comum atender ocorrências envolvendo violência doméstica (evento nº 49).

O informante Douglas Oliveira Daher, filho do acusado, esclareceu que não presenciou os fatos, tendo chegado em sua residência no mesmo momento em que a viatura da Polícia Militar compareceu ao local, tendo seus genitores informado a ocorrência apenas uma discussão entre estes (evento nº 49).

Já o acusado, ao ser interrogado, descreveu que, na época dos fatos, o seu casamento já estava desgastado, o que motivou o seu pedido de divórcio ainda na quinta-feira daquela semana, mas que a relação entre estes não era conturbada e cheia de agressões, havendo apenas discussões que são comuns em qualquer relacionamento.