Página 7 da Empresarial do Diário Oficial do Estado de São Paulo (DOSP) de 17 de Setembro de 2021

Diário Oficial do Estado de São Paulo
mês passado
Por que esse conteúdo está aqui?
O Jusbrasil não cria, edita ou altera o conteúdo exibido. Replicamos somente informações que foram veiculadas pelos órgãos oficiais.Toda informação aqui divulgada é pública e pode ser encontrada, também, nos sites que publicam originalmente esses diários.

Cimed Remédios S.A. - CNPJ/ME nº 16.619.378/0001-08 - NIRE 35.300.571.011

bens e direitos ser liquidadas e pagas na forma do § 7º abaixo. § 2º. Os demais acionistas da Companhia desde já

outorgam ao acionista que se separou, divorciou ou que teve sua união estável dissolvida, a opção de, em até 180

dias contados da conclusão da apuração de haveres, adquirir da Companhia ou subscrever, conforme o caso, o

mesmo número de ações da Companhia que foram recompradas ou liquidadas, por meio da assunção da obrigação de pagar à Companhia o mesmo montante que foi por ela pago a título de apuração de haveres ao ex-cônjuge ou ex-companheiro do acionista, sem juros ou correção monetária de qualquer natureza, na data em que for

quitada a última parcela do valor da apuração de haveres na forma do § 7º abaixo. § 3º. Em caso de falecimento de

acionista, os demais acionistas da Companhia conferem, exclusivamente aos descendentes do acionista falecido

que também figurem como herdeiros, observadas as disposições testamentárias deixadas pelo acionista falecido,

a opção de, em até 180 dias contados da conclusão da apuração de haveres, adquirir da Companhia ou subscrever, conforme o caso, o mesmo número de quotas da Companhia que foram recompradas ou liquidadas, por meio

da assunção da obrigação de pagar à Companhia o mesmo montante que foi por ela pago a título de apuração de

haveres ao cônjuge supérstite ou companheiro supérstite do acionista falecido, sem juros ou correção monetária

de qualquer natureza, na data em que for quitada a última parcela do valor de apuração de haveres na forma do §

7º abaixo. § 4º. Na hipótese de falecimento de qualquer acionista, os descendentes do acionista falecido que também figurem como herdeiros serão admitidos na Companhia, observadas as disposições testamentárias deixadas

pelo acionista falecido, caso aplicável, o que é desde já autorizado pelos acionistas remanescentes. A representação dos herdeiros perante a Companhia deverá observar eventual curatela especial e/ou regras previstas no testamento do acionista falecido, se aplicável e conforme existentes. Até que se ultime, no inventário judicial e/ou ex

trajudicial, a partilha dos bens deixados pelo de cujus, incumbirá à pessoa nomeada mediante testamento exercer a função de testamenteiro e inventariante. § 5º. Na hipótese de interdição ou invalidez permanente de acionista, as ações do acionista interditado e/ou acometido por invalidez permanente não serão liquidadas, observando-se, neste caso, as disposições legais aplicáveis à matéria e ainda, caso aplicável, a vontade manifestada por referido acionista por meio de diretivas antecipadas, mandato duradouro, testamento vital e/ou testamento. § 6º. Exceto se aprovado por acionistas representando maioria do capital social remanescente, não poderá atuar como administrador da Companhia o cônjuge ou companheiro de um dos acionistas que também seja seu inventariante ou curador. § 7º. Verificando-se a retirada de algum acionista ou, ainda, na hipótese do § 2º acima, o acionista retirante, o ex-cônjuge, ex-companheiro do acionista ou cônjuge supérstite/companheiro supérstite, conforme o caso, receberão o valor de suas quotas e demais haveres que possuírem apurado em balanço especial, preparado com base no critério de valor patrimonial contábil, e com data-base na data de retirada, separação, divórcio, dissolução de união estável ou falecimento do acionista (i.e., abertura da sucessão). O balanço especial deverá ser levantado em até 12 meses contados da data-base e o pagamento do valor das quotas será realizado em 60 prestações iguais e mensais, sendo que a primeira vencerá no 30º dia a contar da data da apuração dos haveres as demais nos mesmos dias dos meses subsequentes. Artigo 34º. A Companhia, seus acionistas, administradores e os membros do Conselho Fiscal obrigam-se a resolver, por meio de arbitragem, perante a [Câmara Arbitral], toda e qualquer disputa ou controvérsia que possa surgir entre eles, relacionada com ou oriunda, em especial, da aplicação, validade, eficácia, interpretação, violação e seus efeitos das disposições contidas na Lei das Sociedades por Acoes e neste Estatuto Social. Visto do Advogado: Silvia Maria Loffredo Miranda - OAB/SP nº 80.275.

Pátria Terras Agrícola III S.A.

CNPJ/ME nº 22.165.101/0001-55 - NIRE 35.300.522.281

Extrato da Ata da Assembleia Geral Extraordinária Realizada em 15 de Abril de 2021 Data, Hora, Local : 15.04.2021, às 09 horas, na sede social, Avenida Cidade Jardim, 803, 9º andar, Sala Y, São Paulo/SP. Presença : totalidade do capital social. Mesa : Presidente: Dirceu Montani, Secretária: Maria Lucia Nanuzi Montani. Deliberações Aprovadas : 1. a alteração da denominação social para “ Montani Terras Agrícolas III S.A. ”. A alteração do caput do Artigo 1º do Estatuto Social. 2. a alteração do endereço para “Cidade de Luís Eduardo Magalhães/BA, na Avenida Tancredo Neves, 2.227, Quadra 36, Lote 13, Jardim Paraíso, CEP 47850-000”. A alteração do caput do Artigo 2º do Estatuto Social. 3. as renúncias, com efeitos imediatos, dos atuais membros do Conselho de Administração: Daniel Rizardi Sorrentino , RG 27.115.686-7 SSP/SP, CPF/ME 220.617.998-92, Presidente; Rafael Freitas de Aguiar , RG 11.106.095-0 IFP/RJ e CPF/ME 000.804.017-67, Vice-Presidente; e Antonio Fernando Checchia Wever , RG 12.147.128 SSP-SP e CPF/ME 086.579.608-42, Conselheiro sem designação específica, todos brasileiros e residentes em São Paulo/SP. 4. A extinção do Conselho de Administração da Companhia. A alteração Artigo 8º do Estatuto Social. Alterado o caput do Artigo 6º e o seu § 1º. Alterado caput do Artigo 10º. Alterado o § 1º do Artigo 11. Alterado os §§ 4º e 5º do Artigo 13. 5. Aprovar as renúncias, com efeitos imediatos, dos atuais membros da Diretoria: Fernanda Barreiros Rosalem , RG 25.699.604-0 SSP/SP, CPF/ME 171.764.048-60, Diretora Presidente; Vitor Delduque , RG 65.946.108-0 SSP-SP, CPF/ME 120.245.827-02, Diretor Vice-Presidente; e Rafael Freitas de Aguiar , RG 11.106.095-0 IFP/RJ e CPF/ME 000.804.017-67, Diretor Financeiro, todos brasileiros e residentes em São Paulo/SP. 6. Alterar a estrutura da Diretoria, que passará a ser composta por, no mínimo, 02 diretores, com mandato unificado de 02 anos, sendo permitida a reeleição. Alterado o caput do Artigo 9º do Estatuto Social. 7. Eleger, nesta data, para compor a Diretoria, ambos para um mandato unificado com duração até 15.04.2023 : Dirceu Montani , RG 21.873.398-40 SSP/BA, CPF/ME 086.159.009-06, para Diretor Presidente; e Maria Lucia Nanuzi Montani , RG 12.948.901-82 SSP/BA, CPF/ME 737.244.169-20, para Diretora Vice-Presidente, ambos brasileiros e residentes em Luís Eduardo Magalhães/BA, tendo os Diretores ora eleitos tomado posse de seus cargos consoante a assinatura dos termos de posse, a serem lavrados no Livro de Registro de Atas das Reuniões da Diretoria da Companhia. Os membros da Diretoria ora eleitos declararam, para os devidos fins, não estar impedidos por lei, de exercer atividades mercantis. 8. a reforma do Estatuto Social. Encerramento: Nada mais. São Paulo, 15.04.2021. Acionista: Dirceu Montani. JUCESP 436.996/21-2 em 08.09.2021. Gisela Simiema Ceschin - Secretária Geral.

Estatuto Social Consolidado - Capítulo I – Nome, Sede Social, Objeto Social e Duração: Artigo 1º: A razão social da Companhia, constituída sob a forma de sociedade anônima de capital fechado e que será regida pelo disposto neste Estatuto Social e pelas disposições legais aplicáveis, é Montani Terras Agrícolas III S.A. Artigo 2º: A Companhia tem sede administrativa e foro legal na Cidade de Luís Eduardo Magalhães/BA, na Avenida Tancredo Neves, 2.227, Quadra 36, Lote 13, Jardim Paraíso, CEP 47850-000, e filial no Estado da Bahia, CNPJ/ME 22.165.101/0002-36, JUCEBA sob NIRE 29902000386, localizada na Fazenda Tupi V, Rodovia BR 020, Km 147, Glebas 15 e 16, Município de São Desidério, Distrito de Roda Velha, CEP 47820-000. § Único - A Companhia poderá manter filiais, escritórios, agências e representações, mediante deliberação da Assembleia Geral, observadas as exigências legais e estatutárias pertinentes à matéria. Artigo 3º: A Companhia tem por objeto social: (i) a participação no capital de quaisquer outras sociedades, empresárias ou não, ou fundos de investimento, na qualidade de sócia, acionista ou quotista, no Brasil e/ou no exterior; (ii) a administração de bens imóveis próprios; (iii) a compra e venda de imóveis próprios; (iv) a realização de atividades agrícolas relacionadas ao cultivo, colheita e comércio atacadista de soja, milho e algodão, seja diretamente ou através da contratação de terceiros operadores. § 1º: A filial da Companhia, CNPJ 22.165.101/0002-36, JUCEBA sob NIRE 29902000386, localizada na Fazenda Tupi V, Rodovia BR 020, KM 147, Glebas 15 e 16, Município de São Desidério, Distrito de Roda Velha, CEP 47820-000, desenvolve apenas as atividades agrícolas relacionadas ao cultivo, colheita e comércio atacadista de soja, milho e algodão, seja diretamente ou através da contratação de terceiros operadores. Artigo 4º: O prazo de duração da Companhia é indeterminado. Capítulo II – Capital Social: Artigo 5º: O capital social, totalmente subscrito e parcialmente integralizado, é de R$35.311.000,00, representado por 35.311.000 ações ordinárias, nominativas e sem valor nominal. § 1º: As ações poderão ser representadas por títulos múltiplos ou singulares, que serão assinados por dois diretores. § 2º: A cada ação ordinária corresponde um voto nas deliberações das Assembleias Gerais. § 3º: As ações preferenciais, se emitidas, não terão direito de voto e terão assegurada a prioridade no reembolso do capital, sem prêmio, em caso de liquidação da Companhia. § 4º: As ações da Companhia poderão ser conversíveis de uma espécie em outra, desde que mediante aprovação dos acionistas representando a totalidade do capital social. § 5º: O capital social poderá, por deliberação da Assembleia Geral, ser aumentado mediante a emissão de ações, sem guardar proporção com as espécies e/ou classes de ações já existentes, ou que possam vir a existir. § 6º: Nenhuma transferência de ações terá validade ou eficácia perante a Companhia ou quaisquer terceiros, nem será reconhecida nos livros de registro e de transferência de ações, se levada a efeito em violação ao acordo de acionistas arquivado na Companhia. § 7º: À Companhia é vedada a criação e emissão de partes beneficiárias. § 8º: Na hipótese de obtenção de registro de companhia aberta categoria A, a Companhia deverá aderir a segmento especial de bolsa de valores ou de entidade administradora de mercado de balcão organizado que assegure, no mínimo, práticas diferenciadas de governança corporativa previstas nos incisos I a IV do Artigo 8º da Instrução CVM 578, de 30.08.2016, conforme o Inciso V do Artigo 8º da Instrução CVM 578, de 30.08.2016. Capítulo III - Assembleia Geral: Artigo 6º: A Assembleia Geral reunir-se-á ordinariamente a cada ano, nos 4 primeiros meses seguintes ao término do exercício social e, extraordinariamente, quando os interesses sociais exigirem, mediante convocação na forma da lei. A Assembleia Geral será instalada e presidida pelo Presidente da Diretoria e, na sua ausência, pelo Vice-Presidente da Diretoria, cabendo ao Presidente da Assembleia Geral escolher o Secretário da Mesa. § 1º: A Assembleia Geral será convocada pelos Diretores, nos termos da lei, com no mínimo 8 dias de antecedência. Será dispensada a convocação se verificada a presença da totalidade dos acionistas na Assembleia Geral. § 2º: Compete ao Presidente e ao Secretário da Assembleia Geral zelar pelo cumprimento de acordos de acionistas arquivados na Companhia, negando cômputo a voto proferido com violação a tais acordos. Artigo 7º: As seguintes deliberações somente poderão ser tomadas em Assembleia Geral com o voto favorável de, no mínimo, acionistas titulares da maioria das ações ordinárias nominativas com direito a voto: (i) alteração em qualquer dos artigos do Estatuto Social; (ii) aumento ou redução do capital social; (iii) emissão, pela Companhia, de debêntures e bônus de subscrição; (iv) transformação, cisão, incorporação e fusão da Companhia; (v) deliberação para a liquidação ou dissolução da Companhia; (vi) fixação da remuneração dos administradores; (vii) destinação dos lucros e distribuição dos dividendos; (viii) pagamento de juros sobre o capital próprio; e (ix) criação de quaisquer reservas de capital, exceto as obrigatórias. Capítulo IV - Administração: Artigo 8º: A administração da Companhia compete à Diretoria. Artigo 9º: A Diretoria da Companhia será composta por, no mínimo, 02 Diretores, eleitos pela Assembleia Geral, sendo 1 Diretor Presidente e 1 Diretor Vice-Presidente. § 1º: Os diretores serão eleitos para mandato de 02 anos, podendo ser reeleitos. § 2º: Os membros da Diretoria não reeleitos permanecerão no exercício dos respectivos cargos até a posse dos novos diretores. § 3º - A Diretoria deve disponibilizar, contra solicitação dos acionistas, contratos com partes relacionadas, acordos de acionistas e programas de opções de aquisição de ações ou de outros títulos ou valores mobiliários de emissão da Companhia. Artigo 10º: A Diretoria é responsável pela administração dos negócios da Companhia, exercendo seus poderes de acordo com a lei, este Estatuto Social, as deliberações da Assembleia Geral. Artigo 11 - Quaisquer atos e documentos que importem em responsabilidade ou obrigação para a Companhia, tais como escrituras de qualquer natureza, cheques, notas promissórias, letras de câmbio, ordens de pagamento, títulos de dívida em geral, contratos, inclusive os de empréstimo, e quaisquer outros documentos não especificados, serão obrigatoriamente assinados (i) por 2 Diretores; (ii) por 1 Diretor em conjunto com 1 Procurador; ou (iii) por um único procurador, desde que mediante procuração outorgada com poderes específicos para o ato em questão, e com prazo de validade máximo de 60 dias. § 1º: A Assembleia Geral poderá deliberar sobre outras formas de representação da Companhia, em casos específicos. § 2º: As procurações em nome da Companhia serão outorgadas por 2 diretores. As procurações deverão especificar os poderes conferidos e, com exceção daquelas para fins judiciais, terão um período de validade limitado ao máximo de 1 ano. Capítulo V - Conselho Fiscal: Artigo 12 - O Conselho Fiscal, com as atribuições e poderes de lei, funcionará em caráter não permanente, e somente será instalado a pedido de acionistas, conforme o que faculta o artigo 161 da Lei 6.404/76, com as alterações introduzidas pela Lei 10.303/01, sendo composto por 3 membros. À Assembleia Geral que eleger o Conselho Fiscal caberá fixar a respectiva remuneração. Capítulo VI - Exercício Social, Balanços, Lucros e Dividendos. Artigo 13 - O exercício social terá início em 1º de janeiro e término em 31 de dezembro de cada ano. Ao fim de cada exercício social, proceder-se-á ao levantamento das demonstrações financeiras exigidas por lei, que serão devidamente auditadas por auditores independentes registrados na Comissão de Valores Mobiliários, conforme o Inciso VI do Artigo 8º da Instrução CVM 578, de 30.08.2016. § 1º: Do lucro líquido apurado no exercício, será deduzida a parcela de 5% para a constituição de reserva legal, que não excederá a 20% do capital social. § 2º: Os acionistas têm direito a um dividendo obrigatório correspondente a 1% do respectivo lucro líquido, ajustado de acordo com o Artigo 202 da Lei nº 6.404/76. § 3º: O saldo remanescente, após atendidas as disposições legais, terá a destinação determinada pela Assembleia Geral, que poderá, por proposta da administração: (i) deliberar reter parcela do lucro líquido prevista em orçamento de capital previamente aprovado, nos termos do Artigo 196 da Lei das S.A.; e (ii) destinar a totalidade ou parcela do lucro remanescente às reservas estatutárias previstas no presente Estatuto Social, nos termos do Artigo 194 da Lei das S.A. § 4º: A Diretoria poderá declarar e pagar, a qualquer tempo durante o exercício social, dividendos intermediários à conta de reservas de lucros e de lucros acumulados existentes nos exercícios sociais precedentes, que deverão ser imputados ao dividendo obrigatório referente àquele exercício. § 5º: Observados os requisitos e limites legais, a Diretoria poderá, ao final de cada mês, trimestre ou semestre, com base em balanço levantado para o período específico, declarar e pagar dividendos periódicos a partir dos resultados verificados no mês, trimestre ou semestre em questão, que deverão ser imputados ao dividendo obrigatório referente àquele exercício. Artigo 14 - Adicionalmente às reservas legalmente previstas, a Companhia terá as seguintes reservas de lucros: (i) Reserva para Investimentos, cujos recursos serão destinados à realização de investimentos relacionados ao objeto social da Companhia e à expansão de suas atividades, formada com recursos equivalentes a até 50% do lucro líquido da Companhia ajustado na forma do artigo 202 da Lei das S.A. O saldo da conta de Reserva para Investimentos não poderá ultrapassar 50% do capital social. (ii) Reserva de Capital de Giro, cujos recursos serão destinados a suprir as necessidades de capital operacional da Companhia, formada com recursos equivalentes a até 50% do lucro líquido da Companhia ajustado na forma do artigo 202 da Lei das S.A. O saldo da conta de Reserva de Capital de Giro não poderá ultrapassar 50% do capital social. (iii) Reserva de Lucros a Realizar, cujos recursos serão destinados para pagamento do dividendo obrigatório, nos termos do artigo 197 da Lei das S.A. Capítulo VII - Liquidação da Companhia: Artigo 15 - A Companhia entrará em liquidação nos casos previstos em Lei e neste Estatuto, cabendo à Assembleia Geral eleger o liquidante e o Conselho Fiscal que deverão funcionar nesse período, obedecidas as formalidades legais. Capítulo VIII - Disposições Gerais: Artigo 16 - A Companhia, seus acionistas, administradores e membros do Conselho Fiscal obrigam-se a resolver, por meio de arbitragem, perante o Centro de Arbitragem e Mediação da Câmara de Comércio Brasil-Canadá, toda e qualquer disputa ou controvérsia que possa surgir entre eles, relacionada com ou oriunda, em especial, da aplicação, validade, eficácia, interpretação, violação e seus efeitos, das disposições contidas na Lei das S/A, no estatuto social da Companhia, nas normas editadas pelo Conselho Monetário Nacional, pelo Banco Central do Brasil e pela CVM, bem como nas demais normas aplicáveis ao funcionamento do mercado de capitais em geral, por três árbitros, indicados de acordo com o Regulamento de tal Câmara. § Único - Sem prejuízo da validade desta cláusula arbitral, o requerimento de medidas de urgência pelas partes, antes de constituído o tribunal arbitral, deverá ser realizado perante o foro do Município de São Paulo/SP. Artigo 17 - Nos casos omissos aplicar-se-ão as disposições legais vigentes.

Innovative Water Care Indústria e Comér

Demonstrações Financeiras - Exercícios findos em 31 de dez

Balanço patrimonial 2020 2019

Ativo/Circulante 161.814 128.514

Caixa e equivalentes de caixa 49.669 4.787

Contas a receber de clientes 69.465 80.246

Estoques 30.207 38.768

Impostos a recuperar 10.452 3.215

Outros ativos 2.021 1.498

Não circulante 102.584 132.510

Partes relacionadas 34.406

Tributos diferidos 7.819 2.066

Impostos a recuperar 7.522 7.473

Depósitos judiciais 5.527 5.450

Imobilizado 70.166 69.754

Ativo de direito de uso 11.112 13.316

Intangível 438 45

Total do ativo 264.398 261.024

Passivo e patrimônio líquido/Circulante 60.532 67.156

Fornecedores 33.088 40.241

Fornecedores risco sacado 1.148

Impostos e contribuições a pagar 4.256 2.659

Salários, férias e encargos sociais 8.060 3.970

Outros passivos 9.893 16.670

Passivo de arrendamento 4.087 3.616

Não circulante 9.582 12.257

Provisões para processos judiciais 2.557 2.557

Passivo de arrendamento 7.025 9.700

Patrimônio líquido 194.284 181.611

Capital social 167.001 165.325

Reserva de capital 1.281 1.565

Lucros acumulados 26.002 14.721

Total do passivo e do patrimônio líquido 264.398 261.024

Diretoria

Gustavo Villaça Garcia de Figueiredo - Diretor - CPF 081.201.818-40

Contador

Adeilton César Bonfim

CRC 1SP245834/O-9

As Demonstrações Financeiras encontram-se à disposição na sede da

Companhia.

cio de Produtos Químicos Brasil Ltda. CNPJ nº 43.677.178/0001-84

embro de 2020 e 2019 (Em milhares de reais - R$),

Demonstração do resultado 2020 2019

Receita operacional líquida 237.040 228.479

Custo dos produtos e mercadorias vendidas (177.555) (188.928)

Lucro bruto 59.485 39.551

Despesas administrativas e gerais (14.908) (16.998)

Despesas de vendas (26.070) (25.913)

Despesas de Pesquisa & Desenvolvimento (542) (772)

Outras despesas operacionais, líquidas (185) (1.482)

Resultado de equivalência patrimonial 7.285

(41.705) (37.880)

Lucro operacional 17.780 1.671

Receitas financeiras 17.285 5.750

Despesas financeiras (19.124) (3.209)

Resultado financeiro, líquido (1.839) 2.541

Lucro antes do IR e CS 15.941 4.212

Imposto de renda e contribuição social:

Correntes (9.042) (250)

Diferidos 5.753 (105)

Lucro líquido do exercício 12.652 3.857

Quantidade de quotas ponderadas do capital social

no exercício 165.605 165.325

Lucro básico e diluído por quota do capital social - R$ 0,0764 0,0233

Reserva Ajustes

Demonstração das

de incen- acumu- Lucros

mutações do

Capital tivo lados de acumupatrimônio líquido

social fiscal conversão lados Total

Saldos em 31/12/2018 165.325 1.551 (653) 11.531 177.754

Constituição de reserva

de incentivo fiscal – 14 – (14) –

Ajuste de conversão

de moeda funcional – – 653 (653) –

Lucro líquido do exercício – – – 3.857 3.857

Saldos em 31/12/2019 165.325 1.565 – 14.721 181.611

Aumento de capital mediante

integralização de reserva 1.676 (1.676) – – –

Constituição de reserva de

incentivo fiscal (Nota 15) – 1.392 – (1.371) 21

Lucro líquido do exercício – – – 12.652 12.652

Saldos em 31/12/2020 167.001 1.281 – 26.002 194.284

exceto quando indicado de outra forma

Demonstração do fluxo de caixa 2020 2019

Lucro líquido do exercício 12.652 3.857

Ajustes para reconciliar o lucro líquido ao caixa gerado

pelas atividades operacionais:

Depreciações e amortizações 8.157 6.944

(Reversão) provisão para devedores duvidosos (110) 963 (Reversão) provisão para obsolescência em estoques (2.043) 4.285 Juros e variação cambial dos empréstimos 14.947 (3.463)

Valor residual de ativo imobilizado baixado 16 309

Tributos diferidos (5.753) 105

Resultado de equivalência patrimonial (7.285)

(Aumento) diminuição dos ativos: 27.866 5.715

Contas a receber de clientes 10.891 11.202

Estoques 10.603 118

Impostos a recuperar (7.286) (3.408)

Outros ativos (523) 2.778

Depósitos judiciais (77) (570)

Aumento (diminuição) dos passivos:

Fornecedores 4.201 5.448

Imposto de renda e contribuição social pagos (8.676) (442)

Impostos e contribuições a pagar 89 (1.720)

Salários, férias e encargos sociais 4.090 640

Outros passivos (6.777) 2.556

Caixa líquido gerado pelas atividades operacionais 34.401 22.317 Fluxos de caixa das atividades de investimentos

Empréstimos/mútuo (cedidos) recebidos 19.460 (11.168)

Adições de bens dos ativos imobilizado e intangível (5.206) (11.136) Caixa líquido gerado pelas (utilizado nas)

atividades de investimentos 14.254 (22.304)

Fluxos de caixa das atividades de financiamentos

Pagamento de passivos de arrendamento (3.773) (3.406)

Caixa líquido gerado pelas (utilizado nas) atividades

de financiamentos (3.773) (3.406)

Aumento (redução) líquida de caixa e

equivalentes de caixa 44.882 (3.393)

A variação do caixa e equivalentes de caixa é assim demonstrada:

No início do exercício 4.787 8.180

No fim do exercício 49.669 4.787

Aumento (redução) líquida de caixa e

equivalentes de caixa 44.882 (3.393)