Página 2674 da Caderno 2 - Entrância Final - Capital do Diário de Justiça do Estado da Bahia (DJBA) de 18 de Maio de 2022

Diário de Justiça do Estado da Bahia
mês passado
Por que esse conteúdo está aqui?
O Jusbrasil não cria, edita ou altera o conteúdo exibido. Replicamos somente informações que foram veiculadas pelos órgãos oficiais.Toda informação aqui divulgada é pública e pode ser encontrada, também, nos sites que publicam originalmente esses diários.

Processo: MANDADO DE SEGURANÇA CÍVEL n. 812XXXX-02.2021.8.05.0001 Órgão Julgador: 1ª V DE AUDITORIA MILITAR DE SALVADOR IMPETRANTE: THIAGO LIMA E SILVA Advogado (s): INGRID CARIBE BASTOS (OAB:BA61981), MARCOS LUIZ CARMELO BARROSO (OAB:BA16020), PEDRO SILVEIRA MUINOS JUNCAL registrado (a) civilmente como PEDRO SILVEIRA MUINOS JUNCAL (OAB:BA61840) IMPETRADO: ATO do SECRETÁRIO ESTADUAL DA ADMINISTRAÇÃO e outros Advogado (s):

SENTENÇA Vistos etc. THIAGO LIMA E SILVA, 1ª TEN PM, Mat. 30.486.304-7, neste autos qualificado, por intermédio de advogado legalmente constituído, impetrou o presente MANDADO DE SEGURANÇA com pedido de liminar, contra ato do ESTADO DA BAHIA, visando o arquivamento do PAD CORREG-PAD-6550- 2021-08-04 e outros consectários. Pugnou, também, pela concessão da assistência judiciária gratuita. Aduziu, em síntese, que atualmente é ocupante do posto de 1º Tenente e, apesar de ser a promoção direito de todo policial militar (art. 92, V, alínea j, da Lei 7.990/2001), o mesmo deixou de ser incluído na Lista de Acesso vigentes para o período de 02 de julho a 14 de novembro de 2021, por responder a processo administrativo disciplinar. Asseverou que, é possível verificar que o procedimento se destina a apurar condutas já averiguadas em sede de Inquérito Policial Militar, no qual, inclusive, se entendeu pelo não indiciamento dos investigados. Por fim, requereu: 1) seja liminarmente determinado o arquivamento do CORREG-PAD-6550- 2021-08-04 por ausência de justa causa ou, alternativamente que seja declarada a ilegalidade do ato que deixa de incluir o Impetrante na lista de acesso à promoção, vigentes para o período de 02 de julho a 14 de novembro de 2021; 2) seja ao final confirmada a liminar e determinado em definitivo o arquivamento do CORREG-PAD-6550- 2021-08-04 por ausência de justa causa ou, alternativamente que seja declarada a ilegalidade do ato que deixa de incluir o Impetrante na lista de acesso à promoção, vigentes para o período de 02 de julho a 14 de novembro de 2021; 3) a citação do ESTADO DA BAHIA. Procuração (id.154873266). Juntou outros documentos. Decisão Interlocutória (id. 15879513), concedendo em parte a liminar. Parecer do MINISTÉRIO PÚBLICO (id. 167924710) O ESTADO DA BAHIA, por intermédio de seu Procurador, interveio no feito informando (id. 181393586): 1) a ilegitimidade passiva do Secretário de Administração do ESTADO DA BAHIA; 2) a inexistência de direito líquido e certo do impetrante e a ausência de prova pré-constituída; 3) a impossibilidade de promoção de policial militar submetido a processo criminal; 4) a constitucionalidade da previsão contida no art. 130, IV, da lei nº 7990/01; 3) a improcedência do pedido de tutela provisória; 4) a denegação da segurança. O ESTADO DA BAHIA, requereu a juntada de cópia de petição da interposição do recurso de Agravo de Instrumento (id. 181402234). Parecer do MINISTÉRIO PÚBLICO (id. 182895183) pugnando pela denegação da ordem. Conclusos, vieram-me os autos para sentença. Examinados, decido. De início, destaca-se que o Impetrante figura como acusado no PAD Portaria n.º CORREG-PAD-6550- 2021-08-04, publicada no BGR n.º 026, de 16 AGO 21, conforme documentação de id.154873269 juntada a inicial. Em relação a matéria a Lei 7.990 de 2001- EPM ensina: Art. 130 - O Oficial e o Praça não poderá constar da Lista de Pré-qualificação, quando: (...) IV. Oficial e o Praça não poderá constar da Lista de Pré-qualificação, quando for denunciado ou pronunciado em processo crime, enquanto a sentença final não transitar em julgado. Impende salientar que, conforme previsão legal, as instâncias administrativa, civil e penal são independentes. Em consequência, um mesmo fato pode levar à instauração de mais de um processo, criminal ou administrativo, e à aplicação de sanções de naturezas diversas. Sobre o tema, o art. 50, da Lei Estadual nº. 7.990/2001, dispõe de forma expressa: Art. 50 - O policial militar responde civil, penal e administrativamente pelo exercício irregular de suas atribuições. (...) § 4º - As responsabilidades civil, penal e administrativa poderão cumular-se, sendo independentes entre si.” Nesta senda, apesar da argumentação de violação do princípio da presunção da inocência e inconstitucionalidade do sobredito impedimento previsto no Art. 130 IV, há de se pontuar a existência de entendimento jurisprudencial consolidado nas Cortes Superiores brasileiras em sentido contrário, senão vejamos: AgInt no RMS 63526 / GO AGRAVO INTERNO NO RECURSO EM MANDADO DE SEGURANÇA 2020/0112817-3 EMENTA

ADMINISTRATIVO. AGRAVO INTERNO EM RECURSO ORDINÁRIO EM MANDADO DE

SEGURANÇA. POLICIAL MILITAR QUE RESPONDE A PROCESSO-CRIME. PROMOÇÃO.

PRINCÍPIO DA LEGALIDADE. ALEGAÇÃO DE VIOLAÇÃO AO PRINCÍPIO DA