Página 31 do Diário Oficial do Estado do Tocantins (DOETO) de 30 de Junho de 2017

COMPANHIA BRASILEIRA DE AGROPECUÁRIA - COBRAPE

DEMONSTRAÇÕES DOS RESULTADOS

PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2016 E DE 2015

(Em milhares de reais, exceto quanto ao valor do prejuizo por quota)

2015 2015 RECEITA BRUTA DE VENDAS

. Receita líquida 16.673 18.734

. Variação do valor justo de ativos biologicos 1.201 573

. Custo dos produtos e seviços vendidos (15.319) (13.677)

Lucro Bruto 2.555 5.630

RECEITAS (DESPESAS) OPERACIONAIS

.Com vendas (692) (470)

.Gerais e Administrativa (3.531) (2.899)

.Honorarios dos administradores (751) (653)

.Outras receitas (despesas) operacionais liquidas (264) (276)

(5.238) (4.298)

RESULTADO LIQUIDO ANTES DO RESULTADO FINANCEIRO (2.683) 1.332 Resultado financeiro

Receitas financeiras (23) 186

Despesas Financeiras

(23) 186 Imposto de renda e contribuição social corrente

Imposto de renda e contribuição social diferido

Lucro liquido do exercicio (2.706) 1.518

Quantidade de ações do capital social 148.466.395 148.466.395

Lucro (prejuízo) por ação (em R$) (0,018) 0,010

Ricardo Abecassis Espirito Santo Silva José António da C. Neto

Diretor Diretor

Julio Dias dos Santos

CRC - T/TO - 191

CPF 233.616.461-20



COMPANHIA BRASILEIRA DE AGROPECUÁRIA - COBRAPEDEMONSTRAÇÕES DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDOPARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2016 E DE 2015(Em milhares de reais)             
    Reservade Capital   Reserva deLucros   RecursosDestinados aaumento decapital 
  CapitalSocial Incentivofiscal Reserva deReavaliação Incentivofiscal PrejuízosAcumulados PatrimonioIncentivo fiscal Liquido 
Saldos em 31 de dezembro de 2014 Aumento de capitalLucro liquido do exercicioConstituição de reserva 103.4223.113- 9.043- 2.078-54 (64.242)-1.518(54) 3.113 53.414(3.113) -1.518- - 
Saldos em 31 de dezembro de 2015 Recursos destinado a aumento decapitalLucro liquido do exercicioContituição de reseva 106.535- 9.043- 2.132- (62.778)(2.706)- - 54.932- (2.706)- - 
Saldos em 31 de dezembro de 2016 106.535 9.043 2.132 - (65.484) - 52.226 
Ricardo Abecassis Espirito Santo Silva Diretor    Júlio Dias dos Santos CRC - T/TO - 191 CPF 233.616.461-20     José António da C. Neto Diretor   

COMPANHIA BRASILEIRA DE AGROPECUÁRIA - COBRAPE

DEMONSTRAÇÕES DOS FLUXOS DE CAIXA

PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2016 E DE 2015

(Em milhares de reais)

2016 2015 Atividades operacionais

LUCRO (PREJUÍZO) DO EXERCÍCIO (2.706) 1.518

Ajustes para reconciliar o lucro antes dos impostos com os recursos

provenientes de atividades operacionais:

. Depreciação 851 994

. Variações monetarias e cambiais dos ativos e passivos , liquidas - -

. Juros sobre emprestimos e partes relacionadas 247 220

. Juros sobe parcelamento 14 14

. Resuldado na baixa de ativo imobilizado (303) 24

. Variação do valor justo do ativo biologico (1.201) (573)

(3.098) 2.197 Variação do Ativos e Passivos

. Contas a receber (1.123) -

. Aplicações financeiras - 71

. Estoques (147) (1.091)

. Ativos biologicos (1.157) (1.064)

. Bens em rpocesso de desapropriação - -

. Outros créditos 26 (145)

. Impostos a recuperar (45) (151)

. Contas a pagar 1.370 1.114

. Obrigações sociais, trabalhistas e tributarias 140 132

. Parcelamento de tributos (57) (169)

. Outras contas a pagar 13 24

(980) (1.279)

Fluxo de caixa das atividades operacionais (4.078) 918

Atividades de investimento

. Aquisição de imobilizado (535) (247)

Fluxo de caixa das atividades de investimento (535) (247)

Atividades de financiamento

. Pagamento de empréstimos e financiamentos (368) (351)

. Pagamento (amortização) de partes relacionadas (581) -

. Pagamento partes relacionadas - -

. Adiantamento para futuro aumento de capital - -

Fluxo de caixa das atividades de financiamentos (949) (351)

AUMENTO (REDUÇÃO) LÍQUIDO NO CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA (5.562) 320

CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA NO INÍCIO DO EXERCÍCIO 1.025 6.267

CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA NO FINAL DO EXERCÍCIO 6.587 6.587

AUMENTO (REDUÇÃO) LÍQUIDO NO CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA (5.562) 320

Ricardo Abecassis Espirito Santo Silva Jose Antonio da Costa Neto

Diretor Diretor

Júlio Dias dos Santos

CRC - T/TO - 191

CPF 233.616.461-20

CIA BRASILEIRA DE AGROPECUARIA - COBRAPENOTAS EXPLICATIVAS AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRASEM 31 DE DEZEMBRO DE 2016 E 31 DE DEZEMBRO DE 2015(Em milhares de reais) 01 - CONTEXTO OPERACIONAL A Companhia Brasileira de Agropecuaria -Cobrape é uma sociedade anônima de capital fechado e tem como objeto social a agrícola destinada à produção de alimentos, exploração de pecuaria, exploração florestal, beneficiamento, industri lização de sua produção, e importação e exportação de bens ou produtos para sua atividade ou delas decorrentes. 02 - RESUMOS DAS PRINCIPAIS PRATICAS CONTABEIS As demonstrações finacneiras foram elaboradas e estão sendo apresentadas de acordo com as práticas contábeis adotada que compreendem as normas da Comissão de Valores Mobiliarios(CVM) e os Pronunciamentos Contábeis - CPC . As estimati beis envolvidas na preparação das demonstrações Itens significativos sujeitos a essas estimativas e premissas incluem das úteis do ativo imobilizado e de sua recuperabilidade nas operações, avaliação dos ativos financeiros pelo valor j de crédito para determinação da provisão para devedores duvidosos, assim como a análise dos demais riscos para determ tras provisões, inclusive para contigencias. A liquidação das transações envolvendo essas estimativas poderá resultar ficativamente divergentes dos registros nas demonstrações financeiras devido ao tratamento probabilístico inerente timativa. a - Estoques Os estoques de sementes, adubos, fertilizantes, defensivos agricolas , combustiveis, lubrificantes, almoxarifado e m considerados como insumos, foram avaliados pelo custo médio de aquisição. Os estoques de produtos agricolas são men seu valor justo quando atingem o ponto de colheta, tambem denominado "pré-colheita". Ate essa data os custos incorr derados a melhor e mais confiavel base para a determinação do valor justo do ativo biológico.  exploraçãoalização e comercias no Brasil,vas contá a seleção de viusto, analise de riscoinação de ou em valores signiao processo de esateriasi diversos ,surados aoidos são consi-   
b - Ativos biológicos A avaliação dos ativos biológicos é feita anualmente pela Companhia, sendo que o ganho ou perda da variação do valor biológicos são reconhecidos no resultado no periodo em que ocorrem, em linha especifica da demonstração do resultado. ológicos, oriundos das atividades agricolas e eucalipto, são mensurados ao valor justo, deduzidos dos custos estimado momento em que atingem o ponto de colheita. Ate esta data o custo incorrido formação das safras é considerado como se to do ativo biologico. justo dos ativos Os ativos bis de venda nondo o valor jus   
c - Imobilizado Conforme 0 CPC 29 - "Ativo Biologico e Produto Agrícola", os ativos biologicos e produtos agricolas são mensurados ao da final de período e no momento da colheita, respectivamente. O ganho ou perda na vairação do valor justo dos ativo reconhecidos no resultado noperiodo em que ocorrem, em linha especifica da demonstração do resultado. Os ativos biolo panhia são representados pela cultura em andamento do arroz, pés de eucalipto, gado comercial e gado puro de origem. gicos, oriundos das atividades agrícolas e eucalipto, são mensurados ao valor jsuto, deduzidos dos custos estimados d mento em que atingem o ponto de colheita. Até esta data, o custo incorrido formação das safras é considerado como sen do ativo biológico. Os ativos biológicos, compostos pelos animais vivos são mensurado ao valor justo a partir do mome até o momento davenda. d - Apuração do resultado do exercicio O resultado do exercicio, apurado pelo regime de competencia, inclui o efeito líquido dos rendimentos, encargos e de acordo com as cláusulas contratuais, incidentes sobre ativos e passivos, bem como, quando aplicavel, os efeito ativos para os seus valores de realização. A receita compreende o valor original da venda de produtos. E é reconhe signigicativos e os benefícios de propriedade das mercadorias são transferidos para o comprador. Portanto, a mo política de reconhecimento de receita a data em queo produto é entregue ao comprador. 03 - CAPITAL O capital Social e representado por 104.479.788 ações ordinárias e 43.986.607 ações preferencias sem valor n 04 EVENTOS SUBSEQUENTES Fato relevante divulgado no dia 19 de abril de 2016, a Companhia informou sobre a comunicação recebida do seu acionista contrInvestment Holddig Brsil S,A., em relação à intenção de colocar à venda as ações da Companhia detidas pela Rioforte. Informoutores especializados estão conduzindo um processo paa busca de interessados na compra das ações de emissão da Companhia detidaRioforte.  valor justo a cas biologicos sãogicos da Com-Os ativos bioloe venda no modo o valor justonto do nascimentovariações monetáriass de ajustes de ativoscida quando os riscosCompanhia adota coominal.olador, Rioforteainda que consul- s pelo 
05 - COMPOSIÇÃO DO ESTOQUE Produtos Agrícolas(arroz casca e beneficadoSementes, adubos, fertilizantes, defensivossemem, 2016 2015R$ R$ 22 6321.386 730   
Almoxarifado 306 205 1.714 1.567   
06 - ATIVOS BIOLÓGICOS     
Gado ComercialCultura de ArrozCultura Eucalipto 3.665 2.99910.608 8.31628 28   
Gado Reprodutos 07 - NÃO CIRCULANTEIMOBILIZADO 6.940 7.480 21.241 18.823   
Terras 10.755 10.755   
Benfeitorias fundiarias Edificacoes e Construções 16.228 16.243 2.321 2.378   
Tratores, avioes agricolas, maq. e equipamentos Moveis e Utensilios, veiculos e outros 580 756829 866   
  30.713 30.998   
FORMOSO DO ARAGUAIA, 31 DE DEZEMBRO DE 2016 Ricardo Abecassis Espirito Santo Silva Jose Antonio da Costa Neto Diretor Diretor Júlio Dias dos SantosCRC - T / TO = 191CPF- 233.616.461-20   

RESoLuÇÃo Nº 28, dE 14 dE juNho dE 2017.

INSTITUI A CRIAÇÃO DO CARGO DE ASSESSORIA TÉCNICA DA PRESIDÊNCIA E DE ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO DO CRMV/TO

O PLENÁRIO DO CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DO ESTADO DO TOCANTINS - CRMV-TO, no uso das atribuições que lhe confere a Lei 5.517 de 23 de outubro de 1968 cumulado com o artigo 4º, alínea r da Resolução/CFMV Nº 591, de 26 de junho de 1992, combinado com o artigo 37, inciso II da Constituição Federal, e demais disposições legais,

Considerando o disposto no artigo 37, inciso II e V da Constituição Federal;

Considerando a autonomia administrativa e funcional dos Conselhos Regionais, previstas no artigo 10 da Lei nº 5.517, de 23 de outubro de 1968;

Considerando o inciso XVII do art. da CF/88;

Considerando o disposto no parágrafo § 4º do art. 59 e do art. 130-A, ambos da CLT;

Considerando os Acórdãos nº 65.999/2007 do TJ/MA e a AC com Revisão do TJ/SP nº 9181534-06.2009.8.26.0000 São Paulo;

Considerando o Acórdão da 8ª Turma do TST nº RR- 707/2013-079-15-40.8 e os precedentes nºs RR-4/2006-008-10-40; RR-2143/2004-075-15-00; RR-2437/2002-075-15-00; RR-1102/2005- 124-15-00; AIRR-81/2005-081-15-40; e RR-916/2003-111-15-00 ambos do Tribunal Superior do Trabalho;