Página 1688 da Judiciário do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região (TRT-18) de 22 de Agosto de 2017

Por que esse conteúdo está aqui?
O Jusbrasil não cria, edita ou altera o conteúdo exibido. Replicamos somente informações que foram veiculadas pelos órgãos oficiais.Toda informação aqui divulgada é pública e pode ser encontrada, também, nos sites que publicam originalmente esses diários.

No caso, restou incontroverso que o reclamante recebeu a parcela em epígrafe apenas nos dois primeiros meses do contrato de trabalho.

Ora, para um contrato cuja vigência foi superior a um ano - de 19.05.2014 a 07.06.2015 -, o recebimento da parcela prêmio produção por apenas dois meses demonstra o caráter eventual do pagamento, e configura a inabitualidade da aludida parcela, tornando indevida a sua integração ao salário do autor, dada a natureza indenizatória.

Por essa razão, indevida a integração dessa rubrica ao salário do autor.

Demais, ad argumentandum tantum, a reclamada justificou a supressão da parcela em razão da proibição legal advinda de lei.

Com efeito, a Lei nº 12.436/2011, que disciplina a vedação do emprego de práticas que estimulem o aumento de velocidade por motociclistas profissionais, prescreve em seu artigo , inciso I, o seguinte:

Art. 1º É vedado às empresas e pessoas físicas empregadoras ou tomadoras de serviços prestados por motociclistas estabelecer práticas que estimulem o aumento de velocidade, tais como:

I - oferecer prêmios por cumprimento de metas por números de entregas ou prestação de serviço;

Extrai-se do dispositivo legal que o seu objetivo é impedir que as empregadoras estimulem o trânsito das motocicletas com excesso de velocidade e, de alguma forma, aumentem os riscos inerentes às atividades profissionais dos motociclistas.

No caso, a prova oral, em especial o depoimento da testemunha Simone Silva Ramos, fl. 148, demonstrou que somente os entregadores (motoqueiros) que laboram na reclamada tiveram suprimidos o pagamento do prêmio por produtividade, o que comprova que a supressão se deu em razão de imposição legal, já que os demais empregados da reclamada continuaram a perceber o aludido prêmio.

Assim, data venia do entendimento do MM. Julgador sentenciante, não há falar em aplicação da norma mais benéfica - integração da rubrica ao salário do autor - quando a parcela foi paga de forma eventual, e porque há vedação legal ao recebimento de uma premiação pelo número de entregas. Isso porque a lei visa a garantir a incolumidade física do empregado, inibindo a prática de excesso de velocidade na direção de motocicleta, evitando-se acidentes.

A esses fundamentos, reformo a sentença para excluir da condenação o pagamento da parcela prêmio.

Dou provimento.