Página 4569 da Judiciário do Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região (TRT-15) de 25 de Janeiro de 2018

Por que esse conteúdo está aqui?
O Jusbrasil não cria, edita ou altera o conteúdo exibido. Replicamos somente informações que foram veiculadas pelos órgãos oficiais.Toda informação aqui divulgada é pública e pode ser encontrada, também, nos sites que publicam originalmente esses diários.

Conheço do recurso interposto, eis que estão presentes os pressupostos de admissibilidade.

Mérito

Recurso da parte

Por estar em consonância com o pensamento deste Magistrado, adoto, como razão de decidir, os fundamentos do parecer acostado aos autos, nos seguintes termos:

"A estabilidade provisória em decorrência de acidente do trabalho é prevista no art. 118 da Lei 8.213/91 e possui duração máxima de 12 (doze) meses a partir do término do auxílio-doença.

A súmula 378 do TST pacificou o entendimento no sentido de que é aplicável a referida estabilidade ao empregado submetido a contrato de trabalho por tempo determinado. Assim:

"ESTABILIDADE PROVISÓRIA. ACIDENTE DO TRABALHO. ART. 118 DA LEI Nº 8.213/1991. (inserido item III) - Res. 185/2012, DEJT divulgado em 25, 26 e 27.09.2012 I - E constitucional o artigo 118 da Lei nº 8.213/1991 que assegura o direito à estabilidade provisória por período de 12 meses após a cessação do auxílio-doença ao empregado acidentado. (ex-OJ nº 105 da SBDI-1 - inserida em 01.10.1997) II - São pressupostos para a concessão da estabilidade o afastamento superior a 15 dias e a conseqüente percepção do auxílio-doença acidentário, salvo se constatada, após a despedida, doença profissional que guarde relação de causalidade com a execução do contrato de emprego. (primeira parte - ex-OJ nº 230 da SBDI-1 - inserida em 20.06.2001) III - III - O empregado submetido a contrato de trabalho por tempo determinado goza da garantia provisória de emprego decorrente de acidente de trabalho prevista no n no art. 118 da Lei nº 8.213/91."

O acidente do trabalho é incontroverso, bem como o afastamento previdenciário. Por sua vez, o recorrente afirma que o contrato se deu nos moldes da Lei 6.019/74, contrato temporário, não podendo ser o mesmo comparado com o contrato por prazo determinando previsto no item III da súmula supramencionada.

Em que pesem as peculiaridades de cada uma das modalidades contratuais, o art. 118 do Plano de Benefícios da Previdência Social garante a estabilidade ao segurado que sofra acidente de trabalho, sem distinguir diferentes modalidades contratuais.

Por sua vez, o art. 12, I, b, da Lei Orgânica da Seguridade Social (Lei nº 8.212/93) estabelece ser segurado obrigatório da Previdência Social o empregado contratado por empresa de