Página 54 do Diário Oficial do Estado de Goiás (DOEGO) de 29 de Maio de 2018

Diário Oficial do Estado de Goiás
há 2 anos
Por que esse conteúdo está aqui?
O Jusbrasil não cria, edita ou altera o conteúdo exibido. Replicamos somente informações que foram veiculadas pelos órgãos oficiais.Toda informação aqui divulgada é pública e pode ser encontrada, também, nos sites que publicam originalmente esses diários.

�o geral, a ictio�auna do Estado � composta por� a) esp�cies de pe�ueno porte, caracter�sticas destes ambientes e por ve�es end�micas, tais como Oligosarcus spp, Astyanax eigenmaniorum, A. scabripinnis, Creagutus spp., Cyphocharax vandeeri, Moenkausia sanctaefilomenae, Cetopsorhamdia spp., Imparfinis spp., Nannorhamdia spp., Trichomycterus spp., dentre outros� b) indiv�duos �ovens de esp�cies de m�dio e grande porte, �ue �abitam a plan�cie de inundação e �ue durante a va�ante são lançados na cal�a do �io �rincipal e buscam transitoriamente abrigo e alimento nos segmentos in�eriores destes ambientes (e.g. Prochilodus lineatus, Pimelodus maculaus, Pseudoplatystoma corruscan) e, c) esp�cies de pe�ueno porte com ampla distribuição nas bacias pertencentes ao Estado.

�o longo de diversos pontos do �io �arana�ba e de seus tribut�rios, em especial a�ueles situados na margem direita e pertencentes ao Estado de �oi�s, pode�se observar a exist�ncia de �reas de inundação. Estas ampliam o espaço vital da ictio�auna, aumentam a disponibilidade de abrigo e alimento, elevam a produtividade do corpo d��gua e redu�em �atores denso�dependentes, como competição e predação das comunidades. �o per�odo de va�ante, �uando a l�mina de �gua se retrai, escoando para rios e canais, muitas esp�cies de peixes, particularmente as de maior porte, abandonam as �reas rasas, retornando a cal�a do rio ou con�inando�se em corpos de �gua permanentes.

�s esp�cies de peixes migradoras de longa dist�ncia invariavelmente são esp�cies de maior porte e apresentam algum valor comercial, tais como o Salminus brasiliensis (dourado), o Pseudoplatystoma corruscans (pintado), Brycon orbignyanus (piracan�uba), Zungaro jahu (�a�), Prochilodus lineatus (curimbat�), dentre outras. �utras esp�cies migradoras presentes na região em estudo são� Apareiodon affinis (canivete), Apareiodon ibitiensis (canivete), Astyanax bimaculatus (lambari), Astyanax fasciatus (lambari), Brachyplathystoma filamentosum (piraíba / filhote), Brycon nattereri (pirapitinga), Cyphocharax spp. (lambari), Galeocharax knerii (peixe cadela), Leporinus spp. (piau), Piaractus mesopotamicus (pacu � pacu caran�a), Pimelodus maculatus (bagre / mandi / chorão), Pseudopimelodus sp., Salminus hilarii (dourado branco), Serrapinnus heterodon (lambari � piabin�a), Serrapinnus piaba (lamabari / piabinha) e Steindachnerina insculpta (�ernete). Conv�m ressaltar �ue algumas esp�cies como Z. zungaro (�a�) e B. orbignyanus (piracam�uba) caracteri�am�se por sua depend�ncia de sistemas l�ticos �ntegros, notadamente devido a sua caracter�stica de reprodução, baseada em atividade de migração, assumindo�se �ue a interrupção das rotas migrat�rias dessas esp�cies, com �ragmentação dos ambientes naturais e substituição de ambientes l�ticos por l�nticos �, em grande parte, respons�vel pelo gradual desaparecimento das mesmas.

Con�orme a in�ormação do �epartamento de �reas �rotegidas do �inist�rio do �eio �mbiente, no Estado de �oi�s, entre as �reas �riorit�rias para a Conservação da �iodiversidade ��u�tica, destacam�se�

�s a�luentes da margem direita do rio �aran��

� �lto �ocantins, com os rios �aran�ão e das �lmas�

� curso m�dio do �raguaia.

��