Página 311 da Judicial - TRF do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2) de 25 de Junho de 2018

estabelecidos no § 4º do art. 20 do Diploma Processual que vigorava. De outra banda, trata-se de causa de complexidade baixa, cuja tese de defesa do executado pôde ser exposta em poucos e sucintos parágrafos, limitando-se a questionar os critérios de atualização do quantum debeatur definido no título exequendo.

4. Mostra mais condizente com a apreciação equitativa a que alude o art. 20, § 4º, do CPC/73 a fixação da verba honorária em 10% do valor atualizado da causa, que busca atentar para a nobreza do trabalho desenvolvido pelo causídico, sem desconsiderar a baixa complexidade do feito.

5. Recurso de apelação interposto pelo Município de São Gonçalo parcialmente provido.

A C Ó R D Ã O

Vistos e relatados os presentes autos em que são partes as acima indicadas, decide a Terceira Turma Especializada do Tribunal Regional Federal da 2ª Região, por unanimidade, dar parcial provimento ao recurso de apelação interposto pelo Município de São Gonçalo, na forma do Relatório e do Voto, que passam a integrar o presente julgado.

Rio de Janeiro, (data da sessão).

THEOPHILO ANTONIO MIGUEL FILHO

Desembargador Federal - Relator

Apelação Cível - Turma Espec. II - Tributário

Apelação - Recursos - Processo Cível e do Trabalho

6 - 0037545-18.2012.4.02.5101 Número antigo: 2012.51.01.037545-4 (PROCESSO ELETRÔNICO) Redistribuição Livre - 08/09/2017 16:06

Gabinete 07

Magistrado (a) THEOPHILO ANTONIO MIGUEL FILHO

APELANTE: SUSEP-SUPERINTENDENCIA DE SEGUROS PRIVADOS

PROCURADOR: PROCURADOR FEDERAL

APELADO: ABSOLUTA SEGUROS S.A. - EM LIQUIDACAO EXTRAJUDICIAL

ADVOGADO: RJ150624 - ALINE MONTEIRO DE CASTRO CAPOBIANGO

Originário: 0037545-18.2012.4.02.5101 - 07ª Vara Federal de Execução Fiscal do Rio de Janeiro

E M E N T A

TRIBUTÁRIO. EMBARGOS À EXECUÇÃO FISCAL. COBRANÇA DE MULTA MORATÓRIA. FALÊNCIA DECRETADA APÓS A ENTRADA EM VIGOR DA LEI Nº 11.101/2005. INCLUSÃO DO CRÉDITO. POSSIBILIDADE.

1. Cuida-se de recurso de apelação contra sentença que julgou parcialmente procedentes embargos à execução fiscal, tão somente para determinar a exclusão da multa de 20%, aplicada com base na Lei nº 7.944/89.

2. A decretação da quebra da sociedade ocorreu no dia 05/03/2010, com fundamento nos art. 97, I, 105 e 107, todos da Lei nº 11.101/2005. Dessarte, ainda que a multa moratória constitua, deveras, pena administrativa, são inaplicáveis, in casu, os Enunciados 192 e 565 da Súmula do STF. Tais orientações encontravam respaldo na antiga Lei de Falencias, notadamente no seu art. 23, parágrafo único, III. Entretanto, para as falências decretadas após a entrada em vigor da Lei nº 11.101/2005, tornou-se possível a cobrança de multa moratória de natureza tributária, porquanto a aludida norma inovou e previu, em seu art. 83, VII, a habilitação do referido crédito na falência. Asseverada a existência de precedentes desta Corte no mesmo sentido.

3. Recurso de apelação interposto por Superintendência de Seguros Privados ¿ SUSEP provido.

A C Ó R D Ã O

Vistos e relatados os presentes autos em que são partes as acima indicadas, decide a Terceira Turma Especializada do Tribunal Regional Federal da 2ª Região, por unanimidade, dar provimento ao recurso de apelação interposto por Superintendência de Seguros Privados ¿ SUSEP, na forma do Relatório e do Voto, que passam a integrar o presente julgado.

Rio de Janeiro, (data da sessão).

THEOPHILO ANTONIO MIGUEL FILHO

Desembargador Federal - Relator

Apelaç ão Cível - Turma Espec . II - Tributário