Página 4 da Empresarial do Diário Oficial do Estado de São Paulo (DOSP) de 25 de Dezembro de 2010

Por que esse conteúdo está aqui?
O Jusbrasil não cria, edita ou altera o conteúdo exibido. Replicamos somente informações que foram veiculadas pelos órgãos oficiais.Toda informação aqui divulgada é pública e pode ser encontrada, também, nos sites que publicam originalmente esses diários.

Global Web Outsourcing do Brasil SA

CNPJ/MF em Constituição

Ata da Assembléia Geral de Constituição realizada em 28 de abril de 2010 Data e horário: 28/04/2010 às 14 hs; Local: Calçada Antares, 241, sala 12, Centro de Apoio II, Alphaville, San-tana de Parnaíba-SP. Assembléia Geral para deliberação sobre a constituição da SA a ser denominada “ Global Web Outsourcing do Brasil SA ”. Reúnem-se em primeira convocação todos os subscritores da totalidade das ações da Global Web Outsourcing do Brasil SA, abaixo qualificados: TBA Holding SA, inscrita no CNPJ/MF sob nº 03.985.274/0001-75 e na JUCESP sob o NIRE 353.003.3595-3, representada por sua Diretora Presidente Mariana Boner Leo Lacombe , portadora do RG nº 1.960.686 SSP-DF e do CPF nº 720.502.171-53, e por seu Diretor Paulo César Lopes Zeredo , portador do RG nº 619.657 SSP-DF e do CPF nº 040.971.838-69; Mariana Boner Leo Lacombe , acima qualificada. Mesa: Presidente: Mariana Boner Leo Lacombe; Secretário: Paulo César Lopes Zeredo . Ordem do Dia: a) Deliberar sobre a formação de uma SA; b) Deliberar sobre o teor do Estatuto Social da Cia. ora constituída; c) Deliberar sobre a eleição de Diretoria; Deliberações por unanimidade: a) Foi aprovada a constituição da SA sob a denominação de Global Web Outsourcing do Brasil SA ., que terá sede à Calçada Antares, 241, sala 12, Centro de Apoio II, Alphaville, Santana de Parnaíba-SP, com um capital inicial de R$ 1.000,00, dividido em 1.000 ações ordinárias nominativas no valor nominal de R$ 1,00. b) Os funda-dores procederam à subscrição da totalidade das ações representativas do capital social da Cia., de acordo com o Boletim de Subscrição anexo à presente Ata. O capital da Cia. será integralizado até 31/05/2010, da seguinte forma: A acionista TBA Holding SA, subscreve 999 ações ordinárias nominativas, no valor nominal individual de R$ 1,00; a acionista Mariana Boner Leo Lacombe subscreve 1 ação ordinária nominativa, no valor nominal indi-vidual de R$ 1,00. c) Cumpridos todos os requisitos preliminares da constituição da sociedade, foi submetido à apreciação dos Subscritores a redação do Estatuto Social, sendo aprovado por unanimidade. d) Foi, então, efe-tuada a eleição da Diretoria, sendo eleitos para ocupar os cargos de: Diretora Presidente, Sra. Mariana Boner Leo Lacombe , acima qualificada; e Diretores Vice-Presidentes, Sr. Paulo Cesar Lopes Zeredo , acima qualifi-cado, Sr. Fernando Antônio Fontes Rodrigues, portador do RG nº 690.881 SSP/DF e do CPF nº 305.306.521- 53, e o Sr Claudio Pecorari, portador do RG nº 4.157.916 SSP/ SP e do CPF nº 301.712.618-87. O prazo de mandato dos Diretores será de 01 ano. Os membros da Diretoria ora eleitos declaram sob as penas da lei que não estão impedidos por lei de exercerem a administração de sociedades mercantis. A remuneração global anual dos membros da Diretoria será fixada oportunamente em Assembléia Geral. Encerramento: Nada mais havendo a tratar, foi encerrada a Assembléia, sendo lavrada a presente Ata. Acionistas: TBA Holding S./A, p. Paulo Cesar Lopes Zeredo, e, Mariana Boner Leo Lacombe; Mariana Boner Leo Lacombe. Santana de Parnaíba-SP, 28/04/2010. Mesa: (ass.) Mariana Boner Leo Lacombe – Presidente; Paulo Cesar Lopes Zeredo – Secretário. Estatuto SocialCapítulo I. Da Denominação, Sede, Objeto e Duração. Art. 1º – A “ Global Web Outsourcing do Brasil SA” , é uma SA que se rege por este Estatuto Social e pelas disposições legais que lhe forem aplicá-veis. Art. 2º – A Sociedade terá por sede e foro jurídico na cidade de Santana Parnaíba-SP, na Calçada Antares, 241, sala 12, Centro de Apoio II, Alphaville, CEP 06541-065, podendo ainda abrir outras filiais, depósitos ou escritórios em qualquer ponto do território nacional, a critério da diretoria. Art. 3º – A Sociedade tem por objeto: Serviços de terceirização de tecnologia da informação, prestação de serviços de informática e processamento de dados, consultoria e assessoria técnica em informática e telecomuni cações, prestação de serviços de armaze-namento de dados e back-up. Art. 4º – A duração da Sociedade será por tempo indeterminado. Capítulo IIDo Capital e das Ações. Art. 5º – O Capital Social totalmente subscrito, a ser integralizado até o dia 31/05/2010, será de R$ 1.000,00, dividido em 1.000 ações ordinárias nominativas, com valor nominal de R$ 1,00 cada uma. § 1º: Cada uma das ações Ordinárias assegurará ao seu titular o direito a um voto nas deliberações das assem-bléias gerais. Art. 6º – As ações são escriturais, não sendo emitidos títulos simples ou múltiplos, a não ser a pedido e custo de acionistas, quando então, serão estes assinados por dois diretores. Art. 7º – As despesas com desdobramento ou agrupamento de ações correrão por conta dos acionistas solicitantes, quando aplicável. Capítulo IIIDa Assembléia Geral. Art. 8º – A Assembléia Geral reunir-se-á ordinariamente nos 4 primeiros meses seguintes ao término do exercício social, para deliberar as matérias estabelecidas na lei, reunindo-se ainda extraordinariamente sempre que os interesses sociais ou a lei assim exigirem. Art. 9º – As Assembléias serão presidi-das pelo Diretor Presidente e secretariadas por um terceiro, acionista ou não, por ele escolhido na oportunidade. Na ausência do Diretor presidente, serão as Assembléias presididas por um Diretor Vice-Presidente ou por qual-quer dos presentes que seja indicado por aclamação dos demais acionistas presentes. Capítulo IVDa Admi-nistração. Art. 10º – A Sociedade será administrada por uma Diretoria composta de 4 membros, acionistas ou não, residentes no País, eleitos e destituíveis pela Assembléia Geral, com um mandato de 01 ano, sendo permi-tida a reeleição. Art. 11º – Dentre os diretores um será designado Diretor Presidente e os demais Diretor Vice- Presidente. Art. 12º – Os diretores terão amplos poderes de administração, cabendo-lhes: a) representar a socie-dade em juízo ou fora dele; b) alienar, onerar, e adquirir bens móveis ou imóveis, assinando os contratos neces-sários, públicos ou particulares; c) contrair empréstimos em nome da sociedade, dando as garantias que se fizerem necessárias por mais específicas que sejam; d) sacar promissórias, aceitar letras de câmbio, firmar com-promissos, acordos e contratos, bem como todo e qualquer documentos que envolva responsabilidade social; e) movimentar contas bancárias através de todas as formas conhecidas, consagradas pelo uso ou pela legislação vigente; f) assinar duplicatas ou recibos e endossá-los quando necessário a favor de instituição de crédito para desconto ou simples cobrança; g) outorgar procurações em nome da sociedade, como poderes para a prática de atos privativos da Diretoria ou quaisquer outros necessários à consecução dos objetivos sociais; h) confessar dívidas, transigir, renunciar e desistir representar a sociedade perante repartições públicas e demais instituições de direito público; e, i) praticar, enfim, todo e qualquer ato, por mais especial que seja desde que relacionado aos interesses da sociedade. § 1º: As procurações serão sempre outorgadas pelo Diretor Presidente em conjunto com um Diretor Vice-Presidente, sendo que estabelecerão os poderes específicos do procurador e não terão prazo superior a 01 ano, excetuando-se as procurações outorgadas para fins judiciais, que poderão ter prazo indeterminado. § 2º: Todos os documentos que importem responsabilidade comercial, bancária, financeira ou patrimonial, para a Cia., com valores superiores a R$ 50.000,00, tais como escrituras de qualquer natureza, emis-são ou endosso de letras de câmbio, cheques, ordens de pagamento, notas promissórias, duplicatas ou quais-quer títulos de crédito, confissões de dívidas, concessão de avais e fianças, contratos de abertura de crédito, contratos em geral quaisquer outros documentos ou atos que importem responsabilidade ou obrigação para a Cia., ou que, total ou parcialmente, exonerem terceiros de suas obrigações para com a Cia. serão válidos com a assinatura: (a) Do Diretor Presidente em conjunto com qualquer Diretor Vice-Presidente, b) do Diretor Presidente em conjunto com um procurador investido de especiais e expressos poderes, constituído na forma do Art. 12, § único. Art. 13º – A sociedade se considerará obrigada pela assinatura em conjunto do Diretor (a) Presidente e um Diretor Vice-Presidente ou pelas assinaturas conjuntas de 1 procurador constituídos na forma do Art. 12, § único, juntamente com um Diretor. Art. 14º – Sem prejuízo do disposto no Art. 1, caberá especificamente ao Diretor Presidente: a) representar a sociedade, sempre que se fizer necessário, em juízo ou fora dele, ativa e passiva-mente, perante repartições públicas, entidades autárquicas e parestatais, sociedades de economia mista, quer sejam, uma e outras, federais, estaduais ou municipais; b) nomear mandatários com poderes “ad-negotia” e “ad- judicia”, c) convocar e presidir as reuniões da diretoria; e d) fazer cumprir o estatuto social, as disposições legais e as deliberações da diretoria e das Assembléias Gerais. Art. 15º – Na hipótese de vacância de cargo na Direto-ria, a Assembléia Geral será convocada, nos 30 dias subseqüentes, para preencher o cargo vago, sendo que, o substituto eleito exercerá o cargo pelo prazo remanescente do mandato do substituto. Art. 16º – Os Diretores serão investidos nos respectivos cargos mediante termo de posse lavrado no “Livro de Ata das Reuniões da Diretoria”, observadas as disposições legais aplicáveis, e dispensada a prestação de caução. Art. 17º – A remu-neração individual e/ou global dos membros da Diretoria será fixada anualmente em Assembléia Geral. Capítulo VDo Conselho Fiscal. Art. 18º – O Conselho Fiscal da sociedade, que não terá caráter permanente, somente será instalado quando por solicitação dos acionistas na forma da lei, e será integrado por 03 membros efetivos e igual número de suplentes, acionistas ou não, eleitos pela Assembléia Geral em que for requerido o seu funcio-namento. Capítulo VIDo Exercício Social, Lucros e sua Distribuição. Art. 19º – O exercício social tem inicio em 01 de janeiro e se encerrará em 31 de dezembro de cada ano. No fim de cada exercício serão elaboradas as demonstrações financeiras a sociedade de conformidade com a legislação vigente. Poderão ser levantados balanços periódicos e distribuídos dividendos provisórios na forma da lei. Art. 20º – Dos lucros apurados em cada exercício social, após efetuadas as demais amortizações necessárias serão deduzidos: a) 6% para a constituição da Reserva legal até atingir 20% do capital social; b) 25% sobre o lucro líquido para pagamento de dividendo mínimo obrigatório: e c) o saldo, se houver, terá a destinação que a Assembléia Geral lhe destinar. Capítulo VIIDas Disposições Gerais. Art. 21º – A Sociedade entrará em liquidação nos casos previstos em lei, que se processará de acordo com a deliberação da Assembléia Geral, competindo-lhe, também, eleger o liquidante e o Conselho Fiscal. Art. 22º – A Sociedade poderá transformar seu tipo societário pelo voto da totalidade dos acio-nistas do capital social, na forma da lei. Art. 23º – Toda e quaisquer controvérsias ou reclamações relacionada ao presente contrato social deverão ser resolvidas através do processo de arbitragem. Caso as partes não cheguem a um acordo na questão ora discutida, deverão então, submetê-la a apreciação dos árbitros indicados pela Câmara de Arbitragem Brasil e Canadá ou Câmara de Arbitragem do Novo Mercado da Bovespa, ambas situadas na capital do Estado de São Paulo, valendo a escolha da Câmara que representar o menor custo para a socie-dade, cujas regras serão aplicadas e a decisão deverá ser soberana e acatada pelas partes. Art. 24º – Para todas as questões oriundas deste Estatuto, que não puderem ser resolvidas pela arbitragem, fica desde já eleito o foro central da Capital do Estado de São Paulo, com exclusão de qualquer outro, por mais privilegiado que seja. Nada mais havendo a tratar, foi lavrada a presente ata, que foi por todos assinada. Santana de Parnaíba-SP, 28/04/2010. Mesa: (ass.) Mariana Boner Leo Lacombe – Presidente; Paulo Cesar Lopes Zeredo – Secretário. Junta Comercial do Estado de São Paulo. Certifico o registro sob o nº 35.3.00380665 em 21/06/2010. Kátia Regina Bueno de Godoy – Secretária Geral.

ORIENTAÇÕES PARA ENVIO DAS PUBLICAÇÕES

NO CADERNO EMPRESARIAL

As publicações encaminhadas ao Caderno Empresarial necessitam de alguns cuidados técnicos.

Veja abaixo algumas dicas para minimizar possíveis erros e garantir a qualidade e fidelidade de sua publicação.

ARQUIVOS NO FORMATO TXT

No arquivo TXT, enviar somente o texto a ser publicado, deixando de lado endereços, solicitações, autorizações, ou qualquer informação que não deva ser publicada.

Os títulos das matérias enviadas em TXT devem ter as Tags ((NG)) e ((CL)). Para destacar o título do arquivo, insira a tag ((NG)). Ao final do texto em destaque, insira a tag ((CL)). Veja o exemplo.

Comandos: Linha de texto com ((TITULO)) comandos de formatação ((CL)) automática

Resultado: Linha de texto com COMANDOS DE FORMATAÇÃO automática

As tabelas dentro do arquivo TXT devem estar identificadas pela tag ((TABELA)). Seu conteúdo deve estar em texto separado por tabulação.

IMPORTANTE: Os arquivos enviados fora do padrão acima não serão publicados.

www.imprensaoficial.com.br

SAC 0800 01234 01

sac@imprensaoficial.com.br