Página 43 da Seção 1 do Diário Oficial da União (DOU) de 2 de Setembro de 1943

Diário Oficial da União
há 76 anos

Silva Almeida, declarou instalada: a_ assembléia geral, pedindo aos

, : dirigiála. .Por aclamação,

acionistas indicassem o presidente_ para

foi .indicado o acionista Sr João-Cecilianor de Andrade ame, assupresidência, convida, para- secretariá-lo, o acionista Dr. 110-mindo a

rácio Gomes Leite do . Carvalho Júnior. Constituída a Mesa, ordenei" o Sr. presidente lasse O. secretário o anúncio de convocação, publi-Secção I — do 17,. 10 e 23 de agOsto Corcado no Diário Ofib —

iai

rente e no "Diário Carioca" de 17, _19 e 22 •também do mês fluente, do seguinte teor: "Comercial .do Carvão S. A.", —. Assembléia geral extraordinária — Primeira- convocação , — .São convidados os senhores acionistas a .se reiMirem em assembléia geral extraordinária; no dia 21 d,e agosto Corrente, às. 15 horas, na sede social, à. rua Senador Dantas 20, 14.° andar, salas 1.410 e 1.411; para eleição de um diretor, nos térmos do art. 8. 0, § - dos estatutos sociais. Rio de Janeiro, 16 de agosto de 1943. Manuel José da Silva Almeida, diretor"- A seguir, o presidente Mostrou ter a assembléia per objeto a eleiçao de um diretor, em virtude de estar vago o cargo ocupado pelo Sr. Erencisco José Teixeira Leite, demitindo-se irrevogávelmente das funções, com grande' pesar para 'todos os acionistas da "comercial de Carvão S. A.". Solicitava, asatnl,

que os Srs. acionia-s

Las se munissem de cédulas pára eleição do substituto, suspendendo a sessão. Reaberta a sessão e colhidos os votos, verificou-Se ter sido eleito, por unanimidade, o Sr. Miguel Gabizo de Faria, brasileiro, casado, agrónomo, domiciliado nesta . cidade; onde reside

• à avenida

Atlântica n. 956, 5.0- andar. Nada mais havendo a tratar, o Sr.- pre, silente suspendeu outra vez a sessão, afim de que losse lavrada esta no livro próprio e 'anilada por tèrmo, também no livro próprio, a posso do diretor, que se acha presente. Reaberta .a sessão, foi esta lida, aprovada e vai ser por todos assinada. — João Ceciliano de Andrade, presidente. Bordejo Gomes \Leite de Carvalho Júnior,

Mario ,

secretário. — J. Carvalho.-- José Benedito Martins Guiamrães. — Francisco José Teixeira Leite. — Manuel José da Silvo

— Miguel Gabizo dc Faria. — Henrique de 3Ioura Liberal:— Mario Barreto de Albuquerque Maranhão. — Gabriel M. Fernandes.

A presente é cópia autêntica da ata da •assembléia geral extraordinária lavrada no livro competente devidamente registado, fallias 5.

Rio de Janeiro, 24 de agosto de 1913. nomeio Gomes Le-ite

secretário.

etc Carvalho Junior,

(N. 10.751— 1-9-13 — Cr$ 106,10)

• COMPANHIA DE TERRAS E URBANISMO

DEPARTAMENTO NACIONAL DA INDÚSTRIA E coMtnem

Primeira. Secção

CERTIDÃO .

Em cumprimento ao despacho exarado DO requerimento de Companhia de Terras e Urbanismo, em 18 de agõsto de -1913, pelo senhor diretor fiaste Departamento, certifico que se acha devidametite arquivada nesta Repartição; sob o n. 19*.734, a ata da assembléia geral ordinária, realizada em 29 de abril de 1943, que aprovou as contas do exercício de 1942, elegeu os membros do Conselho riscai e fixou os scus honorários. Pagou de sêlo de arqnivamento a importância de Cr$ 20,20. Departamento Nacional da Indústria e Comércio, Primeira Secção. Selada com Cr$ 4,20.

Rio de Janeiro, 30 de agasto de 1913. — Carmen Cruz, auxiliar de escritório, ref. IX. Visto. — Pires Ferreira, diretor da Secção.

(N. 10.757 — 1-9-1943 — Cr$ 44,90)

COMPANHIA SALGÈMA, SODA CÁUSTICA E INDÚSTRIAS QUÍMICAS

DEPARTAMENTO NACIONAL DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO

CERTIDÃO

Em- cumprimento ao

despachd do diretor da Primeira Secção dèste . Departamento, exarado na petição protocolada no respectivo livro desta Repartição, em vinte e um de agaste de mil novecentos e quarenta' e três, sob o número dezoito mil e um: certifico que a Companhia Salgana, Soda Cáustica e Indústrias Químicas, tem devidamente' arquivados nesta . Repartição, sob o número dezenove mil seiscentos e noventa, por despacho de sete de agosto de mi/ novecentos e quarenta e três, os seguintes documentos: a) ata da assembléia geral extraordinária, realizada em quinze' de dezembro de mil novecentos e quarenta e 'um, que aprovou o aumento do capital social de Cr$ 1.000.000,00 (um milhão de cruzeiros) para Cr$ 50.000.000,00 (cinqiienta..milhões de cainhais); b) ata da assembléia geral extraordinária, realizada em vinte e um de outubro de, mil novecentos e quarenta e dois, que aprovou álterações estatutárias, em virtude da criação de um "Conselho Técnico e Consultivo" e elegeu seus membros e um fiscal; c) ata da assembléia -geral ordinária, realizada em trinta e um de março de mil novecentos e quarenta e três, que aprovou as contas do 'exercício de mil novecentos e -quarenta e dois, elegeu os. diretores técnicos e secretário e os' conselheiros fiscais e arbitrou os honorários dêstes; (1) ata •da assembléia geral extraordinária, realizada

.e quarenta e três,' que aprovou

em um de abril de,mil noveeentes . o

encerramento da subscrição ao capital em aumento dentro .do prazo de noventa .dias a .contar da .•-clata desta ..asselubléia Departamento. Nacional da..IndiSstria 0.Ceméreio, Primeira • SeCeãO; Selada com Cr$ 7,20. Rio, de Janeira),

1 de--- seter.nbro de 19431.. Carmen Cruz. ,Visto.. Taneredó l'aiéonCeloS. Pelo diretor da SecçãO.:: -• • •

(N. 10.750 Cr$ 87,70)

MADEIRENSE Do BRASIL S. A.

. .

(INDÚSTRIA E-EXPORTAÇÃO'

DE MADEIRAS)

ATA DA ASSEMBLÉIA '

GERAL- EXTRAORDINADIA REALIZADA

A 28 DE MÓI DR

1913

As

quinzehoras ao dia vinte e oito de agasto de mi/ novecentos

É

quarenta

e três, retinidos na sede 'social, h rua Mayrink Veiga dezessete a vinte e

um, primeiro andar, acionistas representando número legal, conforme livro de presença, o Sr. Antenor Mayfink Veiga„ Presidente da Sociedade, assume a presidência dos trabalhos, convidando os

Srs. Dr: Ed,gard 'Simões Correia e Belmiro -Gomes Ferreira para secretários. Declarou em seguida instalada a Assembléia, convocada por, anúncios publicados DO

Diário ()fida de vinte, vinte e mu e vinte

e

três e no "Jornal do Comércio" de vinte, vinte e um e .vinte e dois

do

corrente mês. Esclareceu então, que os objetivos da assembléia já se achavam determinados • nos referidos •anúncios e que sobre a mesa se 'encontravam os originais dá renúncia da Diretoria, da proposta dos .Srs. acionistas para a reforma dos estatutos, e

• do parecer do Conselho

Fiscal, sóbre a reforma dos referidos estatutos. É o seguinte o paracor do Conselho Fiscal: "O Conselho

• Fiscal da Madeirense do Brasil

S. A. '(Indústria e Exportação de Madeiras) tendo examinado a proposta dos acionistas para a reforma dos estatutos é de parecer que mesma deve . ser aprovada. Rio de Janeiro, vinte

. e' oito de agOsto de

mil •novecentos e quarenta e três. a) "Francisco Fernandes Abranches- Belmiro Gomes Ferreira — Agostinho Cardoso Guedes". O Sr. presidente da • assembléia comunica que vai mandar que o primeiro secretário leia a proposta para a referiria dos estatutos, avisando inc

(

os Srs. acionistas poderão diScutir cada artigo à medida que os mesmos sejam .lidos. O Sr. secretário 'procede então a, essa leitura, sendo Os artigos dos estatutos propostos,' submetidos uni a um a discussão. Terminada a .leitura, o Sr. presidente dá por encerrada a discussão para a reforma dos estatutos, que-são submetidos à votação e unanimemente aprovados em-todos 'os _seus farmos„ conforme transcrição a seguir: "Madeirense do Brasil S. A. (Indústria e Exportação de Madeiras) — Estatutos Título I Da 'organização, fins e

denominações. Artigo 1.° Sob a denominação de Madeirense do Brasil S.

A.

(Indústria e Exportação de Madeiras), fica constituída urna sociedade anonimeque se regerá pelos 'presentes' estatutos e pela legislação era vigor. Artigo 2.° A sociedade terá por objeto: o)

Industrializar

'Pinho do Paraná e outras madeiras principalmente caixaria para embalagens; b) exportação, de pinho e outras madeiras para

. o exterior e

interior; c) compra e venda de artigos eu produtos cerrelatos; realid)

zação de quaisquer :serviços previstos ou permitidos' na legislação referente ao item a; e) realização de operações de incorporação ou fusa° entre emprèsas que, por essa -forma, concorram para maior expansão do comércio e indústrias explorados pela sociedade, principalmente emprèsas de transportes, terrestres ou marítimos. Artigo 3.° A sociedade terá a sua sede DO Distrito Federal, para todos os efeitos jua rídices e legais, com Filial na Estação de Coronel Tibúrcio Cavalcante,:

• do Santa Catarina, podendo entretanto, Município de Caçador, Estado

serem criadas agéncias, filiais, sucursais ou escritórios no pais, quando a Diretoria assim julgar conveniente. Artigo 4.° A sociedade terá

duração de vinte anos, contados desta data, poderá sucessivamente

e

ser prorrogada, mediante deliberação da Assemblaia Geral. Titulo II

Do capital da sociedade — Artigo 5.° O capital social será de urra —

milhão e quinhentos mil cruzeiros (Cr$ 1.500,000,00) dividida ara mil e quinhentas ações de um mil cruzeiros cada uma. § 1.° o capital social já foi subscrito em dinheiro. § 2.° As ações serão: 40 aa (quarenta por cento) ao portador e 60 Çl.9 (sessenta por cento) 'convertidas em ações nominativas. Artigo 6.° As ações ou cautelas devem ser, assinadas por dois . diretores. Artigo 7.° As noes serão indivisíveis; não podendo a sociedade reconhecer 'mais de um proprietário em cada -ação. Titulo III — Dos acionistas — Artigo 8.° Os acionistas, .que serão os titulares das ações emitidas pela sociedade, têm os direitos

deveres previstos nestes estatutos e na legislação em vigor. Título IV

Da administração . e fiscalização — Artigo 9.° A' sociedade será adse ministrada pela Diretoria com assistência do Conselho Fiscal e de acórdo com as deliberações das assembléias de acionistas. — Secção

A assembléia

Primeira — Da assembléia de acionistas — Artigo 10.

geral de acionistas constitue-se e forma-se pela retinia° de acionistas,. nos termos e conformidade da legislação em vigor e o disposto nos

presentes estatutos. Artigo 11. As assembléias gerais serão ordinarias e extraordinárias. § 1,.° As assembléias gerais ordinárias se reanirão anualmente, até o último dia do primeiro trimestre de .cada ano.

N'êzes

As assembléias extraordinárias se retinirão todas as eri; § 2.0

que forem legal, e _regularmente convocadas. Artigo 12. As convocações das assembléias gerais serão feitas mediante anúncios publica

dos per três vêzes no órgão oficial da União e em outro jornal de

grande circulação com a antecedência mínima de 8 (oito) dias, para

de 5 (cinco) dias para as posteriores. Artia primeira convocação e,

go 13. Nas assembléias extraordinárias só poderão ser tomadas deliberações sare os assuntos que tenham motivado a.sua convocação.

um diretor,

Artigo 14.. As asesmbléias ,gerais .serão presididas por .

que convidara dois acionistas para fazerem parte da mesa, como seda assembléia geral,- ressalvacretaries. Artigo 15. As deliberações

. maioria absoluta

das as exceções previstas na lei, serão tomadas por

de votos correspondendo um Voto -a cada ação ordinária. Artigo 16.

votar nas assembléias gerais o marido pela mulher;

Serão admitidas a

mãe com pátrio . poder, pelos filhos mee' pai pelos filhos menores; g .

nores; o sócio pela firma social; os representantes das sociedades