Página 560 da Judicial I - TRF do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF-3) de 13 de Junho de 2019

Por que esse conteúdo está aqui?
O Jusbrasil não cria, edita ou altera o conteúdo exibido. Replicamos somente informações que foram veiculadas pelos órgãos oficiais.Toda informação aqui divulgada é pública e pode ser encontrada, também, nos sites que publicam originalmente esses diários.



RELATOR 


Desembargador Federal SOUZA RIBEIRO 

APELANTE 


IRACINO JOSE DA SILVA 

ADVOGADO 


SP084355 EDUARDO FELIX DE MENDONCA NETO 

APELADO(A) 


União Federal (FAZENDA NACIONAL) 

ADVOGADO 


SP000004 RAQUEL VIEIRA MENDES E LÍGIA SCAFF VIANNA 
  

SP000002 MARLY MILOCA DA CÂMARA GOUVEIA E AFONSO GRISI NETO 

No. ORIG. 


11.00.00061-1 A Vr JOSE BONIFACIO/SP 

EMENTA

EMBARGOS À EXECUÇÃO FISCAL - CÉDULA DE CRÉDITO RURAL - CERCEAMENTO DE DEFESA INOCORRIDO - PRORROGAÇÃO DA DÍVIDA NÃO PROVADA - IMPROCEDÊNCIA AOS EMBARGOS - IMPROVIMENTO À APELAÇÃO PRIVADA

Inicialmente, "é desnecessária a apresentação do demonstrativo de cálculo, emexecução fiscal, uma vez que a Lei n.º 6.830/80 dispõe, expressamente, sobre os requisitos essenciais para a instrução da petição inicial e não elenca o demonstrativo de débito entre eles. Inaplicável à espécie o art. 614, II, do CPC", matéria apreciada sob o rito dos Recursos Repetitivos, REsp 1138202/ES, Rel. Ministro Luiz Fux, Primeira Seção, julgado em 09/12/2009, DJe 01/02/2010.

Na prefacial, momento adequado para que todas as alegações e provas sejamlançadas, art. 16, § 2º, LEF, tímida e genericamente apontou o particular que o cálculo fazendário era "absurdo" e "indefinível", fls. 05, não trazendo uma conta sequer a apontar o que estaria errado.

A livre apreciação das provas e a convicção jurisdicional a respeito competemao Juízo, olvidando o polo privado de que "o destinatário da prova é o Juiz, cabendo a ele analisar a necessidade da sua produção ou não. Neste compasso, cumpre ao Julgador verificar a necessidade da produção da prova requerida pelas partes, indeferindo aquelas que se mostrareminúteis, desnecessárias ou mesmo protelatórias, rejeitando-se, por conseguinte, a tese de cerceamento de defesa", REsp 1108296/MG, Rel. Ministro Massami Uyeda, Terceira Turma, julgado em07/12/2010, DJe 03/02/2011.

Diante do cunho genérico da alegação de excesso, não se há de falar emcerceamento de defesa, conforme entendimento desta C. Segunda Turma :

De se destacar, ademais, que a LEF autoriza a substituição do título, art. , § 8º, portanto nulidade não há emreferido procedimento.

Por sua vez, "pacífico o entendimento do STJ, no sentido de que"Os créditos rurais originários de operações financeiras, alongadas ou renegociadas (cf. Lei n. 9.138/95), cedidos à União por força da Medida Provisória 2.196-3/2001, estão abarcados no conceito de Dívida Ativa da União para efeitos de execução fiscal - não importando a natureza pública ou privada dos créditos emsi"(REsp 1.123.539/RS, julgado pelo rito do art. 543C do CPC), AgRg no REsp 1044009/PR, Rel. Ministro Sérgio Kukina, Primeira Turma, julgado em08/04/2014, DJe 14/04/2014.

Não logra o polo embargante provar houve repactuação da dívida, comextensão do prazo para o ano 2008, não constando das matrículas carreadas tal informação, fls. 11/15.

Ausentes honorários recursais, por sentenciada a causa anteriormente ao NCPC, Súmula Administrativa n. 2º, STJ, EDcl no AgInt no REsp 1573573/RJ, Rel. Ministro Marco Aurélio Bellizze, Terceira Turma, julgado em 04/04/2017, DJe 08/05/2017.

Improvimento à apelação. Improcedência aos embargos.

ACÓRDÃO

Vistos e relatados estes autos emque são partes as acima indicadas, decide a Egrégia Segunda Turma do Tribunal Regional Federal da 3ª Região, por unanimidade, negar provimento à apelação, nos termos do relatório e voto que ficamfazendo parte integrante do presente julgado.

São Paulo, 04 de junho de 2019.

SILVA NETO

Juiz Federal Convocado

00007 APELAÇÃO CÍVEL Nº 0010107-92.2006.4.03.6105/SP

2006.61.05.010107-1/SP




RELATOR 


Desembargador Federal SOUZA RIBEIRO 

APELANTE 


Caixa Economica Federal - CEF 

ADVOGADO 


SP167555 LYA RACHEL BASSETTO VIEIRA e outro(a) 

APELADO(A) 


JOSE CARLOS ROGERIO 

ADVOGADO 


SP313113 MARIANA VITORIA NOGUEIRA CARVALHO BERALDI e outro(a) 

APELADO(A) 


EDVALDO RODRIGUES DE CARVALHO 

PARTE RÉ 


Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educacao FNDE 

ADVOGADO 


SP000FNDE HERMES ARRAIS ALENCAR 

No. ORIG. 


00101079220064036105 4 Vr CAMPINAS/SP 

EMENTA

Por símile ao vertente caso, conforme a Súmula 452, STJ, descabe ao Judiciário se imiscuir no interesse creditório.

Tomando por base o ano 2007 apontado pela r. sentença, não se extrai, aos autos, inércia exequente na perseguição do crédito executado, fls. 87, 119, 135, 138, 190, 232, 311, 407 e 419.

À espécie a recair o art. , Carta Política, assimnão prosperando, vênias todas, a interpretação sistêmica adotada pelo E. Juízo de Primeiro Grau, tendo-se emvista que o credor detémdireito de manter a ação emtrâmite, enquanto remanescer seu interesse, devendo ser aplicados os mecanismos previstos no ordenamento para suspensão e, a seu tempo e modo, se o caso, por exemplo, o reconhecimento de prescrição por paralisação, conforme dispõe o art. 921, CPC atual, antigo art. 791.

Presente aos autos depósito advindo de venda de veículo penhorado, fls. 402, reconhecendo a própria r. sentença existência de redução da dívida, fls. 484, o que direciona para apuratórios outros, não se excluindo hipotética quitação da obrigação, segundo o quadro então indicado, tudo a necessitar de dilações e continuidade da marcha executiva.

Provimento à apelação, volvendo o feito à Origem, emregular trâmite de processamento, na forma aqui estatuída.

ACÓRDÃO

Vistos e relatados estes autos emque são partes as acima indicadas, decide a Egrégia Segunda Turma do Tribunal Regional Federal da 3ª Região, por unanimidade, dar provimento à apelação, nos termos do relatório e voto que ficamfazendo parte integrante do presente julgado.

São Paulo, 04 de junho de 2019.

SILVA NETO

Juiz Federal Convocado

00008 APELAÇÃO CÍVEL Nº 0003174-69.2016.4.03.6100/SP

2016.61.00.003174-1/SP




RELATOR 


Desembargador Federal SOUZA RIBEIRO 

APELANTE 


MONTE CARLO INCORPORACOES E PARTICIPACOES LTDA 

ADVOGADO 


SP131928 ADRIANA RIBERTO BANDINI e outro(a) 

APELADO(A) 


União Federal 

PROCURADOR 


SP000019 LUIZ CARLOS DE FREITAS 

No. ORIG. 


00031746920164036100 19 Vr SÃO PAULO/SP 

EMENTA

AÇÃO DE MANDADO DE SEGURANÇA - LAUDÊMIO - RESPONSABILIDADE DA VENDEDORA INCORPORADORA, QUE NÃO PODE SE ARVORAR (SALVO DELEGAÇÃO EXPRESSA DO TITULAR DO INDÉBITO) SOBRE CRÉDITO DECORRENTE DE OPERAÇÃO ANTERIOR, CUJA RESTITUIÇÃO COMPETE A QUEM DE DIREITO - DENEGAÇÃO DA SEGURANÇA -IMPROVIMENTO À APELAÇÃO PRIVADA