Página 7 da Empresarial do Diário Oficial do Estado de São Paulo (DOSP) de 28 de Agosto de 2019

19. Despesas por natureza: Controladora Consolidado

Energia elétrica 2018 2017 2018 2017

comprada para revenda (1.616.182) (1.417.193) (1.616.182) (1.417.193) Serviços tomados (10.061) (13.814) (10.062) (13.814) Folha de pagamento (5.539) (11.090) (5.539) (11.090) Remuneração da administração (900) (800) (900) (800)

Viagens (518) – (518) –

Locações (597) (384) (597) (384)

Depreciação e amortização (463) (355) (463) (355)

Outros (5.278) (1.388) (5.302) (1.388)

(1.639.538) (1.445.024) (1.639.561) (1.445.024) Classificados como

Custo energia comprada (1.616.182) (1.417.193) (1.616.182) (1.417.193) Despesas gerais, comerciais

e administrativas (23.355) (27.831) (23.379) (27.832)

(1.639.538) (1.445.024) (1.638.582) (1.445.024) 20. Resultado financeiro líquido: Controladora Consolidado

2018 2017 2018 2017

Despesas financeiras (3.684) (3.429) (3.685) (3.436)

Fianças e garantias (627) (564) (627) (564)

Descontos concedidos – (418) – (418)

Juros passivos (750) (65) (750) (65)

Outras (2.307) (2.382) (2.309) (2.389)

Receitas financeiras 5.144 4.310 5.258 4.384

Rendimentos de aplicações financeiras 4.423 3.767 4.537 3.842

Controladora Consolidado

2018 2017 2018 2017

Juros ativos 66 499 66 500

Descontos obtidos 2–2–

Outras 653 43 653 43

Resultado financeiro líquido 1.460 881 1.573 948

21. Instrumentos financeiros: A Empresa realiza operações com instrumentos financeiros relacionados às suas atividades operacionais e está exposta a determinados riscos inerentes às suas operações. Tais instrumentos

financeiros referem-se principalmente a compra e venda de energia elétrica.

A política de controle consiste no acompanhamento permanente das condições contratadas versus condições vigentes no mercado para assegurar o

principal objetivo que é a adequada rentabilização do caixa da Empresa. A

Empresa não efetua aplicações de caráter especulativo, em derivativos ou

quaisquer outros ativos de risco. Os resultados obtidos com estas operações

estão condizentes com as políticas e estratégias definidas pela Administração da Empresa. A administração dos riscos associados a estas operações

é realizada através da aplicação de políticas e estratégias definidas pela Administração da empresa, sempre com o devido mapeamento das condições

de crédito das contrapartes com as quais a empresa opera. O planejamento

destes operações observa a previsão de fluxos de caixa futuros e o estabelecimento do comprometimento mínimo de caixa livre para fazer frente a todas as despesas diretas e indiretas adicionadas de uma provisão para eventos inesperados como indenizações, investimentos não previstos e aumentos salariais para retenção de talentos.

21.1 Risco de crédito: Decorre da possibilidade da Empresa sofrer perdas por inadimplência de suas contrapartes ou de instituições financeiras depositárias de recursos ou de investimentos financeiros. Para mitigar esses riscos, a Empresa adota como prática a análise da situação financeira e patrimonial de suas contrapartes, histórico de pontualidade de pagamentos e situação junto aos fiscos municipal, estadual e federal, bem como a eventual exigibilidade de garantias de suas contrapartes nas modalidades de carta de fiança, seguro garantia, caução e outras. Além disso, atua com a definição de limites de crédito e acompanhamento permanente das posições em aberto, e de concentração de risco de crédito com as contrapartes. No que tange às instituições financeiras, a Empresa somente realiza operações com instituições financeiras de baixo risco. 21.2 Risco de mercado: Está relacionado às flutuações de preços de mercado frente aos instrumentos financeiros de compra e venda de energia, podendo gerar perdas em posições de liquidação futura. Com o intuito de mitigar este risco a Companhia acompanha de forma ativa as movimentações de mercado destes preços, bem como desenvolve estudos fundamentalistas de precificação da energia futura com base em dados e ferramentas especificas para este fim. 21.3 Risco de liquidez: O risco de liquidez evidencia a capacidade da Empresa em liquidar as obrigações assumidas. Para determinar a capacidade financeira da Empresa em cumprir os compromissos assumidos, os fluxos de vencimentos dos recursos captados e de outras obrigações fazem parte das divulgações quando aplicável. A característica da operação, dos contratos, do modelo comercial e gestão da empresa privilegiam ampla sobra de caixa. Tal fato deixa a empresa livre de qualquer tipo de alavancagem ou mesmo necessidade de linhas de crédito. 21.4 Gestão de capital: A política da Administração é manter uma sólida base de capital para manter a confiança dos credores e mercado, e também manter o desenvolvimento do negócio. A Administração monitora os retornos sobre capital, o nível de dividendos para acionistas e procura manter um equilíbrio entre os mais altos retornos possíveis, considerando também as vantagens e a segurança proporcionada por uma posição de capital saudável. 22. Compromissos contratuais: 22.1 Compromissos contratuais: Em 31/12/2018 os compromissos por obrigações de compras e vendas de energia (que não figuram nas demonstrações contábeis), são apresentados por maturidade de vencimento,

como segue: 31/12/2018

Entre 1 a Entre 3 a

Total geral Até 1 ano 3 anos 5 anos Obrigações de compra R$731.637 R$449.943 R$279.681 R$2.013 Obrigações de venda R$974.724 R$557.857 R$403.176 R$13.691 Os compromissos contratuais referidos no quadro acima, refletem essencialmente acordos e compromissos necessários para o decurso normal da atividade operacional da Empresa.

Diretoria

Daniel Augusto Rossi - Presidente

Rafael Villano Mathias - Diretor Financeiro

Fábio Lages Comitre - Contador - CRC 1SP30888/O-1

em resposta a tais riscos, bem como obtemos evidência de auditoria apropriada e suficiente para fundamentar nossa opinião. O risco de não detecção de distorção relevante resultante de fraude é maior do que o proveniente de erro, já que a fraude pode envolver o ato de burlar os controles internos, conluio, falsificação, omissão ou representações falsas intencionais. • Obtemos entendimento dos controles internos relevantes para a auditoria para planejarmos procedimentos de auditoria apropriados às circunstâncias, mas, não, com o objetivo de expressarmos opinião sobre a eficácia dos controles internos da Empresa e suas controladas. • Avaliamos a adequação das políticas contábeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contábeis e respectivas divulgações feitas pela administração. • Concluímos sobre a adequação do uso, pela administração, da base contábil de continuidade operacional e, com base nas evidências de auditoria obtidas, se existe incerteza relevante em relação a eventos ou condições que possam levantar dúvida significativa em relação à capacidade de continuidade operacional da Empresa e suas controladas. Se concluirmos que existe incerteza relevante, devemos chamar atenção em nosso relatório de auditoria para as respectivas divulgações nas demonstrações contábeis individuais e consolidadas ou incluir modificação em nossa opinião, se as divulgações forem inadequadas. Nossas conclusões estão fundamentadas nas evidências de auditoria obtidas até a data de nosso relatório. Todavia, eventos ou condições futuras podem levar a Empresa e suas controladas a não mais se manterem em continuidade operacional. • Avaliamos a apresentação geral, a estrutura e o conteúdo das demonstrações contábeis, inclusive as divulgações e se as demonstrações contábeis individuais e consolidadas representam as correspondentes transações e os eventos de maneira compatível com o objetivo de apresentação adequada. • Obtemos evidência de auditoria apropriada e suficiente referente às informações contábeis das entidades ou atividades de negócio do grupo para expressar uma opinião sobre as demonstrações contábeis consolidadas. Somos responsáveis pela direção, supervisão e desempenho da auditoria do grupo e, consequentemente, pela opinião de auditoria. Comunicamo-nos com a administração a respeito, entre outros aspectos, do alcance planejado, da época da auditoria e das constatações significativas de auditoria, inclusive as eventuais deficiências significativas nos controles internos que identificamos durante nossos trabalhos. São Paulo, 28/06/2019. KPMG Auditores Independentes - CRC SP014428/O-6; Fernando Rodrigues Nascimento - Contador CRC 1SP244524/O-1; Fabian Junqueira Sousa -Contador CRC 1SP235639/O-0.

Concessionária Rodovias do Tietê S.A.

CNPJ/ME nº 10.678.505/0001-63 – NIRE 35.300.366.476

Edital de Convocação – Assembleia Geral de Debenturistas

Ficam convocados os senhores titulares das debêntures (“ Debenturistas ”) da 1ª Emissão de Debêntures Simples, Não Conversíveis em Ações, da Espécie com Garantia Real, em Série Única, para Distribuição Pública, da Concessionária Rodovias do Tietê S.A. (“ Companhia ” e “ Debêntures ”, respectivamente), cuja escritura foi celebrada em 14 de maio de 2013 entre a Companhia e a Pentágono S.A. Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários, na qualidade de agente fiduciário, representando a comunhão dos Debenturistas (“ Agente Fiduciário ”), conforme aditada (“ Escritura de Emissão ”), a reunirem-se em assembleia geral de Debenturistas, em segunda convocação, no dia 03 de setembro de 2019, às 10:00h (dez horas) (“ Assembleia Geral de Debenturistas ”), na sede da Companhia, localizada na Rodovia Comendador Mário Dedini, km 108+657, na Cidade de Salto, Estado de São Paulo. Os Debenturistas deverão deliberar sobre a seguinte ordem do dia (“ Ordem do Dia ”): (a) Aprovação de alteração dos quóruns estabelecidos na cláusula 7.13 da Escritura de Emissão e, em caso de aprovação, autorização para que a Companhia e o Agente Fiduciário celebrem o aditamento à Escritura de Emissão em razão de tal alteração; (b) Análise, discussão e aprovação da nova proposta para a reestruturação das Debêntures apresentada pela Companhia e autorização para que o Agente Fiduciário e a Companhia celebrem o aditamento à Escritura de Emissão e aos demais documentos da operação que forem necessários para refletir as eventuais alterações; e (c) Outros assuntos que sejam estritamente relacionados às matérias previstas nos itens anteriores. Instruções Gerais: Os Debenturistas deverão se apresentar antes do horário indicado para início da Assembleia Geral de Debenturistas, com os seguintes documentos: (i) documento de identidade e extrato da respectiva conta das Debêntures aberta em nome de cada Debenturista e emitido pela instituição depositária; ou (ii) caso o Debenturista não possa estar presente à Assembleia Geral de Debenturistas, procuração com poderes específicos para sua representação na assembleia, obedecidas as condições legais aplicáveis. Com o objetivo de dar celeridade ao processo e facilitar os trabalhos da Assembleia Geral de Debenturistas, o instrumento de mandato pode, a critério do Debenturista, ser depositado na Companhia, preferencialmente, até 2 (dois) dias úteis antes da data prevista para a realização da Assembleia Geral de Debenturistas. Sem prejuízo e, em benefício do tempo, os Debenturistas deverão encaminhar os documentos comprobatórios de sua representação para o e-mail: [email protected] São Paulo, 24 de agosto de 2019. Concessionária Rodovias do Tietê S.A. Nuno Filipe Nogueira Alves Coelho – Diretor de Relações com Investidores

(24, 27 e 28/08/2019 a. Classificação contábil e valores justos: A tabela a seguir apresenta os valores contábeis e os valores justos dos ativos e passivos financeiros, incluindo os seus níveis na hierarquia do valor justo. Não inclui informações sobre o valor justo dos ativos e passivos financeiros não mensurados ao valor justo, se o valor contábil é uma aproximação razoável do valor justo.

Controladora Consolidado Mensuração valor justo Critério e avaliação

2018 2017 2018 2017

Ativos financeiros 329.512 285.484 339.584 287.185

Caixa e equivalentes de caixa 351 841 353 844 N/A Custo amortizado

Aplicações financeiras 41.439 42.713 49.270 44.228 Nível 2 Valor justo por meio do resultado

Consumidores, concessionárias e permissionárias 125.155 241.930 127.394 242.113 N/A Custo amortizado

Instrumentos financeiros derivativos 162.567 – 162.567 – Nível 3 Valor justo por meio do resultado

Passivos financeiros 233.579 171.163 233.579 171.163

Fornecedores 117.400 171.163 117.400 171.163 N/A Custo amortizado

Instrumentos financeiros derivativos 116.179 – 116.179 – Nível 3 Valor justo por meio do resultado

Os seguintes métodos e premissas foram adotados na determinação do va categoria dos Instrumentos financeiros no exercício. Hierarquia de valor lor justo: Aplicações financeiras - São definidos como ativos mensurados justo: Os diferentes níveis foram definidos como a seguir: Nível 1: preços ao valor justo através do resultado, sendo o valor justo idêntico ao valor con- cotados (não ajustados) em mercados ativos para ativos e passivos e idêntábil em virtude do curto prazo de vencimento dessas operações; Instru- ticos; Nível 2: inputs, exceto preços cotados, incluídas no Nível 1 que são mentos financeiros - São definidos como ativos e passivos financeiros, ao observáveis para o ativo ou passivo, diretamente (preços) ou indiretamente valor justo através do resultado, sendo o valor justo das operações de com- (derivado de preços); Nível 3: premissas, para o ativo ou passivo, que não pra e venda de energia para entrega e liquidação futura estimada nas cota- são baseadas em dados observáveis de mercado (inputs não observáveis). ções de preços publicadas em mercados ativos, na medida em que tais da- Análise de sensibilidade das aplicações financeiras - consolidada: dos observáveis de mercado existam e, em parte, pelo uso de técnicas de A data- base utilizada da carteira foi 31/12/2018 projetando para um ano e avaliação, que consideram: (i) preços estabelecidos nas operações de com- verificando a sensibilidade do CDI com cada cenário, calculada a receita pra e venda; (ii) margem de risco no fornecimento; e (iii) preço de mercado financeira bruta não levando em consideração incidência de impostos sobre projetado no período de disponibilidade. Não houve reclassificação de os rendimentos das aplicações.

Projeção Receitas Financeiras - Um Ano

Posição em Cenário Risco de redução Risco de aumento

Aplicações financeiras - Consolidado Indexador 31/12/2018 Provável Cenário I (-50%) Cenário II (-25%) Cenário III (+25%) Cenário IV (+50%)

CDI 6,52% 3,26% 4,89% 8,15% 9,78%

Aplicações financeiras CDI 49.270 3.212 1.606 2.409 4.016 4.819 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações contábeis Aos Quotistas e Administradores da Capitale Energia Comercializadora Ltda. - São Paulo - SP. Opinião: Examinamos as demonstrações contábeis individuais e consolidadas da Capitale Energia Comercializadora Ltda. (Empresa), identificadas como controladora e consolidado, respectivamente, que compreendem o balanço patrimonial em 31/12/2018 e as respectivas demonstrações do resultado, do resultado abrangente, das mutações do patrimônio líquido e dos fluxos de caixa para o exercício findo nessa data, bem como as correspondentes notas explicativas, compreendendo as políticas contábeis significativas e outras informações elucidativas. Em nossa opinião, as demonstrações contábeis acima referidas apresentam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira, individual e consolidada, da Capitale Energia Comercializadora Ltda. em 31/12/2018, o desempenho individual e consolidado de suas operações e os seus respectivos fluxos de caixa individuais e consolidados para o exercício findo nessa data, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil. Base para opinião: Nossa auditoria foi conduzida de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria. Nossas responsabilidades, em conformidade com tais normas, estão descritas na seção a seguir intitulada “Responsabilidades do auditor pela auditoria das demonstrações contábeis individuais e consolidadas”. Somos independentes em relação à Empresa e suas controladas, de acordo com os princípios éticos relevantes previstos no Código de Ética Profissional do Contador e nas normas profissionais emitidas pelo Conselho Federal de Contabilidade, e cumprimos com as demais responsabilidades éticas de acordo com essas normas. Acreditamos que a evidência de auditoria obtida é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opinião. Responsabilidades da administração pelas demonstrações contábeis individuais e consolidadas: A administração é responsável pela elaboração e adequada apresentação das demonstrações

Indiana Seguros S/A

“Subsidiária Integral”

CNPJ/MF nº 61.100.145/0001-59 - NIRE nº 35300014839 Ata da Assembleia Geral Extraordinária Realizada em 28

de Maio de 2019 - Rerratificadora da Assembleia Geral

Ordinária e Extraordinária Datada de 29 de Março de 2019

Dia, Hora e Local: Aos 28 (vinte e oito) dias de maio de 2019, às 10:00 horas, na sede social da Companhia, localizada na Rua Doutor Geraldo Campos Moreira, nº 110 - Parte E - Brooklin Novo - São Paulo - SP - CEP 04571-020. Quorum: Presente o acionista representando 100% do capital social, conforme assinatura constante do Livro de Presença de acionistas. Convocação: Verificou-se, em 1ª convocação, a presença do acionista representando a totalidade do capital social, o que foi constatado pelas assinaturas no livro de “Presença de Acionistas”, tornando-se dispensável a convocação de editais conforme, autoriza o § 4º do artigo 124 da Lei nº 6.404/76. Mesa: Presidente: Carlos Adrian Magnarelli; Secretário: Paulo Tadeu Umeki. Ordem do Dia: 1) Retificar o preâmbulo da Ata da Assembleia Geral Ordinária e Extraordinária de 29 de março de 2019 (“AGOE de 29.03.2019”); e 2) Ratificar todas as deliberações da AGO de 29.03.2019. Deliberações: Por unanimidade dos acionistas, e com a abstenção dos impedidos legalmente, sem dissidências, protestos e declarações de votos vencidos, deliberaram: 1) Retificar o preâmbulo da Ata da Assembleia Geral Ordinária e Extraordinária de 29 de março de 2019, que por um lapso constou na deliberação a matéria “Extraordinária”, quando deveria considerar apenas a matéria “Ordinária”, devendo constar “Ata da Assembleia Geral Ordinária Realizada em 29 de Março de 2019”. 2) Ratificar todas as deliberações aprovadas pelo acionista na Assembleia Geral Ordinária de 29 de março de 2019. Administradores: Presentes os administradores da Companhia, consoante o disposto no artigo 134, § 1º da Lei 6.404/76. Auditores Independentes: Foi dispensada a presença dos Auditores Independentes. Conselho Fiscal: O Conselho Fiscal da Companhia não foi ouvido por não se encontrar instalado no período. Documentos Arquivados: Foram arquivados na sede da sociedade, devidamente autenticados pela Mesa, os documentos submetidos à apreciação da Assembleia, referidos nesta ata. Encerramento: Nada mais havendo a tratar, a sessão foi suspensa pelo tempo necessário para a lavratura desta ata, que lida e aprovada é assinada por todos os presentes. Assinaturas: Presidente da Mesa: Carlos Adrian Magnarelli; Secretário da Mesa: Paulo Tadeu Umeki; e Acionista: Liberty International Brasil Ltda., representada neste ato pelo seu administrador Sr. Mario Luiz de Mattos. Declaração: Declaramos, para os devidos fins, que a presente é cópia fiel da ata original lavrada no livro próprio e que são autênticas, no mesmo livro, as assinaturas nele apostas. São Paulo (SP), 28 de maio de 2019. Carlos Adrian Magnarelli - Presidente da Mesa; Paulo Tadeu Umeki - Secretário da Mesa. JUCESP nº 423.256/19-1 em 06/08/2019. Gisela Simiema Ceschin - Secretária Geral.

contábeis individuais e consolidadas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, e pelos controles internos que ela determinou como necessários para permitir a elaboração de demonstrações contábeis livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou erro. Na elaboração das demonstrações contábeis individuais e consolidadas, a administração é responsável pela avaliação da capacidade de a Empresa continuar operando, divulgando, quando aplicável, os assuntos relacionados com a sua continuidade operacional e o uso dessa base contábil na elaboração das demonstrações contábeis, a não ser que a administração pretenda liquidar a Empresa e suas controladas ou cessar suas operações, ou não tenha nenhuma alternativa realista para evitar o encerramento das operações. Responsabilidades do auditor pela auditoria das demonstrações contábeis individuais e consolidadas: Nossos objetivos são obter segurança razoável de que as demonstrações contábeis individuais e consolidadas, tomadas em conjunto, estão livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou erro, e emitir relatório de auditoria contendo nossa opinião. Segurança razoável é um alto nível de segurança, mas não uma garantia de que a auditoria realizada de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria sempre detectam as eventuais distorções relevantes existentes. As distorções podem ser decorrentes de fraude ou erro e são consideradas relevantes quando, individualmente ou em conjunto, possam influenciar, dentro de uma perspectiva razoável, as decisões econômicas dos usuários tomadas com base nas referidas demonstrações contábeis. Como parte da auditoria realizada de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria, exercemos julgamento profissional e mantemos ceticismo profissional ao longo da auditoria. Além disso: • Identificamos e avaliamos os riscos de distorção relevante nas demonstrações contábeis individuais e consolidadas, independentemente se causada por fraude ou erro, planejamos e executamos procedimentos de auditoria

Liberty Seguros S/A

“Subsidiária Integral”

CNPJ/MF nº 61.550.141/0001-72 - NIRE 353.000.196-87 Ata da Assembleia Geral Extraordinária Realizada em

28 de Maio de 2019 - Rerratificadora da Assembleia Geral

Ordinária e Extraordinária Datada de 29 de Março de 2019

Dia, Hora e Local: Aos 28 (vinte e oito) dias de maio de 2019, às 09:00 horas, na sede social da Companhia, localizada na Rua Dr. Geraldo Campos Moreira, nº 110, Brooklin Novo, CEP 04.571-020, na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo. Quorum: Presente o acionista representando 100% do capital social, conforme assinatura constante do Livro de Presença de acionistas. Convocação: Verificou-se, em 1ª convocação, a presença do acionista representando a totalidade do capital social, o que foi constatado pelas assinaturas no livro de “Presença de Acionistas”, tornando-se dispensável a convocação de editais conforme, autoriza o § 4º do artigo 124 da Lei nº 6.404/76. Mesa: Presidente: Carlos Adrian Magnarelli; Secretário: Paulo Tadeu Umeki. Ordem do Dia: 1) Retificar o preâmbulo da Ata da Assembleia Geral Ordinária e Extraordinária de 29 de março de 2019 (“AGOE de 29.03.2019”); e 2) Ratificar todas as deliberações da AGO de 29.03.2019. Deliberações: Por unanimidade dos acionistas, e com a abstenção dos impedidos legalmente, sem dissidências, protestos e declarações de votos vencidos, deliberaram: 1) Retificar o preâmbulo da Ata da Assembleia Geral Ordinária e Extraordinária de 29 de março de 2019, que por um lapso constou na deliberação a matéria “Extraordinária”, quando deveria considerar apenas a matéria “Ordinária”, devendo constar “Ata da Assembleia Geral Ordinária Realizada em 29 de Março de 2019”. 2) Ratificar todas as deliberações aprovadas pelo acionista na Assembleia Geral Ordinária de 29 de março de 2019. Administradores: Presentes os administradores da Companhia, consoante o disposto no artigo 134, § 1º da Lei 6.404/76. Auditores Independentes: Foi dispensada a presença dos Auditores Independentes. Conselho Fiscal: O Conselho Fiscal da Companhia não foi ouvido por não se encontrar instalado no período. Documentos Arquivados: Foram arquivados na sede da sociedade, devidamente autenticados pela Mesa, os documentos submetidos à apreciação da Assembleia, referidos nesta ata. Encerramento: Nada mais havendo a tratar, a sessão foi suspensa pelo tempo necessário para a lavratura desta ata, que lida e aprovada é assinada por todos os presentes. Assinaturas: Presidente da Mesa: Carlos Adrian Magnarelli; Secretário da Mesa: Paulo Tadeu Umeki; e Acionista: Liberty International Brasil Ltda., representada neste ato pelo seu administrador Sr. Mario Luiz de Mattos. Declaração: Declaramos, para os devidos fins, que a presente é cópia fiel da ata original lavrada no livro próprio e que são autênticas, no mesmo livro, as assinaturas nele apostas. São Paulo (SP), 28 de maio de 2019. Carlos Adrian Magnarelli - Presidente da Mesa; Paulo Tadeu Umeki -Secretário da Mesa. JUCESP nº 423.260/19-4 em 06/08/2019. Gisela Simiema Ceschin - Secretária Geral.