Página 2 do Assembléia Legislativa do Estado de Minas Gerais (AL-MG) de 6 de Setembro de 2019

Vítor Xavier – Leandro Genaro – Leninha – Léo Portela – Leonídio Bouças – Luiz Humberto Carneiro – Marília Campos – Mário Henrique Caixa – Marquinho Lemos – Neilando Pimenta – Osvaldo Lopes – Professor Irineu – Professor Wendel Mesquita – Raul Belém – Repórter Rafael Martins – Roberto Andrade – Rosângela Reis – Sargento Rodrigues – Sávio Souza Cruz – Thiago Cota – Tito Torres – Ulysses Gomes – Virgílio Guimarães – Zé Guilherme.

Abertura

O presidente (deputado Antonio Carlos Arantes) – Às 14h1min, a lista de comparecimento registra a existência de número regimental. Declaro aberta a reunião. Sob a proteção de Deus e em nome do povo mineiro, iniciamos os nossos trabalhos. Com a palavra, o 2º-secretário, para proceder à leitura da ata da reunião anterior.

1ª Parte

1ª Fase (Expediente)

Ata

– O deputado Betinho Pinto Coelho, 2º-secretário ad hoc, procede à leitura da ata da reunião anterior.

O presidente – Em discussão, a ata. Com a palavra, para discutir, o deputado Alencar da Silveira Jr.

O deputado Alencar da Silveira Jr. – Presidente, na última reunião, eu fazia uma indagação sobre a ata, e V. Exa. não considerou ou não tinha questão de ordem para ser levantada. Porém, acho que na ata deveria ter sido colocado esse assunto em pauta, quando a gente falou, por exemplo, o que fez o governador com os funcionários desta Casa chamando-os de retardatários. Mas hoje, Sr. Presidente… Foi retardatário? Pois, é. Mas foi o quê? (– Risos) Agora, o que me deixa mais assustado é que o meu telefone não para, Sr. Presidente, quando a gente coloca isso aqui. E aí fica um alerta para o governo. Em janeiro, o governador Zema chamou os fornecedores do Estado de Minas Gerais e falou o seguinte: “Nós pegamos uma dívida muito grande do passado, dívida do Pimentel, mas eu gostaria de pedir a vocês, fornecedores...” E aí temos vários documentos, Sr. Presidente. Fornecedores esses que, com os secretários, o governador lhes garantia: “Vamos negociar o passado e, a partir de hoje, vai ser colocado tudo em dia”. Os fornecedores, já com o problema do último ano, da última legislatura, do último governador, acreditaram no governo e começaram a fornecer isso e aquilo para o Estado, com o compromisso de o governador colocar em dia, ou melhor, pagar em dia e negociar o passado. Resultado, Sr. Presidente: esses fornecedores hoje – e não é só um, são vários – estão sem receber. O governo do Estado de Minas Gerais está sacrificando os empresários e aqueles que acreditaram na palavra dele. Há três meses, quatro meses, nem o pagamento… Para o senhor ter ideia, há pagamento – inclusive, tenho esse dado em meu telefone e vou mostrar aqui, no Plenário; só não quero mostrar o nome da empresa – em que a dívida da empresa é de R$450.000,00. O fornecedor recebeu ontem a coordenadora que lhe propôs o seguinte: “Vamos fazer o pagamento de R$8.000,00. Ora, dívida de R$400.000,00, mas vai pagar R$8.000,00; de R$300.000,00 vai pagar R$5.000,00! Está quebrando os fornecedores. Tenho certeza de que, se for à loja do governador Zema e falar assim: “Atrasou a primeira, segunda ou terceira prestação”, o nome estará no SPC, o nome estará no pau. Infelizmente o Estado de Minas Gerais está começando errado, Sr. Presidente. E quando a gente fala isso aqui, é para alertar! Porque, se começa errado, acaba errado. Se negocia uma coisa ou se fala, tem que ter credibilidade! Como já disse aqui, o meu pai falava o seguinte: “Ninguém é obrigado a tratar nada, mas a cumprir o que disse, é”. Falo isso para os meus filhos. É um absurdo o que está acontecendo, Sr. Presidente. Tenho certeza de que esta Casa e a Comissão de Fiscalização Financeira e Orçamentária têm que começar a chamar... Não pode mais acontecer... Porque, da mesma forma que trata uma coisa com a Casa e não cumpre, está tratando com os fornecedores e não está cumprindo – e não é um; são vários. Estou passando para os deputados e para o líder do governo aqui agora essa relação, porque o que é passado é passado. Mas o que foi tratado pelo governo atual tinha de ser cumprido. Para finalizar, Sr. Presidente, eu acompanhava agora o secretário de Governo no programa do Eduardo Costa, na Rádio Itatiaia. Ele falava o seguinte: “Vou fazer um levantamento sobre as ferrovias em Minas Gerais. O governo Zema vai resolver o problema das ferrovias. Nós já temos lá no BNDES